A suíte melancólica de Joan Brossa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Best Seller (2003)
>>> Só o Amor Constrói de Jose Severino Pessoa pela Edicon (2013)
>>> Seminário Sobre Racismo - Kampala / Uganda 29 Marzo - 8 Abril de Cosec pela Cosec / Cie (1961)
>>> Aborto e Contracepção - Atualidade e Complexidade da Questão de Celso Cezar Papaleo pela Renovar (2000)
>>> A Fascinação pelo Pior de Florian Zeller pela Rocco (2008)
>>> São Paulo Em 1836 - Ensaio Dum Quadro Estatistico da Província de Sp de Marechal D. P. Müller pela Reedição Litteral (1923)
>>> Amor de Natal de Leo Buscaglia pela Record (1987)
>>> Algumas Questões Polemicas do Novo Codigo Civil Brasileiro-2ª. de Marcos Antonio Benasse pela Bookseller (2004)
>>> Território V de Zizzy Ysatis (org.) / Giulia Moon / Cid Ferreira pela Terracota (2009)
>>> A Batalha do Apocalipse de Eduardo Spohr pela Verus (2010)
>>> O segredo de Rhonda Byrne pela Sextante (2015)
>>> Wanderweg de Jack Alain Leger pela Best Seller (1988)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks; Fabiano Morais pela Arqueiro (2012)
>>> Tim de Colleen Mccullough pela Círculo do Livro (1974)
>>> Estrategia - uma Visao Executiva de Cornelis de Kluyver; John Pearce Ii pela Prentice Hall Brasil (2010)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> A Ponte dos Judeus de Martí Gironell pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Compêndio de Biologia, Química e Física de Olentina de Souza Lima e Outros pela Iracema
>>> Os Mistérios das Múmias de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Sistemas de Comunicação Popular de Joseph M. Luyten pela Ática (1988)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 52 - 1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2009)
>>> A Death in Brazil - a Book of Omissions de Peter Robb pela Henry Holt
>>> Estórias ao Entardecer de William Netto Candido pela O Autor
>>> Prisioneiro do Caos de Vicente de Paulo Silva pela Via Sette (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 24/5/2022
A suíte melancólica de Joan Brossa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1400 Acessos


(A presente resenha, foi escrita a quatro mãos, por Mário Alex Rosa e Jardel Dias Cavalcanti.)

Quando se fala em Joan Brossa no Brasil, a primeira imagem que talvez venha à nossa mente é que foi um poeta criador de diversos objetos, de muitos poemas-objeto. Mas Brossa foi também um grande criador de belos e instigantes poemas visuais, inclusive de proporções esculturais, como se pode encontrar nas ruas e parques de Barcelona ― cidade onde nasceu em 1919 e veio a falecer em 1998, poucas semanas antes de completar oitenta anos.

A bem dizer, Brossa transitou em diversas áreas, tais como a poesia, o teatro, a música, as artes visuais, a performance. Não havia fronteiras para ele entre as artes, pois tudo poderia ser contaminado de uma para outra. No entanto, é essencial lembrarmos que para o poeta de origem catalã a palavra em si era o centro de tudo, inclusive as letras, o alfabeto. Um A, por exemplo, ganhou ares de uma vela de um barco, para ficar em um exemplo apenas.

Essas referências pontuais ajudam a situar um pouco a produção de Joan Brossa, autor que transitou desde a tradição mais fechada do verso metrificado (soneto) ao verso livre. A propósito disso, acaba de sair mais um livro do poeta no Brasil: Suíte transe ou a contagem regressiva (2021), pela Lumme Editor, com tradução de Ronald Polito, que provavelmente é hoje o tradutor que mais vem divulgando a obra de Brossa entre nós. Em 1998 saiu Poemas civis, em parceria com Sérgio Alcides; depois vieram 99 poemas (2009), Sumário astral (2003) e Escutem esse silêncio (2011).


No posfácio da nova tradução, Ronald Polito anota que “são dez poemas e que constituem um ciclo perpétuo de aprendizagem, que a natureza circular dos textos vem indicada pela forma de sua numeração e, em parte, pelo sentido da sequência de poemas. Vejamos: as seções do livro são em ordem decrescente, de 10 a 1, em arábica; já os poemas, eles são numerados em ordem crescente e em romano: de I a X”.

Há, portanto, uma dança (suíte), um transe ― ou seja: uma suposta alteração de consciência e que se completa numa contagem regressiva, mas também numa progressão. Para além dessa numeração crescente e decrescente (ou vice versa), o que se pode notar nesse poema-livro é o tema da passagem da vida, daí talvez se possa ver essa numeração como um ciclo que está por se encerrar.


O poema de abertura do livro já anuncia que existe uma tristeza, embora não se saiba o motivo dela. E, para aboli-la, o poeta procura por uma pedra que seja de cor verde-claro, “porque dizem que cura a tristeza”. O abatimento aparece no segundo poema, como o absurdo em resolvê-lo aparece no poema seguinte e, de certa forma, em todos os poemas.

A construção nonsense das imagens "dadaísta-surrealistas" (já que a união de imagens e objetos ― ready-mades em desacordo ― é constante na obra de Brossa) e sua reverberação no absurdo de suas tentativas de solucionar a existência vão se alinhavando de forma inusitada.

Veja-se, por exemplo, os versos seguintes: “na mesa vocês podem plantar flores/ e nas pernas dos barcos/ nos cabe cravar ferraduras/ porque os peixes são no mar o que os ratos na casa”.

Esse breve e precioso livro composto por dez poemas, mas que pode ser lido como se fosse um único poema dividido em dez partes, e cada uma das partes forma um todo, como um ciclo da vida que parece se completar.

Para isso, Brossa toma como princípio o próprio movimento da natureza, porém ela continuará existindo sem o homem, como anota neste verso que soa como despedida trágica, anunciando o sem sentido de sempre da existência do homem neste planeta. Depois da derrocada final, “...o universo continuará existindo/ sem o homem”.

Os poemas falam, em geral, de uma caminhada in regress. Mas, poeta que é, move “os sentidos de acordo com as palavras”. Palavras objetos, constructos, os poemas revelam angústia e revelam ― do ordinário ao extraordinário ― a complicada e exasperante existência, onde nada está nos conformes, como as imagens por ele criadas.

Há uma abertura para “um pessimismo contido”, mas também para uma esperança contida, como se pode ver numa das passagens do poema de número IX: “E, se tudo começa por acabar,/ tudo acaba por começar de novo”.

O oitavo poema fala do número 8, que deitado ganha a forma do símbolo do infinito. O infinito, também, no vaivém de sua configuração, é o eterno retorno da vida, sua contagem regressiva, do fim ao início, quando tudo era Nada.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/5/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como se enfim flutuasse de Elisa Andrade Buzzo
04. Tiroteio, racismo e demagogia em sala de aula de Marcelo Spalding
05. Crônicas do ordinário de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
03. Sobre a literatura de Evando Nascimento - 8/3/2022
04. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto - 8/2/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu Chovo, Tu Chove Ele Chove
Sylvia Orthof
Objetiva
(2003)



A Grande Esperança
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(2012)



Ética - Fundamentos Sócio-históricos Volume 4
Maria Lucia S. Barroco
Cortez
(2008)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



As Brumas de Avalon - 4 Volumes
Marion Zimmer Bradley
Imago
(2008)



A Cura de Schopenhauer
Irvin D. Yalom; Beatriz Horta
Harper Collins Br
(2006)



Emergências Cirúrgicas Traumáticas e Não Traumáticas
José Cesar Assef
Atheneu
(2012)



Elementos de Semiologia
Roland Barthes
Cultrix
(1964)



Maria Madalena - a Testemunha da Paixão
José Carlos Leal
Ld
(2009)



A Relíquia
Eça de Queirós
Galex
(1997)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês