São Paulo e o medo no cinema | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
>>> O Segredo do Vovô Coelhão
>>> Separações é Amores II
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
Mais Recentes
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
>>> O Sentido da Vida de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> A Luz que Cura - Oração Pelos Doentes de Agnes Sandford pela Loyola (1985)
>>> O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan pela Companhia das Letras (1998)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/7/2016
São Paulo e o medo no cinema
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1300 Acessos

Nada mais natural do que representações cinematográficas sobre o medo em uma cidade como São Paulo. Medo de lugares, medo do desconhecido, medo do feio, medo da violência, medo do outro, medo de si mesmo. Uma cidade violenta e de desconfianças, mas também de muitas possibilidades e aberturas.

Dois filmes que estiveram em cartaz, nos últimos meses do primeiro semestre de 2016, referenciam São Paulo como grande paisagem e apresentam como tema o medo e, mais além, seus desdobramentos possíveis nos habitantes da cidade – por um lado, a imobilidade, o cerceamento em si mesmo, as crenças arraigadas; de outro, a superação e o vislumbrar de outras e mais vigorosas possibilidades a partir da experiência inicial do medo, o autoconhecimento.

Sinfonia da necrópole, escrito e dirigido por Juliana Rojas, é por si só um longa corajoso e original por sua temática cemiterial. Ainda, surpreendentemente, é um musical. A trama é centrada no jovem Deodato (Eduardo Gomes), um jovem aprendiz de coveiro que não tem afinidade com o entorno mórbido e as atribuições da profissão. O cotidiano “pacato” do cemitério no entanto será desfeito com a chegada de uma funcionária, Jaqueline (Luciana Paes), que irá liderar um recadastramento dos túmulos a fim de aumentar o número de jazigos. Aí temos também uma questão capitalista forte que acomete até mesmo a morte.

O simples e cordato Deodato irá se apaixonar pela eficiente Jaqueline, permanecendo em seu estágio no cemitério apesar de sua repulsa e melancolia pelas coisas da morte. Por outro lado, de espírito prático, a dinâmica Jaqueline encara os trâmites que envolvem a morte como um trabalho, e ali ele consiste em ser otimizado. As músicas do filme, que falam sobre o amor, a morte, as questões práticas do cemitério retrabalham sobre os temas de forma a reforçar e incluir novos elementos na mensagem a ser passada, ou seja, não consistem em meros coadjuvantes ornamentais.

Reconhece-se como cenário a avenida Dr. Arnaldo, um bar e os cemitérios do Santíssimo Sacramento e do Araçá localizados na própria avenida. Dado interessante para quem gosta de reconhecer e encontrar São Paulo no cinema. O mesmo acontece no longa Uma noite em Sampa, escrito e dirigido por Ugo Giorgetti. Toda a ação se passa em apenas uma noite nas escadarias do mirante na rua dos Ingleses e na fachada do Teatro Ruth Escobar.

Será lá que as personagens ficarão aterrorizadas diante da possibilidade de algo terrível lhes acontecer, mesmo não sabendo exatamente o quê... Um grupo de pessoas marcadas por traumas de violência urbana reais ou imaginários, após uma sessão de teatro, aguarda um ônibus de turismo com a guia. No entanto, o motorista misteriosamente desaparece, deixando-os ao relento e ao sabor de uma confabulação sobre a violência paulistana.

Uma fauna variada compõe o grupo: casais jovens, de meia-idade, idosos, empregada e patroa, uma filha e sua mãe cega. Esta, aliás, carrega o melhor da ironia no longa, pois é a única que não sente medo e se mistura com moradores de rua e consumidores de drogas do mirante. Outro ponto de interesse é a inserção de manequins como personagens literalmente imobilizadas, uma metáfora do ridículo da situação. Não sabermos se eles são percebidos ou não como tais pelos medrosos personagens de carne e osso torna ainda melhor a ideia.

Deodato e as personagens da noite paulistana são reféns de si mesmos. Pelo bem ou pelo mal, Deodato é um personagem mais forte pois, ainda que levado mais pelo amor à Jaqueline do que à profissão de coveiro, ele tem a coragem necessária para ir além do entorno que o aflige (mesmo que as coisas não aconteçam da forma que ele mais desejaria). O mundo em que vivia não lhe fazia sentido, mas ele também não tinha ferramentas para discernir outras possibilidades.

Enquanto isso, as personagens de Uma noite em Sampa não ultrapassam o medo que as acometem. O episódio só serve para aumentar suas inseguranças e preconceitos, imobilizando-as dentro de si mesmas e em seus conceitos rígidos de classe social. Assim, os filmes falam sobre o medo, mas um medo sem razão de ser, pelo sobrenatural, ou pela fobia social. Medo que beira ao supersticioso. Medo que beira ao patético.

Sinfonia da necrópole parte de algo complicado que é uma comédia musical que se passa num cemitério (relacionando a necrópole com a metrópole), com um desenvolvimento simples e que convence exatamente pela sua simplicidade, singeleza e boas atuações. Uma noite em Sampa parte de uma ideia simples (uma saída teatral seguida de um jantar malfadados), mas que se embaraça em atuações teatrais e inexplicáveis voltas em torno de si, dificultando um enredo factível.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um livro canibal de Carla Ceres
02. Baudelaire, um pária genial (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Eleição para boi dormir? de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cartola de Ricardo de Mattos
05. Tecnossauros rex de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
04. Meu querido mendigo - 18/8/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MENINO E O PÁSSARO - LEONARDO CHIANCA (LITERATURA INFANTIL)
LEONARDO CHIANCA
SCIPIONE
(2005)
R$ 7,00



ARQUITETURA E CIDADE
RINO LEVI
ROMANO GUERRA
(2001)
R$ 290,00



ONCOLOGIA ORAL
LÚCIO LARA SANTOS, LUIS MEDEIROS TEIXEIRA
LIDEL
(2011)
R$ 100,00



SHAMAN KING 37
HIROYUKI TAKEI
JBC
(1998)
R$ 4,00



DIREITO TRIBUTARIO - TEMAS ATUAIS
SACHA CALMON NAVARRO COELHO
QUARTIER LATIN
(2006)
R$ 40,00



BLADE - A LÂMINA DO IMORTAL 35
HIROAKI SAMURA
CONRAD
(2004)
R$ 4,51



A CRUELDADE MELANCÓLICA
JACQUES HASSOUN
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2002)
R$ 25,00



O PANDA SAPECA
VÁRIOS
IMPALA
(2013)
R$ 12,00



O ATENEU
RAUL POMPEIA
ATICA
(1986)
R$ 10,00



UMBANDA, MEU CAMINHO
FANNY PITAKI CUNICO
ÍCONE
(2006)
R$ 18,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês