Gramática da reprodução sexual: uma crônica | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
Mais Recentes
>>> Nação e Trono - Páginas de História de Antonio Lobo Vilela pela Movimento (1964)
>>> Erros e Dúvidas de Linguagem de Vittorio Bergo pela Lar Católico (1959)
>>> Gabriels Ghost de Linnea Sinclair pela Bantam (2005)
>>> Reforma Agrária - Volume 13 - Nº 1 e 2 de Jacques Chonchol e Outros pela Abra (1983)
>>> Desculpem - Me, foi por Engano...! de Carlos Henrique da Cruz Lima pela Do Autor (2016)
>>> Passos na Eternidade de Norália de Mello Castro pela Rebra (2010)
>>> Porque é Importante Sonhar de Clóvis Tavares pela Gente (1999)
>>> É Tudo tão Simples de Danuza Leão pela Harper Collins Br (2011)
>>> O Papagaio Cibernético de Eduardo Almeida Reis pela Record (1984)
>>> Vertigo N. 18 de Vários pela Panini (2011)
>>> Uma Vida pelo Seguro - a Trajetoria de Helio Opipari de Ricardo Viveiros pela Azulsol (2015)
>>> A Espada na Pedra de White pela Hamelin (2013)
>>> Chan Tao de Jou Eel Jia; Norvan Martino Leite pela Plexus (1998)
>>> Carnavalescos e Suas Criações de Arte de Maria Apparecida Urbano pela Clube do Bem Estar (2017)
>>> Dueto / Duet de Vera Mazzieri / Gemiann Augustus pela Do Autor (1982)
>>> Fuel Testing - Laboratory Methods in Fuel Technology de Godfrey W. Himus pela Leonard Hill (1954)
>>> Código Zero Magazine - Ano 1 - Nº 5 de William H. Fear pela Ediex
>>> Juca Mulato de Menotti del Picchia pela Martins (1972)
>>> Imaginário de Labi pela N/d
>>> Simplesmente Helena de Carolina Kotscho pela Planeta (2007)
>>> Viabilidade Econômico - Financeira de Projetos de Outros; Ricardo Bordeaux Rêgo pela Fgv (2007)
>>> Os Fabulosos X-men - Revista Mensal - Numero 45 de Varios pela Abril (1999)
>>> Sociologia para o Ensino Médio - Terceira Parte de Nelson Dácio Tomaz pela Saraiva (2014)
>>> Perguntar Ofende ! Perguntas Cretinas Que Jornalistas Não Podem Fazer de José Nello Marques pela Disal (2003)
>>> Bad Blood de L. A. Banks pela St. Martins (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2022
Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1600 Acessos


Depois do ato sexual realizado, ainda deitado na cama ao lado de minha parceira, coloquei-me a observar as formas do seu corpo. Num conjunto de toques carinhosos minha mão percorreu suas curvas, que iam da coxa ao quadril, da cintura aos seios e costas, além de apreciar ainda o rosto, os cabelos, os braços e a textura delicada da pele. Esses carinhos, agora, não eram de natureza sexual, mas da natureza da apreciação estética.

A observação da beleza do corpo feminino me interessava naquele momento também como especulação filosófica. A questão que me coloquei era: por que que Deus – Deus não, pois não acredito em Deus, sou ateu –, por que a Natureza criou um ser tão belo, com uma diversidade de formas sensuais que vão dos delicados pés à beleza de todas as suas curvas e dos olhos, da face, dos cabelos?

Com certeza, a base de tudo isso, eu pensava, estava no interesse da natureza em fazer com que a mulher se torne irresistível ao macho de sua espécie, buscando manter perene a própria espécie humana através do ato sexual que possibilitaria a reprodução.

O fato de as próprias mulheres se admirarem (e se invejarem) umas às outras, por sua beleza, prova que há algo de mágico – ou, insisto, de natural, de INSTINTO de reprodução – na constituição das formas femininas. O que está em jogo é atrair, despertar desejo, sendo o desejo apenas a forma que a natureza encontrou para que a espécie humana se perpetue.

O presente que a natureza deu aos homens como prêmio pela reprodução – e que depois se tornaria seu maravilhoso vício – é o prazer que os seres humanos têm durante o orgasmo.

Para isso, no corpo feminino a natureza desenhou o clitóris (zona erógena de maior sensibilidade da mulher), que durante a penetração é roçado pelo homem, desencadeando um prazer imenso que desce pela cavidade da vagina inundando a mulher de satisfação e do desejo pela penetração profunda para que a fertilização aconteça – ainda foi dado à mulher a possibilidade de orgasmos múltiplos, o que acontece em algumas relações sexuais.

Não há prazer na terra que se iguale ao da realização sexual e seu consequente orgasmo. Por isso, quando um homem busca sucesso ou a mulher, a beleza, o que eles querem é ter a possibilidade de ter o máximo de parceiros para a realização daquilo que primordialmente era apenas a natureza os presenteando pela reprodução e que, agora, tornou-se sua obsessão, o sexo.

E as mulheres, ao se enfeitarem - mais do que com o que a natureza já lhes deu de sensualidade, no andar, na delicadeza, nas formas voluptuosas -, buscam o consequente prazer que parceiros proporcionariam, mas buscam também, inconscientemente, instintivamente - e mais do que tudo - a reprodução exigida pela natureza, na forma de uma atração a ser produzida para capturar o macho.

A busca pela beleza absoluta, pelas mulheres, pelo corpo perfeito, não tem razões apenas sociológicas, mas está ligada ao instinto de preservação da espécie humana. Quanto mais belas, maior o interesse masculino pela cópula, que, inevitavelmente, assim pensa o instinto, levará à reprodução.

A disputa entre as mulheres na área da beleza se deve a esse instinto. Quem for mais bela, mais sensual, mais atraente leva a melhor na luta por manter a espécie em eterna reprodução.

O fato do capitalismo se apropriar desse instinto é visível, basta ver que não existem apresentadoras de televisão que sejam feias, a maioria dos contratos femininos nas lojas e empresas passa bela avaliação da beleza, e pela atração que o corpo feminino possa despertar nos consumidores.

Toda a mídia se apropria disso. As mulheres sabem disso e se vestem com mais ousadia ou reforçando sua beleza quando estão em busca de um emprego. Sabem o quanto isso pesa no seu currículo.

Isso não é maldade, apenas a luta instintiva pela preservação da espécie, que se perverteu em formas sociais de convívio e luta pela sobrevivência.

Me lembro de uma amiga que foi a uma entrevista de emprego e lhe dei carona até a empresa. No carro ela estava de jaqueta, tênis, e levava uma bolsa no colo. Antes de descer do carro para ir para à entrevista, retirou a jaqueta, deixando os ombros e costas totalmente à mostra, retocou a maquiagem, tirou o tênis e calçou o salto alto que trazia na bolsa.

Saiu do carro – outra mulher – encantadoramente sensual, pronta para conseguir seu emprego. E conseguiu. Tornou-se irresistível ao contratante.

Meses depois me contou que o seu chefe, um senhor de mais de 60 anos, disse que aumentaria seu salário se ela saísse com ele para jantar (apenas jantar?). Estava criada ali uma relação em que o instinto pesou mais do que outras coisas, o desejo pela sobrevivência de um e o desejo por prazer de outro, mas os dois guiados pelo instinto sexual, que não quer outra coisa que a reprodução - ali, obviamente, pervertida em interesses sociais de ambas as partes.

Existe um livro fantástico de um antropólogo chamado Desmond Morris: A mulher nua: um estudo do corpo feminino (Ed. Globo). No livro citado, os capítulos são divididos com o nome das partes do corpo da mulher: cabelos, testa, bochechas, boca, lábios, pescoço, braços, costas, barriga, pés, pelos púbicos, genitais, nádegas, pernas, pés etc.

O objetivo do livro é estudar esse corpo que comentamos acima, em suas peculiaridades físicas, sociais, antropológicas. Na moda, na arte, nas relações tribais e sociais, como é representado o corpo feminino, qual seu poder, como seu universo existencial se liga a essas partes do corpo? Nos interessa aqui apenas esse livro sobre o corpo feminino.

As análises do autor são sutis e interessantes. Veja-se, por exemplo, o que ele diz sobre os quadris: “Os amplos quadris da fêmea humana constituem um dos principais símbolos da silhueta feminina. Independentemente de a cintura ser estreita ou não, uma bacia larga emite a mensagem primitiva de que a mulher é capaz de gerar descendência. Só quando entra numa fase em que prefere a juvenilidade à fecundidade uma sociedade abandona o interesse pelos quadris largos e passa a valorizar uma aparência mais delgada e mais masculina.”

Aqui está uma percepção de dois elementos: 1) como uma parte do corpo serve a propósitos primitivos; e 2) como a cultura altera esses propósitos. O livro passeia pelas partes do corpo feminino e seus usos na história, na biologia e na cultura.

O balanço dos quadris, por exemplo, que é um movimento sensual, só é “permitido” pela natureza às mulheres. O design do corpo feminino o permite. Esse movimento ondulante dos quadris só aparece nos homens quando querem representar mulheres ou em homossexuais afetados, segundo Morris.

No caso das mulheres, serve como instrumento da natureza para ampliar o desejo masculino, quase que prenunciando os movimentos que acontecem durante a cópula quando a mulher se entrega ao prazer.

Esse encantamento pela beleza feminina é o que leva homens (e, agora, sabemos, mulheres também) à loucura, como no caso de alguém correr o risco de passar anos na prisão por causa de um estupro, que é a realização instintiva de um desejo irreprimível pelo belo, essa forma que a natureza encontrou para incentivar a preservação da espécie (já houve casos também de estupros de mulheres contra mulheres – ver no Google casos de lésbicas que o cometeram e foram denunciadas).

Quantas carreiras arruinadas por causa de uma simples (?) realização sexual, um gozo passageiro. A questão é que o animal dentro dos “seres humanos” não descansa nunca, por mais civilizada que seja a civilização, ainda em algum canto do mundo o instinto dominará alguém da espécie humana, pois ele, o instinto animal, não pode ser destruído. Reprimido sim, mas destruído não, como ensinou a psicanálise, que explica as perversões como o sadismo, o masoquismo, a violência, a sede de poder, os vícios (o vício do cigarro é a masturbação realizada por outros meios), etc., como resultado da “doença civilizatória” que é o preço que a mesma paga pelo recalque de seus instintos primitivos.

Voltando ao início dessa crônica, estava eu lá absorvido pelas formas femininas, admirando as curvas e contracurvas, os desenhos sinuosos, os abismos entre a cintura, a barriga e os seios, o torneado da coxa que dobrada ampliava os quadris de forma irresistível, tudo isso para meditar sobre o sentido da beleza na natureza. Esse encantamento que o corpo feminino produz como instrumento da natureza para incentivar, no fim das contas, a reprodução.

A Natureza é esperta, ou você pensa que o vício em café, devido à sua constituição química, não foi pensada por ela, para que multipliquemos a sua plantação, fazendo com que a espécie não desapareça?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/6/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
02. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
03. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry
04. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
05. Marcador de página inteligente de Wellington Machado


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
03. Sobre a literatura de Evando Nascimento - 8/3/2022
04. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto - 8/2/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Beira do Fogão - Sabores Tradicionais e Não Convencionais
Ipema Petrobrás
Usp
(2015)



O diário de Guantánamo
Mohamedou ould Slahi
Companhia Das Letras
(2015)



Caçando Carneiros - Ficção - Literatura
Haruki Murakami
Alfaguara
(2014)



Eu Mexi no Seu Queijo
Darrel Bristow Bovey
Bertrand Brasil



As Mais Lindas Fábulas de La Fontaine
La Fontaine
Rideel



Projeto Música Clássica Nas Escolas
Carol Murta Ribeiro
Fundação Cesgranrio
(2016)



Muito Além da Hierarquia
Pedro Mandelli
Gente
(2001)



As confissões do homen invisivel
Alexandre plosk
Bertrand Brasil
(2008)



Antígona, a Rebelde
Marie Thérèse Davidson
Seguinte
(2010)



Preparing For the Project Management Professional
Michael W. Newell Pmp Enp
Amacom
(2001)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês