A nova escola | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/8/2003
A nova escola
Urariano Mota

+ de 13600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No primeiro dia de aula, o aluno entra na sala, senta-se e espera a aula de matemática. Toca a campa, a porta da sala está aberta, mas o professor não entra. Passam-se 45 minutos. Pelo horário, é chegada a hora da aula de biologia. A campa mais uma vez toca, da turma vê-se um cão sarnento que passa no corredor, mas o professor de biologia não entra. Soa então a hora da aula de filosofia. Finalmente será a boa hora de Aristóteles e Platão. Seria. Porque de todos os lugares só vêm o barulho, os gritos e caos das turmas libertas da sisudez dos filósofos. Em lugar de "os jovens são coléricos, irritadiços e geralmente deixam-se arrastar por impulsos, pois são dominados pela fogosidade", mais propriamente, como uma ilustração das palavras do filósofo ouvem-se "a mãe! - a sua! - aqui, ó!" , e outras interjeições da idade. Chega o fim do turno. Em vez de Física, Matemática, Biologia, Filosofia, em lugar de toda essa chateação, há um congraçamento, uma intimidade estreitada no maior calor, barulho e algazarra. Volta para casa.

Nos dias que se seguem, em razão mesmo da capacidade humana de generalizar, o estudante não mais espera. Este é o primeiro passo da sua aprendizagem. Ele vai à escola, namora, bebe, fuma, agarra-se, esbofeteia-se, nas salas, nos corredores, nos banheiros, e de tal maneira, e com tamanho desenvolvimento da percepção, que nem sente mais a dura passagem das horas. Não sente, mas aprende. A passagem das horas, que ele não vê, é a esta altura compreendida como o usufruto, o gozo guloso do tempo. E a gula, o que é: o instinto solto, no horário e espaço do colégio, que perpetra um assassinato juvenil do tédio. E os dias, e os meses passam, e assim se chega ao fim do ano. Então surge um incômodo, porque chega a hora de um questionamento: Como promover os estudantes, como fazê-los progredir, já não digo na alma, mas digo, como adiantá-los para uma nova série, se durante o ano letivo estudaram piercings, tatuagens, fumo, insulto, pornografia e escabrosidades escritas? Como? Deixemos por enquanto, suspendamos aqui essa interrogação como uma espada de Dâmocles. Suspenda-se para que se divulgue ao mundo:

No Brasil criou-se a escola sem professores.

A instituição OCSENU, ou a UNESCO invertida, premiaria a inovação. A Escola sem professores do Brasil. Não há exagero, leitor. Nada do que foi dito até aqui, salvo o cão sarnento que passeia nos corredores, nada do que se seguirá é invenção deste cérebro doentio. Está nos jornais da semana: "Ensino Público - Escolas estaduais iniciam semestre sem professores". O nosso esforço é o de procurar entender, se nossa limitada experiência permitir. É dos jornais: "Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco, o déficit é de 10 mil docentes". Ao que responde o chefe de gabinete da Secretaria de Educação, como se corrigisse um exagero: "Somente não há professores em 10% de toda a rede estadual". E continua, sem se dar conta do que diz: "Esperamos concluir o levantamento da carência até outubro, ou, no máximo, novembro". Ora, se o levantamento, a estatística, se conclui até novembro, quando dezembro chegar, as escolas sem professores já estarão bem acostumadas sem. É natural e faz sentido: quem já passou o ano inteiro sem professor já se adaptou à nova pedagogia. E nem precisamos recorrer à imaginação para compreender como. Basta reproduzir o que lemos nos jornais.

"Na Escola Gercino Pontes, na Imbiribeira, não há professores de: Matemática (tarde), História (tarde), Geografia (tarde), Educação Artística (noite), Geografia (noite), Religião (noite) e Sociologia (noite). Para resolver o problema, a carga horária dos professores foi reorganizada, de modo a não deixar turmas inteiras sem aula". Vejam então o que extraiu dos miolos o pobre do diretor: "Na 7a. série, por exemplo, são 3 aulas de História. Decidimos diminuir para 2. A terceira aula se transformou em geografia". São tão parecidas, não é? Mas vejam a outra solução, que amplia a miséria com uma melhor distribuição da aritmética: "Na 7a. série há 5 aulas de Matemática. Como os alunos do 2o. ano do Ensino Médio estão sem professor da disciplina, pedimos ao responsável pela 7a. para ali ministrar somente 3 aulas. As outras 2 são para o 2o. ano". Brilhante, não? Quem já possuía deficiência com 5 aulas, certamente melhorará com 3. Mas quem nada possuía, ganhou 2, que é para depois não sair por aí dizendo que não tem professor.

Já na Escola Othon Bezerra de Melo, no Ipsep, se descobriu um método de deixar um só professor em dois lugares diferentes, ao mesmo tempo. Com a palavra, o mestre: "a solução para não deixar os alunos da 5a. e da 6a. séries da tarde sem aula de Matemática foi juntar as turmas". E os programas distintos, como harmonizá-los numa só aula? "Era melhor com as classes separadas", reconhece o mestre. "Tive que parar o cronograma", palavras do professor, "tive que atrasar o cronograma de uma delas para que a outra, que estava atrasada, conseguisse acompanhar". Precisa de comentário?

Na lista de escolas sem professores, aparecia uma que particularmente nos tocou, o Colégio Alfredo Freyre, em Água Fria. Ali não se ensina mais Matemática, Biologia, Sociologia e Filosofia. Movido pela lembrança dos bons tempos em que arremedamos uma aprendizagem em suas salas, ligamos para a Secretaria de Educação.

- Eu gostaria de ensinar no Alfredo Freyre. Como voluntário. Eu penso que poderia ensinar Matemática e Filosofia.

- O senhor é formado em quê?

- Em Jornalismo.

- Não pode... sem habilitação na disciplina, não pode.

- Nem de graça?!... Mas os alunos podem ficar sem professor.

- O senhor entenda. O Estado não pode sair pegando qualquer um na rua para ensinar.

Faz sentido. O Estado pode construir prédios e chamá-los de Escolas. Ainda que desabem nos tetos, ainda que os banheiros explodam sujos, ainda que sejam Escolas sem água, sem luz, sem esgotos e sem professores. Faz sentido. Imaginem só se o Estado fosse pegar para a Nova Escola mestres e esgotos na rua.


Urariano Mota
Olinda, 29/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. A nova literatura de Gian Danton
03. Diploma ou não diploma... não é esta a questão de Daniela Castilho
04. Como uma criança de Arcano9


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2003
14h07min
Eu vi isto acontecer. Sou professor de Português e tem uma turma numa escola da minha cidade que passou mais de mês sem aulas e eu não pude pegá-las porque a "lei não permite" que eu tenha mais de 40 horas, seja ganhando ou não. Prá frente, Brasil! Fala sério!
[Leia outros Comentários de CarlosEmilianoFilho]
30/7/2007
20h45min
É realmente uma escola sem professor não é uma escola, e sim uma casa qualquer!
[Leia outros Comentários de Danilo Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pequeno Filósofo
Gabriel Chalita; Thais Linhares
Globo Antigo
(2011)



Confissão de uma Harpista
José Carlos Leal
Celd
(2002)



Endocrinologia Ginecológica Aspectos Contemporâneos
José Mendes Aldrighi
Atheneu
(2005)



Os Quadros de Pablo
S. Girardet
Companhia das Letras
(1996)



Reféns do Destino
Chantelle Shaw e Trish Morey
Harlequin
(2009)



A Turma do Santos : Esquadrão Mirim
Bruno Godoi
Coerência
(2016)



Filosofia II - Volume Único Ensino Médio
Edson Bispo
Expoente
(2011)



Grammaire des Immeubles Parisiens - Six Siêcles de Façades Du Moyen ..
Claude Mignot
Parigramme
(2009)
+ frete grátis



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Um Pedacinho de Chao
Elizabeth Laird
Atica
(2008)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês