A essência da expressão dramática | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/4/2006
A essência da expressão dramática
Guilherme Conte
+ de 8800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Finalmente fui assistir ao monólogo O Porco, agora em cartaz no SESC Ipiranga. E, caros leitores, permitam que esta coluna comece com um atentado ao bom jornalismo - sonegação de informação: vou me furtar a fazer a sinopse de praxe.

Basta dizer que O Porco trata das memórias e reflexões de um porco em um chiqueiro, à espera do abate. E a ressalva está no próprio programa da peça: qualquer coisa que se diga sobre ela além disso vai ter como único resultado subtrair o impacto causado no espectador. E a peça é realmente impressionante.

Somos recebidos pelo porco num chiqueiro simples, austero. Há somente uma porta e um balde. E ele começa a falar. Fala sobre tudo: as lembranças de sua infância, o seu dia-a-dia, sua relação com o porqueiro. Sobre seus sonhos e anseios, suas mágoas e desilusões.

A aparente verborragia despretensiosa do início envolve o público aos poucos. O clima se torna claustrofóbico e angustiado. Bastam 50 minutos para que a platéia passe de um estranhamento disperso a uma introspecção incômoda, até certo ponto dolorida.

Sob certo ponto de vista, há uma dimensão de tragédia na história deste porco. O "destino de sua jornada" é certo, não há escapatória. Ou há? Ele conjectura, se questiona, cria estratagemas. Mas o passar do tempo torna sua situação mais urgente. Sente-se um mal-estar constante.

"Não há metáforas", analisa Henrique Schafer, que foi indicado ao Prêmio Shell de Melhor Ator ano passado por esta atuação. "É um texto que não tem meias-palavras, ele diz o que quer dizer, embora haja um certo jogo ali dentro." De fato, um dos pontos altos da montagem é a total limpeza de apoios e caminhos tomados pelo ator em cena. As certezas e conclusões não são impostas; elas vêm do espectador.

É uma obra aberta, e sua riqueza vem de como ela ressoa em cada um de nós. O acerto deve-se a Henrique e ao diretor Antonio Januzelli, antigo professor da USP. Seu currículo abriga nada menos que 38 anos de serviços prestados ao teatro. E, sobretudo, de "paixão pelo trabalho do ator", conforme revela entusiasmado.

O Porco, aliás, é parte integrante de uma longa pesquisa da formação prática do ator, que Januzelli desenvolve há vários anos. "Enxergo o teatro fundamentalmente como o encontro com o outro", diz. "A interpretação deve ser o mais limpa e 'de dentro' possível, para que o ator se coloque a serviço desse encontro, para que ele realmente chegue e toque o público."

Foram três anos e meio de ensaio até que O Porco estreasse, em novembro de 2004. Os dois primeiros anos, conta Henrique, foram de "pura limpeza": "Foi um trabalho fascinante, de realmente me despir de cacoetes, idéias pré-concebidas, saídas óbvias e fáceis..." A partir daí, seguiu-se um ano e meio de efetiva construção, de desenhar o papel. "Buscamos criar sensações, mas não efeitos, sem metáforas", diz.

E o resultado é impressionante. Henrique atinge um nível de refinamento em sua atuação raro de ser visto, que culmina em uma expressividade comovente. Seu absoluto domínio técnico permite que ele segure os 50 minutos sem perder-se por sequer um segundo - e isso absorve completamente a platéia. Simplicidade e honestidade são as chaves da interpretação.

Henrique tece seu porco com uma precisão e uma delicadeza camerísticas. Lembra um esmerado quarteto de cordas, algo que toca fundo pela intimidade. Januzelli extrai dele a essência mais pura, o ator em sua desnuda natureza.

A indicação para um dos mais importantes prêmios do país parece não ter afetado em nada a humildade deste campineiro de olhos claros e fala mansa, com anos dedicados à pedagogia do teatro. E não poderia ser diferente, sob o comando de Januzelli. "Nós ensaiamos sempre, sempre e sempre", conta o diretor. "Meus espetáculo nunca estão prontos, sempre busco alguma nova dimensão." A experiência com a peça se torna mais intensa quando travamos conhecimento com certos dados biográficos do autor. O escritor francês Raymond Cousse lançou Stratégie pour deux jambons, o texto que deu origem a O Porco, em 1978, como forma de romance. No ano seguinte, adaptou-o para os palcos e o iterpretou. Sua formação de ator era autodidata.

"Com isso, podemos perceber que ele tinha uma necessidade de botar tudo aquilo para fora, de verbalizar tudo", diz Januzelli. "Escrever, para ele, não foi o bastante." Cousse terminou sua vida de modo trágico: suicidou-se aos 49 anos. Saber disso dá um outro caráter ao nosso contato com a peça, sem dúvida alguma.

A versão apresentada aqui toma por base o texto El Cerdo, uma versão do Stratégie feita pelo ator, diretor e dramaturgo espanhol Antonio Andres Lapeña. Ela ganhou notoriedade com a atuação de Juan Echanove. A tradução, direta e simples, é de Eliana Teruel.

Enfim, uma experiência memorável e profunda. O teatro, despido de alternativas fáceis e clichês, em busca de sua essência. "O homem não vive sem o ator" - diz Januzelli - "porque o ator é este ser que o representa para que ele se conheça melhor". Henrique Schafer e seu porco são, de fato, cada vez mais necessários nos dias de hoje.

O Porco - SESC Ipiranga - estúdio - R. Bom Pastor, 822 - Ipiranga - Tel. (11) 3340-2000 - R$ 10,00 - Sábado e domingo, 20h30 - Até 28/05.

Circuito

* Miserê Bandalha é uma das agradáveis surpresas em cartaz na cidade. A Cia. de Atores Bendita Trupe traz uma visão sobre a violência e o crime nos dias de hoje. O texto, criação do grupo com a dramaturga Claudia Vasconcellos, conta a história de dois meninos que entram na "vida errada". Demora um pouco para engrenar, mas acerta o pé e arranca gargalhadas da platéia, com alguns verdadeiros achados. Elenco irregular, mas com alguns destaques, e com evidente paixão pelo que faz.

Teatro João Caetano - R. Borges Lagoa, 650 - Vila Mariana - Tel. (11) 5573-3774 - R$ 10,00 - Sexta e sábado, 21h, domingo 20h30 - Até 30/04.

* O Grupo XIX de Teatro, sob a direção de Luiz Fernando Marques, volta com dois de seus principais espetáculos: Hygiene (domingos, 16h) e Hysteria (sábados, 16h). O primeiro trata do dia-a-dia de um cortiço, enquanto o outro trata de um hospital psiquiátrico. Teatro de qualidade, com interpretações precisas e emocionantes. Uma boa chance para conhecer o notável trabalho do grupo.

Vila Maria Zélia - R. Cachoeira esq. com R. dos Prazeres - Catumbi - Reservas pelo (11) 8283-6269 - R$ 10 - Até 28 e 27/05, respectivamente.

Voltaram aos palcos...

* Agreste, de Newton Moreno, agora no Tuca Arena - Tel. (11) 3670-8455

* Essa nossa juventude, de Kenneth Lonergan, no Fecomercio - Tel. (11) 3188-4141

* Oração para um pé-de-chinelo, de Plínio Marcos, no Espaço dos Satyros - Tel. (11) 3258-6345


Guilherme Conte
São Paulo, 26/4/2006

Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
02. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
03. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
04. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
05. O melhor do teatro em 2005 - 4/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2006
20h03min
Fica a curiosidade: como sera que ele conseguiu patrocinar dois anos de ensaio? Nao e' economicamente viavel eu ficar dois anos me preparando para qualquer coisa... Sera' que patrocinamos a "limpeza" dele, atraves do dinheiro do imposto? Nada tem a ver com a peca, mas acho que seria bacana saber como ele consegiu fazer isso... Pois se a "limpeza" depender de fatores externos, ela nao seria honesta com o teatro como arte...
[Leia outros Comentários de Ram]
27/4/2006
12h43min
Os ensaios não foram remunerados ou "patrocinados", Ram. Henrique e o Januzelli ensaiavam no tempo que tinham entre suas atividades (aulas etc.). Se há algo que não falta em "O porco" é honestidade.
[Leia outros Comentários de Guilherme Conte]
27/4/2006
23h03min
Henrique nos deixa literalmente encurralados no nosso cotidiano, 'a espera do porqueiro que somos todos. É quase impossível sair ileso desse trabalho indescritivel. O texto traduz isso... de resto, só assistindo.
[Leia outros Comentários de Claudio Mendel]
3/5/2006
04h10min
Assisti a uma representação deste Beckett em Macapá. Um grupo de jovens atores encenando "Esperando Godot" sob colunas do palco de nosso único teatro durante os finais de semana de abril último. Achei interessante. Tenho comentado com minha namorada que é professora de Arte-Educação que as produções locais usam e abusam do besteirol ou de um teatro voltado para o público infantil. Sei que existem umas tantas companhias de teatro aqui. Não sei o que andam fazendo no que tange a encenarem algo além do quase-porno-chanchada ou infanto-farsesco, se é que soube me expressar... De vez em quando tiram um Artaud da cartola (que é a mesma peça que se encena há anos). Este "Esperando Godot", se não me engano, vez ou outra é encenado. Somando ao caricaturesco "Bar Caboclo" (uma escrachante paródia de um certo bar d'antanho local), temos um mais-do-mesmo acachapante. Falta-nos outros autores. E com urgência. Não quero ficar esperando Godot eternamente. Em todos os sentidos, diga-se de passagem.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
24/8/2006
19h33min
Guilherme, é você? O meu aluno de 7ª e 8ª série daquela escola em Moema? Pela qualidade dos textos acho que é você mesmo. Se for, me escreva, tá?
[Leia outros Comentários de Virgínia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autistas do Alem
Nelson Moraes
Petit



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



Educação Infantil Ii
Maria de Lourdes Trüyillo de Mello
Paulus
(1997)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 1 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Switzerland - Lonely Planet
Nicola Williams, Damien Simonis, Kerry Walker
Lonely Planet
(2009)



Consultoria Empresarial - Métodos e Cases dos Campeões - Confira !!!
Mauricio Sita; Dino Carlos Mocsanyi
Ser Mais
(2013)



Meninas Super Poderosas: os Monstros de Giz
E. S. Mooney
Nbl
(2002)



Flores da Ruína - 1ªed
Patrick Modiano
Record
(2015)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês