O sucesso do Cansei de Ser Sexy | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Inner Work - A Chave do Reino Interior de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1989)
>>> Clássicos do Mundo Corporativo de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> Manual do Empregador Doméstico Prático de Eliane Maria Silva De Macedo pela Saraiva (2000)
>>> Cliente Nunca Mais de Telma Teixeira de Oliveira Almeida pela Casa da Qualidade (1997)
>>> A arte de separar-se de Edoardo Giusti pela Nova Fronteira (1987)
>>> Contribuições a uma Teoria de Personalidade de S. Elyseu Jr. pela Alínea (1996)
>>> Feminilidade - Perdida e Reconquistada de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> A Espiral em busca do infinito de Glória Kreinz e Crodowaldo Pavan pela Njr (2021)
>>> Anjos Cabalísticos de Monica Buonfiglio pela Própria (1993)
>>> Como a criança pensa de Ruth M. Beard pela Ibrasa (1976)
>>> A Força das Pirâmides de Max Toth e Greg Nielsen pela Record (1976)
>>> Deuses, Espaçonaves e Terra - Provas de Däniken de Erich Von Däniken pela Círculo do livro (1977)
>>> O Erotismo Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Circulo do livro (1992)
>>> Uma nova era para educação da humanidade de Nelson Ruas Santanna pela Caravela (1995)
>>> O Último Olimpiano - Volume 5. Série Percy Jackson e os Olimpianos EAN: 9788580575439 de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Documento de teresopolis de Vários Autores pela Cbcisc (1968)
>>> Lições de Ciência Política e Teoria do Estado de Espedito Pinheiro de Souza pela Mackenzie (2000)
>>> Bozza del testo della regola de Giuseppini del Murialdo pela Congregazione di san giuseppe (2005)
>>> A Batalha do Labirinto - Volume 4. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Nero de Alexandre Dumas pela Saraiva (1952)
>>> A Maldição do Titã - Volume 3. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> O Mar de Monstros - Volume 2. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/5/2007
O sucesso do Cansei de Ser Sexy
Luiz Rebinski Junior

+ de 4200 Acessos

A banda paulistana Cansei de Ser Sexy se transformou na grande vedete do circuito indie europeu. Lotando os clubes mais hypes do pedaço, o combo paulistano vem angariando elogios generosos da crítica especializada de lá.

Desde que o grupo Sepultura lançou Chaos A.D, nos idos de 1993, não se tem notícia de tamanho interesse de periódicos musicas gringos por um grupo de rock brasileiro.

Formado por cinco meninas — LoveFoxxx, Luiza Sá, Carolina Parra, Ana Rezende e Ira Trevisan — e pelo produtor e baterista Adriano Cintra, a banda caiu nas graças do selo norte-americano Sub Pop, famoso por ter revelado o Nirvana no início dos anos 90. Quase desconhecido no Brasil, o CSS, como também é chamado, teve seu disco de estréia lançado nos Estados Unidos no ano passado, com músicas todas em inglês.

Fugindo do estereótipo dos grupos musicais brasileiros que fazem sucesso no exterior, o Cansei de Ser Sexy aposta em som pouco abrasileirado, com letras em inglês e uma espécie de rock para tocar em pistas de dança e vice-versa.

No entanto, o sucesso feito lá fora não comoveu grande parte da imprensa nacional, que não demorou a dar suas cutucadas no nosso mais novo produto de exportação. Não faz muito tempo o jornalista Álvaro Pereira Junior, colunista do comportado FolhaTeen, caderno da Folha de São Paulo, tratou de minimizar o feito do sexteto, escrevendo que algumas das críticas do primeiro (e único) disco do grupo, principalmente as vindas dos Estados Unidos, foram bem negativas. Junior ainda colocou em xeque a cobertura, exagerada em seu entender, feita pela Folha sobre o sucesso do Cansei de Ser Sexy. O texto causou polêmica e teve como conseqüência uma réplica irada de Adriano Cintra, líder da banda.

O disco
Rusgas à parte, o fato é que o sucesso do CSS não é por acaso. Pelo contrário, o disco é bom. A mistura entre o rock indie e as batidas de música eletrônica tem a dose certa. Nem tão céu nem tão inferno. E talvez seja essa característica que fez da banda a queridinha do momento, conquistando fãs famosos como o ex-andrógino Brian Molko, da banda Placebo.

Em geral, as bandas brasileiras que cantam em inglês parecem um simulacro dos grupos gringos. Não é o que acontece com o CSS. As faixas cantadas em inglês neste caso são bem melhores do que as interpretadas em português. Isso porque Lovefoxxx quando se aventura na língua-mãe soa como Kelly Key.

Músicas como "Fuckoff is not only thing you have to show", que abre a bolachinha, e "Off the hook", são representativas do som da banda. As duas faixas mostram bem como o grupo absorve, com a mesma intensidade, o rock e o som eletrônico em suas criações. A primeira delas, permeada por "barulinhos estranhos", que lembram ringtones de celular, tem batida de puro poperô; já a segunda, uma das melhores faixas do álbum, é baseada em pujantes riffs de guitarra que dão o tom da canção. "Art bich", outro bom momento do álbum, traz distorções à Sonic Youth e é cantada como se fosse um rap. Tem-se a partir daí uma idéia de como o som do CSS é cheio de referências díspares que se completam.

O disco ainda traz bons sons como "Meeting Paris Hilton", homenagem à patricinha mais famosa do mundo, "Acho um pouco bom", música de abertura do programa Trama Virtual, do canal Multishow, e a calminha "Poney honey money", que lembra muito o som do grupo norte-americano Pavement. Porém, a cereja do bolo é mesmo "This month, day 10", um rock dançante cantado com empenho por Lovefoxxx e com refrão grudento. O grande barato do CSS é que sua música está em uma região limítrofe, entre o rock e a eletrônica, sem que penda para nenhum dos lados. Daí deriva a dificuldade de absorção do som da banda por parte tanto de críticos quanto do público mais radical. Em um tempo onde todas as bandas querem soar como os Stones, ser punks amalucados como Iggy Pop e tocar e se vestir como os grupos garageiros dos anos 60, é ótimo ver uma banda como o Cansei de Ser Sexy, que prefere olhar para o lado e para frente quando o assunto é referência musical.

Bandas como Strokes e a brasileira Forgotten Boys, por exemplo, são ótimas, fazem discos excelentes, mas estão sempre olhando para trás, sugando e tentando recriar os clássicos do rock. Nesse sentido o CSS é muito mais atual, já que trabalha com elementos bem mais contemporâneos e consegue extrair daí algo original e incisivo. No entanto, há uma clara falta de vontade da crítica nacional em reconhecer tal fato.

Todo ano surge uma nova banda para salvar o rock. A imprensa brasileira logo corre e dedica páginas e mais páginas de seus cadernos culturais para reverenciar o novo messias do pop. Mas esquece de olhar para o quintal de casa. E quando olha, prefere enveredar pela crítica ácida e dizer que o som não é tão bom quanto se fala. É o que tem acontecido com o CSS.

O debute do Cansei de Ser Sexy certamente não é primoroso ou mesmo imperdível, mas é um bom álbum que está tendo merecido reconhecimento no exterior. Tocar nos grandes festivais da Europa e Estados Unidos, como tem feito o CSS, não é para qualquer um. Ainda mais quando a banda em questão sai de um país com pouca tradição no cenário internacional de rock.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 31/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
04. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo
05. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The (diblos) Notebook: a Novel
James Merrill
Dalkey
(1994)



Muito Além dos Índices. Crônicas, História e Entrelinhas da Infla
Salomão Quadros
Fgv
(2008)



Expedição: Em Busca dos Dinossauros: uma Viagem Em Busca do Passa
Denise Gonçalves (textos e Edição)
Supernova (sp)
(2003)



Estilhaços
Guido Fidelis
Rg
(2011)



Sic Est in Provérbio: Assim Diz o Provérbio
Carlos Bachinski
Juruá
(2006)



Obra Poética de Carlos Drummond de Andrade 3
Carlos Drummond de Andrade
José Olímpio
(1983)



Lacoustique Appliquée
Jean Jacques Matras
Presses Universitaires
(1969)



A Little Piece of Ground
Elizabeth Laird
Macmillan
(2003)



A Epopeia das Misericórdias
Niversindo Antonio Cherubin
São Camilo
(2014)



Censis 33º Rapporto Sulla Situazione Sociale del Paese
Fondazione Censis
Fondazione Censis (roma)
(1999)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês