Sangue, Carne e Fritas | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guía de lacónicos
>>> Mazelas do coronelismo
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
>>> Cinema Independente (5.1)
Mais Recentes
>>> Moderna Plus Física os Fundamentos da Física 3 Parte III de Ramalho; Toledo; Nicolau pela Moderna (2009)
>>> Passagem para Ravena de José Ricardo Moreira pela Formato (2004)
>>> Coaching e Liderança de Jaques Grinberg pela Literare Books (2018)
>>> Nós Mudamos o Mundo de Sidney Pike pela Manole (2006)
>>> O Segundo Chamado de Wilson Oliveira da Silva pela Videira (2016)
>>> Guide to Fitness With Journal de Parragon Books pela Parragon Books (2012)
>>> Fundação Emmanuel de Carlos A. Baccelli pela Leepp (2006)
>>> Curso Sistematizado de Direito Processual Civil de Cassio Scarpinella Bueno pela Saraiva (2013)
>>> Quando o Santo é Forte de Nathalie Hornhardt pela Terceira Via (2018)
>>> Manual de Técnicas de Dinâmica de Celso Antunes pela Vozes (1995)
>>> Receitas para Alma de Wanderley Soares de Oliveira pela Dufaux (2009)
>>> Jorge de Sena: uma Leitura da Tradição de Ana Maria Gottardi pela Arte & Ciencia (2002)
>>> Rihanna - uma Vida de Sucesso de Sarah Oliver; Rihanna pela Matrix (2012)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2010)
>>> Crônicas dos Senhores de Castelo - Livro 3 de G. Brasman & G. Norris pela Verus (2014)
>>> Fogo do Céu de Bill Myers pela Vida (2002)
>>> Garota Em Tentação - It Girl - Volume 6 de Cecily Von Ziegesar pela Galera Record (2010)
>>> Obama Nomics de John R. Talbott pela Arx (2009)
>>> O Livro dos Manuais de Paulo Coelho pela Do Autor
>>> A Economia Mundial - the Economist de Rupert Pennant-rea e Clive Crook pela Vértice (1987)
>>> Engatinhando de Eny Toledo pela Scortecci (2003)
>>> A Fuga do Escorpiao de Sérgio Viotti pela Conex (2002)
>>> Condomínio Conflitos & Soluções de Donaldo Fellippe pela Julex
>>> Dinos - 6 Livros Cartonados de Vários Autores pela Ciranda Cultural (2013)
>>> Reforma do Sistema Financeiro Americano: Nova Arquitetura Internaciona de Eduardo Loyo e Outros pela Ltc (2010)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Sexta-feira, 21/3/2003
Sangue, Carne e Fritas
Urariano Mota

+ de 3600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Imaginamos que existam infinitas maneiras de falar sobre a guerra dos Estados Unidos contra o Iraque. Quase todas, no entanto, passam pela figura do Sr. Bush.

Ainda que nos detivéssemos no início desse primeiro parágrafo e estranhássemos a palavra "guerra", que pressupõe um conflito, uma luta entre verdadeiras forças, um ringue de dois pesos pesados, ainda que estranhássemos o uso de "guerra" onde se deveria dizer "massacre", ainda assim o parágrafo correria pela pessoa do Sr. Bush. E já aqui, ao pular a primeira estranheza, como se superada fosse, uma segunda nos assalta. Pois ao escrever "Bush", escrevemos-lhe antes "figura", "pessoa", "senhor". E nada mais impróprio. Se ele é figura, é algo borrado, borrado porque a definição da sua imagem é para a humanidade um pesadelo. Se ele é pessoa, deveríamos igualmente chamar pessoas às feras, que, sejamos científicos, têm uma humanidade que não encontramos no... não o sabemos, naquilo que preside os Estados Unidos. Se ele é senhor, como dizê-lo? Chamamos igualmente senhor ao porrete e à sua ameaça sobre as nossas cabeças? Se há cacetes com pregos na ponta, queremos dizer, se há mísseis, se há bombas sobre cidades chamamos de senhor, então está tudo bem, digamos com todos os all rights, Bush é um senhor.

Essa estranheza, essa ida e volta em busca do sentido das palavras, se dá porque nessa ... "guerra", nesse massacre, as palavras foram reinventadas, ou melhor, assim como o caos que essa carnificina fará nascer, assim como a noite de Bagdá onde luzem os mísseis, como estrelas cadentes que em vez da queda por entre a atmosfera caem em paralelas curvas ao solo antes da explosão, pois assim como na noite primeira quando a humanidade ainda não era, nessa "guerra" as palavras se anunciam como se ainda viessem a ser inventadas. Pois tão estranhas ficaram. Tão esquisitas, tão deslocadas de sentido. Por exemplo, fala-se que Saddam Hussein, o tenebroso ditador, o Mal, o Terrível Saddam, representa uma ameaça à paz mundial. Estamos todos loucos, idiotas, ou perdemos todo o significado das coisas mais comezinhas? Sim, ameaça à paz mundial, sim, mas com que armas? Certamente que não com aqueles fuzis por ele erguidos para os céus. Sim, isto, e o que dizer de suas armas atômicas? - Sim, mas antes, se é assim, não estariam os Estados Unidos a se referir à Coréia do Norte? E aqui, num breve lapso de memória, esquecemos que o território norte-americano não se localiza bem na América do Norte. Sim, deve ser, porque os Estados Unidos da América do Norte se irradiam de Washington a qualquer lugar do planeta. Ou melhor, para todos os lugares da Terra, que, salvo engano, é propriedade norte-americana.

Mas façamos um esforço para não afundar nessa estranheza, que nos leva para uma digressão. Nem que seja para cair em outra, como esta: o Sr., senhor naquele sentido do porrete, o Sr. Bush, em seu discurso de paz de 48 horas, desejou que os soldados do Iraque não lutassem contra o exército invasor dos Estados Unidos. A essa entrega, espontânea, de armas ele definiu como um ato de não-defesa de um regime moribundo (e imoral !). Muito bem, compreendemos, compreendemos ao nível da idiotia que ele nos quer impor: Bush, quando invade o Iraque, defende a liberdade, vocês vêem, já os soldados iraquianos, quando bravamente defendem a sua terra, batem-se por um regime de um tirano, não se batem? E por isso devem entregar suas velhas armas aos libertadores, de preferência beijando os altos coturnos da libertação, curvados como se se dirigissem a Alá, em prece e saudação. Compreendem? Sim, digamos que sim. Se assim compreendemos, compreenderemos então mais ainda: no seu ultimátum de 48 horas, o Sr. Bush declarou que os iraquianos não deveriam destruir seus poços de petróleo, porque deveriam guardá-los para o bem do povo do Iraque. Compreendem a medida da generosa preocupação? Se acreditarmos em suas palavras, ou melhor, se as aceitarmos no nível que o Sr. Bush ordena que as compreendamos, o exército norte-americano invade o território das segundas reservas de petróleo do mundo para beneficiar o povo iraquiano! Se a esse nível compreendemos, não precisamos olhar para a cara do Sr. Bush, e se não a olhamos, não lhe vemos o ar cínico, arrogante, de desprezo para o mundo que não for norte-americano branco classe média de direita. Ou então digamos que, se não a olhamos, não vemos que sua cara expressa um esforço de abarcar maior humanidade: desprezo somente para o mundo que não for pessoas brancas anglo-saxônicas.

De redefinição em redefinição, de estranheza em estranheza, chegamos à Operação Liberdade do Iraque. Tamanha estupidez nos deixa semiparalisados. Dá-nos vontade de fazer um largo branco na página e encerrar o escrito, tamanho é o abuso. Antes dessa "Operação Liberdade...", o Sr. Bush já nos presenteara com uma "Guerra Preventiva". Sabem o que é isso? - Guerra preventiva é aquela que um troglodita nos faz, quando nos planta já, de imediato, um soco na cara, porque suspeita que num remoto futuro nós poderíamos encará-lo com independência. E nessa guerra, nova, arbitrária, o Neandertal é quem determina o inimigo, naturalmente fundado em razões de saque, rapina, cobiça. Assim fundado, parte para a Guerra Preventiva, que vem a ser a Destruição Prévia do Dono da Riqueza, prévia porque antes de o próprio dono da riqueza crescer na definitiva posse.

E atingimos enfim a sistemática mentira. Tamanha é a sua falta de escrúpulos, tamanho é o seu reacionarismo, que o Sr. Bush não avermelha nem de vergonha. Que lhe importa declarar que procura o terrorista lá no Iraque? Nada demais que a imagem do terror, como o seu nome, como o seu significado, sofra um novo deslocamento. Pois enquanto o Sr. Bush caça o terrorista lá no Oriente, o real e o virtual terror se acham no Ocidente, mais precisamente em frente a ele, Sr. Bush, em qualquer espelho da Casa Branca.

Então fiquemos assim acordados, aprendamos de uma vez por todas: o Sr. Bush quer destruir poderosos arsenais no Iraque, ainda que os jornais noticiem que o povo iraquiano zerou todo um arsenal de desesperadas armas, os tranqüilizantes, nas farmácias; o Sr. Bush quer destruir o Mal, os maus e seus rebentos, enquanto o resto do mundo sabe que as mulheres grávidas do Iraque, para que não venham a morrer sem assistência, na semana da invasão, fazem cesarianas em massa, para que rebentem logo seus frutos aos 7 meses; já os mais crescidos, as crianças que ainda não têm idade suficiente para saudar o invasor à altura, as crianças se escondem debaixo da cama, se escondem em armários, na ingênua busca de proteção dos mísseis. Só lhe falta, Sr. Bush, em seu poder de império, mudar o próprio título deste nosso artigo. Em lugar de Sangue, o senhor ordenaria que se pusesse Ketchup. Em lugar da Carne, cozida pelas bombas, o senhor poria Hambúrguer. E em lugar de Fritas, francesas, o Sr. já sabe, seria posto o genial nome de Fritas da Liberdade.

Mas o senhor deve atentar que falsos nomes não mudam a natureza das coisas. Eufemismos não mudam o crime que a sua cobiça e estupidez cometem. Disfarçam-no, apenas.


Urariano Mota
Olinda, 21/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio de Ricardo de Mattos


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/5/2003
12h16min
Brilhante, você consegue sintetizar um sentimento que entendo seja comum a todos. Parabéns.
[Leia outros Comentários de margarete manes albi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Devarim #38
Vários autores
Narrativa Um
(2019)



Fenomenologia e Teoria Literária
Maria da Glória Bordini
Edusp
(1990)



Obras Completas de Monteiro Lobato Literatura do Minarete
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1959)



Der Ruf des Blauen Flusses
Nicole Alexander
Blanvalet Taschenbuch Verlag
(2014)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
Ática
(1995)



Beloved Homes!a Drop in Book of Nine Much Loved Homes
Lena Allblom
Ikea Family
(2007)



Os Contratos Mercantis à Luz do Código Civil
J. A. Peneval Santos
Malheiros
(2006)



Pai Goriot (Coleção Elefante)
Honoré de Balzac
Ediouro
(1972)



O Filósofo Peregrino
Marcos Bulcão
Record
(2014)



Princesinha Sofia (capa Dura)
Catherine Hapka
Abril
(2017)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês