Cisne Negro | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/2/2011
Cisne Negro
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Nina Sayers acorda. As testemunhas habituais de seu despertar diário são bichos de pelúcia, uma extensa e variada coleção muito bem incorporada ao branco da mobília e aos vários tons de rosa do papel de parede, que forra todo o cômodo, exibindo inofensivas borboletas. Jogo de cama, tapete e bibelôs ― todo o quarto lembra o de uma menina que ainda não chegou à adolescência. Bem, a depender da mãe, Erica, Nina ainda é uma criancinha, que precisa ser protegida do mundo. Proteção que Erica, implacável, exerce de forma opressora. E Nina, sem alternativas, tenta ao máximo corresponder às exigências da mãe por comportamento exemplar, irrepreensível, excelente. Como escape, Nina sofre, já há algum tempo, de um prurido crônico, que a faz sangrar a pele a unhadas.

Sobre o criado-mudo, Nina tem uma tradicional, e algo vintage, caixinha de música, que faz uma minibailarina rodopiar à melodia d'O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky. (Sua mãe gosta de dar corda à musiquinha da caixa quando põe Nina para dormir.) O famoso balé dramático russo tem semelhanças com o sonho do qual Nina acordou naquela manhã para mais um dia de ensaios exaustivos na companhia para a qual dança. Ela é bailarina, sempre foi. Sua mãe, que abandonara uma carreira infrutífera como bailarina aos 28 anos para parir sua única filha, a levava ainda criancinha às aulas, mesmo a contragosto da menina. Mas a rejeição inicial da pequena se tornou uma entrega absoluta ao balé, arte que vive uma decadência menos lenta do que parece. Nina dedica sua vida ao balé, dedica horas, dias, noites e sonhos ― não só os que sonha acordada.

"I had the craziest dream last night", ela disse, ainda entre lençóis e travesseiros, pela voz meiga da atriz que a interpreta, Natalie Portman (impecável). Ela sonhou um pas de deux com uma negra figura emplumada e ameaçadora, que violentamente conduzia a ela, tão frágil e elegante, não de todo consciente de quem a guiava na dança.

A coreografia, que tem dois minutos, começa com a bailarina, sozinha, no proscênio, à meia-luz, estática na quinta posição. Um único holofote sobre ela. Um pas de basque a põe em movimento e por quase quarenta segundos ela desfila graciosidade nas pontas dos dedos até se sentar no chão, com momices de moça bem comportada, pressentindo (como se estivesse à espera) a presença de algo que não conhece, sugerido pela mudança de tom na trilha sonora, que acende o clima de suspense, num ótimo trabalho do compositor Clint Mansell, inspirado na partitura original de Tchaikovsky.

Até este ponto, o olhar da câmera é estável, limpo e harmônico. Mas quando a presença que a bailarina sente é introduzida na cena, a limpidez da fotografia sofre ruídos. O andar do bailarino sombrio, que sai da escuridão e se aproxima às costas de Nina, é acompanhado passo a passo pelas lentes do diretor de fotografia, Matthew Libatique, em câmera solta e, antes que o bailarino apareça na tela e incendeie a curiosidade da garota, é pela subjetividade dele que vemos sua presa.

Ela se levanta. Ele se aproxima, firme, e a observa, sempre às suas costas. Ela o procura, ele a persegue. Ela se afasta (as lentes a perdem). Ele, ao som da trilha retumbante e apoteótica, se transforma, se cobre de penas e ganha um par de chifres. A bailarina é conduzida pelo demônio impetuoso e colérico. Ela tenta escapar, ele a reconquista. Ela estende os braços em direção à luz, ele a retoma ― para depois deixá-la ir, e ela chora. Recobra a consciência e voa, elegante, recomposta, para o longe. Acaba o sonho.

O despertar de Nina foi seguido por um café da manhã entre ela e Erica, atuação soberba de Barbara Hershey, a mãe cujo hobby é pintar, exaustivamente, retratos da filha. Há um ateliê no claustrofóbico e escuro apartamento onde vivem só para estas pinturas. Então ela faz uma pequena viagem de metrô à companhia de dança, e é neste ponto que o diretor Darren Aronofsky faz, para os olhos de Nina, a primeira e discreta aparição do Doppelgänger, que tende a crescer durante a narrativa.

A estrela da companhia de dança, Beth Macintyre, vivida por uma convincente Winona Ryder, está se aposentando, a contragosto. Uma bailarina brilhante, autodestrutiva, impulsiva, "às vezes perfeita", para quem a idade havia chegado há tempos. O diretor da companhia, Thomas Leroy (Vincent Cassel, ótimo), precisará de uma nova solista para uma adaptação do, como ele mesmo diz, "superbatido" O Lago dos Cisnes.

O famoso balé foi criado a partir de um misto de fontes germânicas e eslavas. Há um príncipe, uma princesa, uma maldição. O libreto de Tchaikovsky conta a história de Odette, uma princesa amaldiçoada pelo bruxo Von Rothbart. Durante o dia ela é um cisne branco, mas ao anoitecer sofre uma metamorfose e volta à forma humana. Só o amor verdadeiro a libertará desta maldição. O príncipe, que está à procura de uma noiva, se apaixona por Odette; mas Von Rothbart, ardiloso, apresenta a ele sua sensual filha, Odile, que é idêntica à princesa maldita. O príncipe se casa com Odile pensando ser Odette, ele acredita que seu amor quebrou o feitiço.


Natalie Portman, como Nina, em Cisne Negro

O desfecho da história varia de acordo com a montagem, mas, geralmente, acaba em morte.

O problema que a companhia enfrenta quando Thomas escolhe Nina como solista é que ela faz o cisne branco à perfeição. É técnica, controlada, elegante. Pela tradição, a mesma bailarina deve fazer Odette e Odile (o cisne negro), e Nina parece ser incapaz de incorporar a antípoda ao cisne branco. Ela desconhece o impulsivo, o livre, o espontâneo. O sensual. Entra em cena a catalisadora Lily, também uma ótima atuação de Mila Kunis. Ao contrário de Nina, nova-iorquina e assexuada, Lily vem da solar São Francisco, dança de cabelos soltos e sorri quando erra a coreografia. É fascinante pela naturalidade, é sedutora. É com a presença de Lily que começa toda a transformação de Nina.

Darren Aronofsky, se não fez um filme corajoso, teve coragem para fazer este filme. A partir da relação entre Nina e Lily, relação que define o drama psicológico da protagonista, e com base no roteiro de Mark Heyman, Andres Heinz e John McLaughlin, Aronofsky optou por ser fiel à tormenta que a arte provoca quando o ator se entrega ao papel que o escolheu. O filme é uma ode ao ideal romântico, que pode não agradar aos olhos. Um drama psicológico, de horror, que por vezes chega ao grotesco (não podia ser diferente, na película há um caso de licantropia clínica). Um grotesco, contudo, que dá sentido ao filme e que é coerente com a cinematografia de Aronofsky até então.

Nota do Editor
Leia também "Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro".


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 16/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O suplício da pele de Elisa Andrade Buzzo
02. Literatura como arte de Ana Elisa Ribeiro


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Cisne Negro - 16/2/2011
04. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/3/2011
15h05min
Ótima resenha.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
8/3/2011
13h01min
A obra artística é valorizada em cada ponto, graças a todo o corpo artístico, seja no cinema ou no teatro. Vale destacar os bailarinos, os atores, os músicos, os cenários as coreografias. Às vezes, traçamos comentários gerais, mas o que conta são os pequenos detalhes.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês