Cisne Negro | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Barsa versus o Google
>>> Sobre a mulher que se faz de vítima
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
Mais Recentes
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/2/2011
Cisne Negro
Guilherme Pontes Coelho
+ de 6500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Nina Sayers acorda. As testemunhas habituais de seu despertar diário são bichos de pelúcia, uma extensa e variada coleção muito bem incorporada ao branco da mobília e aos vários tons de rosa do papel de parede, que forra todo o cômodo, exibindo inofensivas borboletas. Jogo de cama, tapete e bibelôs ― todo o quarto lembra o de uma menina que ainda não chegou à adolescência. Bem, a depender da mãe, Erica, Nina ainda é uma criancinha, que precisa ser protegida do mundo. Proteção que Erica, implacável, exerce de forma opressora. E Nina, sem alternativas, tenta ao máximo corresponder às exigências da mãe por comportamento exemplar, irrepreensível, excelente. Como escape, Nina sofre, já há algum tempo, de um prurido crônico, que a faz sangrar a pele a unhadas.

Sobre o criado-mudo, Nina tem uma tradicional, e algo vintage, caixinha de música, que faz uma minibailarina rodopiar à melodia d'O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky. (Sua mãe gosta de dar corda à musiquinha da caixa quando põe Nina para dormir.) O famoso balé dramático russo tem semelhanças com o sonho do qual Nina acordou naquela manhã para mais um dia de ensaios exaustivos na companhia para a qual dança. Ela é bailarina, sempre foi. Sua mãe, que abandonara uma carreira infrutífera como bailarina aos 28 anos para parir sua única filha, a levava ainda criancinha às aulas, mesmo a contragosto da menina. Mas a rejeição inicial da pequena se tornou uma entrega absoluta ao balé, arte que vive uma decadência menos lenta do que parece. Nina dedica sua vida ao balé, dedica horas, dias, noites e sonhos ― não só os que sonha acordada.

"I had the craziest dream last night", ela disse, ainda entre lençóis e travesseiros, pela voz meiga da atriz que a interpreta, Natalie Portman (impecável). Ela sonhou um pas de deux com uma negra figura emplumada e ameaçadora, que violentamente conduzia a ela, tão frágil e elegante, não de todo consciente de quem a guiava na dança.

A coreografia, que tem dois minutos, começa com a bailarina, sozinha, no proscênio, à meia-luz, estática na quinta posição. Um único holofote sobre ela. Um pas de basque a põe em movimento e por quase quarenta segundos ela desfila graciosidade nas pontas dos dedos até se sentar no chão, com momices de moça bem comportada, pressentindo (como se estivesse à espera) a presença de algo que não conhece, sugerido pela mudança de tom na trilha sonora, que acende o clima de suspense, num ótimo trabalho do compositor Clint Mansell, inspirado na partitura original de Tchaikovsky.

Até este ponto, o olhar da câmera é estável, limpo e harmônico. Mas quando a presença que a bailarina sente é introduzida na cena, a limpidez da fotografia sofre ruídos. O andar do bailarino sombrio, que sai da escuridão e se aproxima às costas de Nina, é acompanhado passo a passo pelas lentes do diretor de fotografia, Matthew Libatique, em câmera solta e, antes que o bailarino apareça na tela e incendeie a curiosidade da garota, é pela subjetividade dele que vemos sua presa.

Ela se levanta. Ele se aproxima, firme, e a observa, sempre às suas costas. Ela o procura, ele a persegue. Ela se afasta (as lentes a perdem). Ele, ao som da trilha retumbante e apoteótica, se transforma, se cobre de penas e ganha um par de chifres. A bailarina é conduzida pelo demônio impetuoso e colérico. Ela tenta escapar, ele a reconquista. Ela estende os braços em direção à luz, ele a retoma ― para depois deixá-la ir, e ela chora. Recobra a consciência e voa, elegante, recomposta, para o longe. Acaba o sonho.

O despertar de Nina foi seguido por um café da manhã entre ela e Erica, atuação soberba de Barbara Hershey, a mãe cujo hobby é pintar, exaustivamente, retratos da filha. Há um ateliê no claustrofóbico e escuro apartamento onde vivem só para estas pinturas. Então ela faz uma pequena viagem de metrô à companhia de dança, e é neste ponto que o diretor Darren Aronofsky faz, para os olhos de Nina, a primeira e discreta aparição do Doppelgänger, que tende a crescer durante a narrativa.

A estrela da companhia de dança, Beth Macintyre, vivida por uma convincente Winona Ryder, está se aposentando, a contragosto. Uma bailarina brilhante, autodestrutiva, impulsiva, "às vezes perfeita", para quem a idade havia chegado há tempos. O diretor da companhia, Thomas Leroy (Vincent Cassel, ótimo), precisará de uma nova solista para uma adaptação do, como ele mesmo diz, "superbatido" O Lago dos Cisnes.

O famoso balé foi criado a partir de um misto de fontes germânicas e eslavas. Há um príncipe, uma princesa, uma maldição. O libreto de Tchaikovsky conta a história de Odette, uma princesa amaldiçoada pelo bruxo Von Rothbart. Durante o dia ela é um cisne branco, mas ao anoitecer sofre uma metamorfose e volta à forma humana. Só o amor verdadeiro a libertará desta maldição. O príncipe, que está à procura de uma noiva, se apaixona por Odette; mas Von Rothbart, ardiloso, apresenta a ele sua sensual filha, Odile, que é idêntica à princesa maldita. O príncipe se casa com Odile pensando ser Odette, ele acredita que seu amor quebrou o feitiço.


Natalie Portman, como Nina, em Cisne Negro

O desfecho da história varia de acordo com a montagem, mas, geralmente, acaba em morte.

O problema que a companhia enfrenta quando Thomas escolhe Nina como solista é que ela faz o cisne branco à perfeição. É técnica, controlada, elegante. Pela tradição, a mesma bailarina deve fazer Odette e Odile (o cisne negro), e Nina parece ser incapaz de incorporar a antípoda ao cisne branco. Ela desconhece o impulsivo, o livre, o espontâneo. O sensual. Entra em cena a catalisadora Lily, também uma ótima atuação de Mila Kunis. Ao contrário de Nina, nova-iorquina e assexuada, Lily vem da solar São Francisco, dança de cabelos soltos e sorri quando erra a coreografia. É fascinante pela naturalidade, é sedutora. É com a presença de Lily que começa toda a transformação de Nina.

Darren Aronofsky, se não fez um filme corajoso, teve coragem para fazer este filme. A partir da relação entre Nina e Lily, relação que define o drama psicológico da protagonista, e com base no roteiro de Mark Heyman, Andres Heinz e John McLaughlin, Aronofsky optou por ser fiel à tormenta que a arte provoca quando o ator se entrega ao papel que o escolheu. O filme é uma ode ao ideal romântico, que pode não agradar aos olhos. Um drama psicológico, de horror, que por vezes chega ao grotesco (não podia ser diferente, na película há um caso de licantropia clínica). Um grotesco, contudo, que dá sentido ao filme e que é coerente com a cinematografia de Aronofsky até então.

Nota do Editor
Leia também "Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro".


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 16/2/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
02. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana de Celso A. Uequed Pitol
03. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
04. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti
05. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Cisne Negro - 16/2/2011
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
04. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/3/2011
15h05min
Ótima resenha.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
8/3/2011
13h01min
A obra artística é valorizada em cada ponto, graças a todo o corpo artístico, seja no cinema ou no teatro. Vale destacar os bailarinos, os atores, os músicos, os cenários as coreografias. Às vezes, traçamos comentários gerais, mas o que conta são os pequenos detalhes.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Física. Contexto & Aplicações - Volume 1
Varios Autores
Scipione
(2011)



O Presente do Meu Grande Amor - Doze Histórias de Natal
Stephanie Perkins
Intrínseca
(2014)



A Reforma Trabalhista na Visão da Ajd Análise Crítica
Laura Rodrigues Benda
Casa do Direito
(2018)



A Grande Pirâmide
Tom Valentine
Nova Fronteira
(1976)



Livro Infanto Juvenis Sai pra Lá!
Ana Terra
Larousse do Brasil
(2008)



Mireille - Capa Dura - Raro
Frédéric Mistral / G. Nick Ilustrador
Librairie Delagrave
(1932)



Irmãos Unidos
Francisco Cândido Xavier / Vários Espíritos
Geem
(1988)



À Noite
Helga Bansch
Fisicalbook
(2017)



Private - Suspeito nº 1
James Patterson
Arqueiro
(2013)



Livro Literatura Brasileira Em Câmara Lenta
Renato Tapajós
Carambaia
(2022)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês