G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 1/3/2022
G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2900 Acessos



A absoluta radicalidade e contemporaneidade do teatro de Gerald Thomas está no fato de que ele quebra a todo momento o pacto apaziguador entre artista e público. Gerald Thomas retorna ao teatro com uma mensagem dentro do coquetel molotov. “Agora é Talibã!”. No início da peça a atriz segura uma garrafa com uma mensagem dentro, o barulho de um estridente raio a impede de abrir a mensagem, segue andando e, em seguida, tropeça em outra garrafa que é um coquetel molotov. Abertura necessária para se perceber o tamanho da explosão.

G.A.L.A. é uma peça polifônica, aberta ao infinito da composição e recomposição do texto, onde o dramaturgo coloca sua personagem num barco partido e afundando. O aspecto fluvial da fala descontínua, no seu vai-e-vem repetitivo, reforça o caráter burlesco de todo discurso que se pretende verdade ou explicação. Coerência para ele é “salsinha no meu sapato”, uma imagem surreal que faz jus ao universo de Gala e Dali. Num mundo delirante, um discurso delirante se faz necessário. Raros artistas conseguem navegar nesse mar de inconstância, insegurança, vertigem.



O cenário belíssimo, ao mesmo tempo perturbador/desolador, remete ao cinema de Fellini e às imagens românticas da barca da morte (e o primeiro objeto encontrado pela atriz é uma caveira). Um mundo afundando durante uma festa de gala. No auge do capitalismo, um planeta que não suporta mais a apropriação brutal de seus elementos naturais. A imagem do barco afundando com a foto ao fundo de duas torres (gemêas) de fábricas poluentes reforça a ideia do abismo em que a mais avançada das civilizações tecnológicas se meteu.

Pelas recordações das destruições que estão subjacentes na peça, da história (campos de concentração) à arte (de Guernica de Picasso à música dodecafônica e a afônica literatura de Beckett), G.A.L.A. não se furta ao desvario de apontar o mundo quebrado das vidas humanas e da arte como metáfora de um mundo eternamente destruído.

Tempestades interrompem a fala da personagem, sustos necessários para paralisar qualquer tentativa de emitir verdades, explicações, sugestões de caminhos. Gerald Thomas sempre questionou o papel do artista como criador de plausibilidade. Ordenar e compreender o mundo como num laboratório de ciências exatas não é o caminho para a arte.



Não é de hoje que Gerald Thomas sente na pele as dores do mundo, mas não se ressente do presente em nome de um passado nostálgico. Fatalista – "é o que temos para hoje" – assume colocar na mesa a desintegração do homem na forma da desintegração da linguagem. Nisso ele é mestre.

O texto de G.A.L.A. deliberadamente escamoteia o discurso, deixando rarefeitas as falas, mas amplia as zonas de tensão com a música, o cenário e os trejeitos de Gala (a excepcional teatralidade da atriz Fabiana Gugli). Pratos sendo quebrados ressoam uma alma quebrada ou se quebrando. Sancho, personagem ausente/presente seria a metáfora do teatro – e de todos nós – lutando contra moinhos de vento. Em uma conversa por what’s sobre críticas sucessivas ao poder, Gerald me sentenciou, fatalista: “É difícil quebrar o muro”.

Talvez haja em G.A.L.A. uma tentativa do teatro de Gerald Thomas de quebrar a memória constante do desastre – essa “faísca que atravessa os séculos”: “Pois a ruína não está mais lá! Beckett não está mais lá! Para de ficar idolatrando os cacos desesperançosos da história. Para!”. Mas não abre mão de deslocar ou truncar a narrativa. Pois no lugar das ruínas, das bombas caindo sobre nossas cabeças, estamos numa pandemia social do distanciamento total uns dos outros. Gala e Sancho se falam virtualmente, não se abraçaram depois dos seus enlaces e as mãos que se encontram no final da peça são intermediadas pelo computador que nos aproxima afastando. Como disse o próprio G. Thomas na entrevista que se seguiu à peça, Michelângelo não imaginava que entre o dedo de Deus e o de sua criação apareceria uma rachadura. Essa rachadura é o símbolo da vida humana, imperfeita, incoerente, absurda. Também é o teatro de Gerald Thomas.

G.A.L.A. não se furta, no entanto, de detratar o mundo atual, o mundo “asfixiado pelo próprio desespero”. Não surpreende que a última imagem da peça, as mãos dadas entre a atriz e a mão que sai do computador, seja a do fogo consumindo-os.



Para ir além
A peça pode ser vista no YouTube.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/3/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota
02. Sombras Persas (V) de Arcano9


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
03. Sobre a literatura de Evando Nascimento - 8/3/2022
04. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto - 8/2/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês