A Istambul de Orhan Pamuk | Roberta Resende | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
Mais Recentes
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 4/3/2008
A Istambul de Orhan Pamuk
Roberta Resende

+ de 6500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Acabo de ler Istambul (Companhia das Letras, 2007, 408 págs.), de Orhan Pamuk. Ávida para tomar lugar nessa leitura que tem encontrado aceitação elogiosa em nosso meio, surpreendi-me com a demora para gostar do livro. As primeiras 70 páginas foram-me custosas. São pouco atraentes; não é uma história no sentido usual, com começo, meio e fim, um romance. Tampouco se mostra como uma autobiografia tradicional. O próprio autor parece ter dificuldade para definir seu objeto, que fica, de início, embaralhado, escondido.

Para complicar ainda mais o começo, sem que tenhamos intimidade com o personagem, aos nossos olhos ainda apenas um sério senhor agraciado pelo prêmio da Academia sueca em 2006, somos colocados diante de revelações desconcertantes, íntimas, que parecem fora de lugar ― o contexto ainda não se fez.

Mas transposta a estranheza inicial, fui captada lenta e progressivamente; ambientei-me na Istambul do autor e caminhei com ele, curiosa, intrigada, interessada, até seu final. Aliás, e que final! O livro cresce colossalmente em seus últimos capítulos.

O autor entremeia suas memórias ― da infância ao início da vida adulta ― com considerações, explicações, questionamentos e narrativas sobre Istambul, sua cidade natal.

Não há um rigor lógico ou cronológico a presidir a narrativa; o livro foi escrito acompanhando o "tempo da memória". A questão principal a ordenar a escrita é saber quem é Istambul, definir seus contornos. Para a empreitada o autor vale-se de fotos, gravuras e desenhos, todos a tentar compor Istambul, a grande personagem que nomeia a obra.

Se procurarmos nos mapas e nos livros, veremos que Istambul está quase na Europa, onde, no entanto, já é Ásia; que já foi Constantinopla e Bizâncio. Que foi sede de um grande Império até 1923. Que na ânsia de se "modernizar", de fortalecer uma "identidade nacional republicana", foi palco de atos violentos contra gregos, judeus e armênios em 1955 ― conflitos abordados pelo autor.

Mas para Pamuk essas bordas são esfumaçadas, flutuantes, insuficientes. Sabe que a demarcar sua vida de escritor em um país do chamado Oriente, na periferia do mundo cultural, há o Bósforo, o Chifre de Ouro e a Ponte Gálata; a Hagia Sofia e seus minaretes; as yalis de madeira e o que sobrou delas. Mas não se sente seguro. É preciso demarcá-la com nitidez. Lança-se corajosamente na tarefa.

Como se formou a imagem que "o mundo" tem de Istambul?
Ao contar uma história absolutamente pessoal, e de maneira também radicalmente intimista, Pamuk acaba por propor questão universal, a formação do indivíduo e de seu sentimento de pertencimento a um povo, a uma cultura.

Um dos caminhos eleitos pelo autor para tentar explicar Istambul é discorrer sobre escritores e pintores antigos, suas influências, estilos, obras, recepção que tiveram. É recurso poético, pois recupera e homenageia a tradição. Ao autor interessa perguntar como a escrita e a pintura desses artistas moldaram a visão que os Istanbullus construíram de si mesmos ao longo dos anos. O rosto da cidade teria nascido do olhar dos artistas, que ao devolverem aos moradores imagens da cidade contaminadas por olhares de fora, por clichês estrangeiros sobre o exotismo oriental, acabaram por influenciá-los. São pistas que apontam para o duplo: é pelo olhar do outro que nos fazemos. Uma teia composta de ponto e contraponto, fios atravessados de uma margem a outra do Bósforo, de tal modo que o autor não sabe mais onde começa e onde termina seu "orientalismo".

A bela imagem das salas de visita ocidentalizadas a conferirem ar de museu às casas de Istambul da infância do escritor ― uma das poucas imagens inteiras que sobrevivem em meio às ruínas das primeiras 70 páginas ― ilustra bem a questão. A Istambul percebida pelo autor quer se ocidentalizar, parecer mais "civilizada" (e aqui nos reconhecemos, nós, brasileiros, sempre em busca de uma definição de nossa identidade a partir de paradigmas estrangeiros) mas teme perder suas raízes, seus traços distintivos, ficar "comum".

Outra ferramenta em que se apóia é a análise exaustiva da cidade. São páginas e mais páginas preenchidas com descrições impressionistas das ruas de Istambul e suas casas, da alma de Istambul. Pamuk tenta reconstituir o percurso discursivo que teria levado à identificação da imagem da cidade com a melancolia, a hüzün pela qual se sente assinalado.

Qual o papel de nossas origens em tudo o que nos tornamos?
Enquanto busca definir Istambul e apresentá-la ao leitor, Pamuk busca também entender em que momento teria se tornado escritor, conhecido sua verdadeira vocação. E em que medida Istambul teria contribuído para a formação dessa vocação.

Logo no início do livro há algumas linhas altamente reveladoras: "Era uma vez um tempo em que eu pintava. Ouvi dizer que nasci em Istambul, e sei que fui uma criança um tanto curiosa. E então, quando cheguei aos vinte e dois anos, parece que comecei a escrever romances sem saber por quê".

Saber por que. Eis a linha a conduzi-lo pela Istambul do passado. Pamuk caminha pela Istambul da sua memória para tentar entender em que momento deu-se o encontro com sua vocação. Crê que o encontro deu-se nas ruas da Istambul, quando vagava desesperado pela dor da perda da amada e da pintura. É curiosa essa coincidência que ele crê ter havido: quando perdeu a amada, perdeu também o interesse pela pintura. As duas tristezas se embaralham em suas recordações. E de tão grandes perdas só restou Istambul. Passou a vagar a esmo por suas ruas, a observar suas casas, e dessas andanças surgiu o amor por sua terra, por sua gente e por sua vocação. Sob o seu ponto de vista, estar em Istambul constituiu o escritor em que se tornou: "E aqui chegamos ao cerne da questão: nunca deixei Istambul, nunca deixei as casas, as ruas e os bairros da minha infância".

No início era o caos, que foi ordenado pela travessia, pelo caminhar lento, pelo conhecer-se e reconhecer-se.

O autor abre o livro contando que desde criança foi alimentado pela fantasia de que em algum lugar de Istambul havia outro Orhan, um gêmeo fantasmagórico, pelo qual ele nutria forte curiosidade. Ao final da leitura entendemos que sim, sempre houve outro Orhan. Um Orhan que dormitava dentro de si mesmo, que esperava ver definido seu caminho especial para acordar e tomá-lo. Um Orhan que se pôs de pé nas ruas de Istambul, quando se percebeu escritor.

Entendemos, por fim, que Istambul, a grande amada a acompanhá-lo vida afora, proporcionou-lhe autoconhecimento. Conhecendo-a, conheceu-se. Daí para falar de si mesmo e de sua vida, falar tanto de Istambul. Os caminhos se fizeram nas ruas de Istambul.

É sobre as marcas que nos formam que nos fala esse grande livro.

Para ir além






Roberta Resende
São Paulo, 4/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
02. Agora eu era cronista de Marcelo Spalding
03. Livros no Google de Wellington Machado
04. Balanço geral de 2008 de Débora Costa e Silva
05. O escritor está nu de Pilar Fazito


Mais Roberta Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2009
20h03min
Cara Roberta Resende, sua crítica acerca dessa obra de Pamuk ficou formidável! Sem dúvida que se trata de um livro denso e inicialmente difícil, uma vez que não há uma linha a se seguir. Mas, dando continuidade à leitura, somos absorvidos pela genialidade do escritor, que nos revela sua alma em palavras. Difícil não nos identificarmos com os "istambullus" - aos poucos perdemos nossa identidade para uma outra cultura e somos levados a sentir uma melancolia parecida com o "huzun": vivendo entre realidades tão díspares, não há como ser diferente.
[Leia outros Comentários de Glaydson de oliveira]
22/10/2012
11h10min
Acabo de ler este livro. comecei a lê-lo recém chegada de Istambul. Gostei desde a primeira página; fui sendo cativada linha a linha; não queria chegar à última página. O texto de Roberta Resende resume o livro e os sentimentos que ele despertou em mim; inclusive o hüzün que Istambul nutre.
[Leia outros Comentários de Sonia Barini Pansera]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
THEREZINHA BITTENCOURT E VITOR LIMA RAIMUNDO
ODORIZZI
(2011)
R$ 10,00



TEM AQUELA DO...
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,38



SOMBRAS QUE ASSOMBRAM - O EXPRESSIONISMO NO CINEMA ALEMÃO
SESC
SESC
(2013)
R$ 7,27



NOVAS GEOPOLÍTICAS
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
CONTEXTO
(2011)
R$ 18,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



FILHOTES - OS CUIDADOS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DO SEU CÃO
SCOTT MILLER
MANOLE
(2008)
R$ 25,00



EXEGESE DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL-04 VOLUMES-CRÍTICA-INTER-JUR 9429
ANTONIO PEREIRA BRAGA
MAX LIMONAD
R$ 143,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO SEGUNDO - 1ª EDIÇÃO
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 34,95



O CRIME DO PADRE AMARO
EÇA DE QUEIRÓS
W. BUCH
(2009)
R$ 14,90



OS EXTRATERRESTRES - OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA ?
HEBER CASAL SÁENZ
PLANETA
(2005)
R$ 12,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês