Momento ideal & conciliação | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Vamos Fazer Barulho! Uma Radiografia de Marcelo D2 de Bruno Levinson pela Ediouro (2007)
>>> Metanoia - Um Novo Olhar Sobre a Liderança e os Negócios de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2002)
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/9/2015
Momento ideal & conciliação
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

"Professora, tive de faltar à sua aula ontem por motivos muito sérios. É que..."

"Ah, desisti porque minha vida está complicada..."

"Vou deixar para depois. Vou esperar o momento ideal."

Professor precisa escutar muita coisa. E precisa ouvir com paciência. Fazer o esforço de compreender verdadeiramente. E nem sempre responder nada. É opcional pegar a papelada em cima da mesa e sair, sem fazer expressão de desdém ou de comoção profunda. Ou, de outro modo, parar, largar tudo no chão, abraçar a pessoa e dizer palavras duras. Talvez palavras doces. Não dizer nada, mas demonstrar calor no abraço. Alegria ou vazio.

Cada aluno que desiste é uma história. Uns somem, simplesmente, sem deixar vestígio. Às vezes, dão sinais anteriores de fadiga ou de desmotivação. Às vezes, nem isso. Simplesmente desaparecem. Outros optam por dar satisfação. Chegam perto, dizem umas coisas, ensaiadas ou não, e se vão. Trocam de curso, mudam de cidade, ficam em casa, tentam de novo, não tentam nunca mais. Os motivos são muitos, vários e às vezes insondáveis.

Certa vez, uma aluna muito antipática, desde sempre desalinhada com tudo, com todos, com a turma e com os professores, deixou de comparecer. Era previsível. Era um alívio. Mas ela parou no corredor, por um breve momento, para dizer a um professor: "Ó, estou saindo fora. Não me adaptei. Isto aqui não é minha praia." Estava na cara. Ela demorou mais do que todos nós para descobrir sua resposta. Enfim, fez questão de desdenhar da escola, antes de sair, como quem deixa a sala depois de bater a porta com má educação.

Há alunos, no entanto, que vêm contar dificuldades. E estou, como se nota, falando de alunos adultos. São estudantes de cursos de graduação, de graduação tecnológica ou mesmo de pós-graduação. São profissionais, ainda jovens, mas em sua maioria mais velhos, muitos casados, com filhos, problemas familiares e uma história notável atrás de si.

Não estou falando de jovens iniciantes da faculdade, estes que fizeram tudo a termo e podem estudar em tempo integral, contando com o financiamento dos pais. Não. Não é também de estudantes de cursos "de elite" (embora isso vá se desfazendo, muito aos poucos). Trato aqui dos cursos noturnos que muita gente busca já depois de certa experiência profissional ou após uma vida correndo atrás das atualizações necessárias. Ou de um sonho, quem sabe?

Esse aluno, essa aluna, vem dizer que desistirá. E não que a aula seja ruim, que a escola seja precária, que os colegas sejam intragáveis. Não. Este estudante vem quase pedir desculpas por ter entrado. Ele vem pedir desculpas pela vaga que ocupou. E lamentar que não tenha feito jus à proposta que fez aos outros e a si.

Quando a pessoa diz que tem problemas, que não pode, que não quer, em tom decidido, sem subterfúgios, eu ofereço meu olhar de solidariedade. Mas eu jamais me calo. Eu sinto a necessidade de fazer perguntas óbvias, como: Tem certeza? Não tem jeito mesmo? Vale a pena? Você não vai se arrepender? Vai perder o pique depois?

No entanto, quando a pessoa me dá o argumento da dificuldade de "conciliação", ah, não, aí eu não perdoo. Eu não perdoo porque a vida de adulto é, eternamente, conciliar. Não existirá mais o famigerado "momento ideal". Ele simplesmente não virá. Ele se perderá entra as contas de água e luz; se esconderá entre os filhos, na hora do almoço; se deixará levar pelas horas do trabalho assalariado; ele morrerá nos sonhos de uma profissão.

Desde a entrada na vida adulta, o tempo escasseia. Passa a ser contado às avessas, uns dias a menos, os horários de despertador, os timings dos outros, sempre os outros. O tempo passa a ser uma variável quase indomável. E as pessoas continuam se empregando, se casando, proliferando. As outras coisas virão, tomarão seus lugares, menos ou mais amplos. E os estudos ficarão para depois.

Só que depois é logo. Nessa escala de adulto, depois é ali. Depois é o ano e meio da especialização, os dois anos do mestrado. Os quatro da graduação, noturna, talvez. O certo é que passarão rapidamente. E o arrependimento é quase inevitável.

Uma aluna de mestrado quis desistir. Teve problemas pessoais típicos de um adulto: vida financeira precisando melhorar, morar só, o noivado acabou, a tristeza tomou conta, o emprego ruim, um concurso público em vista. E ela queria desistir. O mestrado pela metade, o investimento feito. Os olhos fundos de cansaço e tristeza. Mas o modelo de felicidade - casa, marido, descanso e empregão - não a deixava em paz. Quase caiu. Não deixei. Fui dura. "Você não pode desistir no meio! Vai passar rápido! Valerá a pena. Pode aumentar suas possibilidades. Mas, antes disso, já pensou? Como você vai se encarar depois de desistir no meio?"

Bom, ela foi. Ela seguiu. Sempre acho emocionantes os fechamentos de cursos. Em todas as etapas, do ensino médio à pós-graduação, as pessoas mudam muito. Os graduandos crescem, florescem, mostram coisas insuspeitadas a nós, que estamos ali participando de suas caminhadas. Os pós-graduandos tornam-se pensadores, muitos. Vários, não. Mas muitos passam à vida de formadores, profissionais, professores e vão semear mais. É absolutamente emocionante assistir à defesa de mestrado, só para um exemplo, de uma pessoa que chegou tímida e sem qualquer noção da teoria X ou Y. E mais emocionante ainda é ver como ela conclui um trabalho após a superação de um leque grande de dificuldades da vida adulta: a pressão, a doença, a morte até. Superou a falta, o despreparo, os horários de trabalho, o sono, a vigília, o nervosismo. Conciliou com o fim do noivado ou com o casamento. O marido, a gravidez, quem sabe? Conciliou com as viagens ao interior. Conciliou com a diversão, as férias em família, o intercâmbio. Conciliou consigo mesma, quando deu a impressão de que não teria forças para continuar.

Pela vontade dessa conciliação, as pessoas já mereceriam os parabéns. Mas elas fizeram mais. E alcançaram um grau, uma graça, um outro horizonte. E se eu estiver soando otimista demais, perdoem. É isso mesmo.

Os alunos nos olham e querem saber nossas histórias. Quando eles nos admiram, eles querem saber como foi que conseguimos. Muitos acham que tivemos condições muito melhores para fazer o que fizemos, para chegar até ali, até aquela condição de formadores. E então pode ser bom contar uma história absolutamente igual à deles. As moças querem saber como conciliei marido, filho, casa. Os moços querem saber como conciliei viagens e estudos. E há os que mostram surpresa grande quando sabem que tenho filho! Quando não a perplexidade de algumas ao descobrirem que ainda há maridos que sabotam as esposas que saem para se qualificar.

Não existe mais o momento ideal, eu disse a um dos meus alunos. Não existe. Afirmei de novo. A vida vai fazer todos esses movimentos, simultâneos. E eles serão sempre simultâneos. E se você não jogar mais este ingrediente aí nesse redemoinho, você não vai mais estudar. Faça o plano, olhe o calendário com firmeza e toque em frente. No dia da sua defesa, estarei lá para assistir e te dar um abraço meio assim: "Viu só, mestre? Eu não disse que daria?"

Fábrica de Chocolates



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
05. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário de Sá
Pia pera
Objetivo
(1995)



Ondas à Procura do Mar
Pierre Weil
agir
(1987)



Os Caminhos do Amor
Dalva Silva Souza
feb
(1997)



Dange Rock
M. S. Fayes
Pandorga
(2016)



Os Smurfs o Poderoso Gargamel
Vale das Letras
Vale das Letras
(2011)



Livro - Era Melhor Não Saber
Barbara Taylor Bradford
Record
(1996)



Livro - Memórias de um Sargento de Milícias - Série Reencontro
Manuel Antônio de Almeida
Scipione
(2000)



Os Dez Mandamentos
Loron Wade
casa publicadora
(2006)



Fé a Chave Secreta
Marcos Daniel
Redacional
(2010)



Chuva ácida: Coleção Sos Planeta Terra
M. Bright
Melhoramentos
(2005)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês