A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
>>> Ser mãe
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Wild Cards: Ases nas Alturas de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: O Começo de Tudo de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Superman: Uma Biografia Não Autorizada de Glen Weldon pela Leya (2016)
>>> Os Últimos Dias de Krypton de Kevin J. Anderson pela Leya (2013)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Leya (2013)
>>> Tokyo Ghoul: re v.1 de Siu Ishida pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Ataque dos Titãs v.19 de Hajime Isayama pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.2 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.3 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Berserk v.30 de Kentaro Miura pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> BTOOOM! v.6 de Junya Inoue pela Jbc (2014)
>>> Assassination Classroom v.15 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Assassination Classroom v.16 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.17 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.18 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.21 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.19 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Gentleman - A Timesless Guide to Fashion de Bernhard Roetzel pela H. F. Ullmann (2009)
>>> Obras Completas - Volume VI de Gil Vicente pela Sá da Costa (1955)
>>> Curso de Português Jurídico de Regina Toledo Damião e Antonio Henriques pela Atlas (1999)
>>> Bíblia Sagrada para a Família Católica de Padre Antônio Pereira de Figueiredo (trad.) pela Barsa (1969)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> As Primícias: Alegoria Político- Sexual Em 7 Quadros de Dias Gomes pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Sangue Errante (Série Negra) de James Ellroy pela Record/ RJ. (2011)
>>> Tao-Te King de Lao-Tzu pela Pensamento (1995)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes; Prefácio: Flávio Rangel pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> Carter e o Diabo de Glen David Gold pela Record (2004)
>>> O Fazedor de Cercas de Sun Ling pela Carthago & Forte (1995)
>>> Vitória na Derrota: a morte de Getúlio Vargas de Ronaldo Conde Aguiar pela Verbena (2014)
>>> Percy Jackson e Os Olimpianos A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> Uma Fênix em Praga de Suely Burriasco pela Novo Século (2009)
>>> Violência, Democracia e Segurança Cidadã: o caso das polícias no Distrito Federal de Maria Stella Grossi Porto (Org.) pela Verbena (2017)
>>> Raízes do Turismo no Brasil de Mário Jorge Pires pela Manole (2002)
>>> Um Aprendiz de Quixote de Rogério Cezar de Cerqueira Leite pela Verbena (2016)
>>> Sucupira, Ame-a Ou Deixe-a: Venturas e Desventuras de Zeca Diabo... de Dias Gomes pela Bertrand Brasil/ Rj. (1998)
>>> Histórias de Amor Ardente de Louise Erdrich pela Record (1998)
>>> O Orgulho de Ser Mulher de Shere Hite pela Sextante (2004)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2008)
>>> Teatro V: A Cigarra e os Formigas/ Camaleão e a Batatas Mágicas/ Quem Matou o Leão? O Patinho Feio de Maria Clara Machado pela Agir/ RJ. (1979)
>>> Trinta Anos Esta Noite: 1964, o que vi e vivi de Paulo Francis pela Verbena (2019)
>>> Histórias de Autômatos de Mario G. Losano pela Companhia das Letras (1992)
>>> Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais de Maria Stella Grossi Porto pela Verbena (2010)
>>> Percy Jackson e os Olimpianos O Mar de Monstros de Rick Riordan pela Intrínseca (2013)
>>> O Curto Reinado de Pepino IV de John Steinbeck pela Record (1970)
>>> Saúde Penitenciária no Brasil: plano e política de Martinho Silva pela Verbena (2015)
>>> Olhos Abertos: a história da nova China de Ivan Quagio pela Verbena (2009)
>>> Sereníssima de Erica Jong pela Circulo do Livro (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/8/2016
A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3200 Acessos


ilustra: Renato Lima

Até poucos dias antes do início dos Jogos do Rio, eu ainda não estava no clima olímpico e mantinha certa distância da tão esperada chegada da estrela Usain Bolt, velocista jamaicano. Mas meu maior pecado era ignorar completamente até o final da primeira semana olímpica a mascote dos Jogos; e ainda não saber que tínhamos não apenas uma mascote, mas duas, e incrivelmente bonitas e carismáticas.

No dia 14 de agosto, final dos 100 m rasos masculino, a mais esperada prova das Olimpíadas, as atenções eram todas voltadas a Bolt e à expectativa de um tricampeonato olímpico nessa prova. Antes de ligar a TV eu já estava sentada com um bonequinho do Vinicius, que tinha ganhado naquele mesmo dia. A mascote dos Jogos Olímpicos Rio 2016 era muito cativante e já fui com a cara dela dentro da embalagem de plástico. Demorou bastante para cair a ficha de que seu nome era uma homenagem ao poeta Vinicius de Moraes e que o bicho em equilibradas cores amarelo, verde, azul e laranja era um ser híbrido que “nasceu da explosão de alegria” da notícia dos jogos por aqui.

Mistura de macaco, felino e ave, Vinicius conseguiu um feito digno de medalhista: uma mascote que representa o Brasil, sem ser caricatural e que inspira bom humor e alto-astral. Adjetivos talvez batidos, mas que resumem meu sorriso ao ver a pelúcia pela primeira vez. Assim como a mascote Tom, dos Jogos Paralímpicos, Vinicius tem olhos e boquinhas felizes, e também bochechas coradas, corpo ágil e flexível - um resultado que conectou em minha mente algo tão ou mais significativo do que uma antiga fissura de 1992: a mascote Cobi.

Com o urso Misha, Cobi foi uma das mais populares e bem-sucedidas comercialmente mascotes da história. Cachorro desenhado em estilo cubista, ficou muito tempo no meu imaginário de criança, coisa que talvez tenha sido potencializada com o desenho animado “Cobi, um mascote genial”, que foi ao ar no programa Glub Glub, da TV Cultura. Mais ainda, talvez, com a imagem de uma criança numa arquibancada dos jogos de Barcelona com uma pelúcia da mascote...

O fato é que Bolt venceu a prova dos 100 m há uma semana, na noite do 14 de agosto no Engenhão, estádio tão inacessível para mim quanto a Catalunha. Assim que Bolt inicia sua comemoração, aparece uma mascote Vinicius carregando uma enorme pelúcia de si próprio nas mãos. Seguramente, um presente para ele, pois haveria melhor propaganda para uma mascote do que estar nas mãos do atleta que por certo seria o mais fotografado dos Jogos (e no momento final do evento mais prestigiado)? Em 2012, Londres conseguiu, na mesma final, que a sisuda mascote em forma de gota de aço Wenlock fosse fotografada com Bolt, até mesmo em sua célebre pose de “raio”.

Aquele magnífico Vinicius de pelúcia era uma dez vezes maior do que o meu mirrado exemplar. E a mascote em escala humana aguarda Bolt passar por ela, em sua comemoração pela vitória. Mas Bolt deixa Vinicius no vácuo... Por acaso teria ele tempo ou pensasse em mascotes felizes e infantis diante de tal feito olímpico de homem? Meu peito ficou congestionado. Provavelmente, apenas o meu no mundo todo. A TV mostra lentamente Vinicius ir atrás do “raio”; ele não desistiu de entregar seu presente e ganhar uma foto. Me tranquilizo quando Bolt finalmente dá a atenção a Vinicius, pega a pelúcia e os fotógrafos eternizam o momento. E o que será que ele fará com aquela comprida e incômoda pelúcida nas mãos, não mais gigante do que ele próprio? Olho para meu pequeno Vinicius sentado no sofá, e um novo objeto de desejo se desenha diante de minha atenção. A pelúcia é deixada com uma jamaicana na arquibancada, para meu desespero imenso.

Aproveitemos as horas finais das Olimpíadas como esses seres felizes e empolgantes que boa sorte trazem, e que não se abatem por nada nesse mundo, mesmo quando são ignoradas, em um singelo e marqueteiro oferecimento, pelo homem mais rápido do planeta. E que tenhamos uma dose de otimismo necessária para sermos fortes e virar o jogo em qualquer nível, federal ou pessoal. De todos os modos, agora tenho minha própria mascote olímpica, e isso não é pouco para uma ex-criança aficionada por esportes que já tinha se esquecido do encanto dessas criaturas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
03. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
04. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
04. Meu querido mendigo - 18/8/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ALEXANDRE E OUTROS HEROIS
GRACILIANO RAMOS
MARTINS
R$ 5,00



JAPPRENDS LES MATHS CM2
RÉMI BRISSIAUD / PIERRE CLERC / ANDRÉ OUZOULIAS
RETZ
(2000)
R$ 43,00



AS IRMÃS HARKER
MINA FORD
RECORD
(2007)
R$ 10,00



UMA LUZ NO SERTÃO
CAIO PORFIRIO CARNEIRO
CLUBE DO LIVRO
(1973)
R$ 6,00



PORTUGUÊS PALAVRAS E IDÉIAS 5ª SÉRIE EXEMPLAR DO PROFESSOR
JOSÉ DE NICOLA ULISSES INFANTE
SCIPIONE
(1991)
R$ 15,00



NÃO CONTE A NINGUÉM
HARLAN COBEN
SEXTANTE
(2011)
R$ 12,00



DIÁRIOS DA DESCOBERTA A AMÉRICA
CRISTÓVÃO COLOMBO
L&PM
(1986)
R$ 16,85



O GRANDE DESAFIO
JOÃO B. PEIXOTO
BIBLIEX
(1978)
R$ 9,50



JORNALISMO DIGITAL
POLLYANA FERRARI
CONTEXTO
(2010)
R$ 12,00



SEXUALIDADE O QUE OS JOVENS SABEM E PENSAM
PE. MÁRIO MARCELO COELHO
CANÇÃO NOVA
(2010)
R$ 15,00





busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês