Sopro de haicai em Flauta de Vento | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/11/2005
Sopro de haicai em Flauta de Vento
Marcelo Spalding

+ de 4400 Acessos

Quando, no século XVII, Matsuo Bashô formalizou um gênero poético, lá no outro lado do mundo, não poderia imaginar a repercussão que este teria no Brasil pós-moderno, no Brasil da internet, no Brasil da natureza exuberante. O haicai, como é conhecido pelos ocidentais, desembarcou na terra de Macunaíma em 1936 com o poeta Guilherme de Almeida, e de lá para cá viveu momentos diversos, ganhou rima, perdeu rima, ganhou título, perdeu título, movimentou polêmicas acerca de sua forma, dividiu correntes, alçou escritores aos cânones líricos e, quem diria, chega no pós-2000 com uma vitalidade impressionante (no mundo de papel editoras como a Ame o Poema estão empenhadas na propagação do gênero, e no ciberespaço tais iniciativas se multiplicam - visite, por exemplo, este site.)

É natural, diante de movimento tão intenso, que em terra brasilis o haicai tenha se transformado e assumido formas diversas, tanto estéticas quanto semânticas, dificultando inclusive sua definição. E ainda é mais natural que haja um movimento contrário a este, firme na defesa do tradicional haicai japonês. Para esta tendência, seguida especialmente por imigrantes japoneses, haicai é um poema de três versos, escrito em linguagem simples, sem rima, com dezessete sílabas poéticas (sendo cinco no primeiro verso, sete no segundo e cinco no terceiro), e com uma referência a natureza expressa por uma palavra (o chamado kigô), que deve representar também a estação do ano.

Parece impossível criar um, sequer um bom poema com significação, aliterações e jogos de palavras dentro deste modelo? Pois Teruko Oda criou mais de cem, e o resultado é o delicado Flauta de Vento (Escrituras, 2005, 112 págs.), um livro para ser lido numa tarde de sol, deitado na grama de um parque, ou em voz alta para os filhos, antes de dormirem.

Os 128 haicais foram distribuídos a partir de temas, que normalmente são os próprios kigôs, e estes temas estão apresentados por ordem alfabética e divididos por letra. Fiel a tradição do gênero, os temas remetem a natureza e vão da água-viva à coruja-preta, do frango d'água à lesma, do rato do mato à passarada outonal.

Não é uma ode a natureza, tampouco um manifesto ecológico contra a humanidade, mas uma coleção de momentos, de cenas cotidianas e naturais, no mais objetivo sentido da palavra. O mesmo sujeito poético se refere ao atum como ótimo alimento para acompanhar o bolinho de arroz...

Bolinho de arroz
Coberto com atum fresco -
Um casal perfeito.

... contempla a lagartixa em sua luta pela sobrevivência ...

Requebra, requebra -
A lagartixa sem rabo
fugindo do gato.

... e ameaça o pernilongo que o acorda no meio da noite.

No meio da noite
o pernilongo me acorda
disposto a morrer.

Tudo de forma natural, com linguagem simples e métrica perfeita. Uma pista para entendermos este aparente paradoxo, qual seja a naturalidade com que é tratada a intervenção humana na natureza, é a epígrafe. Aliás, como não poderia deixar de ser, trata-se de um preceito budista: "A vida depende da vida. Todos comemos e somos comidos. Quando nos esquecemos disso, choramos; quando nos recordamos disso, podemos nutrir uns aos outros".

O mais atento estudioso do haicai ou da poesia deve estar contando as sílabas e procurando o kigô dos poemas acima reproduzidos. Porque de fato impressiona que com tantas limitações formais se consiga criar tão diferentes e profundos poemas. Separamos um haicai e dividimos as sílabas poéticas deste:

Chá beneficente -
A borboleta de inverno
sem acompanhante.
Chá | be | ne | fi | cen | te - (5)
A | bor | bo | le | ta | de in | ver | no (7)
sem | a | com | pa | nhan | te. (5)

Note que a palavra inverno é o kigô na forma mais autêntica e clara, a referência direta a estação do ano. E também como a métrica se encaixa na estrutura 5-7-5.

À parte a contemplação dos resultados alcançados por Teruko Oda, vale questionar como e por que o haicai atravessou anos e oceanos, sobrevivendo, enquanto vitalidade, até ao soneto, gênero também formal, mas muito pouco produzido pelos poetas modernos (menos ainda pelos amadores). Na introdução da obra, a própria autora dá algumas pistas:

"Parece-me que a expressão 'tempo é dinheiro' nunca se fez tão verdadeira como nesta sociedade pós-moderna em que vivemos. (...) Somos levados a participar desse clima de competição, engrossando a fileira dos bem-sucedidos portadores de estresse. (...) Paradoxalmente, há uma valorização da qualidade de vida e preocupação com o meio ambiente. (...) Nesse contexto, o haicai se apresenta como solução. Sendo um poema popular, cuja característica principal é a referência a cenas do cotidiano, retratadas através de linguagem simples e objetiva, não é necessário que o praticante seja um profundo conhecedor de teorias da linguagem."

A própria menção do papel do haicai no mundo moderno demonstra uma preocupação da autora em sua permanência enquanto gênero, mas a tentativa de associá-lo a luta ambiental e a sua conveniência num mundo cada vez mais apressado não valoriza em nada o gênero japonês. Muito pelo contrário. A leitura do haicai é veloz, mas a contemplação é lenta. E se de fato a linguagem é simples e objetiva, não é provável que um poeta, mesmo experimentado, encontre facilidade para se expressar em tão poucos versos e em tão rígida métrica. Na tentativa de minimizar sua própria genialidade, a autora atribui ao gênero uma facilidade que ele não oferece nem para o leitor - que precisa ser atento e lúdico - nem para o autor. E aí está a graça do haicai e de todo o formalismo que cerca especialmente a corrente de Teruko: a sua inutilidade, a inutilidade das joaninhas, das asas coloridas das borboletas, dos vaga-lumes presos num vidro de geléia.

Talvez a melhor utilidade para Flauta de Vento seja a possibilidade de usá-lo como ponto de partida para iniciantes em haicai, ou porto seguro para praticantes pós-modernos. Afinal Teruko Oda, se não a melhor haicaista do Brasil - que destes superlativos nem ela nem nós precisamos -, é a que mais nos aproxima do Japão, de Bashô, do budismo. Do espírito original do haicai, quando este ainda não era vento.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
03. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2005
01. 10 sugestões de leitura para as férias - 20/12/2005
02. Um Amor Anarquista - 30/9/2005
03. Bang bang: tiroteio de clichês - 18/10/2005
04. Sopro de haicai em Flauta de Vento - 25/11/2005
05. Dois mil e cinco: o primeiro ano pós-esperança - 9/12/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIBERDADE PARA APRENDER
CARL R. BORGES
INTERLIVROS
(1978)
R$ 55,00



OS CEM MELHORES CONTOS BRASILEIROS DO SÉCULO
ITALO MORICONI; DIVERSOS AUTORES
OBJETIVA
(2001)
R$ 10,00



O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
ATLAS
(2016)
R$ 110,00



LUTAS SOCIAIS NA ROMA ANTIGA
LEON BLCH
EUROPA AMÉRICA
(1991)
R$ 10,00



CINEMA NO DIVÃ - GRANDES FILMES EM ANÁLISE
DANIT FALBEL PONDÉ
LEYA
(2015)
R$ 24,00



A TURMA QUE NÃO ESCREVIA DIREITO
MARC WEINGARTEN
RECORD
(2010)
R$ 20,00



SUPER INTERESSANTE Nº 2 ESTE ROBÔ QUER A MAMÃE
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1995)
R$ 9,90



AL PIE DE LA LETRA GEOGRAFÍA FANTÁSTICA DEL ALFABETO ESPAÑOL ...
VARIOS
CAJA DUERO
(2001)
R$ 80,00



NUVEM DE PÓ
PRISCILA FERRAZ
MARCO ZERO
(2008)
R$ 8,90



REGULAÇÃO PÚBLICA DA ECONOMIA NO BRASIL
ROGÉRIO EMILIO DE ANDRADE
EDICAMP
(2003)
R$ 30,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês