Maurice | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Violetas na Janela de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
>>> Tudo Tem um Porquê de Marcelo Cezar pela Vida e Consciência
>>> Tragédias 1 de Shakespeare pela Abril Cultural (1981)
>>> Tragédia Em Três Atos de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Themen Aktuell 1 de Maria Helena Voorsluys Battaglia pela E. P. U./ Hueber
>>> Testemunha da Acusação de Agatha Christie pela Record
>>> Terra Nua de Morris West pela Círculo do Livro
>>> Terceiro Milênio - Decida-se ! de Valéria Cazeloto pela Valéria Cazeloto
COLUNAS

Quarta-feira, 8/6/2011
Maurice
Guilherme Pontes Coelho

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


O primeiro beijo gay da tevê brasileira. Isto foi uma notícia que li em algum portal noticioso. O beijo seria encenado pelas atrizes Gisele Tigre e Luciana Vendramini para alguma novela do SBT. Eu, que só ligo a tevê para ver filmes infantis e esportes de combate, achei a notícia toda curiosa. Não sabia que o SBT produzia novelas. Nem que Vendramini e Tigre (minha conterrânea) estivessem na ativa. Nem que este seria "o primeiro beijo gay da tevê brasileira".

Lembro que houve uma novela global, dessas ambientadas na imensidão territorial do Leblon, que dispunha de um casal gay no elenco. Gay lésbico, é claro. Eram as atrizes Paula Picarelli e Alinne Moraes. Pois as personagens delas não se beijaram naquela novela? Pelo visto, não. Ainda haverá um beijo gay em rede nacional. O mais curioso é que este futuro beijo gay feminino é a notícia. Uma coisa que eu supunha ser, digamos, normal (não diria corriqueira) no mundo mainstream.

Não bastasse o ineditismo, o beijo será dramatizado por duas atrizes belíssimas, que habitam as fantasias de muitos homens (e lésbicas, suponho) Brasil afora. Ou seja, um beijo gay entre personagens que se assemelhassem às atrizes Márcia Cabrita e Claudia Ximenes está fora de questão; entre personagens masculinos, nunca. (Recentemente, em dezembro de 2010, um beijo entre os personagens dos atores Hugo Leão e Fabio Enriquez, para série global Clandestinos, foi cortado na edição final.) Picarelli, Moraes, Vendramini, Tigre - só esse tipo de mulheres tem representado o namoro gay na tevê aberta porque seria mais aceitável, já que são símbolos sexuais do universo heterossexual? Nós homens gostamos muito de ver duas mulheres em ação.

Eu, muito ignorante no meu mundo recluso dos livros e da tevê a cabo, não sabia que o mainstream ainda se digladiava com questões tão medievas como uma bitoquinha lésbica. O que isso tem de mais, hein?

Infelizmente, isso tem sido demais. O discurso bolsonarizante é real, não se limita a um ou outro retrógrado idiota. Para muitos, gays são mais alienígenas que marcianos, mais criminosos que assassinos.

A notícia do beijo gay, somada às vociferações do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e seus apoiadores, me fez pensar em Maurice, livro de E.M.Forster.

Maurice (Globo, 2006, 258 págs., tradução de Marcelo Pen) é a história de um homem insípido, anódino, mediano. Maurice Christopher Hall foi criado com um razoável conforto material. A família tinha com o que viver, um patrimônio satisfatório passado por duas, no máximo três, gerações. Além disso, seu pai, quando morrera, deixara um algo a mais para ser somado à modesta riqueza dos Hall, administrada pela mãe, enquanto Maurice não se tornasse o adulto senhor Hall, como o pai. Maurice tinha duas irmãs, com as quais não se dava bem. Quer dizer, se não era apaixonado por elas, também não nutria nada negativo em demasia nem por uma nem por outra. Era uma relação assim, mais ou menos, bem mesquinha, e recíproca.

Ele frequentou escolas assim, nem insignificantes, nem insignes. Ele mesmo era bom aluno, o suficiente para não ser notado. Não demandava a atenção dos professores por ser péssimo, nem ganhava deles os aplausos por ser extraordinário, tanto em notas quanto em comportamento. Ele era notado pelos colegas como aquele a quem eles conhecem e de quem sabem o nome, nome que nunca se lembram de imediato. Quanto à aparência, Maurice não era nenhum Adônis, tampouco um Quasímodo.

Ele praticava alguns esportes, menos por paixão do que por ser um homem fisicamente ativo (sim, ele era bem disposto, muito trabalhador). Os livros que leu faziam parte dos currículos da escola e da faculdade. Apenas um livro havia mexido com ele. Sobre música, ele beirava a indiferença. De uma sinfonia de Tchaikovsky, a única visita dele ao teatro, ele "gostou dos rompantes, dos golpes e dos trechos suaves - [porque,] para ele, a música era apenas isso". Arrumou um emprego numa empresa de investimentos financeiros, que era de um amigo do seu pai. Tornou-se sócio da empresa e tudo, assim, sem muito esforço, por causa da amizade do empregador com o Hall morto.

Maurice era um alguém trivial. Exceto por uma coisa. Ele era gay.

Ele sempre foi gay. Desde menino. O romance é isso: a história de um homem comum, tendo de lidar, na Inglaterra do início do século XX, com o pecado e o crime de fazer parte dos "incomunicáveis". Forster, ele mesmo gay e totalmente diferente de Maurice, foi genial ao narrar o sofrimento de um homem ordinário, proibido de ser ele mesmo, temendo ser condenado pelo Estado à cadeia (o romance se passa em 1912 e, àquela época, na Inglaterra, homossexualismo era crime). Maurice, que não dava valor à religião, tenta até hipnose para se "curar".

O livro acaba bem. Maurice acha o amor num homem de outra classe social. Ele se apaixona, e é correspondido, por um criado. Isso mostra outra coisa. Além do casal ser gay, cada um vem de uma classe diferente, outro tabu intransponível na Inglaterra de então. (Quando Maurice revela a um amigo nobre, um ex-namorado que se heterossexualizou, que está envolvido com uma pessoa, não passa pela cabeça do amigo nem que seja homem nem, muito menos, que seja da criadagem.)

Confesso que foi inevitável o pensamento, ao final da leitura, de que era apenas uma história de amor de uma bichinha sem graça. Mas em algum lugar os gays precisam ter um final feliz. Por enquanto, ao que parece, só na ficção. Forster escreveu Maurice entre 1913 e 1914 e não o publicou em vida, porque o romance jamais seria aceito. Seria criminoso. Mesmo. E cem anos depois do livro ter sido escrito, quarenta anos depois de ter sido publicado, os gays continuam sem ter direito a um final feliz.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 8/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
03. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding
04. Millôr e eu de Vitor Diel
05. Melhores exposições de 2010 de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Cisne Negro - 16/2/2011
04. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2011
17h02min
O curioso é que isso tudo acontece num país que tem a maior Parada Gay do mundo (São Paulo, com mais de 2 milhões de participantes), realizada com todo apoio governamental, além de existirem outras Paradas Gays nas maiores cidades do país. Essas manifestações são realizadas sem conflito com a sociedade, demonstrando que esta está madura para a questão. Que mal faria um beijo homossexual? Bolsonaro é representante de uma parcela da sociedade e não deve ser calado, mas apenas dimensionado como representante de uma pequena minoria.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cantos Harmoniosos da América
Johan Dalgas Frisch; Christian Dalgas Frisch
Dalgas Ecoltec
(2001)



Estratégias Colaborativas na Distribuição
Vera Moreira e Outros
Abad
(2004)



Tancredo Vivo: Casos e Acaso
Ronaldo Costa Couto
Record
(1995)



Biologia Hoje 3 - Ensino Médio
Sergio Linhares / Fernando Gewandsznajder
Atica
(2013)



Quatro Anos-luz
Leda Miranda Huhne
Uape
(1994)



Você é do Tamanho dos Seus Sonhos
Cesar Souza
Agir
(2009)



Cousteau: uma Biografia
Axel Madsen
Campus
(1989)



A Vitória de Churchill
Michael Dobbs
Record



Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Dupla Falta
Lionel Shriver
Intrinseca
(2011)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês