Momento ideal & conciliação | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Falta alguma coisa ali no meio
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Sexta-feira, 25/9/2015
Momento ideal & conciliação
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos

"Professora, tive de faltar à sua aula ontem por motivos muito sérios. É que..."

"Ah, desisti porque minha vida está complicada..."

"Vou deixar para depois. Vou esperar o momento ideal."

Professor precisa escutar muita coisa. E precisa ouvir com paciência. Fazer o esforço de compreender verdadeiramente. E nem sempre responder nada. É opcional pegar a papelada em cima da mesa e sair, sem fazer expressão de desdém ou de comoção profunda. Ou, de outro modo, parar, largar tudo no chão, abraçar a pessoa e dizer palavras duras. Talvez palavras doces. Não dizer nada, mas demonstrar calor no abraço. Alegria ou vazio.

Cada aluno que desiste é uma história. Uns somem, simplesmente, sem deixar vestígio. Às vezes, dão sinais anteriores de fadiga ou de desmotivação. Às vezes, nem isso. Simplesmente desaparecem. Outros optam por dar satisfação. Chegam perto, dizem umas coisas, ensaiadas ou não, e se vão. Trocam de curso, mudam de cidade, ficam em casa, tentam de novo, não tentam nunca mais. Os motivos são muitos, vários e às vezes insondáveis.

Certa vez, uma aluna muito antipática, desde sempre desalinhada com tudo, com todos, com a turma e com os professores, deixou de comparecer. Era previsível. Era um alívio. Mas ela parou no corredor, por um breve momento, para dizer a um professor: "Ó, estou saindo fora. Não me adaptei. Isto aqui não é minha praia." Estava na cara. Ela demorou mais do que todos nós para descobrir sua resposta. Enfim, fez questão de desdenhar da escola, antes de sair, como quem deixa a sala depois de bater a porta com má educação.

Há alunos, no entanto, que vêm contar dificuldades. E estou, como se nota, falando de alunos adultos. São estudantes de cursos de graduação, de graduação tecnológica ou mesmo de pós-graduação. São profissionais, ainda jovens, mas em sua maioria mais velhos, muitos casados, com filhos, problemas familiares e uma história notável atrás de si.

Não estou falando de jovens iniciantes da faculdade, estes que fizeram tudo a termo e podem estudar em tempo integral, contando com o financiamento dos pais. Não. Não é também de estudantes de cursos "de elite" (embora isso vá se desfazendo, muito aos poucos). Trato aqui dos cursos noturnos que muita gente busca já depois de certa experiência profissional ou após uma vida correndo atrás das atualizações necessárias. Ou de um sonho, quem sabe?

Esse aluno, essa aluna, vem dizer que desistirá. E não que a aula seja ruim, que a escola seja precária, que os colegas sejam intragáveis. Não. Este estudante vem quase pedir desculpas por ter entrado. Ele vem pedir desculpas pela vaga que ocupou. E lamentar que não tenha feito jus à proposta que fez aos outros e a si.

Quando a pessoa diz que tem problemas, que não pode, que não quer, em tom decidido, sem subterfúgios, eu ofereço meu olhar de solidariedade. Mas eu jamais me calo. Eu sinto a necessidade de fazer perguntas óbvias, como: Tem certeza? Não tem jeito mesmo? Vale a pena? Você não vai se arrepender? Vai perder o pique depois?

No entanto, quando a pessoa me dá o argumento da dificuldade de "conciliação", ah, não, aí eu não perdoo. Eu não perdoo porque a vida de adulto é, eternamente, conciliar. Não existirá mais o famigerado "momento ideal". Ele simplesmente não virá. Ele se perderá entra as contas de água e luz; se esconderá entre os filhos, na hora do almoço; se deixará levar pelas horas do trabalho assalariado; ele morrerá nos sonhos de uma profissão.

Desde a entrada na vida adulta, o tempo escasseia. Passa a ser contado às avessas, uns dias a menos, os horários de despertador, os timings dos outros, sempre os outros. O tempo passa a ser uma variável quase indomável. E as pessoas continuam se empregando, se casando, proliferando. As outras coisas virão, tomarão seus lugares, menos ou mais amplos. E os estudos ficarão para depois.

Só que depois é logo. Nessa escala de adulto, depois é ali. Depois é o ano e meio da especialização, os dois anos do mestrado. Os quatro da graduação, noturna, talvez. O certo é que passarão rapidamente. E o arrependimento é quase inevitável.

Uma aluna de mestrado quis desistir. Teve problemas pessoais típicos de um adulto: vida financeira precisando melhorar, morar só, o noivado acabou, a tristeza tomou conta, o emprego ruim, um concurso público em vista. E ela queria desistir. O mestrado pela metade, o investimento feito. Os olhos fundos de cansaço e tristeza. Mas o modelo de felicidade - casa, marido, descanso e empregão - não a deixava em paz. Quase caiu. Não deixei. Fui dura. "Você não pode desistir no meio! Vai passar rápido! Valerá a pena. Pode aumentar suas possibilidades. Mas, antes disso, já pensou? Como você vai se encarar depois de desistir no meio?"

Bom, ela foi. Ela seguiu. Sempre acho emocionantes os fechamentos de cursos. Em todas as etapas, do ensino médio à pós-graduação, as pessoas mudam muito. Os graduandos crescem, florescem, mostram coisas insuspeitadas a nós, que estamos ali participando de suas caminhadas. Os pós-graduandos tornam-se pensadores, muitos. Vários, não. Mas muitos passam à vida de formadores, profissionais, professores e vão semear mais. É absolutamente emocionante assistir à defesa de mestrado, só para um exemplo, de uma pessoa que chegou tímida e sem qualquer noção da teoria X ou Y. E mais emocionante ainda é ver como ela conclui um trabalho após a superação de um leque grande de dificuldades da vida adulta: a pressão, a doença, a morte até. Superou a falta, o despreparo, os horários de trabalho, o sono, a vigília, o nervosismo. Conciliou com o fim do noivado ou com o casamento. O marido, a gravidez, quem sabe? Conciliou com as viagens ao interior. Conciliou com a diversão, as férias em família, o intercâmbio. Conciliou consigo mesma, quando deu a impressão de que não teria forças para continuar.

Pela vontade dessa conciliação, as pessoas já mereceriam os parabéns. Mas elas fizeram mais. E alcançaram um grau, uma graça, um outro horizonte. E se eu estiver soando otimista demais, perdoem. É isso mesmo.

Os alunos nos olham e querem saber nossas histórias. Quando eles nos admiram, eles querem saber como foi que conseguimos. Muitos acham que tivemos condições muito melhores para fazer o que fizemos, para chegar até ali, até aquela condição de formadores. E então pode ser bom contar uma história absolutamente igual à deles. As moças querem saber como conciliei marido, filho, casa. Os moços querem saber como conciliei viagens e estudos. E há os que mostram surpresa grande quando sabem que tenho filho! Quando não a perplexidade de algumas ao descobrirem que ainda há maridos que sabotam as esposas que saem para se qualificar.

Não existe mais o momento ideal, eu disse a um dos meus alunos. Não existe. Afirmei de novo. A vida vai fazer todos esses movimentos, simultâneos. E eles serão sempre simultâneos. E se você não jogar mais este ingrediente aí nesse redemoinho, você não vai mais estudar. Faça o plano, olhe o calendário com firmeza e toque em frente. No dia da sua defesa, estarei lá para assistir e te dar um abraço meio assim: "Viu só, mestre? Eu não disse que daria?"

Fábrica de Chocolates



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
03. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
04. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
05. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Martin, Filhote de águia
Terezinha Éboli
Agir
(1989)



Ausblick 2 Kursbuch
Anni Fischer Mitziviris
Hueber
(2009)



Espírito Santo, Brasil - Bilíngue
Luis Guilherme Santos Neves e Outros
Casa e Jardim
(1994)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Os Pensadores da Grécia - Tomo I - Filosofia Pré-socrática - 1ª Edição
Theodor Gomperz
Ícone
(2011)



Paula
Isabel Allende
Abdr
(1996)



Manual do Engenheiro Globo 2º Volume 1º Tomo
Bolivar Barros e Outros
Globo
(1977)



Dicionário Espanhol Português
A. Tenório Dalbuquerque
Itatiaia



Vivendo Em Meio a Milagres
Steve Hill
Central Gospel
(2008)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês