Sangue, Carne e Fritas | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Sexta-feira, 21/3/2003
Sangue, Carne e Fritas
Urariano Mota
+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Imaginamos que existam infinitas maneiras de falar sobre a guerra dos Estados Unidos contra o Iraque. Quase todas, no entanto, passam pela figura do Sr. Bush.

Ainda que nos detivéssemos no início desse primeiro parágrafo e estranhássemos a palavra "guerra", que pressupõe um conflito, uma luta entre verdadeiras forças, um ringue de dois pesos pesados, ainda que estranhássemos o uso de "guerra" onde se deveria dizer "massacre", ainda assim o parágrafo correria pela pessoa do Sr. Bush. E já aqui, ao pular a primeira estranheza, como se superada fosse, uma segunda nos assalta. Pois ao escrever "Bush", escrevemos-lhe antes "figura", "pessoa", "senhor". E nada mais impróprio. Se ele é figura, é algo borrado, borrado porque a definição da sua imagem é para a humanidade um pesadelo. Se ele é pessoa, deveríamos igualmente chamar pessoas às feras, que, sejamos científicos, têm uma humanidade que não encontramos no... não o sabemos, naquilo que preside os Estados Unidos. Se ele é senhor, como dizê-lo? Chamamos igualmente senhor ao porrete e à sua ameaça sobre as nossas cabeças? Se há cacetes com pregos na ponta, queremos dizer, se há mísseis, se há bombas sobre cidades chamamos de senhor, então está tudo bem, digamos com todos os all rights, Bush é um senhor.

Essa estranheza, essa ida e volta em busca do sentido das palavras, se dá porque nessa ... "guerra", nesse massacre, as palavras foram reinventadas, ou melhor, assim como o caos que essa carnificina fará nascer, assim como a noite de Bagdá onde luzem os mísseis, como estrelas cadentes que em vez da queda por entre a atmosfera caem em paralelas curvas ao solo antes da explosão, pois assim como na noite primeira quando a humanidade ainda não era, nessa "guerra" as palavras se anunciam como se ainda viessem a ser inventadas. Pois tão estranhas ficaram. Tão esquisitas, tão deslocadas de sentido. Por exemplo, fala-se que Saddam Hussein, o tenebroso ditador, o Mal, o Terrível Saddam, representa uma ameaça à paz mundial. Estamos todos loucos, idiotas, ou perdemos todo o significado das coisas mais comezinhas? Sim, ameaça à paz mundial, sim, mas com que armas? Certamente que não com aqueles fuzis por ele erguidos para os céus. Sim, isto, e o que dizer de suas armas atômicas? - Sim, mas antes, se é assim, não estariam os Estados Unidos a se referir à Coréia do Norte? E aqui, num breve lapso de memória, esquecemos que o território norte-americano não se localiza bem na América do Norte. Sim, deve ser, porque os Estados Unidos da América do Norte se irradiam de Washington a qualquer lugar do planeta. Ou melhor, para todos os lugares da Terra, que, salvo engano, é propriedade norte-americana.

Mas façamos um esforço para não afundar nessa estranheza, que nos leva para uma digressão. Nem que seja para cair em outra, como esta: o Sr., senhor naquele sentido do porrete, o Sr. Bush, em seu discurso de paz de 48 horas, desejou que os soldados do Iraque não lutassem contra o exército invasor dos Estados Unidos. A essa entrega, espontânea, de armas ele definiu como um ato de não-defesa de um regime moribundo (e imoral !). Muito bem, compreendemos, compreendemos ao nível da idiotia que ele nos quer impor: Bush, quando invade o Iraque, defende a liberdade, vocês vêem, já os soldados iraquianos, quando bravamente defendem a sua terra, batem-se por um regime de um tirano, não se batem? E por isso devem entregar suas velhas armas aos libertadores, de preferência beijando os altos coturnos da libertação, curvados como se se dirigissem a Alá, em prece e saudação. Compreendem? Sim, digamos que sim. Se assim compreendemos, compreenderemos então mais ainda: no seu ultimátum de 48 horas, o Sr. Bush declarou que os iraquianos não deveriam destruir seus poços de petróleo, porque deveriam guardá-los para o bem do povo do Iraque. Compreendem a medida da generosa preocupação? Se acreditarmos em suas palavras, ou melhor, se as aceitarmos no nível que o Sr. Bush ordena que as compreendamos, o exército norte-americano invade o território das segundas reservas de petróleo do mundo para beneficiar o povo iraquiano! Se a esse nível compreendemos, não precisamos olhar para a cara do Sr. Bush, e se não a olhamos, não lhe vemos o ar cínico, arrogante, de desprezo para o mundo que não for norte-americano branco classe média de direita. Ou então digamos que, se não a olhamos, não vemos que sua cara expressa um esforço de abarcar maior humanidade: desprezo somente para o mundo que não for pessoas brancas anglo-saxônicas.

De redefinição em redefinição, de estranheza em estranheza, chegamos à Operação Liberdade do Iraque. Tamanha estupidez nos deixa semiparalisados. Dá-nos vontade de fazer um largo branco na página e encerrar o escrito, tamanho é o abuso. Antes dessa "Operação Liberdade...", o Sr. Bush já nos presenteara com uma "Guerra Preventiva". Sabem o que é isso? - Guerra preventiva é aquela que um troglodita nos faz, quando nos planta já, de imediato, um soco na cara, porque suspeita que num remoto futuro nós poderíamos encará-lo com independência. E nessa guerra, nova, arbitrária, o Neandertal é quem determina o inimigo, naturalmente fundado em razões de saque, rapina, cobiça. Assim fundado, parte para a Guerra Preventiva, que vem a ser a Destruição Prévia do Dono da Riqueza, prévia porque antes de o próprio dono da riqueza crescer na definitiva posse.

E atingimos enfim a sistemática mentira. Tamanha é a sua falta de escrúpulos, tamanho é o seu reacionarismo, que o Sr. Bush não avermelha nem de vergonha. Que lhe importa declarar que procura o terrorista lá no Iraque? Nada demais que a imagem do terror, como o seu nome, como o seu significado, sofra um novo deslocamento. Pois enquanto o Sr. Bush caça o terrorista lá no Oriente, o real e o virtual terror se acham no Ocidente, mais precisamente em frente a ele, Sr. Bush, em qualquer espelho da Casa Branca.

Então fiquemos assim acordados, aprendamos de uma vez por todas: o Sr. Bush quer destruir poderosos arsenais no Iraque, ainda que os jornais noticiem que o povo iraquiano zerou todo um arsenal de desesperadas armas, os tranqüilizantes, nas farmácias; o Sr. Bush quer destruir o Mal, os maus e seus rebentos, enquanto o resto do mundo sabe que as mulheres grávidas do Iraque, para que não venham a morrer sem assistência, na semana da invasão, fazem cesarianas em massa, para que rebentem logo seus frutos aos 7 meses; já os mais crescidos, as crianças que ainda não têm idade suficiente para saudar o invasor à altura, as crianças se escondem debaixo da cama, se escondem em armários, na ingênua busca de proteção dos mísseis. Só lhe falta, Sr. Bush, em seu poder de império, mudar o próprio título deste nosso artigo. Em lugar de Sangue, o senhor ordenaria que se pusesse Ketchup. Em lugar da Carne, cozida pelas bombas, o senhor poria Hambúrguer. E em lugar de Fritas, francesas, o Sr. já sabe, seria posto o genial nome de Fritas da Liberdade.

Mas o senhor deve atentar que falsos nomes não mudam a natureza das coisas. Eufemismos não mudam o crime que a sua cobiça e estupidez cometem. Disfarçam-no, apenas.


Urariano Mota
Olinda, 21/3/2003

Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/5/2003
12h16min
Brilhante, você consegue sintetizar um sentimento que entendo seja comum a todos. Parabéns.
[Leia outros Comentários de margarete manes albi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês