Um Brecht é um Brecht | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/4/2006
Um Brecht é um Brecht
Guilherme Conte

+ de 7100 Acessos

Crédito: Guto Muniz

Assistir à montagem de Um homem é um homem, de Bertolt Brecht (1898-1956), pelo grupo Galpão, é dar-se conta da atualidade de sua obra. A história do homem que é desconstruído e reconstruído como soldado possui uma força que pode levar a crer que foi escrita ontem. Óbvio que a adaptação - até um pouco exagerada - do grupo, capitaneada pelo diretor Paulo José, reforça essa constatação. Mas a essência e o sentido brechtiano são de uma lucidez ímpar.

Brecht notabilizou-se por um teatro refinado e de alta qualidade, marcadamente político, com um gosto pelo humor e pela música - fontes que muito o aproximam do cabaré. Suas críticas ganham charme e vigor pelo riso, pela caricatura. E não há melhor forma de se atingir ideologias e práticas do que pelo riso.

Um homem é um homem trata da história de Galy Gay (Antonio Edson), um pacato carregador de mercado, incapaz de dizer "não" a alguém. Ele sai de casa para comprar um peixe, enquanto sua mulher (a impagável Inês Peixoto) bota a água no fogo. Um dia como outro qualquer, na cidade de Dagbá.

No meio do caminho, porém, carrega as sacolas da Viúva Leokadia Begbick (Simone Ordones), dona da cantina do acampamento do Exército. Ela o persuade a comprar de si um pepino, ao invés do peixe.

Ao mesmo tempo, soldados da Primeira Cia. de Metralhadoras assaltam o templo de um monge, nas cercanias da cidade, em busca de dinheiro para comprar bebida e drogas. Como um de seus homens se perde na atrapalhada incursão, eles têm de achar alguém para se fazer passar por ele e evitar a corte marcial.

É aqui que as histórias do Exército e de Galy se cruzam. Este é inicialmente convencido a fraudar a chamada - mediante um pagamento em uísque e charutos. Depois, é arrastado em uma série de acontecimentos que culminam em sua desconstrução enquanto Galy Gay, e reconstrução como Jeriah Jip, um soldado sedento por sangue.

O texto de Brecht é rico em ironias e piadas excelentes. A adaptação de Paulo José consegue, em muitos momentos, dar vivacidade à obra. Esse é um expediente muito utilizado por grupos que encaram a obra do dramaturgo alemão, e caro à sua própria concepção do teatro. Ele próprio mexia e remexia no texto em sucessivas montagens, visando buscar uma maior aproximação com o público.

E as mudanças são muitas. No original, a história se passa na Índia, e o Exército é britânico. Aqui, os militares são americanos e preparam-se para ocupar a cidade de "Dagbá". E, piada das piadas: a guerra é "preventiva". Alguma semelhança com o noticiário? Na mesma esteira, as referências brechtianas aos hindus aqui dizem respeito aos vietnamitas.

Crédito: Guto Muniz

Outra mudança substancial é no objeto que é vendido por Galy Gay, em dado momento da peça, e que causa discórdia. No original, é um elefante. Paulo José o troca por uma "galharufa", e escorrega numa referência para lá de óbvia ao transformá-la em uma "arma de destruição de massa" disfarçada. (Em tempo: "galharufa" é uma antiga gíria do teatro: seria um amuleto, um patuá dado de um ator experiente para um jovem em sua estréia.)

A graça causada pelo uso do elefante no texto original, o impacto pelo inusitado, se perde em uma piada reducionista. A impressão que se passa é que houve um certo espírito didático por trás da concepção da montagem. Com receito, talvez, de não passar a mensagem ao público, a adaptação aproximou demais o texto de uma realidade nossa, palpável.

É uma pena, pois grande parte do humor de Brecht se perde em substituição a um riso fácil, previsível. A platéia ri, muitas vezes, de caras, bocas, rebolados. A piada pela piada - e se distancia da intenção original do autor. A caricatura suplanta a ironia. Com isso, sai-se do teatro sem se tocar plenamente nas questões levantadas por Brecht. Aquela impressão de que faltou alguma coisa.

No geral, o ritmo da peça segue um pouco apressado, o que compromete a própria audição do texto. Os tempos, porém, tendem a se acomodar melhor à medida em que o espetáculo amadurece.

Reservas à parte, nada que comprometa o belo espetáculo que o Galpão oferece. Assistir ao grupo é um verdadeiro privilégio. Os mineiros do Galpão - sob a direção do lendário Paulo José, ator e diretor com uma longa lista de bons serviços prestados ao teatro -, com 23 anos de carreira, são sinônimo de excelência.

Crédito: Guto Muniz

Os atores são excelentes, inclusive como músicos, e se destacam como força de grupo, mais do que talentos individuais, embora alguns se destaquem naturalmente: Inês Peixoto faz uma Sra. Galy Gay que rouba a cena, mesmo aparecendo bem pouquinho. Simone Ordones, como a Viúva, também está ótima, assim como o Galy de Antonio Edson. Elogios também ao cenário de Alexandre Rousset e Thereza Bruzzi, bonito e criativo, e para o figurino de Kika Lopes.

Pode comprar o ingresso tranqüilo, seguro de que terá um espetáculo de qualidade pela frente. Aquém, no entanto, das possibilidades do texto e do que o próprio Galpão já mostrou que é capaz de fazer. Bom, mas não memorável.

Para ir além
Um homem é um homem - Teatro SESC Anchieta - R. Dr. Vila Nova, 245 - Consolação - Tel. (11) 3234-3000 - R$ 30,00 - Quinta a sábado, 21h, domingo, 19h - Até 23/04.

Notas

* Volta aos palcos de São Paulo, agora no SESC Paulista (Av. Paulista, 119 / Tel. (11) 3179-3900 / quinta a sábado, 21h, domingo, 19h / R$ 15 / Até 23/04) o ótimo espetáculo O que seria de nós sem as coisas que não existem, do ótimo grupo LUME, de Campinas. O texto é inspirado numa fábrica de chapéus do início do século XX, e por meio de depoimentos constrói uma fábula sobre a tentativa de se construir o chapéu perfeito. Muitas lembranças surgem desse processo. "Partimos da realidade para criar ficção", conta o diretor Norberto Presta. As atuações são sensíveis e esbanjam graça e leveza, com um humor elegante. Se não tem o mesmo brilho de Café com queijo, pérola do grupo, é um espetáculo que prima pela poesia.

* Os Satyros estrearam sua mais nova criação, Anjo do Pavilhão 5, em cartaz no seu espaço 2. Com texto de Aimar Labaki, é a primeira das duas montagens do projeto "Bárbara ao quadrado", que no segundo semestre trará uma criação do dramaturgo e jornalista Sérgio Roveri. Baseado no conto Bárbara, de Dráuzio Varella, traz algumas histórias do finado presídio do Carandiru. Impressiona pela crueza e pela violência, que dão pistas sobre a vida dentro da penitenciária e sobre a própria condição humana. Ivam Cabral se destaca, como a própria Bárbara, embora um pouco exagerado. Espetáculo irregular, mas vale a visita.


Guilherme Conte
São Paulo, 5/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
03. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
04. Paixões e baratas de Elisa Andrade Buzzo
05. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
02. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
03. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




K KKK
VASSILIS VASSILIKOS
ENSAIO
(1995)
R$ 20,00



A HISTORY OF MODERN FRANCE FRANCE OF THE REPUBLICS 1871-1962
ALFRED COBBAN (VOLUME 3)
PENGUIN BOOKS
(1990)
R$ 19,28



NA SEMEADURA
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(1977)
R$ 9,90



MÚSICA CAIPIRA
JOSÉ HAMILTON RIBEIRO
REALEJO
(2015)
R$ 73,40



A BÍBLIA ANTIGO E NOVO TESTAMENTO COLEÇÃO COMPLETA 8 VOLUMES
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1964)
R$ 699,00



MENSAGENS PARA MEDITAR - II
ANTONIO MARIA FAILDE
ÔNIX
(2008)
R$ 12,00



A EMPRESA FLEXÍVEL
ALVIN TOFFLES
RECORD
(1985)
R$ 7,00



QUEM SE DEBATE É AFOGADO
RICARDO REDISCH
MASSAO OHNO
(1980)
R$ 10,00



ANISTIA INTERNACIONAL UMA PORTA PARA O FUTURO
RODOLFO KONDER
PONTES
(1988)
R$ 8,00



A VERDADE SOBRE A TRAGÉDIA DOS ROMANOV
MARC FERRO
RECORD
(2017)
R$ 30,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês