Sex and the City | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
>>> Filhos - Novas Ideias Sobre Educação de Ashley Merryman pela Lua de Papel (2010)
>>> Lost de A a Z de Diversos autores pela Abril
>>> Homem-Aranha: a última caçada de Kraven de J. M. DeMatteis Mike Zeck Bob McLeond Mike Zeck Ian Tetrault pela Abril Jovem (1990)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Esperança Triunfante de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1961)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> A Mão de Deus ao Leme de Enoch de Oliveira pela Casa Publicadora Brasileira (1985)
>>> O Poder da Imagem de José S. Martins pela Artes Gráficas (1992)
>>> Os Caminhos de Deus de Floyd Rittenhouse pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> Os Iranianos - Pérsia, Islã e a Alma de uma Nação de Sandra Mackey pela Biblioteca do Exercito (2008)
>>> A era dos Impérios 1875-1914 de Eric J. Hobsbawm pela Paz Terra (2003)
>>> A Guerra do Iraque de John Keegan pela Biblioteca do Exercito (2005)
>>> A Democracia na América de Alexis de Tocqueville pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2003)
>>> Psicossomática Hoje de Julio de Mello Filho pela Artmed (1992)
>>> Leitura Dinâmica de Ricardo Soares - William Douglas pela Campus (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/6/2008
Sex and the City
Débora Costa e Silva
+ de 7800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Dia dos namorados, 12 de junho, 2008. Quinta-feira, pós-derrota do Timão na Copa do Brasil. Nesta noite, São Paulo, mesmo gelada, árida e cinza, abrigou diversos casais, apaixonados ou não, que aproveitavam a ocasião da data comercial para se reunirem em bares de esquinas, shoppings, lanchonetes e banquinhos do metrô ― estabelecimentos mais íntimos e românticos, como motéis e cantinas italianas, também deviam estar cheios de pares, mas a reportagem não pôde conferir. Com exceção de quem está vivendo um romance pleno como nos filmes ou propagandas da Renner e do Boticário, este dia chega a ser um pouco incômodo. Para quem está solteira, fica mal porque o universo te lembra que você está encalhada e isso é um problema. Se você está ficando com alguém, mas não tem um compromisso, não sabe o que faz. Dar ou não presente? Aproveito e peço em namoro hoje? Finjo que não sei de nada? Se você namora, mas não está satisfeito, também é um problema, afinal, você jamais terminará um namoro pouco antes, durante ou logo depois do dia dos namorados.

Toda essa filosofia barata para dizer que, no dia dos namorados, fui ao cinema com minha amiga ver Sex and the City. Tive a impressão de viver o filme enquanto via o filme. Só não foi mais próximo da realidade porque nem tudo na vida se copia da ficção. Meu principal grupo de amigas, como o da Carrie, Samantha, Miranda e Charlotte, são de três, não de quatro garotas ― mas não é por isso que deixa de ser menos Sex and the City. A terceira não foi, preferiu algo mais agitado e propício para a celebração: uma festa só de solteiros. E o filme em si não tem nada demais, típica comédia romântica hollywoodiana, com final feliz, musiquinhas meigas para mulheres chorarem na hora em que um casamento termina, musiquinha animada na hora em que as mulheres dão a volta por cima e truques afins. O enredo também não surpreende muito. Apesar de não ser uma telespectadora assídua do seriado que originou o filme (na verdade, nunca tinha visto um episódio), não achei nada de incrível, fantástico, sacadas geniais e piadas inovadoras.

Mas não foi com a intenção de escrever um resenha sobre o longa que comecei este texto. A questão não é se é bom ou ruim, mas sim o que ele representa. Para mim, simbolizou, sintetizou e traduziu tudo o que venho observando por aí na minha vida de recém-solteira. Depois de um relacionamento sério, caí das nuvens direto para o universo das mulheres insatisfeitas com os homens ― e nessa categoria entram tanto as que reclamam de ter pouco quanto as que têm muitos (e querem ainda mais). Exagero? Mau-amadas? Pós-Feminismo? Mulher moderna? Sobre teorias e classificações eu não sei e não me interesso em saber. O que sei é que não há como negar que Sex and the City, sendo clichê, fútil ou seja lá o que for, acerta em cheio no calcanhar-de-aquiles de qualquer mulher (pode ser culta, hippie, alternativa, lésbica, dark ou paty): relacionamentos.

Pois é. Enquanto os homens variam de cerveja, futebol e mulher, nós, mulheres, falamos só deles. Mentira! Também falamos de marcas de blush, condicionador e perfumes, grifes, culinária, novela, horóscopo, papel de carta, Barbie, TPM, filhos, amamentação, fraldas, bingo, vizinhas, vadias que dão em cima do marido... ops! Lá vêm eles de novo. É a isso que se resume nossa vida? Claro que não, todos conhecem muito bem a tal "mulher moderna", que, além de cuidar do filho e do marido, tem uma carreira e se preocupa com a aparência. Ah, sim, e ainda tem que estar de bom humor com o chefe, saltitante e criativa com as crianças e bela, exuberante e sensual para o marido, para manter o amor, não cair na rotina e não dar brechas para que ele te traia. Ufa!

Mas antes, bem antes, de tudo isso acontecer, quando nosso sonho de consumo ainda era o Sansão de pelúcia da Mônica, já estávamos sendo corrompidas, preparadas e encaminhadas para a peregrinação em busca do príncipe encantado. Como já alertou uma amiga minha, maldito Walt Disney que implantou nas nossas cabeças os contos de fadas em que a "heroína" nada mais é do que uma mulher que tem uma vida miserável, coitada, sem graça, sem esperanças, até que surge o incrível príncipe que a tira do tédio, faz acontecer e a leva para seu castelo para viverem felizes para sempre. Aí, é claro, as garotinhas crescem com isso no imaginário: "um dia vai aparecer um homem maravilhoso e eu irei viver com ele 'feliz para sempre'".

Graças a Deus (ou aos sutiãs queimados na década de 60), as coisas mudaram. Os casamentos podem acabar, mulheres podem votar, trabalhar e ter vida própria. Porém, ainda assim, nós, mulheres, insistimos em focar nossa vida, mesmo atribulada, naqueles que nos fazem sonhar, voar, cantar, comprar (sim, paixão é um importante combustível do capitalismo), beijar, filosofar, poetizar, subir pelas paredes, planejar, esperar (ligações, e-mails, mensagens, qualquer sinal!), esbravejar, esganar, chorar, entrar em depressão, se vingar, para depois esquecer e começar tudo de novo. E depois de tudo, chegar a uma mesma conclusão: todos são iguais.

Claro, nada é tão simples e previsível como parece. Cada caso é um caso. E cada uma tem um homem-problema diferente: o carente, o galinha, o grude, o comprometido, o engraçadão, o canalha politicamente-correto, o egocêntrico, o tímido, o desencanado, o sincero, o ciumento e assim caminha a humanidade. Tais generalizações parecem os títulos dos episódios de alguma temporada de Sex and the City. Não é à toa que faz tanto sucesso. Diferente de programas de TV, revistas e livros de auto-ajuda voltados ao público feminino, o seriado (e o filme) não propõe nenhuma dica, mandamento ou conselho sobre o que se fazer em cada situação. O truque é simples: descreve-se um caso do ponto de vista de uma mulher, as outras que assistem se identificam e pronto! Não preciso entrar em detalhes sobre como as roupas caríssimas de Carrie ou os restaurantes que as moças da série freqüentam estão distantes da realidade de muitas telespectadoras. A identificação com os problemas de relacionamento já basta para ganhar o público feminino.

Apesar de a maioria das minhas amigas ainda estarem na fase pré-balzaca (antes dos 30), posso garantir que as histórias são as mesmas das personagens ― o que muda é o cenário, de Nova York para São Paulo. A vulnerabilidade dos relacionamentos de hoje é apenas parte do resultado de uma série de mudanças que ocorreram com as mulheres de uns tempos pra cá. O que não muda é a necessidade de amar e estar apaixonada. E isso não tem jeito, pode reclamar, se vingar, se reunir com as amigas, ver Sex and the City, se revoltar, que o final será sempre o mesmo. Só espero que parem de ansiar pelo "felizes para sempre", que não vai aparecer. Que se conformem com o "infinito enquanto dure", de Vinicius de Moraes, e saibam aproveitar cada momento como o último. As queixas vão sempre existir, isso também não tem solução aparente. Mas acho que uma guerra entre sexos de vez em quando é até saudável, faz bem à pele, rejuvenesce e revigora os hormônios, que vivem inquietos. Ainda bem!


Débora Costa e Silva
São Paulo, 19/6/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros de Elisa Andrade Buzzo
02. Um conto-resenha anacrônico de Cassionei Niches Petry
03. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
04. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
05. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva em 2008
01. Depois do sexo... - 11/9/2008
02. A crítica musical - 10/4/2008
03. Diário de uma desempregada - 1/5/2008
04. A preparação de um romance - 22/5/2008
05. Sex and the City - 19/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2008
10h47min
Débora, minha bonita. Que divertido ler você. E me identificar. E identificar várias amigas. E identificar até aquela baranga chata que trabalha comigo. Tem para todas. Poderia contar horrores sobre diversas histórias que soube nessa semana dos namorados - como as mocinhas sofreram! Mas se me empolgar na digitação, vou lascar o esmalte. Ah, o universo feminino... beijos, .vanz..
[Leia outros Comentários de Vanessa Guedes]
20/6/2008
00h17min
O que mais gosto em "Sex and the City" é a amizade entre as personagens. Não aguento quem diz que mulheres não podem ser amigas de verdade, pois mulher é um bicho muito invejoso. Nunca acreditei nisso. "Sex and the city" é um seriado que não existiria sem as milhares de mulheres que compartilharam as histórias de Carrie, Miranda, Samantha e Charlotte. Com todos os exageros de vidas que rodam ao redor dos homens, acredito ser um seriado que marcou época, pois as mulheres gritam aos quatro ventos que querem trabalhar, ser bem sucedidas, bonitas, fashionistas, mas acima de tudo é preciso haver amor. E não consigo discordar disso. Mas, sim, malditos contos de fadas.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
20/6/2008
13h28min
Nossa... q texto depre =( tambem nao eh assim... parece q vc estah mt desiludida com o amor... com os homens... a real eh q a mulher tem q comecar a entender q ela precisa ser FELIZ por ela MESMA... o relacionamento eh consequencia... e homens interessantes existem, sim, mas nao os perfeitos, os principes encantados... e, no mais, na minha opiniao, esse seriado eh um porre...
[Leia outros Comentários de Camila ]
14/7/2008
08h41min
Concordo plenamente, Débora! O seriado fala da amizade entre mulheres, e que, apesar das demais conquistas das mulheres, o amor é o centro do nosso imaginário! Parece que o "sentir-se mulher" depende de se estar em um relacionamento como um homem. Talvez isso explique a obsessão das mulheres pelo sexo oposto. Meio freudiano, mas é uma hipótese. Abraços, Cinthia
[Leia outros Comentários de Cinthia Bueno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Mundo Segundo Garp
John Irving
Circulo do Livro
(1978)



Amigos do Folclore Brasileiro - Mundo Mirim
Jonas Ribeiro
Mundo Mirim
(2010)



A Vida na Escola e a Escola da Vida 9ªed(1996)
Claudius Ceccon, Miguel Darcy de Oliveira
Vozes
(1996)



O Mundo é Eu
João Mohana
Agir
(1963)



Ninguém É de Ninguém
Harold Robbins
Record
(1967)



O Livro Verde - the Green Book - Pequenos Passos Que Cada um Pode Dar
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kosti
Sextante
(2009)



A Herança Scarlatti - Confira !!!
Robert Ludlum
Rocco
(2006)



Entre o Amor e a Guerra (1997)
Zibia Gasparetto
Vida & Conciência
(1997)



Amor de Salvação - Coleção Jabuti
Camilo Castelo Branco
Saraiva
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad, Grete Skevik
Record
(2006)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês