A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
88959 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como no céu & Livro de visitas
>>> Drummond: Procura da Poesia
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> Preconceitos
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> So much that was good but is gone
>>> Decálogo (Comentado) do Perfeito Contista, de Horacio Quiroga
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Patrícia Melo mergulha no ciúme e na loucura
>>> Sobre viver em qualquer lugar
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Marketing Direto - Ano 8 - Nº91 de Vários pela Quantum (2001)
>>> Massilon - nas veredas do Cangaço e outros temas afins de Honório de Medeiros pela Sarau das Letras (2010)
>>> Venda Mais - Plantas vendas para colher lucros - Ano 8 - Nº 96 de Vários pela Quantum (2002)
>>> Venda Mais - Dia de Reunião - Ano 8 - Nº 94 de Vários pela Quantum (2002)
>>> História do Ceará dos índios à Geração Cambeba de Aírton de Farias pela TRopical (1997)
>>> Informática: teoria e questões de concursos com gabarito de Rogério Amigo de Oliveira pela Campus/ Elsevier (2007)
>>> Economia da Consciência: Construindo Um Novo Paradigma Econômico a Partir dos Princípios da Física Quântica de Amit Goswami pela Goya (2015)
>>> A Plenitude Do Cosmos: A Revolução Akashica Na Ciência E Na Consciência Humana de Ervin Laszlo pela Cultrix (2018)
>>> A Revolução Mindfulness: Um guia para praticar a atenção plena e se libertar da ansiedade e do estresse de Sarah Silverton pela Alaúde (2018)
>>> Uma Amizade Com Deus - Um diálogo incomum de Neale Donald Walsch pela Sextante (2000)
>>> Teoria do conhecimento de Johannes Hessen pela Martins Fontes (2012)
>>> Introdução à epistemologia de Luiz Henrique de Araujo Dutra pela Unesp (2010)
>>> Exercícios d'alma: A Cabala como sabedoria em movimento de Nilton Bonder pela Rocco (2010)
>>> Tratado da Pedra Filosofal e a Arte da Alquimia de Santo Tomás de Aquino pela Isis (2015)
>>> Guia Prático para Redação Científica de Gilson L. Volpato pela Best Writing (2015)
>>> Emmanuel Bassoleil - Uma Cozinha sem Chef de J. A. Dias Lopes... et al. (Textos) pela DBA - Dórea Books and Art (1994)
>>> Psicologia da Evolução Possível ao Homem de P. D. Ouspensky pela Pensamento (2019)
>>> As Ciências das Religiões de Giovanni Filoramo pela Paulus (1999)
>>> Ordens do Executivo de Tom Clancy pela Record (1999)
>>> Airline Transport Pilot Test Prep 2019 de Asa Test Prep Board pela Aviation Supplies & Academics (2019)
>>> Enciclopédia Agrícola Brasileira - Vol 1 - A-B de Julio Sousa pela Edusp (1995)
>>> Rainbow de Tom Clancy pela Record (2000)
>>> Educação e Empreendedorismo de Carmen Luan de Castro Dias Coelho pela Clube De Autores (2018)
>>> Las Posturas Claves En El Hatha Yog - Vol 2 de Ray Long pela Blume-acanto-naturart (2009)
>>> Filosofia da ciência: Introdução ao jogo e a suas regras de Rubem Alves pela Loyola (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/8/2016
A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4100 Acessos


ilustra: Renato Lima

Até poucos dias antes do início dos Jogos do Rio, eu ainda não estava no clima olímpico e mantinha certa distância da tão esperada chegada da estrela Usain Bolt, velocista jamaicano. Mas meu maior pecado era ignorar completamente até o final da primeira semana olímpica a mascote dos Jogos; e ainda não saber que tínhamos não apenas uma mascote, mas duas, e incrivelmente bonitas e carismáticas.

No dia 14 de agosto, final dos 100 m rasos masculino, a mais esperada prova das Olimpíadas, as atenções eram todas voltadas a Bolt e à expectativa de um tricampeonato olímpico nessa prova. Antes de ligar a TV eu já estava sentada com um bonequinho do Vinicius, que tinha ganhado naquele mesmo dia. A mascote dos Jogos Olímpicos Rio 2016 era muito cativante e já fui com a cara dela dentro da embalagem de plástico. Demorou bastante para cair a ficha de que seu nome era uma homenagem ao poeta Vinicius de Moraes e que o bicho em equilibradas cores amarelo, verde, azul e laranja era um ser híbrido que “nasceu da explosão de alegria” da notícia dos jogos por aqui.

Mistura de macaco, felino e ave, Vinicius conseguiu um feito digno de medalhista: uma mascote que representa o Brasil, sem ser caricatural e que inspira bom humor e alto-astral. Adjetivos talvez batidos, mas que resumem meu sorriso ao ver a pelúcia pela primeira vez. Assim como a mascote Tom, dos Jogos Paralímpicos, Vinicius tem olhos e boquinhas felizes, e também bochechas coradas, corpo ágil e flexível - um resultado que conectou em minha mente algo tão ou mais significativo do que uma antiga fissura de 1992: a mascote Cobi.

Com o urso Misha, Cobi foi uma das mais populares e bem-sucedidas comercialmente mascotes da história. Cachorro desenhado em estilo cubista, ficou muito tempo no meu imaginário de criança, coisa que talvez tenha sido potencializada com o desenho animado “Cobi, um mascote genial”, que foi ao ar no programa Glub Glub, da TV Cultura. Mais ainda, talvez, com a imagem de uma criança numa arquibancada dos jogos de Barcelona com uma pelúcia da mascote...

O fato é que Bolt venceu a prova dos 100 m há uma semana, na noite do 14 de agosto no Engenhão, estádio tão inacessível para mim quanto a Catalunha. Assim que Bolt inicia sua comemoração, aparece uma mascote Vinicius carregando uma enorme pelúcia de si próprio nas mãos. Seguramente, um presente para ele, pois haveria melhor propaganda para uma mascote do que estar nas mãos do atleta que por certo seria o mais fotografado dos Jogos (e no momento final do evento mais prestigiado)? Em 2012, Londres conseguiu, na mesma final, que a sisuda mascote em forma de gota de aço Wenlock fosse fotografada com Bolt, até mesmo em sua célebre pose de “raio”.

Aquele magnífico Vinicius de pelúcia era uma dez vezes maior do que o meu mirrado exemplar. E a mascote em escala humana aguarda Bolt passar por ela, em sua comemoração pela vitória. Mas Bolt deixa Vinicius no vácuo... Por acaso teria ele tempo ou pensasse em mascotes felizes e infantis diante de tal feito olímpico de homem? Meu peito ficou congestionado. Provavelmente, apenas o meu no mundo todo. A TV mostra lentamente Vinicius ir atrás do “raio”; ele não desistiu de entregar seu presente e ganhar uma foto. Me tranquilizo quando Bolt finalmente dá a atenção a Vinicius, pega a pelúcia e os fotógrafos eternizam o momento. E o que será que ele fará com aquela comprida e incômoda pelúcida nas mãos, não mais gigante do que ele próprio? Olho para meu pequeno Vinicius sentado no sofá, e um novo objeto de desejo se desenha diante de minha atenção. A pelúcia é deixada com uma jamaicana na arquibancada, para meu desespero imenso.

Aproveitemos as horas finais das Olimpíadas como esses seres felizes e empolgantes que boa sorte trazem, e que não se abatem por nada nesse mundo, mesmo quando são ignoradas, em um singelo e marqueteiro oferecimento, pelo homem mais rápido do planeta. E que tenhamos uma dose de otimismo necessária para sermos fortes e virar o jogo em qualquer nível, federal ou pessoal. De todos os modos, agora tenho minha própria mascote olímpica, e isso não é pouco para uma ex-criança aficionada por esportes que já tinha se esquecido do encanto dessas criaturas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges
03. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
04. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
05. A Palavra Mágica de Marilia Mota Silva


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Meu querido mendigo - 18/8/2016
04. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Plantão da Paz
Francisco Candido Xavier
Geem
(1988)



Canção para Antes do Amanhecer
José Leão de Carvalho
Doxa



Sociedade de Bairro
António Firmino da Costa
Celta
(1999)



Don Quijote - Vive el español - Curso de español- Nível inicial
Rosário Garcés Rodriguez e outros
Edebé
(2011)



Evolução a era do Espírito
Julio Goelzer
Ônix
(2010)



O Decênio Que Precedeu a era Collor de Mello
Jair Ribeiro da Silva
João Scortecci
(1991)



As Sacerdotisas de Atlântida e o Pássaro Sagrado
Nelli Célia
Panorama
(1998)



A Vida Sempre Vence
Marcelo Cezar
Vida e Consciência
(2002)



Comici Spaventati Guerrieri
Benni Stefano
Feltrinelli
(1999)



Ficar ou Nao Ficar - Ficção - Literatura
Tom Wolfe
Rocco
(2001)





busca | avançada
88959 visitas/dia
1,8 milhão/mês