Um Brecht é um Brecht | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/4/2006
Um Brecht é um Brecht
Guilherme Conte

+ de 7100 Acessos

Crédito: Guto Muniz

Assistir à montagem de Um homem é um homem, de Bertolt Brecht (1898-1956), pelo grupo Galpão, é dar-se conta da atualidade de sua obra. A história do homem que é desconstruído e reconstruído como soldado possui uma força que pode levar a crer que foi escrita ontem. Óbvio que a adaptação - até um pouco exagerada - do grupo, capitaneada pelo diretor Paulo José, reforça essa constatação. Mas a essência e o sentido brechtiano são de uma lucidez ímpar.

Brecht notabilizou-se por um teatro refinado e de alta qualidade, marcadamente político, com um gosto pelo humor e pela música - fontes que muito o aproximam do cabaré. Suas críticas ganham charme e vigor pelo riso, pela caricatura. E não há melhor forma de se atingir ideologias e práticas do que pelo riso.

Um homem é um homem trata da história de Galy Gay (Antonio Edson), um pacato carregador de mercado, incapaz de dizer "não" a alguém. Ele sai de casa para comprar um peixe, enquanto sua mulher (a impagável Inês Peixoto) bota a água no fogo. Um dia como outro qualquer, na cidade de Dagbá.

No meio do caminho, porém, carrega as sacolas da Viúva Leokadia Begbick (Simone Ordones), dona da cantina do acampamento do Exército. Ela o persuade a comprar de si um pepino, ao invés do peixe.

Ao mesmo tempo, soldados da Primeira Cia. de Metralhadoras assaltam o templo de um monge, nas cercanias da cidade, em busca de dinheiro para comprar bebida e drogas. Como um de seus homens se perde na atrapalhada incursão, eles têm de achar alguém para se fazer passar por ele e evitar a corte marcial.

É aqui que as histórias do Exército e de Galy se cruzam. Este é inicialmente convencido a fraudar a chamada - mediante um pagamento em uísque e charutos. Depois, é arrastado em uma série de acontecimentos que culminam em sua desconstrução enquanto Galy Gay, e reconstrução como Jeriah Jip, um soldado sedento por sangue.

O texto de Brecht é rico em ironias e piadas excelentes. A adaptação de Paulo José consegue, em muitos momentos, dar vivacidade à obra. Esse é um expediente muito utilizado por grupos que encaram a obra do dramaturgo alemão, e caro à sua própria concepção do teatro. Ele próprio mexia e remexia no texto em sucessivas montagens, visando buscar uma maior aproximação com o público.

E as mudanças são muitas. No original, a história se passa na Índia, e o Exército é britânico. Aqui, os militares são americanos e preparam-se para ocupar a cidade de "Dagbá". E, piada das piadas: a guerra é "preventiva". Alguma semelhança com o noticiário? Na mesma esteira, as referências brechtianas aos hindus aqui dizem respeito aos vietnamitas.

Crédito: Guto Muniz

Outra mudança substancial é no objeto que é vendido por Galy Gay, em dado momento da peça, e que causa discórdia. No original, é um elefante. Paulo José o troca por uma "galharufa", e escorrega numa referência para lá de óbvia ao transformá-la em uma "arma de destruição de massa" disfarçada. (Em tempo: "galharufa" é uma antiga gíria do teatro: seria um amuleto, um patuá dado de um ator experiente para um jovem em sua estréia.)

A graça causada pelo uso do elefante no texto original, o impacto pelo inusitado, se perde em uma piada reducionista. A impressão que se passa é que houve um certo espírito didático por trás da concepção da montagem. Com receito, talvez, de não passar a mensagem ao público, a adaptação aproximou demais o texto de uma realidade nossa, palpável.

É uma pena, pois grande parte do humor de Brecht se perde em substituição a um riso fácil, previsível. A platéia ri, muitas vezes, de caras, bocas, rebolados. A piada pela piada - e se distancia da intenção original do autor. A caricatura suplanta a ironia. Com isso, sai-se do teatro sem se tocar plenamente nas questões levantadas por Brecht. Aquela impressão de que faltou alguma coisa.

No geral, o ritmo da peça segue um pouco apressado, o que compromete a própria audição do texto. Os tempos, porém, tendem a se acomodar melhor à medida em que o espetáculo amadurece.

Reservas à parte, nada que comprometa o belo espetáculo que o Galpão oferece. Assistir ao grupo é um verdadeiro privilégio. Os mineiros do Galpão - sob a direção do lendário Paulo José, ator e diretor com uma longa lista de bons serviços prestados ao teatro -, com 23 anos de carreira, são sinônimo de excelência.

Crédito: Guto Muniz

Os atores são excelentes, inclusive como músicos, e se destacam como força de grupo, mais do que talentos individuais, embora alguns se destaquem naturalmente: Inês Peixoto faz uma Sra. Galy Gay que rouba a cena, mesmo aparecendo bem pouquinho. Simone Ordones, como a Viúva, também está ótima, assim como o Galy de Antonio Edson. Elogios também ao cenário de Alexandre Rousset e Thereza Bruzzi, bonito e criativo, e para o figurino de Kika Lopes.

Pode comprar o ingresso tranqüilo, seguro de que terá um espetáculo de qualidade pela frente. Aquém, no entanto, das possibilidades do texto e do que o próprio Galpão já mostrou que é capaz de fazer. Bom, mas não memorável.

Para ir além
Um homem é um homem - Teatro SESC Anchieta - R. Dr. Vila Nova, 245 - Consolação - Tel. (11) 3234-3000 - R$ 30,00 - Quinta a sábado, 21h, domingo, 19h - Até 23/04.

Notas

* Volta aos palcos de São Paulo, agora no SESC Paulista (Av. Paulista, 119 / Tel. (11) 3179-3900 / quinta a sábado, 21h, domingo, 19h / R$ 15 / Até 23/04) o ótimo espetáculo O que seria de nós sem as coisas que não existem, do ótimo grupo LUME, de Campinas. O texto é inspirado numa fábrica de chapéus do início do século XX, e por meio de depoimentos constrói uma fábula sobre a tentativa de se construir o chapéu perfeito. Muitas lembranças surgem desse processo. "Partimos da realidade para criar ficção", conta o diretor Norberto Presta. As atuações são sensíveis e esbanjam graça e leveza, com um humor elegante. Se não tem o mesmo brilho de Café com queijo, pérola do grupo, é um espetáculo que prima pela poesia.

* Os Satyros estrearam sua mais nova criação, Anjo do Pavilhão 5, em cartaz no seu espaço 2. Com texto de Aimar Labaki, é a primeira das duas montagens do projeto "Bárbara ao quadrado", que no segundo semestre trará uma criação do dramaturgo e jornalista Sérgio Roveri. Baseado no conto Bárbara, de Dráuzio Varella, traz algumas histórias do finado presídio do Carandiru. Impressiona pela crueza e pela violência, que dão pistas sobre a vida dentro da penitenciária e sobre a própria condição humana. Ivam Cabral se destaca, como a própria Bárbara, embora um pouco exagerado. Espetáculo irregular, mas vale a visita.


Guilherme Conte
São Paulo, 5/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre caramujos e Omolu de Ricardo de Mattos
02. Walter Benjamin, a arte e a reprodução de Gian Danton
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman de Diogo Salles
05. Escrevo deus com letra minúscula de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
02. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
03. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês