Como eu escrevo | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
>>> Ribolópolis de Andy Mulligan pela Sesi Sp (2016)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela L&Pm Pocket (2015)
>>> Almanaque de harry potter e outros bruxos de Ana Paula Corradini pela Panda Books (2003)
>>> Lavoura arcaica de Raduan Nassar pela Companhia Das Letras (2017)
>>> Açúcar amargo de Luiz Puntel pela Ática (1990)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/11/2018
Como eu escrevo
Luís Fernando Amâncio

+ de 9000 Acessos

A cena é a seguinte: você está confortavelmente em seu sofá, sentado com as pernas cruzadas e as duas mãos segurando um livro aberto diante de seu rosto. A TV, no móvel em frente, está desligada, enquanto uma chuva insistente molha os vidros de sua janela.

Em sua cabeça, entretanto, nada disso importa. Você está imerso na leitura de uma outra cena: o herói acelera sua moto em alta velocidade por uma estrada de terra esburacada. Atrás dele, entre muita poeira, surge uma caminhonete cheia de homens armados, fazendo inúmeros disparos em direção ao motoqueiro. O herói segue atento, alternando o olhar entre a estrada e o automóvel, que ele vê pelos retrovisores.

Para que você saiba que fim terá essa perseguição, uma terceira cena teve que acontecer. O escritor do romance, pressionado pela editora, em crise no seu casamento e com contas para pagar, sentou-se diante da máquina de escrever. Deixou, de um lado, o maço de cigarros e a caixa de fósforo e, do outro, uma garrafa de café. Foi até o telefone e o arrancou do gancho. Ascendeu um cigarro. Estalou os dedos. E começou a datilografar.

Claro, quando a história é boa, a gente mal tem tempo para pensar nos bastidores de sua concepção. Porém, para um livro surgir, talvez tenha sido necessário que um autor tenha faltado ao espetáculo de balé da filhinha de 6 anos, recusado o convite para o happy hour da firma ou aberto aquela garrafa de uísque guardada para momentos especiais.

Quem escreve sabe que às vezes que a página em branco na nossa frente é uma tortura. Ela nos olha, nós olhamos de volta, e ficamos numa inércia constrangedora. Procrastinar, então, vira quase uma obrigação.

Com o intuito de ajudar autores diante de impasses em sua escrita, José Nunes de Cerqueira Neto criou o projeto “Como eu escrevo”. Nele, autores acadêmicos, juristas e escritores respondem a um questionário sobre suas rotinas e o processo de criação. Nas palavras do próprio José Nunes, que é doutorando em Direito pela UnB, “saber como escrevem as pessoas que admiramos nos inspira a refletir sobre o nosso próprio processo criativo”.

O catálogo do “Como eu escrevo” é extenso, com centenas de autores, muitos deles premiados. Certamente você encontrará lá escritores que já leu. Vale a leitura, nem que seja pela curiosidade de conhecer como os autores organizam suas rotinas. Participei, com satisfação, do projeto e os convido para ler minhas respostas.

E, afinal, o motoqueiro conseguiu escapar de seus perseguidores? Após ler algumas respostas do “Como eu escrevo” é bem capaz que você mesmo se inspire a terminar a cena.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 23/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ferreira Gullar em dose única de Pilar Fazito


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2018
01. A barata na cozinha - 26/10/2018
02. O Brasil que eu quero - 22/6/2018
03. Como eu escrevo - 23/11/2018
04. Piada pronta - 16/2/2018
05. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) - 21/9/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Dois Maiores Amores
Francisco Cândido Xavier
Geem
(1983)



O Quadro Perdido - a Busca de uma Obra-prima de Caravaggio
Jonathan Harr
Intrinseca
(2006)



Tambourin
Edmond Diet
Ricordi
(1920)



Encontros, Desencontros e Reencontros
Florangela M. Desidério
Paulinas
(1982)



O Maravilhoso Poder das Plantas Edição Ampliada e Atualizada
Eliza Biazzi
Casa Publicadora
(2002)



Tia Júlia e o Escrevinhador
Mario Vargas Llosa
Nova Fronteira
(1978)
+ frete grátis



A Mente de Adolf Hitler
Walter C. Langer
Leya
(2018)



Saara Palco de Redenção
Eurípedes Kuhl; Claudinei
Petit
(2003)



O Evangelho Segundo o Espiritismo
Allan Kardec
Feesp
(1991)



Penguin Readers
Pearson Education
Pearson Education
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês