O Teatro gaúcho pede passagem | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De Auschwitz a ClubMed
>>> À propos de Nice (1930)
>>> Sonhos olímpicos nos Lençóis Maranhenses
>>> Lifestyle Media
>>> A voz de Svetlana em Paraty
>>> São João del-Rei
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Where I End and You Begin
>>> Nós, os afogados, de Carsten Jensen
Mais Recentes
>>> São paulo , políticas públicas e habitação popular de Celine sachs pela Edusp (1999)
>>> Cidade de muros de Teresa pires do rio caldeira pela Edusp (2000)
>>> Por que democracia? de Francisco c weffort pela Brasiliense (1985)
>>> Por que democracia? de Francisco c weffort pela Brasiliense (1985)
>>> Da totalidade do lugar de Milton santos pela Edusp (2012)
>>> Região : espaço ,linguagem e poder de Jean rodrigues sales pela Alameda (2010)
>>> Economia política da urbanização de Paul singer pela Contexto (1998)
>>> Pequena história da agricultura brasileira de Tamás szmrecsányi pela Contexto (1998)
>>> Amêndoa de Nedjma pela Objetiva (2004)
>>> Tatu - Balão de Sônia Barros pela Alegria (2014)
>>> Papai! (Livro infantil) de Philippe Corentin pela Cosac Naify (2014)
>>> Documentos historicos municipais de Valeria agra pela C E H m (2011)
>>> Jurisdição Comunitária de Marcelino Meleu pela Lumen Juris (2014)
>>> O Estado e a Revolução de Lenin pela Expressão Popular (2007)
>>> Pedagogia e estética do teatro do oprimido: Marcas da arte teatral na gestão pública de Dodi Leal pela Hucitec (2015)
>>> Constitucionalismo Latino-Americano: Tendências Contemporâneas de Antonio Carlos Wolkmer , Milena Petters Melo pela Juruá (2013)
>>> Qu'est-ce que la démocratie? de Alain Touraine pela Le Livre de Poche (1997)
>>> Sobre a questão judaica de Karl Marx pela Boitempo (2010)
>>> O direito dos oprimidos de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2015)
>>> La domination masculine de Pierre Bourdieu pela Éditions du Seuil (2002)
>>> Le citoyen de Marie Gaille (Apres.) pela Flammarion (1998)
>>> Le langage silencieux de Edward T. Hall pela Éditions du Seuil (2000)
>>> O 18 Brumário de Luis Bonaparte de Karl Marx pela Escriba (1968)
>>> Citoyenneté et politiques sociales de Annick Madec; Numa Murard pela Flammarion (1995)
>>> Sociologie de la vie politique française de Michel Offerlé pela La Découverte (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/1/2009
O Teatro gaúcho pede passagem
Marcelo Spalding

+ de 3100 Acessos

O verão de Porto Alegre é quente, muito quente, um calor abafado que nos joga em cima de um sofá, debaixo de um ventilador ou nos expulsa para o litoral. Mas há 10 anos um grupo de atores, entre eles o meio global Zé Victor Castiel, criou o Porto Verão Alegre, uma espécie de festival que é mais do que festival pela enorme abrangência, variedade e duração.

Durante dois meses, os meses quentes de janeiro e fevereiro, diversos teatros de Porto Alegre recebem diariamente belas montagens gaúchas a preços razoáveis, recrutando um público que não estava acostumado a frequentar teatro e movimentando todo o sistema cênico da capital. Para alguns, é a única oportunidade de encenar suas peças, e só isso já seria um mérito importante do festival, mas aos poucos se percebe que não, que o maior mérito é dar fôlego para que as produções locais não apenas surjam como cresçam, amadureçam e atravessem as estreitas fronteiras do Rio Grande do Sul. E é sobre alguns destes espetáculos que vou escrever, com a certeza de que em algum momento eles estarão na sua cidade, no seu Estado, e desejando com sinceridade que você os assista e descubra que há, nos palcos, vida inteligente fora do eixo Rio-SP.

Bailei na Curva é o caso mais bem-sucedido, pelo menos entre os espetáculos ainda em cartaz. Escrito por Júlio Conte há 26 anos, conta a história do Golpe Militar a partir do ponto de vista de crianças porto-alegrenses, abordando de frente um problema político e social importante sem se tornar em nenhum momento pesado ou superficial, arrancando da platéia gargalhadas e, ao final, a levando às lágrimas, numa raríssima bem-sucedida combinação de comédia e drama.

Por conta do sucesso da montagem, a atriz Patsy Cecato, casada com Júlio Conte e uma das atrizes da primeira montagem de Bailei..., é hoje sócia de uma das produtoras mais ativas da Capital, a Cômica Produtora, responsável por outros tantos espetáculos na programação do Porto Verão Alegre, como Se meu ponto G falasse e Manual Prático da Mulher Moderna. Mas aqui quero indicar outra montagem, Hotel Rosa-Flor, um texto simples, clássico (com início, meio e fim em ordem direta), que poderia ter sido transformado em conto, romance ou cinema, mas virou teatro dirigido por Júlio Conte. Apostando em cenário e figurino completos e grande elenco, a peça nos remete ao ambiente das produções cinematográficas sem abrir mão de um roteiro complexo, avesso a maniqueísmos ou estereótipos. Ano passado, por exemplo, Larissa Maciel atuou em Hotel Rosa-Flor, de onde decerto foi revelada para ser a Maysa da minissérie global.

Outro que começa a ganhar as telas do centro do país é Roberto Birindelli, ator e diretor do monólogo Il Primo Mirácolo. Neste espetáculo, Birindelli interpreta 21 personagens sem recursos de cenografia, figurino ou iluminação, desdobrando-se com versatilidade entre soldado e Rei Mago, anjo e estrela cadente, Jesus, Maria, José e Deus. O espetáculo, há 16 anos em cartaz, foi idealizado como projeto de graduação no Curso de Artes Dramáticas ― Interpretação Teatral da UFRGS, "sendo fruto de uma pesquisa centrada na presença cênica do performer e na relação ator-espectador, baseada em alguns princípios básicos da Antropologia Teatral", segundo consta no site do ator. O público, aliás, disposto ao redor de um quadrado onde a cena ocorre, é mais do que espectador, sendo chamado a participar cantarolando, respondendo, questionando e, talvez mais do que isso, emoldurando a cena, pois como as luzes estão acesas e as pessoas dispostas em quadrado, pode-se ver a reação dos outros espectadores, suas caretas, risadas e surpresas.

O texto de Il Primo Mirácolo é do italiano Dario Fo, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1997. Curiosamente, há outro monólogo de sucesso na capital gaúcha, também em cartaz há mais de 15 anos, cujo texto é adaptado de Dario Fo. Trata-se de Pois é, Vizinha..., de Deborah Finocchiaro. Com mais de 500 apresentações e 200 mil espectadores, o espetáculo conta, através de muitos risos, a trágica história de uma dona-de-casa trancada em casa pelo marido no dia em que ela se depara com uma vizinha do prédio em frente e desabafa. O monólogo tornou Deborah uma figura conhecida entre os porto-alegrenses, e este respaldo permitiu que a atriz apostasse em trabalhos mais autorais, como Sobre Anjos e Grilos ― O universo de Mario Quintana e o recém-lançado Histórias de um Canto do Mundo ― Memórias de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul. Além disso, investiu na direção e está em cartaz com O Urso, uma inspirada montagem do texto de Tchekhov em que a multiplicação da protagonista em três atrizes, representando os três estados de espírito distintos da viúva, permite numa interseção de ações, falas e gestos que serve de contraponto cênico interessantíssimo para um texto tão cotidiano.

Cotidiano também é a marca do texto de Luis Fernando Verissimo, levado ao palco por Zé Victor Castiel, que interpreta o próprio escritor em O marido do Dr. Pompeu. Na peça, o universo de encontros, cantadas, coincidências, jantares, mentiras, equívocos, gemidos, farsas e decepções de Verissimo é transformado numa interessante história, muito bem costurada e interpretada por João França e Fernanda Carvalho Leite.

Fernanda que, ao lado da também talentosíssima Ingra Liberatto, também protagoniza Inimigas Íntimas, peça em que duas mulheres de meia idade, amigas de infância e adolescência, se reencontram depois de anos e marcam um jantar. O interessante da peça é que a partir desse conflito tão universal, atemporal e explorado pela literatura, pelo teatro ou pela televisão, Fernanda e Ingra conseguem fazer o público rir de suas próprias idiossincrasias, de seus próprios caprichos, e refletir sobre suas próprias amizades e suas próprias invejas.

São sete espetáculos, sete grupos distintos e sete histórias de sucesso do teatro local que começam a aparecer com frequência também nos palcos do centro do país. Porque não é fácil, e disso sabemos todos nós, fazer teatro sem estar na televisão, sem o plim-plim diário tornando o rostinho bonito mais e mais conhecido. Mas aqui em Porto Alegre tem se conseguido fazer, e se falo com orgulho dessa produção do meu Estado não é por bairrismo, mas porque tenho certeza que colunistas de outros estados do país poderiam fazer o mesmo, traçando assim um belo panorama do Teatro profissional brasileiro. Com T maiúsculo.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 29/1/2009


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009
05. Literatura e interatividade: os ciberpoemas - 10/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Violino
Anne Rice
Rocco
(1999)
R$ 10,00



Comédias da Vida Privada
Luis Fernando Verissimo
L&pm
(1996)
R$ 5,00



Futebol e Futsal. Atividades, Jogos e Treinamento Para Homens e Mulheres. Fisiologia Aplicada -10A
Ivan da Cruz Picarro
Phorte
(2012)
R$ 67,00



Tebas do meu coração
Nélida Piñon
Record
(2020)
R$ 55,90



Formulaire Consultations Médicales et Chirurgicales
G. Lemoine E. Gérard E. Doumer J. Vanverts
Vigot Fréres
(1913)
R$ 77,88



Opúsculos I Alexandre Herculano
Jorge Custódio;josé Manuel Garcia
Presença
(1982)
R$ 50,00



Economia e Mercados - Introdução á Economia e ao Marketing
Sergio Guimarães
Ática
(1986)
R$ 5,00



O Brasil Que Da Certo: O Novo Ciclo De Crescimento, 1994-2005 (Portuguese Edition)
Stephen C Kanitz
Makron Books
(1994)
R$ 20,00



Têrmos e Tradições Populares do Acre - 8191
José Inácio Filho
Companhia Brasileira de Artes
(1969)
R$ 30,00



Fundamentos em Fonoaudiologia: Aspectos clínicos da motricidade oral
Irene Queiroz Marchesan
Guanabara Koogan
(1998)
R$ 35,00





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês