A nova escola | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Walter Burkert (1931-2015)
>>> Os quadrinhos e o castelo do Graal
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/8/2003
A nova escola
Urariano Mota
+ de 14300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No primeiro dia de aula, o aluno entra na sala, senta-se e espera a aula de matemática. Toca a campa, a porta da sala está aberta, mas o professor não entra. Passam-se 45 minutos. Pelo horário, é chegada a hora da aula de biologia. A campa mais uma vez toca, da turma vê-se um cão sarnento que passa no corredor, mas o professor de biologia não entra. Soa então a hora da aula de filosofia. Finalmente será a boa hora de Aristóteles e Platão. Seria. Porque de todos os lugares só vêm o barulho, os gritos e caos das turmas libertas da sisudez dos filósofos. Em lugar de "os jovens são coléricos, irritadiços e geralmente deixam-se arrastar por impulsos, pois são dominados pela fogosidade", mais propriamente, como uma ilustração das palavras do filósofo ouvem-se "a mãe! - a sua! - aqui, ó!" , e outras interjeições da idade. Chega o fim do turno. Em vez de Física, Matemática, Biologia, Filosofia, em lugar de toda essa chateação, há um congraçamento, uma intimidade estreitada no maior calor, barulho e algazarra. Volta para casa.

Nos dias que se seguem, em razão mesmo da capacidade humana de generalizar, o estudante não mais espera. Este é o primeiro passo da sua aprendizagem. Ele vai à escola, namora, bebe, fuma, agarra-se, esbofeteia-se, nas salas, nos corredores, nos banheiros, e de tal maneira, e com tamanho desenvolvimento da percepção, que nem sente mais a dura passagem das horas. Não sente, mas aprende. A passagem das horas, que ele não vê, é a esta altura compreendida como o usufruto, o gozo guloso do tempo. E a gula, o que é: o instinto solto, no horário e espaço do colégio, que perpetra um assassinato juvenil do tédio. E os dias, e os meses passam, e assim se chega ao fim do ano. Então surge um incômodo, porque chega a hora de um questionamento: Como promover os estudantes, como fazê-los progredir, já não digo na alma, mas digo, como adiantá-los para uma nova série, se durante o ano letivo estudaram piercings, tatuagens, fumo, insulto, pornografia e escabrosidades escritas? Como? Deixemos por enquanto, suspendamos aqui essa interrogação como uma espada de Dâmocles. Suspenda-se para que se divulgue ao mundo:

No Brasil criou-se a escola sem professores.

A instituição OCSENU, ou a UNESCO invertida, premiaria a inovação. A Escola sem professores do Brasil. Não há exagero, leitor. Nada do que foi dito até aqui, salvo o cão sarnento que passeia nos corredores, nada do que se seguirá é invenção deste cérebro doentio. Está nos jornais da semana: "Ensino Público - Escolas estaduais iniciam semestre sem professores". O nosso esforço é o de procurar entender, se nossa limitada experiência permitir. É dos jornais: "Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco, o déficit é de 10 mil docentes". Ao que responde o chefe de gabinete da Secretaria de Educação, como se corrigisse um exagero: "Somente não há professores em 10% de toda a rede estadual". E continua, sem se dar conta do que diz: "Esperamos concluir o levantamento da carência até outubro, ou, no máximo, novembro". Ora, se o levantamento, a estatística, se conclui até novembro, quando dezembro chegar, as escolas sem professores já estarão bem acostumadas sem. É natural e faz sentido: quem já passou o ano inteiro sem professor já se adaptou à nova pedagogia. E nem precisamos recorrer à imaginação para compreender como. Basta reproduzir o que lemos nos jornais.

"Na Escola Gercino Pontes, na Imbiribeira, não há professores de: Matemática (tarde), História (tarde), Geografia (tarde), Educação Artística (noite), Geografia (noite), Religião (noite) e Sociologia (noite). Para resolver o problema, a carga horária dos professores foi reorganizada, de modo a não deixar turmas inteiras sem aula". Vejam então o que extraiu dos miolos o pobre do diretor: "Na 7a. série, por exemplo, são 3 aulas de História. Decidimos diminuir para 2. A terceira aula se transformou em geografia". São tão parecidas, não é? Mas vejam a outra solução, que amplia a miséria com uma melhor distribuição da aritmética: "Na 7a. série há 5 aulas de Matemática. Como os alunos do 2o. ano do Ensino Médio estão sem professor da disciplina, pedimos ao responsável pela 7a. para ali ministrar somente 3 aulas. As outras 2 são para o 2o. ano". Brilhante, não? Quem já possuía deficiência com 5 aulas, certamente melhorará com 3. Mas quem nada possuía, ganhou 2, que é para depois não sair por aí dizendo que não tem professor.

Já na Escola Othon Bezerra de Melo, no Ipsep, se descobriu um método de deixar um só professor em dois lugares diferentes, ao mesmo tempo. Com a palavra, o mestre: "a solução para não deixar os alunos da 5a. e da 6a. séries da tarde sem aula de Matemática foi juntar as turmas". E os programas distintos, como harmonizá-los numa só aula? "Era melhor com as classes separadas", reconhece o mestre. "Tive que parar o cronograma", palavras do professor, "tive que atrasar o cronograma de uma delas para que a outra, que estava atrasada, conseguisse acompanhar". Precisa de comentário?

Na lista de escolas sem professores, aparecia uma que particularmente nos tocou, o Colégio Alfredo Freyre, em Água Fria. Ali não se ensina mais Matemática, Biologia, Sociologia e Filosofia. Movido pela lembrança dos bons tempos em que arremedamos uma aprendizagem em suas salas, ligamos para a Secretaria de Educação.

- Eu gostaria de ensinar no Alfredo Freyre. Como voluntário. Eu penso que poderia ensinar Matemática e Filosofia.

- O senhor é formado em quê?

- Em Jornalismo.

- Não pode... sem habilitação na disciplina, não pode.

- Nem de graça?!... Mas os alunos podem ficar sem professor.

- O senhor entenda. O Estado não pode sair pegando qualquer um na rua para ensinar.

Faz sentido. O Estado pode construir prédios e chamá-los de Escolas. Ainda que desabem nos tetos, ainda que os banheiros explodam sujos, ainda que sejam Escolas sem água, sem luz, sem esgotos e sem professores. Faz sentido. Imaginem só se o Estado fosse pegar para a Nova Escola mestres e esgotos na rua.


Urariano Mota
Olinda, 29/8/2003

Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2003
14h07min
Eu vi isto acontecer. Sou professor de Português e tem uma turma numa escola da minha cidade que passou mais de mês sem aulas e eu não pude pegá-las porque a "lei não permite" que eu tenha mais de 40 horas, seja ganhando ou não. Prá frente, Brasil! Fala sério!
[Leia outros Comentários de CarlosEmilianoFilho]
30/7/2007
20h45min
É realmente uma escola sem professor não é uma escola, e sim uma casa qualquer!
[Leia outros Comentários de Danilo Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso Literatura Brasileira 111 Ais
Dalton Trevisan
L&pm Pocket
(2000)



Esta é uma História de Amor
Jessica Thompson
Novo Conceito
(2014)



Livro Religião Maçonaria Do Outro Lado da Luz
William Schnoebelen
Luz e Vida
(1997)



O governo Kubitschek
Maria Victoria de Mesquita Benevides
Paz e Terra
(1976)



De Repente
Barbara Delinsky
Bertrand Brasil
(2003)



A Conquista da Felicidade
Bertrand Russell
Nova Fronteira
(2015)



Steam Lifeboats
Nicholas Leach
Foxglove
(2023)



O Melhor do Cortella
Mario Sergio Cortella
Planeta
(2018)



Paulo e Estêvão Para Jovens Leitores
Adeilson Salles
Feb
(2012)



Afrodite - Romance de Costumes Antigos
Pierre Louys
Ediouro
(1991)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês