O chimpanzé, esse nosso irmão | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
33901 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Saudades não envelhecem
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vinicius
>>> 2011 e meus álbuns
>>> A arte da crítica
>>> Livros e Saúde
>>> Além do Mais em 2005
>>> O enigma de Lindonéia
>>> O enigma de Lindonéia
>>> The Guardian contrata blogueiros para fazer jornalismo
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> I Fink U Freeky
Mais Recentes
>>> La Vie Amoureuse de Vénus - déesse de l'amour de Francis de Miomandre pela Flammarion (1929)
>>> Les amours d'Élisabeth d'Angleterre de J H Rosny Jeune pela Flammarion (1929)
>>> Le Silence de Nadia de Jeanne de Coulomb pela Libraire Henri Gautier (1923)
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> Le Rosaire de Florence L Barclay pela Payot (1926)
>>> Os Elefantes não esquecem de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2002)
>>> A construção do Brasil de Jorge Couto pela Forense Universitária (2011)
>>> Medicina de Reabilitação nas Lombalgias Crônicas de Julia Maria D' Andréia Greve e Marcos Martins Amatuzzi pela Roca - Brasil (2003)
>>> O exercício e a cardiologia do esporte de Paul D. Thompson pela Manole (2003)
>>> Medicina do Esporte de W. Hollman e T. Hettinger pela Manole (2005)
>>> Derrame Pleural de Franscisco S. Vagas , Lisete R. Teixeira e Evaldo Marchi pela Roca - Brasil (2003)
>>> 50 Anos a Mil de Lobão pela Nova Fronteira (2010)
>>> Furacão Anitta - Biografia Não Autorizada de Leo Dias pela Agir (2019)
>>> A Bela e a Fera - Edição Oficial do Filme de Elizabeth Rudnick pela Universo dos Livros (2017)
>>> A organização dirigida por valores de Richard Barrett pela Alta Books (2017)
>>> A Filiação Divina de Carlos Lema Garcia pela Quadrante (2002)
>>> Onde Cantam os Pássaros de Evie Wyld pela DarkSide (2013)
>>> O Espírito Santo na Experiência Cristã de James D Crane pela Juerp (1978)
>>> O Homem Moderno e a Imagem Bíblica do Homem de Leo Scheffczyk pela Edições Paulinas (1976)
>>> 50 Histórias de Ninar de Thomas Tig pela Girassol (2009)
>>> A Arte e a Ciência do Amor de Dr. Albert Ellis pela Record (1966)
>>> Acupuntura Coreana da Mão - Atlas de Bolso de Choo H. Kim pela Ícone (2019)
>>> Competência: Repertório de Jurisprudência e Doutrina de Arruda Alvim/ Teresa Arruda Alvim Pinto/ Ubiratan do Couto Mauricio pela Revista dos Tribunais/ SP. (1986)
>>> Manifesto Judeu Messiânico de David H. Stern pela Louva-a-Deus (2006)
>>> Responsabilidade Tributária dos Sócios no Mercosul de João Luis Nogueira Maria pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> O conquistador de Almas de C. H. Spurgeon pela Pes (2014)
>>> Helena - Clássicos da literatura - Texto Integral de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> 100 Anos de Comunicação Espírita em São Paulo - 1881 a 1981 de Eduardo Carvalho Monteiro pela Madras (2003)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Sermões de spurgeon sobre as grandes orações da biblia de Charles Haddon Spurgeon pela RBC Publicações (2018)
>>> The Virtues of Aristotle de D. S. Hutchinson pela Routledge (1986)
>>> Dia a dia com Tozer de A. W. Tozer pela Publicações pao diário (2017)
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Meu Livrinho de Pano Animais de Não Informado pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
COLUNAS

Sexta-feira, 20/6/2003
O chimpanzé, esse nosso irmão
Urariano Mota

+ de 5900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Recentemente, toda a imprensa noticiou a espantosa descoberta: 99,4% dos genes do chimpanzé são semelhantes aos do homem. Da imprensa mais grave, que deseja nessa gravidade passar um ar sério, à imprensa mais popularesca, que se vê na alta reputação de imprensa popular, toda ela, grave ou vulgar, divulgou a nova sem restrição, mas sempre conforme o próprio estilo. Na de maior massa exibiram-se fotos de chimpanzé fêmea com lacinho vermelho na cabeça, na mais sisuda evitaram-se as fotos, mas os títulos foram bem sugestivos, como os do gênero, "Chimpanzés e Homens, tudo em comum". De comum mesmo, na imprensa de todo gênero, só o sensacionalismo, a leveza mistificadora, acompanhados do inseparável engodo. Pois uma e outra na ânsia de destacar os 99,4% passavam por cima, em vôo rápido, da palavra "semelhante" da divulgação original de Morris Goodman, da Academia Nacional de Ciências, dos Estados Unidos. Escreviam-na, a "semelhança", é certo, mas o corpo, o conjunto do noticiado, organizava o "semelhante" com o mesmo significado de idêntico.

Sensacionalismo à parte, pois é do espírito da média imprensa o sacudir o nosso torpor, para que nos suba à cabeça os melhores instintos de nossos ancestrais, sensacionalismo esquecido, seria bom uma viagem para o interior do espírito do chimpanzé da notícia. O que se divulgou sem discussão, repetido ao infinito, como um sucesso programado de hit parade, tentemos discutir agora.

O resumo da descoberta de Morris Goodman, publicado no site da Academia Nacional de Ciências, fala em "semelhanças" de 99,4% em 97 genes de homens e chimpanzés. Ora, o que esses números, 97 e 99,4% , querem mesmo dizer? Primeiro, que do total de genes humanos escolheram-se 97. Certamente, por serem os mais significativos da existência do homem, supomos. Segundo, que desses genes escolhidos, apenas 0,6% foram absolutamente diferentes dos genes do chimpanzé. Paremos aí. Alguém já se deu conta de que, a depender da área, da região escolhida, da amostra, os números percentuais variam? Por exemplo, e nos perdoem o exemplo grosseiro, se se comparam os números de dedos dessas espécies, homens e chimpanzés coincidem em 100%. No entanto, se se comparam a identidade, a semelhança íntima entre os dedos de ambas, a variação pode ir de 99, 98, 100 a 10, 5, 8, 3, 2 por cento. Isto porque, a esta altura, teríamos entrado no dificílimo reino de quantificar qualidades. (Vá lá, concedamos, por qualidades comprendemos "pistas orgânicas de evolução".) Neste caso, os critérios, ainda que mais objetivos e transparentes pareçam, guardam sempre um traço de subjetividade, histórica ou pessoal. Que critérios elegeríamos, para serem comparados nos dedos, a sua superfície, a sua cor, o desenho da polpa, a sua estrutura íntima, ou...., e qual desses critérios seria o caráter final, a natureza fundamental dos dedos? A depender disto, entre 0 e 100 a variação é infinita, ao gosto de quem o escolhe. Os números, quando não bem definidos, quando não referenciados com riqueza, em lugar do esclarecer, confundem. Pense-se, por exemplo, na quantidade de genes que um ser humano tem a mais que um rato. Não passa de 1%. Isto, 1%! O que isto afinal quer dizer? Que escapamos por um triz de nos mover nos esgotos? Ou que 300 genes a mais, num universo de 30.000, são extraordinariamente mais significativos que todos os demais 29.700?

O comunicado da Academia, quase diria, pela repercussão acrítica, o comando da Academia fala em comparação de amostras de regiões semelhantes do DNA entre homens e macacos. O que por "semelhantes" quer mesmo dizer? Assim fala o comando: "Comparamos 90 kb de seqüência do DNA de 97 genes humanos com seus correspondentes seqüenciados de chimpanzés, gorilas...". (Numa rápida olhada, vê-se o quanto é importante o número 90 para a pesquisa do biólogo: 90 kb, 97 genes, 99,4%, 98,4%.) Quer isto dizer que foram comparadas as regiões semelhantes de 97 genes? Sim, é isto. Mas, calma, a dificuldade ainda não vencemos. O que é, onde reside, a se supor um lugar preciso, físico, determinado, onde reside mesmo essa semelhança? O Comunicado, ou o Comando, fala em regiões que sofreram seleção natural. O que é, se bem compreendemos, uma localização bastante vaga, ou tão precisa quanto "uma certa casa no planeta Terra". Pois, reconheçamos, regiões que sofreram seleção natural são cada e todo e qualquer infinitésimo milímetro do organismo humano. Se não fomos criados de uma só vez por um sopro divino, cada ínfima parte do nosso ser é resultado de seleção, de luta, de sobrevivência da feliz reunião da sorte e do acaso.

Despercebida essa perigosa reflexão, que detém o avanço ligeiro do método discutível, fácil é passar para o passo seguinte, divulgado pelas melhores revistas, daquelas que ousam uma pose crítica. Assim se pronunciou esse instante raro de reflexão: "Com a chegada desse 'novo' parente..." (sintomático, as aspas caem sobre o novo, não sobre o parente ), mas não nos interrompamos: "Com a chegada desse 'novo' parente, o próximo passo seria descobrir o 0,6% de diferença genética que torna o Homo sapiens capaz de compor músicas, construir prédios e fazer pesquisas científicas". Ou esse primor de originalidade de outra revista: "O certo é que, graças a esse 0,6%, um ser humano - Beethoven - escreveu a Nona Sinfonia...". Percebam: são uns 0,6% muito revoltados, muito indignados contra os 99,4%! Se falassem, gritariam: "Nós somos o sal, que tempera e faz artimanhas em pesquisas científicas". Pois quando se levam em conta as diferenças cognitivas entre as espécies... das duas, uma: ou essa pesquisa diz absolutamente coisa nenhuma, ou os chimpanzés têm uma forma tão avançada de pensamento que nos seus 0,6% de diferença se escondem. Nessa região que nos ocultam, zombam de nós, os humanos (até prova em contrário), zombam de nós, eles, os chimpanzés, rindo de nossa pretensão em nivelá-los a um mesmo gênero. Ora, o caso pode não ser o de inclui-los no gênero Homo. Talvez fosse o caso de nos incluir no privilégio do gênero deles, os Pan-trogloditas.

Nos últimos tempos, temos sido cada vez mais assaltados por opiniões ligeiras, levianas, de cientistas que saem dos seus sapatos para emitir juízos universais. Já em O gene da burrice, e em Máquinas inteligentes, discutíamos o profundo ridículo desses vôos sem asas. Mas desta vez a descoberta é mais ardilosa. Em lugar da simples e pura opinião, como a do prêmio Nobel que falava em isolar o gene da burrice, como se pudesse aprisionar num laboratório o processo social, ou como a do físico que discorria sobre máquinas que imitassem o pensamento, o que, convenhamos, em se tratando do dele não seria lucrativo para a máquina, desta vez o cientista nos brande 90 kb de pesquisa e uma conclusão amparada em números, em frios e exteriores percentuais.

Se nessa pesquisa não há fraude, como algumas vezes tem acontecido na história da ciência, conforme chamava atenção artigo publicado em La Insígnia, o Sobre girafas, mariposas, corporativismo científico e anacronismos didáticos, de Isabel Rebelo, se nessa pesquisa há somente um equívoco, um desnorteio de rumos, então seria a hora de uma volta à clássica discussão do que faz do homem um humano. Ou, antes, para ficar nos limites marcados por essa descoberta: seria a hora de se perguntar o que é que faz do chimpanzé um humano. Para os cientistas envolvidos nessa pesquisa não há dúvida: "Os genes, os genes", seria a resposta. Já um romancista responderia: "A imaginação". E completaria: "Não a do chimpanzé, mas a de quem trabalha sobre ele". Ao que diria um produtor de televisão: "Sem dúvida, o lacinho vermelho na cabeça da fêmea da espécie. Isso dá uma graça especial à notícia". Já os noticiaristas não teriam nenhum receio em observar: "Os 99,4%. Que mais querem? Pois 99,4 não são quase 100? E se a esses 99,4 você liga cientistas, gene, macaco e pesquisa, é fatal: é pura ciência. Ao que completaria o seu editor, com água na boca: "Ciência ou não, o que importa? Esta é uma discussão sem sentido. O que vale é a versão, é a notícia. Chimpanzé e Homem, vizinhos, juntinhos. Um quadro desses é o que importa". Já o nosso adotado irmão dos 90 kb de pesquisa.... Com os seus compridíssimos braços, entre olhinhos buliçosos, nos advertiria: - Eu, se escrevesse estas linhas, não diria o que você disse. Contra genes e bananas não há argumentos.


Urariano Mota
Olinda, 20/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
02. 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida de Carina Destempero
03. Imagina se fosse o contrário de Julio Daio Borges
04. MPTA, Dança feita de Afetos Condensados de Duanne Ribeiro
05. O problema é com o assédio, não com os homens de Adriana Baggio


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/3/2005
11h33min
Como o chipanzé vive?
[Leia outros Comentários de Luís Felipe Viégas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE STORIES OF EVA LUNA (4670P)
ISABEL ALLENDE
SEAL BOOKS
(1991)
R$ 14,00



MANUAL DE PRÁTICA FORENSE CIVIL
JOSÉ SEVÁ
E. V. EDIT. LTDA.
(1993)
R$ 12,00



A MONTANHA PARTIDA ( O MISTÉRIO DA EXPEDIÇÃO)
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
(1970)
R$ 9,00



DIVINA AMANTE
FRANK G SLAUGHTER
RECORD
R$ 4,80



ENTRE A POBREZA E A LOUCURA
ROBERTA KELLY BEZERRA DE FREITAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O BEM AMADO
EVELYN WAUGH
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1961)
R$ 19,00
+ frete grátis



GUIA BRASILEIRO DE PRODUÇÃO CULTURAL 2004
EDSON NATALE E CRISTIANE OLIVIERI
ZÉ DO LIVRO
(2003)
R$ 13,00



MICROTENDÊNCIAS - AS PEQUENAS FORÇAS POR TRÁS DAS GRANDES MUDANÇAS DE AMANHÃ
MARK J. PENN
BESTSELLER
(2008)
R$ 26,00



DROGAS POR QUE AS PESSOAS USAM? É POSSÍVEL PREVENIR? (2624)
FRANCISCO BAPTISTA NETO
INSULAR
(2009)
R$ 24,00



O CÁLCULO COM GEOMETRIA ANALÍTICA - 2 VOLUMES
LOUIS LEITHOLD
HARBRA
(1994)
R$ 179,90





busca | avançada
33901 visitas/dia
891 mil/mês