Sua majestade, o ator | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
Mais Recentes
>>> Pra que serve Matemática ? Geometria de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Mário Pedrosa, Retratos do Exílio de Carlos Eduardo de Senna Figueiredo pela Antares (1982)
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
COLUNAS

Quarta-feira, 18/1/2006
Sua majestade, o ator
Guilherme Conte

+ de 7500 Acessos

Luís Melo, em brilhante atuação

Começo este ano de 2006 revisitando duas peças. Daqui a duzentos anos já indiquei três vezes: na cobertura do FIT 2005, em São José do Rio Preto, em nota e na coluna "O melhor do teatro em 2005". Já de Prêt-à-Porter 7 ainda não falei, embora já a tivesse assistido. Decidi rever (e escrever sobre) estas peças por dois motivos: ambas possuem uma qualidade técnica ímpar no cenário teatral nacional e trazem montagens enxutas com um trabalho exaustivo na figura do ator.

Esqueça os grandes cenários, as produções milionárias, as máquinas de fumaça e os milhares de figurantes em cena. Estamos falando aqui de um teatro em que a riqueza está na simplicidade. Nada sobra, não há nenhum peso desnecessário. O ator se despe de recursos de apoio e se expõe nu e cru. Ao seu lado, um bom texto. E eles acertam em cheio.

O segredo de tamanho acerto? Um trabalho longo e sério de pesquisa. Daqui a duzentos anos é fruto de um olhar demorado sobre a dramaturgia. Bons atores contando boas histórias. Neste caso em particular, contos de Anton Tchekov, monstro sagrado da literatura russa.

A criação ficou por conta do curitibano ACT - Ateliê de Criação Teatral, coordenado pelo brilhante Luís Melo, ator com uma longa e premiada carreira, e por Nena Inoue. Melo, aliás, é a estrela do espetáculo, que lhe valeu o APCA de melhor ator em 2005. Ele divide o palco com Edith de Camargo e os jovens André Coelho e Janja, e a direção fica por conta de Márcio Abreu, o comandante da Cia. Brasileira de Teatro (também de Curitiba, e que aporta por aqui nesta sexta-feira, dia 20, com a ótima Suíte 1, tema da minha próxima coluna).

O espetáculo nasceu a partir de uma necessidade sentida pelo ACT de um trabalho mais aprofundado na questão do texto - e, por conseqüência, em um foco na figura do ator. Para tanto, o diretor Márcio foi chamado e o trabalho foi ganhando corpo. A simplicidade e a encenação enxuta não saíram da pauta um momento sequer.

Daqui a duzentos anos: riqueza na simplicidade

O magnífico texto de Tchekov ganha cor e movimento no palco. É interessante notar o trabalho de passagem dos contos para uma outra linguagem. A atuação de Melo impressiona e termina por apagar seus colegas (embora Edith seja correta e André já dê mostras de ser talentoso. Ele peca tão somente por ser cenicamente imaturo. Nada que o tempo não resolva). Todas as pequenas sutilezas do texto ganham vida, seja em um franzir de sobrancelhas ou em um demorado abrir de braços.

Já "Prêt-à-Porter 7" é uma etapa avançada de um trabalho que se desenvolve desde 1997. Naquele ano, o diretor Antunes Filho, no comando do CPT - Centro de Pesquisa Teatral, um verdadeiro oásis de excelência no fazer teatral, deu uma guinada em seu trabalho, com a criação do projeto "Prêt-à-Porter".

Juliana Galdino e Arieta Corrêa: interpretação irretocável

Com o fim da temporada de Drácula e outros vampiros, um portentoso espetáculo, cheio de cenários grandiloqüentes, coreografias e numeroso elenco, ele resolveu dirigir seu olhar à busca do essencial. Ele sentiu que, em suas peças, os atores tinham o mesmo peso do cenário ou da iluminação, por exemplo. E não gostou do que viu. Aí nasceu o projeto.

A idéia era botar o ator no centro das preocupações, a partir de um extenso e árduo trabalho fincado no naturalismo. Os (poucos) objetos que entrassem em cena deveriam revelar algo sobre aquelas personagens. Os atores-dramaturgos, com total independência, construíam uma gênese que desse conta de explicar, dar um sentido para tudo aquilo. As improvisações foram se elaborando e se transformando nas cenas. Mais uma vez, nada de sobras, nada fora do lugar.

"Foi um trabalho de aguçar o olhar", conta Emerson Danesi, desde 1996 no CPT e integrante do elenco deste PPT 7. "Nós buscamos a precisão nos mínimos detalhes, com gestos muito limpos, nos olhares, nas respirações." O resultado impressiona pelo realismo.

Nara Chaib Mendes e Emerson Danesi: foco no naturalismo

São três histórias curtas, de cerca de 20 minutos cada. "Castelos de areia" mostra o reencontro de duas amigas de infância (as excelentes Juliana Galdino e Arieta Corrêa), conversando sobre o rumo que suas vidas tomaram. "Chuva cai e bambu dorme" traz a despedida de um meticuloso floricultor (Danesi) e uma jovem estudante (Nara Chaib Mendes), e evidencia o turbilhão de sentimentos que eles trazem em si. E "A garota da internet" mostra o encontro de Meg (novamente Arieta) e Hudson (Marcelo Szpektor) após um relacionamento por trás de uma tela de computador.

A riqueza de PPT 7 repousa em três de seus aspectos fundamentais. Primeiro, no domínio absoluto dos atores sobre suas personagens. Segundo, na simplicidade das cenas; ali, menos é mais. E em terceiro, nas múltiplas possibilidades suscitadas em um espetáculo aberto por excelência. As cenas não se prestam a dar a totalidade daquelas existências, nem indicar o caminho. O importante é em como aquelas cenas, aqueles recortes, ressoam em cada um dos espectadores. Cada um se identifica com uma cena, um personagem ou uma passagem.

É interessante notar como o projeto repercutiu na própria trajetória de Antunes e seu grupo. Com essa busca pelo aprimoramento do ator, suas montagens passaram a tê-lo como centro. Não é à toa que seu olhar se voltou para a tragédia grega, fato que nos deu ótimos espetáculos como As Troianas, Medéia e Antígona.

Mais que montagens de qualidade incontestável, Daqui a duzentos anos e Prêt-à-Porter 7 dialogam na medida em que nos mostram que um trabalho primoroso e a pureza de uma arte são sempre atuais. É nesta medida em que é um privilégio de assistir a espetáculos como estes. Saímos do teatro mais sensíveis, nos questionando, conhecendo um pouquinho mais a nós mesmos. Não é esta afinal a função do teatro?

Para ir além
Daqui a duzentos anos - SESC Belenzinho / Galpão 1 - R. Álvaro Ramos, 915 - Belenzinho - (11) 6602-3700 - Sábado e domingo, 21h - R$ 15,00 - Até 29/01.

Prêt-à-Porter 7 - Sesc Anchieta / Espaço CPT - R. Doutor Vila Nova, 245 - Consolação - (11) 3234-3000 - Sábado, 18h30 - R$ 10,00 - Até 29/07.


Guilherme Conte
São Paulo, 18/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
02. Textos movediços de Carla Ceres
03. Uma visão de mestre do cinema de Marcela Tullii
04. Um fim de semana no campo de Fabio Silvestre Cardoso
05. A Carmen Miranda de Ruy Castro de Julio Daio Borges


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
02. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
03. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Raiozinho e a furiosa
Mauricio de Sousa
Melhoramentos
(2013)
R$ 10,00



A Entidade - Gênero Terror
Frank de Felitta
Circulo do Livro
(1987)
R$ 17,87



The Story of Textiles
Perry Walton
Tudor
(1937)
R$ 79,37



Minhas memórias dos Monteiro Lobatos
Nelson Palma Travassos
Clube do livro
(1974)
R$ 28,00



O Direito Internacional Privado na Organização dos Estados Americanos
Wilson de Souza Campos Batalha
Ltr
(1997)
R$ 24,99



Zen no dia a dia
C. Alexander Simpkins; Annellen Simpkins
Jbc
(2009)
R$ 25,00



Istoé Guia da Saúde Familiar Diabetes
Dr. Rudy W. Bilous
Istóe
(1999)
R$ 5,00



A Fonte de Israel
James A. Michener
José Olympo
R$ 5,00



Temas De Integração - Vol. III - 1º Semestre - Nº 05
Associação De Estudos Europeus
Almedina Matriz
(1999)
R$ 88,00



Os Objectos Flutuantes À Redescoberta da Relação de Ajuda
Philippe Caillé Yveline Rey
Climepsi
(2003)
R$ 32,38





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês