Gramática da reprodução sexual: uma crônica | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
>>> Simplesmente morto de Peter James pela Novo Seculo (2012)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Kenobi Star Wars de John Jackson Miller pela Aleph (2015)
>>> Guia pratico do poquer de Trevor Sippets pela Livros Escala (2010)
>>> O Hobbit uma jornada inesperada guia ilustrado de Jude Fisher pela Martins Fontes (2012)
>>> Lobo Solitário 5 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Panini
>>> Os adoraveis de Sarra Manning pela Novo Conceito (2013)
>>> O menino do pijama listrado de John Boyne pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Assassinatos na rua Morgue e outras historias de Edgar Allan Poe pela Saraiva (2008)
>>> Vidas secas de Graciliano Ramos pela Record (2011)
>>> Os contos de Beedle o Bardo de J K Rowling pela Rocco (2008)
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 43 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 44 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 47 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 48 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 45 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 4 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 46 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 22 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Notas sobre a pandemia de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2022
Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos


Depois do ato sexual realizado, ainda deitado na cama ao lado de minha parceira, coloquei-me a observar as formas do seu corpo. Num conjunto de toques carinhosos minha mão percorreu suas curvas, que iam da coxa ao quadril, da cintura aos seios e costas, além de apreciar ainda o rosto, os cabelos, os braços e a textura delicada da pele. Esses carinhos, agora, não eram de natureza sexual, mas da natureza da apreciação estética.

A observação da beleza do corpo feminino me interessava naquele momento também como especulação filosófica. A questão que me coloquei era: por que que Deus – Deus não, pois não acredito em Deus, sou ateu –, por que a Natureza criou um ser tão belo, com uma diversidade de formas sensuais que vão dos delicados pés à beleza de todas as suas curvas e dos olhos, da face, dos cabelos?

Com certeza, a base de tudo isso, eu pensava, estava no interesse da natureza em fazer com que a mulher se torne irresistível ao macho de sua espécie, buscando manter perene a própria espécie humana através do ato sexual que possibilitaria a reprodução.

O fato de as próprias mulheres se admirarem (e se invejarem) umas às outras, por sua beleza, prova que há algo de mágico – ou, insisto, de natural, de INSTINTO de reprodução – na constituição das formas femininas. O que está em jogo é atrair, despertar desejo, sendo o desejo apenas a forma que a natureza encontrou para que a espécie humana se perpetue.

O presente que a natureza deu aos homens como prêmio pela reprodução – e que depois se tornaria seu maravilhoso vício – é o prazer que os seres humanos têm durante o orgasmo.

Para isso, no corpo feminino a natureza desenhou o clitóris (zona erógena de maior sensibilidade da mulher), que durante a penetração é roçado pelo homem, desencadeando um prazer imenso que desce pela cavidade da vagina inundando a mulher de satisfação e do desejo pela penetração profunda para que a fertilização aconteça – ainda foi dado à mulher a possibilidade de orgasmos múltiplos, o que acontece em algumas relações sexuais.

Não há prazer na terra que se iguale ao da realização sexual e seu consequente orgasmo. Por isso, quando um homem busca sucesso ou a mulher, a beleza, o que eles querem é ter a possibilidade de ter o máximo de parceiros para a realização daquilo que primordialmente era apenas a natureza os presenteando pela reprodução e que, agora, tornou-se sua obsessão, o sexo.

E as mulheres, ao se enfeitarem - mais do que com o que a natureza já lhes deu de sensualidade, no andar, na delicadeza, nas formas voluptuosas -, buscam o consequente prazer que parceiros proporcionariam, mas buscam também, inconscientemente, instintivamente - e mais do que tudo - a reprodução exigida pela natureza, na forma de uma atração a ser produzida para capturar o macho.

A busca pela beleza absoluta, pelas mulheres, pelo corpo perfeito, não tem razões apenas sociológicas, mas está ligada ao instinto de preservação da espécie humana. Quanto mais belas, maior o interesse masculino pela cópula, que, inevitavelmente, assim pensa o instinto, levará à reprodução.

A disputa entre as mulheres na área da beleza se deve a esse instinto. Quem for mais bela, mais sensual, mais atraente leva a melhor na luta por manter a espécie em eterna reprodução.

O fato do capitalismo se apropriar desse instinto é visível, basta ver que não existem apresentadoras de televisão que sejam feias, a maioria dos contratos femininos nas lojas e empresas passa bela avaliação da beleza, e pela atração que o corpo feminino possa despertar nos consumidores.

Toda a mídia se apropria disso. As mulheres sabem disso e se vestem com mais ousadia ou reforçando sua beleza quando estão em busca de um emprego. Sabem o quanto isso pesa no seu currículo.

Isso não é maldade, apenas a luta instintiva pela preservação da espécie, que se perverteu em formas sociais de convívio e luta pela sobrevivência.

Me lembro de uma amiga que foi a uma entrevista de emprego e lhe dei carona até a empresa. No carro ela estava de jaqueta, tênis, e levava uma bolsa no colo. Antes de descer do carro para ir para à entrevista, retirou a jaqueta, deixando os ombros e costas totalmente à mostra, retocou a maquiagem, tirou o tênis e calçou o salto alto que trazia na bolsa.

Saiu do carro – outra mulher – encantadoramente sensual, pronta para conseguir seu emprego. E conseguiu. Tornou-se irresistível ao contratante.

Meses depois me contou que o seu chefe, um senhor de mais de 60 anos, disse que aumentaria seu salário se ela saísse com ele para jantar (apenas jantar?). Estava criada ali uma relação em que o instinto pesou mais do que outras coisas, o desejo pela sobrevivência de um e o desejo por prazer de outro, mas os dois guiados pelo instinto sexual, que não quer outra coisa que a reprodução - ali, obviamente, pervertida em interesses sociais de ambas as partes.

Existe um livro fantástico de um antropólogo chamado Desmond Morris: A mulher nua: um estudo do corpo feminino (Ed. Globo). No livro citado, os capítulos são divididos com o nome das partes do corpo da mulher: cabelos, testa, bochechas, boca, lábios, pescoço, braços, costas, barriga, pés, pelos púbicos, genitais, nádegas, pernas, pés etc.

O objetivo do livro é estudar esse corpo que comentamos acima, em suas peculiaridades físicas, sociais, antropológicas. Na moda, na arte, nas relações tribais e sociais, como é representado o corpo feminino, qual seu poder, como seu universo existencial se liga a essas partes do corpo? Nos interessa aqui apenas esse livro sobre o corpo feminino.

As análises do autor são sutis e interessantes. Veja-se, por exemplo, o que ele diz sobre os quadris: “Os amplos quadris da fêmea humana constituem um dos principais símbolos da silhueta feminina. Independentemente de a cintura ser estreita ou não, uma bacia larga emite a mensagem primitiva de que a mulher é capaz de gerar descendência. Só quando entra numa fase em que prefere a juvenilidade à fecundidade uma sociedade abandona o interesse pelos quadris largos e passa a valorizar uma aparência mais delgada e mais masculina.”

Aqui está uma percepção de dois elementos: 1) como uma parte do corpo serve a propósitos primitivos; e 2) como a cultura altera esses propósitos. O livro passeia pelas partes do corpo feminino e seus usos na história, na biologia e na cultura.

O balanço dos quadris, por exemplo, que é um movimento sensual, só é “permitido” pela natureza às mulheres. O design do corpo feminino o permite. Esse movimento ondulante dos quadris só aparece nos homens quando querem representar mulheres ou em homossexuais afetados, segundo Morris.

No caso das mulheres, serve como instrumento da natureza para ampliar o desejo masculino, quase que prenunciando os movimentos que acontecem durante a cópula quando a mulher se entrega ao prazer.

Esse encantamento pela beleza feminina é o que leva homens (e, agora, sabemos, mulheres também) à loucura, como no caso de alguém correr o risco de passar anos na prisão por causa de um estupro, que é a realização instintiva de um desejo irreprimível pelo belo, essa forma que a natureza encontrou para incentivar a preservação da espécie (já houve casos também de estupros de mulheres contra mulheres – ver no Google casos de lésbicas que o cometeram e foram denunciadas).

Quantas carreiras arruinadas por causa de uma simples (?) realização sexual, um gozo passageiro. A questão é que o animal dentro dos “seres humanos” não descansa nunca, por mais civilizada que seja a civilização, ainda em algum canto do mundo o instinto dominará alguém da espécie humana, pois ele, o instinto animal, não pode ser destruído. Reprimido sim, mas destruído não, como ensinou a psicanálise, que explica as perversões como o sadismo, o masoquismo, a violência, a sede de poder, os vícios (o vício do cigarro é a masturbação realizada por outros meios), etc., como resultado da “doença civilizatória” que é o preço que a mesma paga pelo recalque de seus instintos primitivos.

Voltando ao início dessa crônica, estava eu lá absorvido pelas formas femininas, admirando as curvas e contracurvas, os desenhos sinuosos, os abismos entre a cintura, a barriga e os seios, o torneado da coxa que dobrada ampliava os quadris de forma irresistível, tudo isso para meditar sobre o sentido da beleza na natureza. Esse encantamento que o corpo feminino produz como instrumento da natureza para incentivar, no fim das contas, a reprodução.

A Natureza é esperta, ou você pensa que o vício em café, devido à sua constituição química, não foi pensada por ela, para que multipliquemos a sua plantação, fazendo com que a espécie não desapareça?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/6/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa
03. HQ: Estórias Gerais de Guga Schultze


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022
05. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann - 9/8/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Trotskismo na América Latina - Tudo É História
Osvaldo Coggiola
Brasiliense
(1984)



Psicologia e Percepção
R. H. Day
Jose Olympio
(1974)



Dispneia
Med Writers
Med Writers
(2012)



Andy Warhol - o Gênio do Pop
Tony Scherman e David Dalton
Globo



O Jogo da Estratégia
Craig R. Hickman
Makron Books
(1996)



Organizações Inovadoras do Setor Financeiro: Teoria e Casos de Sucesso
José Carlos Barbieri/josé Carlos Barbieri
José Carlos Barbieri
(2009)



Juju no Hospital
Priscila Castello Branco
Viva e Deixe Viver
(2017)



Madre Teresa Col. Personagens Que Mudaram o Mundo (1993)
Charlotte Gray
Globo
(1993)



Existir!
Nathalie Hense
Sm
(2014)



Soja Nutrição e Saude
Conceição Trucom
Alaúde
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês