Reunião de pais, ops, de mães | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/3/2015
Reunião de pais, ops, de mães
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1800 Acessos

Um dia, você resolve ter um intercurso sexual que, querendo ou sem querer, gera um embriãozinho, que vira zigotinho e se desenvolve, vira um feto, vira um bebê e nasce. Mas isso não é assim tão fácil quanto o texto faz parecer. Principalmente para a mãe, dá um trabalho razoável. Pois bem.

Você tem o maior trabalhão pra parir o guri. Muitas vezes, ao lado de um nego que não tá nem assim tão envolvido. Mas, como dizia um otimista amigo meu, há muitos anos, referindo-se às crianças: "esse bicho tende a dar certo sozinho".

Tudo bem. Aí o bebê precisa ser amamentado, não entende nada do mundo, precisa se adaptar aos horários, ao dia, à noite, à vida, aos sólidos, aos pais, etc. E isso nem é assim tão fácil. E a mãe, geralmente, fica lá, abduzida. Muitas vezes - reparem que não generalizei totalmente -, sem uma boa e dedicada companhia pra cumprir a empreitada juntos. OK. Isso é assim desde que o mundo é mundo.

Daí, um dia, você precisa por o piá em uma escola. Pensa, escolhe, vê uma série de quesitos - proximidade de casa ou do trabalho, preço, projeto pedagógico (que você finge que entende e finge que sabe que repercussão terá na vida do seu rebento), nível de caretice, etc. Lá vai. Aquele primeiro dia de aula clássico. Blablá. E aí você entra numa comunidade que faz um negócio chamado "reunião de pais".

Eu, cá do meu jeito, acho esse evento uma das coisas mais chatas do mundo. Como professora, sempre achei; como mãe continuei achando. Entendo perfeitamente que a escola precise dar satisfação sobre o que fará ao longo do ano, sobre regras, horários, sugestões, projetos, etc. Reiterar o que diz todo ano: não pode chegar atrasado, tem de usar uniforme completo, o banho de sol dura 15 minutos, lanche saudável e as demais orientações do regime semiaberto. Entendo demais. E ponto. Mas tem uma coisa que eu lastimo e uma que eu não entendo:

Eu lastimo que 98% dos presentes ali sejam mães. (Que também trabalham, inclusive). São elas que vão à reunião saber sobre a escola, conhecer a professora e questionar a escola, se é que fazem isso de forma interessante. Dois ou três pais aparecem para fazer o mesmo. É como se reunião de escola fosse atividade de segunda. Como se as coisinhas chatinhas fossem para a mulher cumprir. Ou como se a vida escolar dos filhos, em sua face qualitativa, fosse atribuição só da mãe. O pai serve pra pagar o boleto (quando é o caso. Muitas vezes, nem isso).

A outra coisa, a que eu não entendo, é por que grande parte das pessoas que comparece à tal reunião força a situação de falar dos próprios filhos o tempo quase todo, roubando o tempo de informação da comunidade. É um pessoal que obriga todos a focalizarem situações e questões particulares, em um encontro coletivo; e pior: às vezes, esforça-se para demonstrar uma caretice absolutamente anacrônica.

Entro muda e saio calada. Anoto o que preciso anotar com algumas intenções: questionar meu filho quando ele chegar em casa; ver se ele está ciente das regras; ver se preciso combinar algo com ele, inclusive para driblar a escola, quando sentirmos que é mais inteligente; e repassar informações ao pai dele...

Minha amiga Lavínia, excelente professora de Português, depois de participar de uma palestra sobre "a escola do futuro" (sim, porque a escola está sempre prometida...), externava, no Facebook, sua dupla sensação: uma de alegria porque o palestrante bambambam dizia coisas que ela já pensava; outra, contraditória, porque ela tinha a impressão de que todos querem mudanças, revoluções, transformações, mas a escola continua a mesma.

Fiquei cá pensando com meus botões e sei lá, entende? Não sei se as pessoas querem tanta transformação assim. Sinto, ali nas conversas de reunião, que muitos pais querem mesmo é os filhos em regime semiaberto (quando não fechado), pra ficarem livres da moçada enquanto eles trabalham (o que é digno e necessário), mas também vão ao shopping, à aula de golf ou ao cabeleireiro. Aí depende, não é? Mas me parece, em grande medida, uma comunidade que vai ali forçada pra saber o que já sabe e exigir mais do mesmo.

Conheço professor que tenta inovar, professor que tenta um encontro interessante com tecnologias mais recentes, professor que prepara aulas sensacionais, professor que se dedica, professor com sangue nos olhos e paixão no coração. E esse cara todo, desse jeitinho, não consegue sair da média porque precisa atender os pais, a diretoria, o mercado e sabe lá mais o quê.

Há uns tempos, em um belo evento em Natal (RN), tive o prazer do contato com uma professora que desenvolve lá, com unhas e dentes, um projeto de sucesso em uma escola pública. Como é bem nisso que eu acredito, fiquei doida para saber das coisas. E um negócio sério ela me disse: "na nossa escola, os pais são envolvidos". Não acho que haja mudança possível sem a presença respeitosa e interessada dos pais.

Estou errada em ter preguiça das reuniões. Estou errada em entrar muda e sair calada. Estou errada em não ter uma postura mais participativa. Sim, estou errada. E todos estamos. Eu não devia querer saber só do meu filho genial. Eu deveria estar comprometida com um projeto mais integral. No entanto, com respeito. Ali trabalham profissionais. Não é lugar pra eu dar pitacos sem noção. Bom, como eu disse um dia: escola é escolarização; educação sou eu quem dou, em casa.

Na reunião mais recente, uma mãe interrompeu para dizer que proíbe a filhota, de 11 anos, de falar gírias em casa. Vou fazer o quê? E o que essa figura queria que a escola fizesse? A honorável senhoura afirmou, em tom de palestra, que a gíria é perigosa e que prejudica os textos da pessoa para o resto da vida; e sugeriu que a escola tomasse alguma providência sobre isso. Vamos banir a gíria. E solicitou da escola que tomasse posição e desse um reforço.

Eu não me aguentei. Contorci-me na cadeira. Fiz cara de nojo (que foi vista por uma ou duas pessoas). Eu estava bem no fundão, pra não ser notada mesmo, mas vi que a professora percebeu minha reação. E as representantes da escola foram delicadas, desconversaram, falaram sobre o inevitável e tal e coisa.

Véi! Eu pirei naquele papo. Eu pirei. E vazei, assim que pude. Saí achando que os pais (e mães) é que precisam de umas discussões mais interessantes sobre, por exemplo, linguagens. Ou sobre qualquer coisa. E pensei na Lavínia, com a escola do futuro. E me lembrei de quando eu adotava livros de boa literatura na escola e vinham os pais me proibir, alegando, por exemplo, que poesia é só quando as palavras são bonitas. Poeta não escreve palavrão nem gíria. E uma teoria sobre tudo que só faz o mundo se encaretar; e uma postura de gente que quer esconder o mundo dos filhos, como se esses meninos e meninas já não tivessem visto as coisas pelo YouTube; e uma eterna cobrança para que a escola seja moderna e dialogal, só que não. #sqn


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 20/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Arte que não parece arte de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FILOSOFIA DA ARTE
VIRGIL C. ALDRICH
ZAHAR
(1969)
R$ 13,00



JUVENTUDE, O GRANDE DESAFIO
JORGE BORAN
PAULINAS
(1986)
R$ 6,50



A ARTE DO DESCASO - A HISTÓRIA DO MAIOR ROUBO A MUSEU DO BRASIL
CRISTINA TARDÁGUILA
INTRÍNSECA
(2016)
R$ 22,00



OS DESEQUILÍBRIOS ESTÁTICOS
MARCEL BIENFAIT
SUMMUS
(1995)
R$ 44,91
+ frete grátis



1565 ENQUANTO O BRASIL NASCIA
PEDRO DORIA
HARPER COLLINS BR
(2018)
R$ 15,00



AMOR É PROSA SEXO É POESIA
ARNALDO JABOR
OBJETIVA
(2004)
R$ 10,00



ARISTOTLE AS POET
ANDREW L. FORD
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2011)
R$ 190,00



ATRAVES DO ESPELHO
ISA MARA LANDO; JOSTEIN GAARDER
SEGUINTE
(1998)
R$ 10,00



A PRIMAVERA DO DRAGÃO
NELSON MOTTA
OBJETIVA
(2011)
R$ 9,90



FAYGA OSTROWER
CARLOS MARTINS ORG
GMT- SEXTANTE
(2001)
R$ 360,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês