O rei nu do vestibular | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
>>> O problema do escritor
>>> Cadáveres
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
Mais Recentes
>>> Justiceiro Bem-vindo de Volta, Frank Parte 2 - Coleção Oficial de Grap de Garth Ennis; Steve Dillom pela Salvat (2015)
>>> Fernando Pessoa Poemas para Crianças de Fernando Pessoa pela Martins Fontes (2007)
>>> O Homem Tecnológico - Mito e Realidade de Victor C. Ferkiss pela Zahar (1972)
>>> Shinshoku Kiss - Nº 02 de Kazuko Higashiyama pela New Pop (2004)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Via Leitura (2018)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Atica (2008)
>>> Programas de Trabalho e Renda uma Nova Forma de Análise de Paulo Lourenço Domingues Junior pela Olho D Agua (2010)
>>> O Último Jornalista - Imagens de Cinema de Stella Senra pela Estação Liberdade (1997)
>>> Descanse Em Paz de Joyce Carol Oates pela Leya (2010)
>>> A Imagem-tempo de Gilles Deleuze pela Brasiliense (2013)
>>> Bling Ring - a Gangue de Hollywood de Nancy Jo Sales pela Intrínseca (2013)
>>> O Diário de Anne Frank de Otto H. Frank; Mirjam Pressler pela Record (2004)
>>> Eletrônica Digital de Wilson M. Shibata pela Érica (1989)
>>> Aprendendo a Conviver Com Quem Se Ama de Neale Donald Walsch pela Sextante (2006)
>>> Como não aprender inglês de Michael A. Jacobs pela Do Autor (1999)
>>> O Que é Toxicomania - Coleção Primeiros Passos de Jandira Masur pela Brasiliense (1987)
>>> Velhos e Novos Males da Saude no Brasil de Carlos Augusto Monteiro pela Hucitec (2015)
>>> Depois Que Você Morreu de Márcia Leite pela Moderna
>>> A Mulher V - Moderna, à Moda Antiga de Cristiane Cardoso pela Unipro (2011)
>>> Entre Amigas de Evelyn Holst; Sabine Reichel pela Essencia (2009)
>>> Violencias Nas Escolas - Perspectivas Historicas e Politicas de Ana Maria Eyng (org.) pela Unijui (2011)
>>> Listening Extra: A Resource Book of Multi-Level Skills Activities de Miles Craven pela Cambridge University Press (2004)
>>> Kare Kano - as Razões Dele, os Motivos Dela - Nº 08 de Masami Tsuda pela Panini / Planet Mangá (2007)
>>> Clara Nunes - Guerreira da Utopia de Vagner Fernandes pela Ediouro (2007)
>>> Introdução aos Estudos Linguisticos de Francisco da Silva Borba pela Nacional (1967)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/12/2003
O rei nu do vestibular
Urariano Mota

+ de 6300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Por esses dias nos invadiu um sentimento de solidariedade pelos jovens que fazem vestibular no Brasil. Não nos referimos ao massacre mesmo da maratona. Num esforço de concessão, digamos que o reduzido número de vagas nas universidades imporia tal massacre. Por esforço de concessão e método, digamos que isto seria necessário. Digamos. Mas esse esforço é incapaz de conter o que sentimos em relação a um momento específico das provas do vestibular: a solidariedade aos jovens que sofrem a prova de português. Que miséria! Queremos dizer, como é que se mata dessa maneira a maior aventura e gozo do conhecimento? Queremos dizer, como é que se mata a luta para expressar o conhecimento e a fruição mesma que é a sua leitura? Pois alertados para o fato de que as normas da língua culta, isoladas, são precárias para o ensino da expressão do pensamento, uma vez que normas aqui e ali são fósseis, camisas-de-força para a loucura do engenho, as provas passaram a exigir a interpretação de textos, e aí, de um erro secular atingiu-se um erro bárbaro, porque recente, porque moderno. Chegou-se à "interpretação". Pois interpretar é mesmo o quê? Deveria ser um livre reflexo de um conteúdo. No entanto, numa tradução zombeteira de Rosa Luxemburg, a liberdade passou a ser a do gabarito da prova, expressa nas opções do Certo e do Errado. Vale dizer, a interpretação continuou livre, desde que presa a limitadíssimas opções. O problema, e o diabo, e o pior, é que o Certo e o Errado são absolutamente estúpidos.

Para não ser injusto com esta ou aquela prova de vestibular, imaginemos alguma obra de prosa que mantivesse um extraordinário teor de objetividade, que, feita de humano para humanos, guardasse uma linearidade que não comportasse dúvidas. Uma obra? Vamos ser menos ambiciosos. Digamos uma frase, algo assim tão elementar quanto "Miguel de Cervantes é um escritor clássico". Existiria alguma dúvida, para quem lê esta frase, sobre quem é Miguel de Cervantes? - Sim, se se quiser levar em conta a dimensão de criador a que ascendeu Miguel de Cervantes. Mas suponhamos que não, suponhamos que já estivesse assente que ele foi um dos maiores gênios da escrita de todos os tempos. Haveria ainda alguma dúvida sobre o significado do verbo Ser no presente? Não... dizendo melhor, Sim, porque esse verbo não se realiza nele mesmo, ele guarda significado com o que lhe segue, e isto para não levar em conta que trouxemos para o presente um indivíduo que faleceu há quase 400 anos. Mas passemos, como resolvida, essa dificuldade. Passemos ainda pelo artigo indefinido Um como favas contadas, como se fosse tão sem importância quanto o definido O em relação ao que se declara. Atinjamos Escritor. Teríamos então "Miguel de Cervantes é um escritor". Alguma dúvida? Não, pois todos devem saber o que é um escritor na sua definição mais óbvia, "escritor, aquele que escreve". Mas a essa altura, perguntamo-nos, está prenhe de significados claros o dizer que Miguel de Cervantes é um escritor? Não, porque qualquer indivíduo que não tenha descido ao nível do mineral sente que nessa frase há um corte abrupto, há uma falta, porque dizer que Cervantes é um escritor é dizer uma redundância, além de, é claro, jogá-lo à vala comum de todos que escrevem. Então atinjamos o adjetivo, tão forte que prescindiria do substantivo. Alguma dúvida sobre esse adjetivo? - Para dizer o mínimo, todas, todas as dúvidas. O que se quis mesmo dizer com o Miguel de Cervantes é um escritor CLÁSSICO?

Imaginemos agora um objeto escrito onde essa frase se inscrevesse. Façamos uma pausa e imaginemos. Cinqüenta linhas, cem frases gravitam em torno dela. Possivelmente, as dúvidas dessa única frase seriam resolvidas pelo desenvolvimento das orações e argumentos. Mas bem mais possível, possível, não, com certeza, outras mais e maiores dúvidas surgiriam, até que atingissem o patamar que atinge todo e qualquer objeto escrito: ele é um significado no momento em que se concebe, ele é outro quando se realiza, e tem ainda um terceiro, um quarto... na absorção e nas circunstância de quem o lê. No caso das provas de português do vestibular no Brasil, acrescentam-se mais dois significados: o objeto escrito é transformado num excerto, é um corte do original, quase sempre; e é um corte que já vem com suas determinações prontas, do gabarito, naquela tradução perversa da liberdade de Rosa. Com isto alcançam-se situações francamente absurdas. Por exemplo, o autor de uma crônica, aproveitada para o vestibular, não consegue responder às questões dirigidas ao que ele próprio escreveu. O escritor Mário Prata, para lembrar um exemplo recente, já escreveu página exemplar onde se confessava incapaz de responder ao que perguntaram numa prova sobre o que ele, Mário Prata, escrevera! O que dizer então de jovens de 17, 18 anos, à procura do Certo e do Errado, perdidos na selva escura, como se houvesse um, e somente um caminho até o Paraíso? Para quem não está na sua pele, é uma Comédia, de erros.

Triste é ver o papel de professores que não erguem sua voz contra semelhante estreiteza. Triste é vê-los elogiar semelhantes provas sob argumentos de que "o vestibulando está sendo avaliado em sua capacidade de compreender e interpretar textos sob o ponto de vista semântico, estrutural, estilístico e gramatical": referendam o status quo. Ou seja, diante do rei nu, afirmam que ele está vestido pomposamente de seda. Por Deus, se um crítico calejado, experiente, seria incapaz de resolver todas essas possibilidades diante de um fragmento, como é que jovens estudantes podem encontrar convergências, identidades, por exemplo, entre um poema, um excerto de uma página filosófica e uma reles divulgação publicitária, tudo num só quesito? Responder pelo menos absurdo? Mas o que é absurdo diante de tal mistura, se não a própria, irresponsável e leviana mistura?

Como aceitação do status, triste ainda é ver professores recomendarem, atenção, o leitor segure por favor o engulho, 10 Mandamentos para Análise de Textos. Por que não 20, 30, N mandamentos? Por que não, simplesmente, nenhum? Entre esses mandamentos, encontra-se a norma "Sublinhar, em cada parágrafo, a idéia mais importante", que tem nome, "tópico frasal". Outro dos mandamentos: "Escrever, ao lado de cada parágrafo, ou de cada estrofe, a idéia mais importante contida neles". E mais este: "Não levar em consideração o que o autor quis dizer, mas o que ele disse, escreveu". (Essas coisas deveriam vir escritas em gótico.) Ora, contestar qualquer um desses mandamentos seria o mesmo que bater em bêbado que desce a ladeira. Ainda assim, não nos furtamos. Vejamos uma estrofe do poema O Cão sem Plumas, de João Cabral de Melo Neto:

"O rio ora lembrava
a língua mansa de um cão,
ora o ventre triste de um cão,
ora o outro rio
de aquoso pano sujo
dos olhos de um cão."

O que o estudante anotaria ao lado, a língua mansa de um cão, o ventre triste de um cão, ou o pano sujo dos olhos de um cão, mas sem perder nunca de vista que se trata de um rio? O que mais releva, o rio mesmo, ou a sua metáfora, que lhe dá substância? E que coisa mais esdrúxula um rio que lembra ora uma, ora outra parte do miserável de um cachorro! Como sair desse empobrecimento? O bom senso nos recomenda, como um décimo primeiro mandamento, que ninguém consegue responder, marcar "certo", a todas perguntas da interpretação de um poema sem estar razoavelmente burro. Ou treinado, estupidamente treinado, vale dizer, tornado absolutamente inútil para a compreensão da riqueza que a literatura nos presenteia da vida.

Desde que as ciências humanas passaram a padecer de um complexo de inferioridade em relação às maravilhas criadas pelas chamadas ciências exatas, como se a técnica fosse um ente inumano, como se ambas manifestações não fizessem parte do mesmo complexo humano, desde então foram trazidos para a sua análise instrumentos que não lhes são próprios. Como, por exemplo, a objetividade, a liquidez cristalina e estúpida de que dois mais dois são quatro. Nem sequer é levado em conta que nem essa verdade é tão verdadeira assim, quando se mudam os sistemas de numeração. Bem pior, nem sequer é levado em conta que dois mais dois no reino da história dão sempre um resultado que não se determina antes que um fenômeno se tenha concretizado. Há um espaço aberto de possibilidades que salta e zomba de projeções esquemáticas. Se isto, então... quem sabe? No específico da escrita, da criação que se expressa em palavras, esse movimento de objetividade passou a uniformizar as mais diversas manifestações sob o nome genérico de "texto". E nesse grande saco de quinquilharias puseram a mensagem publicitária da Coca-Cola, o poema de João Cabral, o Dom Quixote, e até mesmo estas mal traçadas linhas. Tudo é texto. E a partir daí, desse objeto material, passou-se a dividi-lo em parágrafos (com o devido desconhecimento de Marcel Proust), em estrofes, e linhas, em palavras autônomas, como se esse retalhamento guardasse a unidade, como se do seu conjunto recomposto resultasse a totalidade do objeto, o corpo vivo do pensamento. Ora, a linha de um texto é um espaço mumificado, é a tentativa de cortar o tempo para tão-só este instante, como se o agora pudesse prescindir do que foi e do que virá. Pois a criação lembra bem uma imitação humana do tempo físico: o "texto", o tempo, veio, vem e virá realizado num só objeto.

Seria bom, sensato, razoável, que tais interpretações de empobrecimento mantivessem distância das criações que nos iluminam. Pois que alternativas seriam postas numa prova para o infeliz do Gregório Samsa, que um belo dia despertou transformado em um inseto? Que ele se transformou: a) em uma barata; b) em um mosquito; c) ou em um grilo? As possibilidades de trágico e ridículo estão abertas.


Urariano Mota
Olinda, 8/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Eddie Van Halen (1955-2020) de Julio Daio Borges
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/12/2003
13h04min
Como se Mario Prata fosse um exemplo de capacidade intelectual. Ele não somente seria incapaz de passar na prova de interpretação, como provavelmente reprovaria em outras.
[Leia outros Comentários de Coutinho]
9/12/2003
12h42min
Como se uma prova de vestibular fosse capaz de medir a "capacidade intelectual", e muito mais, como se a "capacidade intelectual" fosse uma coisa projetada para um único sentido.
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
6/1/2004
20h51min
"Todo homem tem direito a defesa, seja rico ou pobre, branco ou negro. Era uma vez um rei que mandava bater nos seus súditos; era uma vez um povo que perdeu o medo da dor." Era uma vez um cara que morava na Bomba do Hemetério, tinha poucos amigos, mas, dentre os de sua estima, havia um que ocupava lugar de destaque no seu coração: Urariano Mota. É isso aí, amigo, até hoje, aqui no Riolência 10, lembro-me de você, com esse seu jeitão amigo. Enfim, reencontrei-o (graças à Internet). Lembra-se do vestibular de 88? Fui reprovado por um erro de perfuração do cartão. Estupidez! O juiz que julgou o recurso senteciou: "Improcedente" - a queixa. Não tentei outro. Mas estou aqui, inteiro, mesmo com as emendas na alma. Aguardo notícias suas. Abraços. Fernando Soares Campos (lembra-se?)
[Leia outros Comentários de Fernando Soares ]
8/3/2004
10h51min
Só hoje, depois de passados mais de dois da publicação desse texto, e do vestibular, tive oportunidade de ver expressos em linhas escritas muitos dos sentimentos que me atormentam como professora de língua e como mãe de vestibulandos. Como professora, a propósito da avaliação restrita que a maioria das provas de língua impõe aos candidatos, tenho orgulho de não estar incluída entre aqueles que desempenham o "papel de professores que não erguem sua voz contra semelhante estreiteza". Triste é vê-los elogiar semelhantes provas sob argumentos de que “o vestibulando está sendo avaliado em sua capacidade de compreender e interpretar textos sob o ponto de vista semântico, estrutural, estilístico e gramatical”: referendam o status quo. Ou seja, diante do rei nu, afirmam que ele está vestido pomposamente de seda. Tenho tentado mostrar, em vários fóruns, a nudez do rei, e, para minha satisfação, já não é pequeno o número de pessoas que agora o vêem assim, desnudo. Mas ainda não é suficiente para mudar o quadro que o autor desse texto sabiamente revela. Como mãe, dói ver filhos criados num ambiente que propicia a reflexão e a crítica do mundo que os abriga e os rodeia serem descartados de um concurso que classifica por meio de "certo" e "errado", basicamente, a despeito de toda a preparação para enfrentar uma das muitas injustiças com que se depararão ao longo de suas vidas. Como mãe, choro. Como professora, luto. É o que posso fazer.
[Leia outros Comentários de Vicentina Ramires]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Myra - Homem e Mulher... Ate Certo Ponto
Gore Vidal
Record
(1970)



Husserl
Arion L. Kelkel; Rene Scherer
Edições 70
(1982)



Sobre Máscaras e Espelhos
Lucas C Lisboa
Sapere
(2012)



O Código da Inteligência
Augusto Cury
Ediouro Sinergia
(2008)



Conceitos de Linguagens de Programação - 11ª Edição
Robert W. Sebesta
Bookman
(2018)



Advanced Dictionary of American English
Collins
Thomson
(2007)



Tex a Ultima Fronteira - Historia Inedita Completa
Goran Parlov e Sergio Bonelli
Mithos
(2000)



Assim Crescem as Crianças
Franz J Maringgele
Paulinas
(1984)



Colunas do Caráter Cristão
Josué Gonçalves
Sem
(2008)



O Turista Acidental / Capa Dura - Confira !!!!
Anne Tyler
Circulo do Livro
(1985)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês