Alfredo Bosi e a dignidade da crítica | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Room Full of Mirrors no Royal Albert Hall (1969)
>>> Machado e a AR-15
>>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
>>> O iPod por Da Vinci
>>> Gleiser, o cientista pop
>>> Faustão sobre protestos #full
>>> As sobras completas, poesias de Jovino Machado
>>> 7 que sigo
>>> Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
>>> Os 33 mineiros e nossa visão limitada
Mais Recentes
>>> Mônica Jovem Especial Lembranças de Érico Rodrigo Maioli Rosa pela Panini (2013)
>>> Memorias Do Subsolo de Fiodor Dostoievski pela Penguin (2021)
>>> Ensaio Sobre A Cegueira de José Saramago pela Companhia Das Letras (2021)
>>> Dicionário Prático De Regência Verbal de Celso Pedro Luft pela Atica (2011)
>>> Lambisgóia 5ª edição. (ilustrações de Eva Furnari) de Edson Gabriel Garcia pela Nova Fronteira (1984)
>>> Wider World 3 American Edition de Carolyn Barraclough, Suzanne Gaynor pela Pearson (2020)
>>> O Monstro Medonhento - coleção girassol 20ª edição. de Mário Lago pela Moderna (1992)
>>> O Livro da Psicologia de Clara M. Hermeto e Ana Luisa Martins pela Globo (2012)
>>> Uma Breve Historia da Literatura de John Sutherland pela LePM (2017)
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4 de Gelson Iezzi e Samuel Hazzan pela Atual (2013)
>>> Volume 1: Textos Compreensão, Interpretação e Produção de Antonio Simplício Rosa Farias; Agostinho Dias Carneiro pela Ao Livro Técnico (1987)
>>> Hitler - Volume Único de Joachim C. Fest pela Nova Fronteira (1976)
>>> Mandingas da Ilha Quilomba 4ª edição. de Ana Maria Machado pela Salamandra (1984)
>>> O Lado Escuro de Clara de Maria da Graça Ivo (ilustrações de Noemi Silva Ribeiro) pela José Olympio (1988)
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/4/2003
Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
Urariano Mota
+ de 7800 Acessos

Neste tempo de guerra que passamos, chega a parecer um luxo, uma fuga, uma alienação torpe, falar-se de outro assunto que não seja a barbárie da agressão do governo dos Estados Unidos. Dizemo-nos, nestes dias, ao rascunhar as primeiras palavras, "mas o que é que isto tem mesmo a ver com as bombas que caem sobre os povos nossos semelhantes?". É como se a nossa vida e todos os nossos interesses entrassem em um reino de suspensão. A guerra e a agressão dos novos bárbaros tomaram conta de tudo.

Parece. Mas é só uma aparência de pecado de nossa consciência cristã. Porque, pensando bem, é uma prova de que estamos vivos, é uma indicação de que a barbárie ainda não venceu, a leitura de um pensamento que nos reconcilia com um tempo de paz provisória, com alguma coisa de harmonia ainda não assaltada pelo desassossego de hoje. É isto o que nos dá o professor e crítico Alfredo Bosi em seu livro recém-publicado "Céu, inferno", uma seleção de ensaios e estudos.

Se não, vejam: "O que admira n'O Ateneu, escrito em 1888, é a superação precoce do naturalismo que nele se opera enquanto narrativa, estilo e ideologia. Ao contrário de Aluísio Azevedo que, n'O Cortiço, trata como fisiológicos lances da acumulação capitalista, Raul Pompéia apreende o momento em que as paixões se socializam. Atando o sonho noturno à consciência diurna, o narrador permeia de historicidade os afetos do seu protagonista...".

Ou então isto: "Que os críticos puristas me perdoem, mas vou começar citando uma confissão de Cecília Meireles. Perguntada sobre qual seria o seu maior defeito, ela respondeu: 'uma certa ausência do mundo'". E é interessante notar, de passagem, que nessa visão de Cecília o crítico Bosi faz quase uma corte à memória de nossa mais bela autora, bela física e espiritual, que recebeu de Bandeira o comentário: "O que me espanta em Cecília não é a mulher bela que ela foi, mas a mulher bela que ela é, na maturidade".

Seria bom um comentário sobre um livro (e o leitor nos perdoe o medo e o pudor que nos invadem, o recuo que temos diante da palavra "crítica", ao comentar um livro do crítico Bosi), seria bom um comentário que em lugar das palavras expressas do comentarista deixasse apenas citações do comentado, numa progressão, em que o comentarista-fantasma sumisse da vista dos leitores, como um narrador "ausente", responsável apenas pela seleção dos trechos destacados. Ou melhor, o comentarista seria um entrevistador, oculto, de perguntas furtadas ao texto vindo à luz. Se assim fosse possível, o comentário teria em seu desenvolvimento um trecho assim:

"E na Consciência de Zeno impressiona aquele deter-se no enfermiço, aquele comprazer-se nos atos falhos (célebre o episódio em que Zeno segue um enterro que não é o do seu sócio e cordial amigo), na representação de viciados que se espreguiçam no vão desejo de se emendarem; dos fanfarrões que ingerem doses (fracas) de veronal para fingirem suicídio; dos abúlicos que se estendem no sofá do psicanalista e não pretendem levantar-se tão cedo, não por fé no método, mas pela tibieza acariciante de uma distração. São gordos flácidos que querem e não querem emagrecer; são ineptos mornos que querem e não querem agir; são impotentes precoces, sem amor, mas curiosos de sensações e de prazer. O romance é o diário de um universo obsolescente colhido pela via humorística da auto-exibição".

E no parágrafo imediato a esse trecho: "Ora, tudo isso tem um nome na história da cultura européia, um nome corrente na crítica italiana: decadentismo. Mas o decadentismo não é senão a inflexão agônica e contraditória de um Realismo que se quer mais profundo, isto é, a sua hora negativa...".

Ou isto: "Vai aceso o debate entre estetas e políticos, puros e engajados. Gramsci dá uma pista nova. Ao artista cabe 'fixar' uma imagem do real, torná-la presente e, ainda que por um átimo, prendê-la nas amarras do signo. Já o homem de ação não tolera que as coisas voltem sempre com a mesma face. Assim, o 'atraso' da arte em relação à política é estrutural, porque o tempo da imagem é, por força, o de um passado que se faz presente; o tempo da ação é o de um presente que se abre para o futuro..."

(Como tal ainda não é possível, apesar do lucro e da beleza que ganharíamos todos, resenhadores, leitores e resenhados, avancemos sem prudência com nossas próprias palavras. Que são, e nos perdoem o feijão-com-arroz pobre...)

Em "Céu, inferno", o crítico Alfredo Bosi tem a graça de olhar a vizinhança da obra que critica, como o faz no ensaio "Do inferno ao céu..." ao trazer Guimarães Rosa para o mesmo corpo em que faz a análise de "Vidas Secas", de Graciliano. O que pareceria uma digressão tem o sabor de um olhar mais amplo, que abarca o diverso para ressaltar o específico. Digressão mesmo, diria um jornalista amarrado às cordas da objetividade imediata (como se a crítica à obra de arte não fosse ela mesma uma obra de arte e, portanto, avessa à objetividade óbvia), digressão de matar, ele faz em "Em torno da poesia de Cecília Meireles". Esse "em torno" do título já diz tudo. Mas que digressão boa! Como daquelas de Borges em palestra, que insubstituível digressão ele nos dá, ao nos fazer viajar com a nossa libérrima e exata pela Índia, pela Itália, até atingir Ouro Preto, no Romanceiro da Inconfidência.

E não sentimos o transporte. Seguimos, naturalmente. Assim como seguimos a sua volta a nossos clássicos, sem nos dar conta, em mais uma leitura de "Vidas Secas". Sentimos, sim, e aí sentimos como um abalo, na releitura que nos dá em "O Ateneu, opacidade e destruição". Desconfio, e quem não é crítico é somente intuição, presságio, desconfio que essa crítica a "O Ateneu" o acompanhará para sempre, como um posfácio grudado aos ossos de Raul Pompéia, como o ensaio de Lukács a "Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister". Como uma canção que encontrou o seu intérprete. Como Agostinho dos Santos cantando "A Felicidade".

E para que não pensem que isso é discurso de banquete, para que um novo Alienista não nos interne por doença do imponderado, anotemos de passagem, muito contra a vontade, e aí sim, seremos imponderados, digamos e fujamos numa carreira que em "Mário de Andrade, crítico do Modernismo", o nosso crítico paga um tributo à sua condição de paulista e professor da USP. Mais precisamente no passo em que escreve, em itálico: "Com isso, a grande literatura dos anos 30 e 40 foi condicionada pelo Modernismo, mas dialeticamente resultou diversa dele".

Ora, dizer, por exemplo, que "Menino de Engenho", "Bangüê", vêm, ainda que por vias de astúcia do real, do Modernismo, é o mesmo que não levar em conta, neste exemplo, a grande presença, fecundante, de Gilberto Freyre no Recife, da influência direta de Gilberto sobre o jovem José Lins.

São palavras do menino de engenho, em "Dias Idos e Vividos": "Conheci Gilberto Freyre em 1923. Foi numa tarde do Recife... Para mim teve começo naquela tarde de nosso encontro a minha existência literária. O que eu havia lido até aquele dia? Quase nada. Talvez que nem um livro sério do princípio até o fim. Lera o grande Eça de Queirós. Mas escrevia por instinto contos e crônicas. E João do Rio com a sua simplicidade de escrever me entusiasmara. Lima Barreto, também... E a minha aprendizagem com o mestre da minha vida se iniciava sem que sentisse as lições. Começou uma vida a agir sobre outra com tamanha intensidade, com tal força de compressão, que eu me vi sem saber dissolvido, sem personalidade, tudo pensando por ele, tudo resolvendo, tudo construindo como ele fazia... Posso dizer sem medo que a ele devo os meus romances, ao seu constante e benéfico convívio o ânimo para não parar, não desistir..."

A passagem foi grande. Pelo tamanho, até parece citação de um menino de Água Fria, do Recife, reclamando para a sua cidade a influência exclusiva sobre uma grande obra, como se o Modernismo fosse apenas a semana de 22. Então encerremos, para não manchar com um provincianismo este comentário. Voltemos então ao início, ao título. Se o leitor até aqui não entendeu onde está a dignidade da crítica de Alfredo Bosi, deixamos-lhe palavras de "Céu, inferno", que remetem por fim e no fim a Graciliano Ramos:

"No âmago da condição humilhada e ofendida, os que a partilham transmutam em fantasia compensadora as carências do cotidiano. O menino sonha com a serra que se confunde com o céu estrelado... Entretanto, logo se esvai esse efeito quase-onírico de sentido: a fantasia padece um duro confronto com a cara irredutível do real. O menino não mora naquele morro onde se tocam o céu e a terra... 'Repetiu que não havia acontecido nada e tentou pensar nas estrelas que se acendiam na serra. Inutilmente. Àquela hora as estrelas estavam apagadas'".

Para ir além





Urariano Mota
Olinda, 18/4/2003

Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sob as Cinzas do Tempo
Carlos A, Baccelli; Inácio Ferreira
Didier
(2009)



Tratado Teórico e Prático dos Contratos - Volume 4
aria Helena Diniz
Saraiva
(2002)



Forca Da Comunicacao
Frank M. Corrado
Makron Books
(1994)



Encruzilhadas da Liberdade
Walter Fraga Filho
Unicamp
(2006)



Breve Cartografia de Lugares Sem Nenhum Interesse
Marcilio França Castro
7Letras
(2011)



Princípio básico da felicidade
Masaharu Taniguchi
Seicho NO IE
(2012)



Arte Naïf: Adivinha o que é?
Edna Ande e Sueli Lemos
Edebê
(2017)



Auditoria da Qualidade dos Recursos Humanos - Teoria e Prática
Thadeu Do Couto
Qualitymark
(2022)



Mulheres solitárias enfrentando a realidade 310
Caio Fábio
Press Abba
(1995)



Calunga Tudo pelo Melhor
Luiz Antonio Gasparetto
Vida & Consciência
(1997)





busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês