A pomba gíria | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Mais Recentes
>>> O Cortiço de Aluísio De Azevedo pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Cinquenta Tons do Sr. Darcy - uma Paródia de Emma Thomas pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Esquecer para Lembrar: Boitempo III de Carlos Drummond Andrade pela José Olympio
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards; Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> Monster High 4: Mais Mortos do Que Nunca! de Lisi Harrison pela Moderna (2012)
>>> E-mail Que Funciona! de Fernando Andrade pela Nobel (2006)
>>> Inside Girl, V. 4 - Nem Tudo Que Reluz e Ouro de J. Minter; Noely Russo pela Id (2013)
>>> Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Intersaberes (2010)
>>> Não Entendo Muito de Vinho, Mas Sei do Que Gosto de Simon Woods pela Sextante (2007)
>>> A Relíquia Apresentaçao e Notas Fernando Marcilio L Couto de Eça de Queirós pela Atelie (2001)
>>> A Espada Selvagem de Conan a Coleção - a Torre do Elefante 8 de Roy Thomas / John Buscema pela Panini Comics (2019)
>>> Iwoz de Steve Wosniak; Gina Smith pela Évora (2011)
>>> Sinopse Tributaria de Mattos Filho pela Mattos Filho
>>> Competências Coletivas no Limiar da Estratégia de Christian Defelix; Thierry Picq; Didier Retour pela Bookman (2011)
>>> Pretty Little Liars - Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Livro Aberto de Sylvia Orthof pela Atual Didáticos (2006)
>>> Inocência Ordinária de Emmanuelle pela Futurama (2017)
>>> É Preciso Lutar ! de Marcia Kupstas pela Ftd
>>> Arte Em Deslocamento Transitos Geopoeticos de Priscila Arantes pela Paço das Artes (2015)
>>> O Livro de Informática do Menino Maluquinho-livro de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2009)
>>> Plano Diretor do Mercado de Capitais Parceria Público-privada de Suces de Ney Carvalho pela Publit
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> Daqui de Lilian Aquino pela Patuá (2017)
>>> Para Sempre Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/5/2015
A pomba gíria
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5400 Acessos

Eu não sei direito o que é uma gíria, morou? Mas eu sei usá-las, saca? E eu talvez tenha a manha de empregá-las do jeito certo, porque isso é uma arte. Não é assim de qualquer jeito, pá pum. É algo que exige uma ciência. E por que será que a gíria é tão desprezada? Disse o querido escritor Leo Cunha que a gíria virou a pomba gíria.

Dia desses, contei, em um texto, que fui a uma reunião de escola em que uma mãe zelosa pediu a palavra para banir a gíria. É arriscado, mas muita gente acha que está fazendo a melhor coisa do mundo, especialmente na criação dos filhos. Até aí, tudo bem. É até bom ter fé nisso, cara, para criar uma segurança necessária ao andamento da vida. Mas ó: querer que todos e a escola façam o mesmo já fica pesado, não?

A dita mãe - falante de um português castiço e mal lavado - tinha a seguinte teoria sobre a linguagem: a gíria atrapalha a criança no desenvolvimento dos textos, ao longo da vida. É bem parecida com uma teoria, aliás, sobre o uso desbragado do internetês pelos jovens antenados e conectados. Todas teorias furadas.

Mas, vez ou outra, gosto de ouvir as teorias sobre tudo das pessoas. Acho divertido. E tenho cá as minhas, não menos amalucadas. Mas de linguagens e textos eu entendo. Digo isso porque há quem diga que entende de cálculo, de estômago, de dente e de tantas outras coisas. Por que não posso dizer que tenho minhas sapiências? É proibido? Logo eu cá, que me formei nesse negócio?

Bom, a mãe queria banir a gíria. Fiquei com pena. Das duas. Já pensou? Controlar uma criança que interage no mundo, dessa maneira? Sei não.

Acho mais interessante quando a criança (ou quem for) tem opção e entende que as tem; isto é, quando a pessoa tem uma coleção de possibilidades expressivas e sabe usá-las. A gíria, certamente, faz parte disso.

Conheço um garoto de 10 anos que andou dando demonstração dessa sabideza. Certa vez, diante do Facebook, ele mostrava um vídeo divertido à mãe. Ela, que também está nas redes sociais, pediu que o guri a marcasse na publicação. O garoto, do alto de sua sapiência linguajeira, escreveu assim: "mãe, pra vc", ali no campo dos comentários. E marcou a mãe, que espiava a operação por trás dos ombros do garoto. Antes que ela dissesse qualquer coisa a respeito do "vc", e ele intuía que ela diria, o carinha já se adiantou: "ó, mãe, eu sei que aqui no Facebook isso pode". O que está absolutamente certo, minha gente!

É disso que estou falando. É de jogo de cintura, coisa que é muito necessário se ter na linguagem (como na vida). Estou falando de quando a gente escolhe um jeito de dizer, de quando alguém diz "não dê a notícia assim, é muito impactante", e você formula de outro jeito: faleceu, morreu, bateu as botas, passou desta pra melhor, foi comer capim pela raiz e assim vai. Estou falando de quando as pessoas mudam seu linguajar conforme o grupo de que participam ou conforme a cena em que se encontram: na reunião, na entrevista de emprego, no boteco ou em família. É isso. É esse jogo, tão importante, que faz a linguagem ser a roupa que a gente usa, conforme a ocasião.

Tem tanto livro que trata bonitamente disso! Tem tanto professor que sabe das coisas. Tem tanta gíria linda. E todo mundo intui que a gíria entra e sai da moda. Fazia um tempo, por exemplo, que eu não ouvia o "bacana". E agora ela anda aí com toda a vivacidade. Daqui a pouco, pede um descanso de novo. E aquele "morou", lá no início do texto? Essa é velha, teve sua época, e nem era a minha. É empregada em uma propaganda de ótica, aqui pros lados de Minas Gerais. E só. E o "véi", da moçada? E o "broto", que ninguém usa? E chamar o Fábio Júnior de "pão"? Poxa, qual é o problema, galera? Eu não estou dizendo que a gente precisa usar gíria sem parar; mas que a gíria é um recurso pra ser usado na hora certa.

O que atrapalha as pessoas é elas não saberem que dispõem da linguagem para todos os seus afazeres, em todas as cores. Ficam limitadas, sem opção. E aí, sim, seus textos estarão prejudicados - ou zoados - para sempre, tá ligado?



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/5/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
03. O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth' de Duanne Ribeiro
04. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
05. A vida se elabora no Ano Novo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teorema Katherine
John Green
Intrínseca
(2013)



Histórias sem Data - Confira!
Machado de Assis
Civilização Brasileira
(1975)



Santa Catarina - Patrimônio Histórico
Rosange Sena N21698
Secco
(2010)



Como É Ruim Ser Diferente!
Giselda Laporta Nicolelis
Quinteto
(2005)



Heróis - Coleção Mitologia
Ivan Rendall
Abril
(1995)



Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins Br
(2019)



As Sandálias do Pescador - Supersellers
Morris West
Altaya/Record
(1974)
+ frete grátis



Do Povo para o Povo
Roger Osborne
Bertrand Brasil
(2013)



A prova
Agota Kristof
Rocco
(1989)



Conecte Biologia - Caderno de Competência
Sônia Lopes Sergio Rosso
Saraiva Didatico
(2014)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês