A crítica musical | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Encontro com o promotor Gustavo Roberto Costa discute justiça na Cia de Teatro Heliópolis
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Serafina, de Nova York, para São Paulo
>>> Running to stand still
>>> Cinema de Poesia
>>> A Web 2.0: 5 Anos Depois
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Imperador da língua
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Blog precisa ser jornalismo?
Mais Recentes
>>> Guia Como Cultivar Bonsai
>>> O Juiz, O Advogado e a Formação do Direito Através da Jurisprudência
>>> Tarô da Cigana Isabelita - Acompanha 36 Lâminas Coloridas
>>> Tarô do Cigano - Acompanha 36 Lâminas
>>> Design for Aging Review 9: The American Institute of Architects
>>> Vocação de Curar - Uma Homenagem
>>> Mediterranean Gardens
>>> Código de Defesa do Consumidor - Anotado e Comentado - 5ª Edição
>>> Passo a Passo - Microsoft Office Excel 2007 - Inclui CD ROM
>>> Excel Para Windows 95 - Bíblia do Usuário
>>> Administração de Empressa com Excel - 2ª Edição/2011
>>> História Moderna e Contemporânea - 12ª Edição
>>> História Antiga e Medieval
>>> O Pagador de Promessas (Coleção Prestígio)
>>> As Cerejas
>>> Deus...
>>> Niovas Cartas Chilenas - 2ª ed.
>>> Cecília Meireles - Coleção melhores poemas
>>> A teoria Sócio-Interacionista de Mikael Bakhtin e suas Implicações para a Avaliação Educacional (Matraga 15)
>>> A Filosofia Perene
>>> Ética como amor-próprio
>>> A Colônia- (nova Ortografia)
>>> 1356 - 4ª ed. (Nova Ortografia)
>>> História e Arte no Mundo Ibérico - Tempo brasileiro- 184
>>> Limites: três dimensões educacionais - 1ª ed.
>>> Arcanjos e Mestres Ascensos
>>> Mentiras no divã
>>> Never, more forever: a poesia na modernidade, ou Shelley versus Peacock ...
>>> Mistérios Desvelados - Ensinamentos do Mestre Saint Germain
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 25
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 18
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 17 - Guerra do Vietnã
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 16 - Igreja e Marxismo
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 14 - Mulheres, a revolução mais longa
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 13: China - Uma revolução dentro da Revolução
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 9-10
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 7
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 5-6
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 3
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 1
>>> Revista Civilização Brasileira - Caderno Especial 1: A Revolução Russa - Cinquenta Anos de História
>>> O Homem e o Universo
>>> O Judaísmo- do Exílio ao Tempo de Jesus
>>> Direito Penal - Parte Geral ( V. 7)
>>> O Exército de Cavalaria
>>> The Golden Treasury
>>> Surdez e linguagem- Aspectos e implicações neurolinguísticas (Nova Ortografia)
>>> El Libro Supremo de Todas las Magias - Magia Blanca - Negra - Roja
>>> Rituais e Egrégoras para a Era de Aquário
>>> O Despertar da Consciência
COLUNAS

Quinta-feira, 10/4/2008
A crítica musical
Débora Costa e Silva

+ de 7100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

É preciso entender de música para resenhar um disco? É anti-ético para um jornalista musical ser amigo de artistas? Criticar é sempre "falar mal"? Essas e outras muitas dúvidas foram esclarecidas no curso de Crítica Musical promovido pelo Espaço da Revista Cult, voltado para jornalistas e estudantes de comunicação. Foram recrutados profissionais do mais alto escalão para discutir, avaliar e (por quê não?) criticar essa área do jornalismo cultural.

Uma das melhores (e mais subjetivas) definições sobre a atividade de um crítico musical foi dada pelo jornalista Pedro Alexandre Sanches, crítico da Folha de S. Paulo por 10 anos e hoje sub-editor de cultura da revista Carta Capital. "Um dia você se vê à frente de um rio com uma tina de roupa suja, um punhado de sabão e aí você vai descobrir que misturando esses ingredientes talvez a roupa fique limpa, talvez não. Pode até descobrir que se você cantar enquanto lava o tempo passe mais rápido". A metáfora, apesar de ter sido definida por ele como "viagens na maionese", representa muito bem o exercício de analisar uma obra musical. Não tem manual nem cartilha para esse profissional: é ao longo do tempo, pesquisando e conhecendo este universo que o jornalista encontra seu estilo e o caminho que vai percorrer.

Os jornalistas que deram início a esta atividade na imprensa brasileira foram Nelson Motta e Ezequiel Neves, nos anos 70. Segundo o crítico musical do jornal O Estado de S. Paulo, Jotabê Medeiros, a marca dessa geração era o grande envolvimento com os artistas e com o meio musical, que ia muito além da relação jornalista-artista. "Houve uma confusão de papéis nessa época. O crítico de música também produzia festivais, produzia artistas, às vezes tinha uma banda e não raro escrevia sobre o que fazia", explica Jotabê. Nelson Motta compôs com Dori Caymmi, Lulu Santos, produziu vários artistas e eventos, como o Saquarema 76 e Hollywood Rock, enquanto também escrevia sobre música no jornal O Globo. Ezequiel Neves, por sua vez, foi produtor do Barão Vermelho e escrevia em revistas de música, como as extintas POP, Música e Som Três. "[Ezequiel] foi também um dos primeiros paradigmas de uma crítica de rock e pop essencialmente brasileira", avalia.

Nos anos 80, os críticos mais influentes foram Pepe Escobar, Fernando Naporano e Alex Antunes que, ao contrário dos jornalistas da década passada, foram mais influenciados pelo que se fazia nas revistas americanas e inglesas. "A abordagem era agressiva, mas era necessária, pois foi uma época em que a indústria musical se formatava, com novas gravadoras se instalando no país. Então os jornais precisavam de profissionais para suprir essa demanda", conta Jotabê.

Ao expor um pouco da biografia de cada crítico que teve uma atuação importante na história da música brasileira, Jotabê pôde também traçar o perfil da crítica musical atual. "Hoje você tem pouco tempo para decidir se gosta ou não de alguma coisa. Tem tido muito gossip, apesar das abordagens em bons blogs como o do Lúcio Ribeiro e do Alexandre Matias. Não sei se é a morte da crítica, mas hoje a existência dela está em xeque", observa.

O pouco tempo que um crítico musical tem para ouvir novos álbuns e artistas, analisar e ainda escrever sobre o assunto é, de fato, um dos grandes problemas que o profissional encontra atualmente. Principalmente porque para escrever sobre música, é preciso se aprofundar, até para mostrar que tem um certo conhecimento sobre o assunto. "Para escrever sobre música, é preciso ter referências, saber que tipo de música o compositor ouve, o que ele quer dizer com a obra", opina Sérgio Martins, crítico da revista Veja.

A aula com o jornalista foi baseada em uma seleção musical de dez álbuns de estilos bem variados, como Back to Black (Amy Winehouse), River: The Joni Letters (Herbie Hancock), Nashville Skyline (Bob Dylan) e outros artistas que não estavam na lista inicial, como Siba e a Fuloresta, Nelson Cavaquinho e Cat Power. A partir deste material, Sérgio promoveu com os alunos um debate sobre os diversos aspectos de cada estilo, gênero e artista. O exercício praticado na aula foi bem similar à atividade diária de um crítico musical: tentar encontrar referências, influências, originalidade, avaliar a interpretação, a dinâmica da canção e, por fim, dar o toque opinativo, contanto, é claro, que este seja fundamentado em todos os outros itens.

Outra questão importante, que muitas vezes passa despercebida por muitos leitores, é a associação entre o "criticar" e o "falar mal". O assunto foi abordado por Pedro Alexandre, que assumiu ter sido "cruel" na época em que trabalhou na Folha de S. Paulo. "Lá eu falava mal mesmo. Aí cansei, entrei em crise. Quem sou eu para falar mal, julgar, condenar alguém assim?", revela. Para ele, a crítica de jornal hoje é "fast-food", pois informa pouco e acabam informando mais sobre "as coisas feias" de uma obra do que os aspectos "bonitos". "O que me influencia a escrever atualmente é a emoção que determinada música causa em mim", respondeu inspirado a um dos alunos do curso.

Fora do campo (minado) dos jornais diários e revistas semanais, há também a crítica feita por veículos voltados à música e cultura em geral, tais como a revista Bravo!, a própria Cult, a extinta Bizz e a Rolling Stone Brasil, lançada há pouco mais de um ano no mercado, entre outras que já vieram e não sobreviveram. Os editores da RS Brasil Pablo Miyazawa e Ademir Correa contribuíram também com o curso expondo aos participantes como foi a adaptação da revista para o Brasil e as diferenças editoriais entre as publicações internacionais e a publicação brasileira.

Ao contrário do que parece, a Rolling Stone não é uma revista de música ― ou só de música. Os editores a definem como uma revista de mercado, sobre cultura pop. De fato, a publicação tem textos sobre política, cinema, games e televisão. E apesar da extrema preocupação com a imagem, principalmente com a capa, é uma revista que aposta nos textos longos. "É um rompimento com a atitude derrotista das revistas que parecem um blog impresso. A gente faz texto longo e vê que as pessoas lêem sim!", explica Ademar.

O curso trouxe também profissionais que têm uma relação direta com a crítica, mas não atuam como críticos, como o maestro Abel Rocha e a assessora de imprensa Mariana "Piky" Levy Candeias. Rocha, diretor artístico e regente titular da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo há 4 anos, deu aos alunos noções básicas sobre música erudita e mostrou alguns dos trabalhos da orquestra e suas experiências em misturar música clássica com popular. Piky expôs aos participantes algumas histórias inusitadas que viveu ao longo de sua carreira (já trabalhou na MTV e nas gravadoras Warner, Abril Music e Trama), tomando-as como exemplo de que o jogo de cintura é fundamental para ser um bom assessor de imprensa. Outro fator importante é a sinceridade do assessor, mesmo em situações que podem comprometer a publicação de uma matéria sobre o artista para quem trabalha. "Tem que criar uma relação de confiança com o repórter, senão você vira um mala, fica taxado e perde a credibilidade", alerta.

Complementando as experiências e informações fornecidas pelos palestrantes, o músico, produtor musical e presidente da gravadora Trama, João Marcelo Bôscoli, fez um retrospecto sobre a evolução tecnológica das mídias (disco, CD, MP3), a mudança de interesses das gravadoras e, finalmente, sobre o declínio do império das majors com a internet e a possibilidade de se consumir música de graça. "O problema da indústria com o MP3 é que as gravadoras pensam que vendem o CD, o físico, o material. Mas se faz música em MP3, disco, pen drive...Não importa! Música é ar vibrando, não é tangível. Tudo isso é mídia, é apenas um suporte para a obra", explica Bôscoli.

Entre brincadeiras e histórias pitorescas sobre grandes nomes da MPB, como a própria Elis Regina, sua mãe, Bôscoli também conversou com os alunos sobre produção musical, cuja atividade, para ele, não tem regra. "A produção se baseia na atmosfera do estúdio, é um mergulho dentro do sentimento das pessoas. No mais, qualquer metodologia é inútil", opina. Por fim, falou um pouco sobre as atividades e novidades da Trama, que hoje conta mais cerca de 56 mil bandas cadastradas em seu portal.

Entrevistas
O momento mais esperado do curso pela maioria dos alunos, creio eu, foi a chegada de Sérgio Dias e Zeca Baleiro para uma entrevista coletiva na Cult. Ministrados pelo jornalista Filipe Luna, editor da revista Cult, os músicos contaram histórias, falaram sobre trabalhos antigos, futuros projetos e, claro, comentaram a relação deles com a crítica musical. Ambos os músicos já viveram maus momentos por conta do julgamento de suas músicas. Na opinião de Zeca, falta boa vontade e preparo dos jornalistas. "Rola um deslumbramento com as bandas gringas, parece que não se interessam pela música brasileira", critica. Sérgio concorda e é ainda mais radical: acredita que para ser um bom crítico musical, tem que ser um bom músico também.

O mutante comentou ainda sobre o processo de criação do grupo e afirmou que não havia nada pré-determinado ou alguma intenção de passar mensagens, nada disso. "Não existiu nada pré-pensado na banda. Se a gente fosse pensar tudo aquilo, em fazer algo revolucionário, nada do que foi feito teria acontecido", conta. Algo que deixa os alunos inquietos é o fato de não haver mais movimentos musicais ou algo "revolucionário" na atual geração, o que para Sérgio só se explica de um jeito: "AI-6". "Vivemos o AI-6, é a maneira mais eficiente de calar a boca dos outros: o medo. Na minha época, tínhamos medo da polícia, do governo e hoje temos medo de tudo! Vocês são produto de uma devastação cultural", protesta.

Na coletiva de Zeca Baleiro, o assunto que mais gerou discussões foi a internet. Ele acredita que disponibilizar suas músicas em um site é uma forma de demonstrar respeito com o público. "A internet não pode ser vista como uma inimiga. A vida do CD está realmente comprometida, mas ainda temos que contemplar as duas rotas: quem gosta da estética do álbum e quem prefere baixar uma música de graça. Mas todas as saídas que vejo para este momento do mercado estão na internet", conclui. O assunto, aliás, foi o que dominou boa parte do curso, seja por conta das facilidades de acesso à música quanto à informação ― e tudo o que a revolução digital tem promovido, alterado e transformado na crítica musical.


Débora Costa e Silva
São Paulo, 10/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva em 2008
01. Depois do sexo... - 11/9/2008
02. Diário de uma desempregada - 1/5/2008
03. A crítica musical - 10/4/2008
04. A preparação de um romance - 22/5/2008
05. Sex and the City - 19/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2008
11h38min
"Os jornalistas que deram início a esta atividade na imprensa brasileira foram Nelson Motta e Ezequiel Neves, nos anos 70." Débora, não sei se você ou o Jotabê acham isso, mas já ouviram falar em Lúcio Rangel, para citar apenas um nome?
[Leia outros Comentários de Sergio de Oliveira]
17/4/2008
11h57min
Muito boa a reflexão do Sanches, confessando que cansou de ser um "maldosinho da Folha de SP" (expressão inventada pelo Nelson Motta), o que é um bom passo para preencher as lacunas no jornalismo dito "especializado" em música. Eu estudei jornalismo na Cásper e Composição & Regência na Unicamp, e mesmo assim ainda encontro lacunas nos meus conhecimentos de ambas as áreas para me meter a escrever. Imaginem os incautos, diletantes e quetais... Só faltou mencionar Carlos Calado, um dos melhores críticos musicais de todos os tempos no Brasil, e também Arthur de Faria, compositor e jornalista da rádio ULBRA FM em Porto Alegre, com que tive oportunidade de participar de um encontro sobre crítica musical em Porto Alegre.
[Leia outros Comentários de Saulo Wanderley]
17/4/2008
17h42min
A reflexão do Pedro Alexandre foi ótima mesmo. Tipo, quando acabou a lista de artistas q ele podia criticar, começou a criticar a ele mesmo, com a mesma ferocidade. E Sérgio: o Jotabê estava falando de críticos de música pop.
[Leia outros Comentários de rodrigo ortega]
18/4/2008
10h37min
Rodrigo, samba era a música pop da época. Aliás, jazz também.
[Leia outros Comentários de Sergio de Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JORNADA DO PAVOR - SÉRIE MISTÉRIO E SUSPENSE
ERIC AMBLER
ABRIL
(1984)
R$ 7,00



DULCINA E O TEATRO DE SEU TEMPO
SÉRGIO VIOTTI
LACERDA
(1987)
R$ 38,00



CAI O PANO - UM CASO DE HERCULE POIROT - EDIÇÃO ESPECIAL
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 10,00



PRECISO DE VOCÊ
SÔNIA SALERNO FORJAZ

(1996)
R$ 8,98



O MANUAL DO NOVO GERENTE
MOREY STETTNER
SEXTANTE
(2006)
R$ 10,00



OOCODOCORPO
EDSON BORGES
OROBÓ EDIÇÕES
(1999)
R$ 10,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



O QUE É A SEICHO-NO-IE
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(1997)
R$ 15,00



O SOL MEU CORAÇÃO
THICH NHAT HANH
PAULUS
(1995)
R$ 49,99
+ frete grátis



ARTE/EDUCAÇÃO COMO MEDIAÇÃO CULTURAL E SOCIAL
ANA MAE BARBOSA
UNESP
(2009)
R$ 32,00





busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês