Expressar é libertar | Paula Ignacio | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 22/10/2013
Expressar é libertar
Paula Ignacio

+ de 3500 Acessos

Já faz alguns meses que tenho pensado no poder libertador que tem a capacidade de expressar sentimentos.

Em um primeiro momento vem à mente as palavras, mas me refiro aqui as expressões corporais.

Existe algo de mais bonito, profundo e poético em não precisar falar. Um algo assim contraditório, uma vez que não é preciso dizer através das palavras mas é necessário dizer, comunicar.

Comunicarmos os sentimentos e pensamentos talvez seja uma das condições fundamentais da existência. Não apenas a existência humana, pois mesmo os animais em seus mundos particulares e cada um a sua maneira encontram meios para dizer o que estão sentindo, o que querem, do que precisam. Quem convive com animais de estimação pode reafirmar facilmente o que digo.

Mas por quê será que temos essa necessidade tão grande de comunicar? Por quê expressar nossos sentimentos, nossos pensamentos é tão libertador? E o quê fazer quando as palavras já não são mais suficientes para comunicar figuras sem sentido lógico presentes em nossas almas?

Li em um texto cujo título esqueci que se o corpo também não comunica aquilo que as palavras estão dizendo o interlocutor tem dificuldade para compreender a mensagem, ainda que em outra situação essas mesmas palavras lhe fossem muito claras.

Me lembro disso toda vez que tento mentir e não consigo. Ainda que algumas pessoas consigam conter seus corpos enquanto dizem algo que não querem dizer, eu afirmo e reafirmo mil vezes que para mim mentir e não ser desmascarada é quase impossível. Para mim conseguir mentir seria como negar o meu corpo, negar a relação entre minha alma e meu corpo, negar a humanidade que existe em mim.

Mesmo que meu corpo entregue as mentiras que não consigo contar, infelizmente existe um incômodo que me perturba o pensamento já faz algum tempo e optei por revelar aqui: Acredito que aos poucos, gradativamente, tenho perdido a capacidade de me expressar.

Mesmo que as palavras digam o que quero dizer em muitos casos não consigo me fazer compreender. Isso dói como se tivesse uma espada enfiada nas entranhas.

É impossível responder aqui o porque dessa necessidade de compreensão do outro. E eu sei lá dos motivos pelos quais existir é assim? Por quê temos que dizer aos outros o que se passa dentro dos nossos corpos, dos nossos sentidos, da nossa alma? Só sei que isso precisa acontecer, só sei que "foi assim".

Não precisamos discutir sobre linguagens, mas falar sobre a expressão através dos gestos, do corpo, da consciência corporal e que estão diretamente relacionados a consciência de si mesmo. Quanto mais você percebe seu corpo, melhor comunica o que quer dizer, seja com o auxílio das palavras ou não.

Me lembro da primeira vez que assisti a um espetáculo de dança que realmente me marcou. Eu tinha 15 anos e estava passando pela Av. Paulista quando percebi uma movimentação de pessoas no vão entre os prédios da Caixa Econômica Federal. Havia um grupo que apresentava uma peça, eles usavam recursos para "flutuarem" sobre as pessoas, dançavam no chão, no ar, expressavam beleza, graça, liberdade, vida.

Eu chorei.

Como explicar a catarse provocada, a capacidade que esses dançarinos tiveram de fazer brotar a necessidade de liberdade e beleza que eu tinha e ainda tenho?

Depois disso e anos depois assisti uma peça no Teatro Municipal que se chamava Pequeno Sonho em Vermelho. Havia o trabalho intenso dos atores para a expressão corporal, muito mais presente nessa obra do que o próprio texto. Era quase como um espetáculo de dança-teatro, de expressão da alma.

Já faz algum tempo que a dança não é apenas "propriedade" da elite europeia. As apresentações de espetáculos de grandes dimensões, peças de ballet magistralmente observadas pelos espectadores que compram ingressos caríssimos para ter acesso ao trabalho de companhias de dança reconhecidas internacionalmente como as melhores do mundo.

O conceito de dança em meados do século XX passou a ser encarado como meio de uma expressão mais libertadora. O trabalho da dançarina Isadora Duncan que o diga. É, na minha opinião, necessário reavivá-lo a todo instante.

Isadora era uma bailarina que negou a rigidez acentuada do ballet. Ela deixou de lado as técnicas rigorosas que aprendeu durante anos para expressar-se de maneira mais livre, mais libertadora. A começar pelas roupas e sapatilhas apertadas, essas foram abandonadas. Uma vez que o corpo deveria soltar as amarras do inconsciente, tudo o que pudesse ser feito para expressá-lo seria aceito.

"Sua proposta de dança era algo completamente diferente do usual, com movimentos improvisados, inspirados também, nos movimentos da natureza: vento, plantas, entre outros. Os cabelos meio soltos e os pés descalços também faziam parte da personalidade profissional da dançarina. Sua vestimenta era leve, eram túnicas, assim como as das figuras dos vasos gregos. O cenário simples, era composto apenas por uma cortina azul. Outro ponto forte na dança de Isadora é que ela utilizava músicas até então tidas apenas como para apreciação auditiva. Ela dançava ao som de Chopin e Wagner e a expressividade pessoal e improvisação estavam sempre presentes no seu estilo." (trecho daqui)

Alguns amigos leitores da filosofia nietzschiana também tem trabalhado novas maneiras de expressões através da dança-teatro. Já publiquei aqui minhas considerações a respeito.

No ano passado assisti no cinema o filme Pina, um documentário sobre a vida e a obra da dançarina e coreógrafa Pina Bausch. Ela se inspirava nas histórias da própria vida e dos bailarinos da companhia para desenvolver as coreografias, baseadas nas capacidades, personalidades e vivências de cada um.

Também chorei quando assisti.

Uma outra referência bem recente e fresquinha é o filme A Dançarina e o Ladrão, de Fernando Trueba, cuja protagonista é Ariadna Gil, dançarina também na vida real. Na história, ela perde a capacidade de falar ainda na infância, quando seus pais são sequestrados e mortos pela ditadura de Pinochet. Cresce em instituições e um dia foge para viver nas ruas, mas se emociona todos os dias enquanto espia uma professora que dá aulas de ballet em casa. Ela tem a oportunidade de entrar e é recebida por essa professora, que a adota.

Ainda assim não conseguia desenvolver a fala, mas aprendeu a expressar seus sentimentos, necessidades e fragilidades com expressões que poucos corpos são capazes de ter.

Os olhares, os sorrisos, os movimentos, a dança libertadora. Ela consegue criar uma coreografia para expressar o sentimento intenso que viveu com a morte dos seus pais. Vale a pena assistir:



Depois de ter tido contato com a história desse filme há apenas dois dias, ainda o estou digerindo.

Sinto uma certa angústia por não ter ensinado ao meu corpo a capacidade de expressar de maneira tão grandiosa o mundo gigantesco de imagens e beleza que existe em mim.

Falo demais e desesperadamente na tentativa de compensar essa falta e comunico exatamente o contrário do que gostaria.

Durante muito tempo pensei que a falta de compreensão das pessoas se dava apenas por culpa delas, por interpretações superficiais das coisas que eu dizia e queria dizer. Mas conforme trabalhei meu crescimento pessoal e tive consciência de aspectos importantes da personalidade percebi que a culpa pelas falhas de comunicações era toda minha.

A comunicação via internet também complica bastante, uma vez que não há corpo, apenas palavras. Não há corpo, olhar, tom de voz. Se passamos a utilizar apenas a internet para comunicar, é bem provável que a mensagem não chegue, e que muitos sentimentos e emoções continuem pairando no ar a espera de alguém que as perceba.

Gostaria de conseguir comunicar o que estou sentindo agora. Gostaria de comunicar a sensação de liberdade que experimentamos toda vez que conseguimos nos expressar e alguém recebe a informação como gostaríamos. Toda vez que conseguimos sem desespero nenhum um pouco da compreensão do outro, e é como se realmente estivéssemos ligados, como se nossos corpos fossem um só.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no blog O Que Faremos Aqui.


Paula Ignacio
São Paulo, 22/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Edward Snowden: a privacidade na era cibernética de Humberto Pereira da Silva
02. Da separação e dos desalinhamentos de Ana Elisa Ribeiro
03. Fui demitida, e agora? de Adriana Baggio
04. Uma nova tendência estética de Marcos Silva


Mais Paula Ignacio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEJA FELIZ NA VIDA SEXUAL
SHA KOKKEN
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1979)
R$ 11,00



FUNDAMENTOS DE CITOLOGIA
O. T. FREITAS A. BOLSANELLO
LIVROS TÉCNICOS E CIENTIFICOS
(1979)
R$ 15,00



APRENDIZENDO EM CRITICA
RODOLFO GOMES PESSANHAS
ACHIAMÉ
(1984)
R$ 24,28



TARDE DEMAIS PARA CHORAR... CEDO DEMAIS PARA MORRER
EDITH PENDLETON
CIRCULO DO LIVRO
R$ 4,70



CAIM
JOSÉ SARAMAGO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 32,00



SINAIS E SINTOMAS. FISIOPATOLOGIA APLICADA E INTERPRETAÇÃO CLÍNICA
MACBRYDE & BLACKLOW
GUANABARA KOOGAN
(1975)
R$ 70,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1986)
R$ 29,90



ADORO!
SIG BERGAMIN
ARX
(2002)
R$ 20,00



MANUFACTURING, ENGINEERING & TECHNOLOGY
SEROPE KALPAKIJAN & STEVEN R. SCHMID
PEARSON PRENTICE HALL
(2006)
R$ 330,00



TRAÇADOS E ENTALHES DE NOVO AIRÃO
TATIANA DE SÁ F. FERREIRA
IPHAN
(2010)
R$ 7,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês