A barata na cozinha | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/10/2018
A barata na cozinha
Luís Fernando Amâncio

+ de 9800 Acessos

A repugnância às baratas é a maior religião do mundo. Nunca conheci alguém que se sinta confortável na presença deste inseto. Pois pense em entrar na sua cozinha e encontrar ali, na sua frente, o anticristo. Com suas antenas enormes, aquele marrom avermelhado inconfundível, suas cascas e as patas que parecem ter espinhos. Uma barata passeando livremente pela sua cozinha.



Apesar de todo detergente que você usa para limpar a pia, do chão esfregado com água sanitária, do desengordurante nos azulejos. Pouco importa para a barata. Por onde ela entrou? Você começa a inspecionar ralos, paredes, janelas. Olha debaixo dos armários, da geladeira.

Então, o horror: você imagina os lugares em que a barata passou. As louças no escorredor, as panelas no armário, seu copo verde de tomar água, a caneca do seu time, o pano de prato… Tudo parece contaminado, infecto.

Amigos, existe uma barata na nossa cozinha. Os primeiros vestígios de sua presença vieram quando um deputado, em rede nacional, fez comentários ofensivos à dignidade dos homossexuais. Com a tranquilidade de quem disserta sobre meteorologia. O político continuou, ofendeu mulheres e afrodescendentes. Mas, enquanto muitos ficaram chocados, outros ficaram quietos. E, se não bastasse, houve quem achou graça.

Não era uma barata perigosa, pensamos. Mas ela crescia enquanto ficava comum chamar mulheres que lutam pela igualdade de condições entre os gêneros de “feminazis”, “mal amadas” ou “feias”. Quando homens que mal dão conta de acertar o vaso sanitário com seu jato de urina decidiram que precisam andar armados para subjugar a criminalidade. Eles, que se autoproclamam proclamam “homens de bem” e se amarram em gracejar para qualquer “novinha”.

Já não era mais uma baratinha quando a formação, as pesquisas e o conhecimento de seu professor de história passaram a valer menos do que os achismos de qualquer youtuber com quase 40 anos que mora com os pais. Se está na internet só pode ser verdade. As universidades públicas, grandes centros de produção do saber, passaram a ser atacadas, rotuladas de comunistas. Qualquer um que discorde do texto no Zapzap é comunista.

Assustei com o tamanho da barata no momento em que a Ditadura Militar começou a ser considerada a “era de ouro” para os tais cidadãos de bem. Apesar da restrição às liberdades, da perseguição ideológica, das tortudas, da década perdida, do gasto público em estradas paquidérmicas que levavam a lugar algum. Mas, dizem, havia segurança e só torturavam bandidos. Amarraram um pobre no poste, por ter cometido um delito qualquer. Para ser exemplo. Tatuaram a testa de outro. “Ladrão e vacilão”. Muitos comemoraram. Ameaçaram mulheres, cortaram o símbolo de uma suástica em uma delas. Mataram um capoeirista, uma travesti. Mas o top é fazer sinal de arma com as mãos.

Quando eu percebi, a barata não mais se importava em andar pela nossa cozinha à luz do dia. E as pessoas se preocupavam mais com o valor bruto de seus contracheques do que com a relevância dos programas sociais para quem sobrevive na miséria. Afinal, eram todos vagabundos que não trabalhavam. Os ventos da pós-verdade fizeram muito bem para a barata. Ela cresce e engorda descontroladamente na medida em que qualquer coisa dita com convicção vale mais do que mil provas. Pra quê provas se toda desgraça pode ser culpa do PT?

Amigos, o mais complicado sobre essa barata em nossa cozinha é que ela não esteve só em nossos talheres, ouça ou panelas. As patinhas da barata passaram, sim, pelos nossos amigos de infância, familiares, colegas de trabalho… Daquele primo sem noção ao tio simpático de poucas palavras, da senhora de quem não sabemos o nome mas nos dá bom dia diariamente ao seu chefe. Ela pisou em tantos deles que não há produto de limpeza que vá reverter nossa repugnância.

E, de frente para o monstruoso inseto, nos resta constatar, melancolicamente, que tudo está impregnado pela barata. A cozinha toda cheira à barata. O estranho ali é você. A sua cozinha agora é a cozinha da barata.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 26/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2018
01. A barata na cozinha - 26/10/2018
02. O Brasil que eu quero - 22/6/2018
03. Como eu escrevo - 23/11/2018
04. Piada pronta - 16/2/2018
05. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) - 21/9/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês