A suíte melancólica de Joan Brossa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Fogo no Parquinho: Namoro à luz da palavra de Deus de Yago Martins pela Mundo Cristão (2022)
>>> Filho Nativo - Ano 1966 de Richard Wright (1908-1960) pela Companhia Nacional (1966)
>>> Os Jovens Titãs nº 3 - Robin vs Asa Noturna de Fábio Figueiredo pela Abril (2012)
>>> Aman: A história de uma menina da Somália de Virginia Lee Barnes; Janice Body( colheram relato) pela Círculo do Livro (1994)
>>> Dicionário Jurídico Tributário de Eduardo Marcial Ferreira Jardim pela Dialética (2005)
>>> Pão Nosso de Chico Xavier pela Feb (2019)
>>> O caso do hotel Bertram / o misterioso caso de styles de Agatha Christie pela Best Bolso (2010)
>>> Teoria da personalidade na sociedade de massa - A contribuição de Gramsci de Dario Ragazzini pela Autores Associados (2005)
>>> Ética de Spinoza pela Autêntica (2009)
>>> A origem da desigualdade entre os homens de Jean-Jacques Rousseau pela Penguin e Companhia das Letras (2017)
>>> A dominação masculina - a condição feminina e a violência simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> História da Sexualidade - 1. A vontade de saber de Michel Foucault pela Editora Paz e Terra (2020)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-chul Han pela Editora Vozes (2015)
>>> O mito de Sísifo de Albert Camus pela Edições Bestbolso (2022)
>>> Os sete pilares da sabedoria de T E Lawrence pela Circulo do livro
>>> P.S.: Ainda Amo Você de Jenny Han pela Intrínseca (2016)
>>> Escandalo na sociedade de Harold Robbins pela Circulo do livro
>>> O vale do medo de Arthur Conan Doyle pela Ediouro (2006)
>>> O veu pintado de Somerset Maugham pela Circulo do livro
>>> Se houver amanhã / Nada dura para sempre vira-vira de Sidney Sheldon pela Best Bolso (2010)
>>> Doze anos de escravidão de Solomon Northup pela Penguin Books (2014)
>>> Livro dos sonhos de Jorge Luis Borges pela Circulo do livro
>>> Enterrem meu coração na curva do rio de DeeBrown pela Circulo do livro
>>> Confie em mim de Harlan Coben pela Sextante (2009)
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 24/5/2022
A suíte melancólica de Joan Brossa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3200 Acessos


(A presente resenha, foi escrita a quatro mãos, por Mário Alex Rosa e Jardel Dias Cavalcanti.)

Quando se fala em Joan Brossa no Brasil, a primeira imagem que talvez venha à nossa mente é que foi um poeta criador de diversos objetos, de muitos poemas-objeto. Mas Brossa foi também um grande criador de belos e instigantes poemas visuais, inclusive de proporções esculturais, como se pode encontrar nas ruas e parques de Barcelona ― cidade onde nasceu em 1919 e veio a falecer em 1998, poucas semanas antes de completar oitenta anos.

A bem dizer, Brossa transitou em diversas áreas, tais como a poesia, o teatro, a música, as artes visuais, a performance. Não havia fronteiras para ele entre as artes, pois tudo poderia ser contaminado de uma para outra. No entanto, é essencial lembrarmos que para o poeta de origem catalã a palavra em si era o centro de tudo, inclusive as letras, o alfabeto. Um A, por exemplo, ganhou ares de uma vela de um barco, para ficar em um exemplo apenas.

Essas referências pontuais ajudam a situar um pouco a produção de Joan Brossa, autor que transitou desde a tradição mais fechada do verso metrificado (soneto) ao verso livre. A propósito disso, acaba de sair mais um livro do poeta no Brasil: Suíte transe ou a contagem regressiva (2021), pela Lumme Editor, com tradução de Ronald Polito, que provavelmente é hoje o tradutor que mais vem divulgando a obra de Brossa entre nós. Em 1998 saiu Poemas civis, em parceria com Sérgio Alcides; depois vieram 99 poemas (2009), Sumário astral (2003) e Escutem esse silêncio (2011).


No posfácio da nova tradução, Ronald Polito anota que “são dez poemas e que constituem um ciclo perpétuo de aprendizagem, que a natureza circular dos textos vem indicada pela forma de sua numeração e, em parte, pelo sentido da sequência de poemas. Vejamos: as seções do livro são em ordem decrescente, de 10 a 1, em arábica; já os poemas, eles são numerados em ordem crescente e em romano: de I a X”.

Há, portanto, uma dança (suíte), um transe ― ou seja: uma suposta alteração de consciência e que se completa numa contagem regressiva, mas também numa progressão. Para além dessa numeração crescente e decrescente (ou vice versa), o que se pode notar nesse poema-livro é o tema da passagem da vida, daí talvez se possa ver essa numeração como um ciclo que está por se encerrar.


O poema de abertura do livro já anuncia que existe uma tristeza, embora não se saiba o motivo dela. E, para aboli-la, o poeta procura por uma pedra que seja de cor verde-claro, “porque dizem que cura a tristeza”. O abatimento aparece no segundo poema, como o absurdo em resolvê-lo aparece no poema seguinte e, de certa forma, em todos os poemas.

A construção nonsense das imagens "dadaísta-surrealistas" (já que a união de imagens e objetos ― ready-mades em desacordo ― é constante na obra de Brossa) e sua reverberação no absurdo de suas tentativas de solucionar a existência vão se alinhavando de forma inusitada.

Veja-se, por exemplo, os versos seguintes: “na mesa vocês podem plantar flores/ e nas pernas dos barcos/ nos cabe cravar ferraduras/ porque os peixes são no mar o que os ratos na casa”.

Esse breve e precioso livro composto por dez poemas, mas que pode ser lido como se fosse um único poema dividido em dez partes, e cada uma das partes forma um todo, como um ciclo da vida que parece se completar.

Para isso, Brossa toma como princípio o próprio movimento da natureza, porém ela continuará existindo sem o homem, como anota neste verso que soa como despedida trágica, anunciando o sem sentido de sempre da existência do homem neste planeta. Depois da derrocada final, “...o universo continuará existindo/ sem o homem”.

Os poemas falam, em geral, de uma caminhada in regress. Mas, poeta que é, move “os sentidos de acordo com as palavras”. Palavras objetos, constructos, os poemas revelam angústia e revelam ― do ordinário ao extraordinário ― a complicada e exasperante existência, onde nada está nos conformes, como as imagens por ele criadas.

Há uma abertura para “um pessimismo contido”, mas também para uma esperança contida, como se pode ver numa das passagens do poema de número IX: “E, se tudo começa por acabar,/ tudo acaba por começar de novo”.

O oitavo poema fala do número 8, que deitado ganha a forma do símbolo do infinito. O infinito, também, no vaivém de sua configuração, é o eterno retorno da vida, sua contagem regressiva, do fim ao início, quando tudo era Nada.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/5/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara de Elisa Andrade Buzzo
02. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
03. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul de Elisa Andrade Buzzo
04. O mundo aos olhos de um pescador de Alessandro Garcia


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022
05. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann - 9/8/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Canga
W J Solha
Moderna
(1979)



O Rio Através dos Séculos
Nelson Costa
O Cruzeiro
(1965)



25 minutos - A vida de Chiara Luce Badano
Franz Coriasco
cidade nova
(2013)



O segredo da saúde total corpo, mente e alma
Stormie Omartian
mundo cristão
(2008)



Ciclo da Lua
Cesar Magalhães Borges
Pleiade
(2011)



Microdicionario de Matemática
Imenes & Lellis
Scipione
(2001)



A Vida na Sarjeta
Theodore Dalrymple
Realizações
(2014)



Tom Jones
Henri Fielding
Abril
(1971)



O Menino Perdido (1984)
Herberto Sales
Nacional
(1984)



O Homem do Caderno
Wilson Frungilo Júnior
Ide
(2010)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês