A essência da expressão dramática | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> É Simples Você pode Recriar Sua Vida de Rosalia Schwark pela Edita (2008)
>>> Feliz Por Nada de Martha Medeiros pela L&PM (2011)
>>> Conversas com gestores de ações brasileiros - A fórmula dos grandes investidores para ganhar dinheiro em bolsa de Luciana Seabra/Prefácio de Felipe Miranda pela Portfólio/Penguin (2018)
>>> Seja Dono do Seu Nariz de Cheryl Richardson pela Sextante (2007)
>>> Sem Medo da Segunda-Feira de David Cottrell pela Negócios (2009)
>>> O Poder da Paciência de M. J. Ryan pela Sextante (2009)
>>> Uma Vida Com Propósitos de Rick Warren pela Vida (2010)
>>> Poirot perde uma cliente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1976)
>>> Paris Babilônia. A capital francesa nos tempos da Comuna de Rupert Christiansen pela Record (1998)
>>> O Poder da Energia de Brendon Burchard pela Novo Conceito (2013)
>>> Antes do dilúvio. Um retrato da Berlim nos anos 20 de Otto Friedrich pela Record (1997)
>>> Tratado da propriedade Intelectual - Tomo III de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris (2014)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1974-2020 pela Mojo (2020)
>>> Sigmund Freud & O Gabinete do Dr. Lacan de Peter Gay & Philip Rieff & Richard Wollheim et alii pela Brasiliense (1989)
>>> Vogue Magazine (UK) August 2020 de Judi Dench pela Condé Nast (2020)
>>> Combo Livros As Teias De Sírius - Volumes 1 E 2 de Carla Furlan Ferraz pela Independente (2016)
>>> Vogue Magazine (UK) July 2020 de The New FrontLine pela Condé Nast (2020)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> Q Magazine December 2018 de The 1975 pela Emap (2018)
>>> O Professor do Desejo de Philip Roth pela Companhia das Letras (2013)
>>> 50 Contos de Machado de Assis pela Companhia das Letras (2007)
>>> Ego Transformado de Timothy Keller pela Vida Nova (2020)
>>> Quando Fui Outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> A Sombra Da Nova Era de Alan Bleakley pela Siciliano (1989)
>>> A Era dos Extrems de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Ponto de Mutação. de Fritjof Capra pela Cultrix (1996)
>>> Um Cavalheiro em Moscou de Amor Towles pela Intrinseca (2018)
>>> Morte no Rio Nilo. de Ágatha Christie pela Nova Fronteira (2015)
>>> Minhas Histórias dos Outros. de Zuenir Ventura pela Planeta Do Brasil (2005)
>>> Estranho Irresistível. de Christina Lauren pela Universo dos Livros (2013)
>>> Sobre Lutas e Lágrimas de Mário Magalhães pela Companhia das Letras (2019)
>>> Educar Sem Culpa. A Gênese da Ética. de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Anjos Cabalísticos. de Monica Buonfiglio pela Oficina Cultural Monica Buonfiglio (1993)
>>> La Métaphysique - Aristote - Tome I e II de J. Tricot pela Librairie (1953)
>>> Anatomia do treinamento de força: Guia ilustrado de exercícios com o peso corporal para força, potência e definição - 5D de Bret Contreras pela Manole (2016)
>>> O espirito santo quer ir embora ... e agora ? de Eliézer Corrêa de Souza pela Moriá (2002)
>>> Eu / OutraPoesia de Augusto dos Anjos pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mobilização e alongamento na função musculoarticular - 5D de Abdallah Achour Júnior pela Manole (2016)
>>> Temas de Direito Civil Tomo II de Gustavo Tepedino pela Renovar (2006)
>>> Programe-se para a ressurreição de Pe. Nadir José Brun pela Ave-Maria (2002)
>>> O Homem de Giz - 5D de Alexandre Raposo pela Intrínseca (2018)
>>> Steps- Volume 3- Fun Magazine- 3o Bimestre de Victoria Keller pela Ibep
>>> Exercícios de hidroginástica: Exercícios e rotinas para tonificação, condicionamento físico e saúde - 5D de MaryBeth Pappas Baun pela Manole (2010)
>>> Mosquitolândia - 6B de David Arnold pela Intrínseca (2015)
>>> O futuro da humanidade - 6B de Augusto Cury pela Arqueiro (2005)
>>> Nutrição para o treinamento de força - 5D de Susan M. Kleiner pela Manole (2016)
>>> Fundamentos de Engenharia Hidráulica - 6F de Márcio Baptista pela UFMG (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/4/2006
A essência da expressão dramática
Guilherme Conte

+ de 7100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Finalmente fui assistir ao monólogo O Porco, agora em cartaz no SESC Ipiranga. E, caros leitores, permitam que esta coluna comece com um atentado ao bom jornalismo - sonegação de informação: vou me furtar a fazer a sinopse de praxe.

Basta dizer que O Porco trata das memórias e reflexões de um porco em um chiqueiro, à espera do abate. E a ressalva está no próprio programa da peça: qualquer coisa que se diga sobre ela além disso vai ter como único resultado subtrair o impacto causado no espectador. E a peça é realmente impressionante.

Somos recebidos pelo porco num chiqueiro simples, austero. Há somente uma porta e um balde. E ele começa a falar. Fala sobre tudo: as lembranças de sua infância, o seu dia-a-dia, sua relação com o porqueiro. Sobre seus sonhos e anseios, suas mágoas e desilusões.

A aparente verborragia despretensiosa do início envolve o público aos poucos. O clima se torna claustrofóbico e angustiado. Bastam 50 minutos para que a platéia passe de um estranhamento disperso a uma introspecção incômoda, até certo ponto dolorida.

Sob certo ponto de vista, há uma dimensão de tragédia na história deste porco. O "destino de sua jornada" é certo, não há escapatória. Ou há? Ele conjectura, se questiona, cria estratagemas. Mas o passar do tempo torna sua situação mais urgente. Sente-se um mal-estar constante.

"Não há metáforas", analisa Henrique Schafer, que foi indicado ao Prêmio Shell de Melhor Ator ano passado por esta atuação. "É um texto que não tem meias-palavras, ele diz o que quer dizer, embora haja um certo jogo ali dentro." De fato, um dos pontos altos da montagem é a total limpeza de apoios e caminhos tomados pelo ator em cena. As certezas e conclusões não são impostas; elas vêm do espectador.

É uma obra aberta, e sua riqueza vem de como ela ressoa em cada um de nós. O acerto deve-se a Henrique e ao diretor Antonio Januzelli, antigo professor da USP. Seu currículo abriga nada menos que 38 anos de serviços prestados ao teatro. E, sobretudo, de "paixão pelo trabalho do ator", conforme revela entusiasmado.

O Porco, aliás, é parte integrante de uma longa pesquisa da formação prática do ator, que Januzelli desenvolve há vários anos. "Enxergo o teatro fundamentalmente como o encontro com o outro", diz. "A interpretação deve ser o mais limpa e 'de dentro' possível, para que o ator se coloque a serviço desse encontro, para que ele realmente chegue e toque o público."

Foram três anos e meio de ensaio até que O Porco estreasse, em novembro de 2004. Os dois primeiros anos, conta Henrique, foram de "pura limpeza": "Foi um trabalho fascinante, de realmente me despir de cacoetes, idéias pré-concebidas, saídas óbvias e fáceis..." A partir daí, seguiu-se um ano e meio de efetiva construção, de desenhar o papel. "Buscamos criar sensações, mas não efeitos, sem metáforas", diz.

E o resultado é impressionante. Henrique atinge um nível de refinamento em sua atuação raro de ser visto, que culmina em uma expressividade comovente. Seu absoluto domínio técnico permite que ele segure os 50 minutos sem perder-se por sequer um segundo - e isso absorve completamente a platéia. Simplicidade e honestidade são as chaves da interpretação.

Henrique tece seu porco com uma precisão e uma delicadeza camerísticas. Lembra um esmerado quarteto de cordas, algo que toca fundo pela intimidade. Januzelli extrai dele a essência mais pura, o ator em sua desnuda natureza.

A indicação para um dos mais importantes prêmios do país parece não ter afetado em nada a humildade deste campineiro de olhos claros e fala mansa, com anos dedicados à pedagogia do teatro. E não poderia ser diferente, sob o comando de Januzelli. "Nós ensaiamos sempre, sempre e sempre", conta o diretor. "Meus espetáculo nunca estão prontos, sempre busco alguma nova dimensão." A experiência com a peça se torna mais intensa quando travamos conhecimento com certos dados biográficos do autor. O escritor francês Raymond Cousse lançou Stratégie pour deux jambons, o texto que deu origem a O Porco, em 1978, como forma de romance. No ano seguinte, adaptou-o para os palcos e o iterpretou. Sua formação de ator era autodidata.

"Com isso, podemos perceber que ele tinha uma necessidade de botar tudo aquilo para fora, de verbalizar tudo", diz Januzelli. "Escrever, para ele, não foi o bastante." Cousse terminou sua vida de modo trágico: suicidou-se aos 49 anos. Saber disso dá um outro caráter ao nosso contato com a peça, sem dúvida alguma.

A versão apresentada aqui toma por base o texto El Cerdo, uma versão do Stratégie feita pelo ator, diretor e dramaturgo espanhol Antonio Andres Lapeña. Ela ganhou notoriedade com a atuação de Juan Echanove. A tradução, direta e simples, é de Eliana Teruel.

Enfim, uma experiência memorável e profunda. O teatro, despido de alternativas fáceis e clichês, em busca de sua essência. "O homem não vive sem o ator" - diz Januzelli - "porque o ator é este ser que o representa para que ele se conheça melhor". Henrique Schafer e seu porco são, de fato, cada vez mais necessários nos dias de hoje.

O Porco - SESC Ipiranga - estúdio - R. Bom Pastor, 822 - Ipiranga - Tel. (11) 3340-2000 - R$ 10,00 - Sábado e domingo, 20h30 - Até 28/05.

Circuito

* Miserê Bandalha é uma das agradáveis surpresas em cartaz na cidade. A Cia. de Atores Bendita Trupe traz uma visão sobre a violência e o crime nos dias de hoje. O texto, criação do grupo com a dramaturga Claudia Vasconcellos, conta a história de dois meninos que entram na "vida errada". Demora um pouco para engrenar, mas acerta o pé e arranca gargalhadas da platéia, com alguns verdadeiros achados. Elenco irregular, mas com alguns destaques, e com evidente paixão pelo que faz.

Teatro João Caetano - R. Borges Lagoa, 650 - Vila Mariana - Tel. (11) 5573-3774 - R$ 10,00 - Sexta e sábado, 21h, domingo 20h30 - Até 30/04.

* O Grupo XIX de Teatro, sob a direção de Luiz Fernando Marques, volta com dois de seus principais espetáculos: Hygiene (domingos, 16h) e Hysteria (sábados, 16h). O primeiro trata do dia-a-dia de um cortiço, enquanto o outro trata de um hospital psiquiátrico. Teatro de qualidade, com interpretações precisas e emocionantes. Uma boa chance para conhecer o notável trabalho do grupo.

Vila Maria Zélia - R. Cachoeira esq. com R. dos Prazeres - Catumbi - Reservas pelo (11) 8283-6269 - R$ 10 - Até 28 e 27/05, respectivamente.

Voltaram aos palcos...

* Agreste, de Newton Moreno, agora no Tuca Arena - Tel. (11) 3670-8455

* Essa nossa juventude, de Kenneth Lonergan, no Fecomercio - Tel. (11) 3188-4141

* Oração para um pé-de-chinelo, de Plínio Marcos, no Espaço dos Satyros - Tel. (11) 3258-6345


Guilherme Conte
São Paulo, 26/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
02. Correio de Elisa Andrade Buzzo
03. Mamãe de Julio Daio Borges
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' de Humberto Pereira da Silva
05. Um conto de duas cidades de Gian Danton


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
02. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
03. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2006
20h03min
Fica a curiosidade: como sera que ele conseguiu patrocinar dois anos de ensaio? Nao e' economicamente viavel eu ficar dois anos me preparando para qualquer coisa... Sera' que patrocinamos a "limpeza" dele, atraves do dinheiro do imposto? Nada tem a ver com a peca, mas acho que seria bacana saber como ele consegiu fazer isso... Pois se a "limpeza" depender de fatores externos, ela nao seria honesta com o teatro como arte...
[Leia outros Comentários de Ram]
27/4/2006
12h43min
Os ensaios não foram remunerados ou "patrocinados", Ram. Henrique e o Januzelli ensaiavam no tempo que tinham entre suas atividades (aulas etc.). Se há algo que não falta em "O porco" é honestidade.
[Leia outros Comentários de Guilherme Conte]
27/4/2006
23h03min
Henrique nos deixa literalmente encurralados no nosso cotidiano, 'a espera do porqueiro que somos todos. É quase impossível sair ileso desse trabalho indescritivel. O texto traduz isso... de resto, só assistindo.
[Leia outros Comentários de Claudio Mendel]
3/5/2006
04h10min
Assisti a uma representação deste Beckett em Macapá. Um grupo de jovens atores encenando "Esperando Godot" sob colunas do palco de nosso único teatro durante os finais de semana de abril último. Achei interessante. Tenho comentado com minha namorada que é professora de Arte-Educação que as produções locais usam e abusam do besteirol ou de um teatro voltado para o público infantil. Sei que existem umas tantas companhias de teatro aqui. Não sei o que andam fazendo no que tange a encenarem algo além do quase-porno-chanchada ou infanto-farsesco, se é que soube me expressar... De vez em quando tiram um Artaud da cartola (que é a mesma peça que se encena há anos). Este "Esperando Godot", se não me engano, vez ou outra é encenado. Somando ao caricaturesco "Bar Caboclo" (uma escrachante paródia de um certo bar d'antanho local), temos um mais-do-mesmo acachapante. Falta-nos outros autores. E com urgência. Não quero ficar esperando Godot eternamente. Em todos os sentidos, diga-se de passagem.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
24/8/2006
19h33min
Guilherme, é você? O meu aluno de 7ª e 8ª série daquela escola em Moema? Pela qualidade dos textos acho que é você mesmo. Se for, me escreva, tá?
[Leia outros Comentários de Virgínia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVO DICIONÁRIO DE ECONOMIA
PAULO SANDRONI
BEST SELLER
(1994)
R$ 5,00



A FURIA DO HULK
NOVA MARVEL
PANINI COMICS
(2015)
R$ 8,00



QUEM TEM MEDO FICA DE FORA
STELLA CARR
SCIPIONE
(2001)
R$ 7,00



MAESTRA
L. S. HILTON
FÁBRICA231
(2016)
R$ 19,99



PARA VIVER SEM SOFRER
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
VIDA / CONSCIÊNCIA
(2002)
R$ 24,40



COMO REQUERER EM JUÍZO FORMULÁRIO CRIMINAL
YÁRA MULLER LEITE
SARAIVA
(1978)
R$ 8,80



WINDOWS ON THE WORLD
FREDERIC BEIGBEDER
RECORD
(2005)
R$ 15,00



AMADEUS
ALBERTO GOLDIN
BERLENDIS & VERTCCHIA
(1998)
R$ 7,60



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
AVENIDA
(2009)
R$ 6,90



UNESP CIÊNCIA 76 - TERRORISMO
UNESP E OUTROS
UNESP
(2016)
R$ 20,00





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês