A essência da expressão dramática | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
60226 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mínimas
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Tom Wolfe
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
Mais Recentes
>>> A Matter of Honour de Jeffrey Archer pela Harper Collins (1997)
>>> Na Tua Presença Em Teu Espírito de Moisés Nogueira de Farias pela Tecci (2015)
>>> Mad Maria de Márcio Souza pela Record (2002)
>>> A Organização dos Bichos de Leonardo Vils pela Negócio (1999)
>>> Ejb3 Em Açao de Debu Panda; Derek Lane; Reza Rahman pela Elsevier/alta Books (2009)
>>> Poema Fanzine Overdose de Poesia de Vários Autores pela Dirval (2001)
>>> A evolução dos seres vivos de Gilberto Martho pela Scipione (2001)
>>> Orçamento Público de James Giacomoni pela Atlas (2009)
>>> O Egito dos Faraós de Federico A. Arborio Mella pela Hemus
>>> Lira dos Vinte Anos - Série Nossa Literatura de álvares de Azevedo pela Escala Educacional (2012)
>>> A Romana N°47 de Alberto Moravia pela Abril Livros
>>> Uma Breve Historia do Mundo de Geoffrey Blasiney pela Fundamento (2010)
>>> São Paulo nos Primeiros Anos 1554-1601 de Affonso de E. Taunay pela Sp
>>> Introdução ao Olanejamento e controle de custo na constução civil Brasileira de Padrinho Godman pela Pini (2004)
>>> Jesus: o Divino Amigo de Antonio Demarchi pela Petit (2012)
>>> Diário de uma Paixão de Nicholas Sparks; Renata Marques de Oliveira pela Novo Conceito (2013)
>>> O Edifício Fantasma de Origenes Lessa pela Global (2005)
>>> Management Challenges For the 21st Century de Peter Drucker pela Harper Usa (2001)
>>> Afogando Ruh de Christina Schwarz pela Globo (2000)
>>> A Fábrica de Fazer Pano de Sersi Bardari pela FTD (1992)
>>> Sociologia Em Movimento de Outros; Afrânio Silva pela Moderna (2013)
>>> Mercado de Capitais de Francisco da Silva Cavalcante Filho pela Campus (2001)
>>> Ética para Náufragos de José Antonio Marina pela Guarda Chuva (2011)
>>> Os Imortais da Literatura Universal II de Da Editora pela Abril Cultural
>>> Anuário Internacional de Comunicação Lusófona de Lusocom pela Lusocom
COLUNAS

Quarta-feira, 26/4/2006
A essência da expressão dramática
Guilherme Conte

+ de 7700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Finalmente fui assistir ao monólogo O Porco, agora em cartaz no SESC Ipiranga. E, caros leitores, permitam que esta coluna comece com um atentado ao bom jornalismo - sonegação de informação: vou me furtar a fazer a sinopse de praxe.

Basta dizer que O Porco trata das memórias e reflexões de um porco em um chiqueiro, à espera do abate. E a ressalva está no próprio programa da peça: qualquer coisa que se diga sobre ela além disso vai ter como único resultado subtrair o impacto causado no espectador. E a peça é realmente impressionante.

Somos recebidos pelo porco num chiqueiro simples, austero. Há somente uma porta e um balde. E ele começa a falar. Fala sobre tudo: as lembranças de sua infância, o seu dia-a-dia, sua relação com o porqueiro. Sobre seus sonhos e anseios, suas mágoas e desilusões.

A aparente verborragia despretensiosa do início envolve o público aos poucos. O clima se torna claustrofóbico e angustiado. Bastam 50 minutos para que a platéia passe de um estranhamento disperso a uma introspecção incômoda, até certo ponto dolorida.

Sob certo ponto de vista, há uma dimensão de tragédia na história deste porco. O "destino de sua jornada" é certo, não há escapatória. Ou há? Ele conjectura, se questiona, cria estratagemas. Mas o passar do tempo torna sua situação mais urgente. Sente-se um mal-estar constante.

"Não há metáforas", analisa Henrique Schafer, que foi indicado ao Prêmio Shell de Melhor Ator ano passado por esta atuação. "É um texto que não tem meias-palavras, ele diz o que quer dizer, embora haja um certo jogo ali dentro." De fato, um dos pontos altos da montagem é a total limpeza de apoios e caminhos tomados pelo ator em cena. As certezas e conclusões não são impostas; elas vêm do espectador.

É uma obra aberta, e sua riqueza vem de como ela ressoa em cada um de nós. O acerto deve-se a Henrique e ao diretor Antonio Januzelli, antigo professor da USP. Seu currículo abriga nada menos que 38 anos de serviços prestados ao teatro. E, sobretudo, de "paixão pelo trabalho do ator", conforme revela entusiasmado.

O Porco, aliás, é parte integrante de uma longa pesquisa da formação prática do ator, que Januzelli desenvolve há vários anos. "Enxergo o teatro fundamentalmente como o encontro com o outro", diz. "A interpretação deve ser o mais limpa e 'de dentro' possível, para que o ator se coloque a serviço desse encontro, para que ele realmente chegue e toque o público."

Foram três anos e meio de ensaio até que O Porco estreasse, em novembro de 2004. Os dois primeiros anos, conta Henrique, foram de "pura limpeza": "Foi um trabalho fascinante, de realmente me despir de cacoetes, idéias pré-concebidas, saídas óbvias e fáceis..." A partir daí, seguiu-se um ano e meio de efetiva construção, de desenhar o papel. "Buscamos criar sensações, mas não efeitos, sem metáforas", diz.

E o resultado é impressionante. Henrique atinge um nível de refinamento em sua atuação raro de ser visto, que culmina em uma expressividade comovente. Seu absoluto domínio técnico permite que ele segure os 50 minutos sem perder-se por sequer um segundo - e isso absorve completamente a platéia. Simplicidade e honestidade são as chaves da interpretação.

Henrique tece seu porco com uma precisão e uma delicadeza camerísticas. Lembra um esmerado quarteto de cordas, algo que toca fundo pela intimidade. Januzelli extrai dele a essência mais pura, o ator em sua desnuda natureza.

A indicação para um dos mais importantes prêmios do país parece não ter afetado em nada a humildade deste campineiro de olhos claros e fala mansa, com anos dedicados à pedagogia do teatro. E não poderia ser diferente, sob o comando de Januzelli. "Nós ensaiamos sempre, sempre e sempre", conta o diretor. "Meus espetáculo nunca estão prontos, sempre busco alguma nova dimensão." A experiência com a peça se torna mais intensa quando travamos conhecimento com certos dados biográficos do autor. O escritor francês Raymond Cousse lançou Stratégie pour deux jambons, o texto que deu origem a O Porco, em 1978, como forma de romance. No ano seguinte, adaptou-o para os palcos e o iterpretou. Sua formação de ator era autodidata.

"Com isso, podemos perceber que ele tinha uma necessidade de botar tudo aquilo para fora, de verbalizar tudo", diz Januzelli. "Escrever, para ele, não foi o bastante." Cousse terminou sua vida de modo trágico: suicidou-se aos 49 anos. Saber disso dá um outro caráter ao nosso contato com a peça, sem dúvida alguma.

A versão apresentada aqui toma por base o texto El Cerdo, uma versão do Stratégie feita pelo ator, diretor e dramaturgo espanhol Antonio Andres Lapeña. Ela ganhou notoriedade com a atuação de Juan Echanove. A tradução, direta e simples, é de Eliana Teruel.

Enfim, uma experiência memorável e profunda. O teatro, despido de alternativas fáceis e clichês, em busca de sua essência. "O homem não vive sem o ator" - diz Januzelli - "porque o ator é este ser que o representa para que ele se conheça melhor". Henrique Schafer e seu porco são, de fato, cada vez mais necessários nos dias de hoje.

O Porco - SESC Ipiranga - estúdio - R. Bom Pastor, 822 - Ipiranga - Tel. (11) 3340-2000 - R$ 10,00 - Sábado e domingo, 20h30 - Até 28/05.

Circuito

* Miserê Bandalha é uma das agradáveis surpresas em cartaz na cidade. A Cia. de Atores Bendita Trupe traz uma visão sobre a violência e o crime nos dias de hoje. O texto, criação do grupo com a dramaturga Claudia Vasconcellos, conta a história de dois meninos que entram na "vida errada". Demora um pouco para engrenar, mas acerta o pé e arranca gargalhadas da platéia, com alguns verdadeiros achados. Elenco irregular, mas com alguns destaques, e com evidente paixão pelo que faz.

Teatro João Caetano - R. Borges Lagoa, 650 - Vila Mariana - Tel. (11) 5573-3774 - R$ 10,00 - Sexta e sábado, 21h, domingo 20h30 - Até 30/04.

* O Grupo XIX de Teatro, sob a direção de Luiz Fernando Marques, volta com dois de seus principais espetáculos: Hygiene (domingos, 16h) e Hysteria (sábados, 16h). O primeiro trata do dia-a-dia de um cortiço, enquanto o outro trata de um hospital psiquiátrico. Teatro de qualidade, com interpretações precisas e emocionantes. Uma boa chance para conhecer o notável trabalho do grupo.

Vila Maria Zélia - R. Cachoeira esq. com R. dos Prazeres - Catumbi - Reservas pelo (11) 8283-6269 - R$ 10 - Até 28 e 27/05, respectivamente.

Voltaram aos palcos...

* Agreste, de Newton Moreno, agora no Tuca Arena - Tel. (11) 3670-8455

* Essa nossa juventude, de Kenneth Lonergan, no Fecomercio - Tel. (11) 3188-4141

* Oração para um pé-de-chinelo, de Plínio Marcos, no Espaço dos Satyros - Tel. (11) 3258-6345


Guilherme Conte
São Paulo, 26/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Analisando Sara: Pós-hardcore atmosférico de Duanne Ribeiro
02. O Glamour da Miséria de Paulo Polzonoff Jr


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
02. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
03. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
04. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2006
20h03min
Fica a curiosidade: como sera que ele conseguiu patrocinar dois anos de ensaio? Nao e' economicamente viavel eu ficar dois anos me preparando para qualquer coisa... Sera' que patrocinamos a "limpeza" dele, atraves do dinheiro do imposto? Nada tem a ver com a peca, mas acho que seria bacana saber como ele consegiu fazer isso... Pois se a "limpeza" depender de fatores externos, ela nao seria honesta com o teatro como arte...
[Leia outros Comentários de Ram]
27/4/2006
12h43min
Os ensaios não foram remunerados ou "patrocinados", Ram. Henrique e o Januzelli ensaiavam no tempo que tinham entre suas atividades (aulas etc.). Se há algo que não falta em "O porco" é honestidade.
[Leia outros Comentários de Guilherme Conte]
27/4/2006
23h03min
Henrique nos deixa literalmente encurralados no nosso cotidiano, 'a espera do porqueiro que somos todos. É quase impossível sair ileso desse trabalho indescritivel. O texto traduz isso... de resto, só assistindo.
[Leia outros Comentários de Claudio Mendel]
3/5/2006
04h10min
Assisti a uma representação deste Beckett em Macapá. Um grupo de jovens atores encenando "Esperando Godot" sob colunas do palco de nosso único teatro durante os finais de semana de abril último. Achei interessante. Tenho comentado com minha namorada que é professora de Arte-Educação que as produções locais usam e abusam do besteirol ou de um teatro voltado para o público infantil. Sei que existem umas tantas companhias de teatro aqui. Não sei o que andam fazendo no que tange a encenarem algo além do quase-porno-chanchada ou infanto-farsesco, se é que soube me expressar... De vez em quando tiram um Artaud da cartola (que é a mesma peça que se encena há anos). Este "Esperando Godot", se não me engano, vez ou outra é encenado. Somando ao caricaturesco "Bar Caboclo" (uma escrachante paródia de um certo bar d'antanho local), temos um mais-do-mesmo acachapante. Falta-nos outros autores. E com urgência. Não quero ficar esperando Godot eternamente. Em todos os sentidos, diga-se de passagem.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
24/8/2006
19h33min
Guilherme, é você? O meu aluno de 7ª e 8ª série daquela escola em Moema? Pela qualidade dos textos acho que é você mesmo. Se for, me escreva, tá?
[Leia outros Comentários de Virgínia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ciência & Realidade 7ª Série
David Juvenal et Al
Atual
(1992)



Nova idade 50 anos é o máximo
Gilda Chataignier e Léa Maria Aarão Reis
Rocco
(1997)



A Cabeça de Steve Jobs
Leander Kahney
Agir
(2008)



Perfumes de Paris
Sayonara Salvioli
Primavera
(2016)



English - o Curso de Inglês da Abril - Livro 5
Editora Abril Colecoes
Abril Colecoes
(2011)



Introdução à Literatura Fantástica - 4ª Edição - 2ª Reimpressão
Tzvetan Todorov
Perspectiva
(2014)



Mentiras de Verão
Bernhard Schlink
Record
(2015)



Farewell
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1997)



Recado Cósmico
Jan Val Ellan
Do Conhecimento
(1999)



Grico: Guia de Restaurantes Italianos Comunitá Rjsp
Pietro Petraglia
Comunitá
(2013)





busca | avançada
60226 visitas/dia
1,8 milhão/mês