Um Amor Anarquista | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
>>> YouTube: a história (trailer)
>>> Gran Torino, de Clint Eastwood
Mais Recentes
>>> Operação Thermos Amazônia de Carlos Araujo pela Nordica (1990)
>>> O Pequeno Livro da Verdadeira Felicidade de Anselm Grun pela Loyola (2003)
>>> O Incêndio de Troia de Marion Zimmer Bradley pela Círculo do Livro
>>> Biblioteca Vida e Missão - Carta Pastoral do Colégio Episcopal de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Mais Feliz Que Deus de Neale Donald Walsch pela Agir (2009)
>>> Escola de Equitação para Moças de Anton Di Sclafani pela Intrínseca (2014)
>>> A Salamandra de Morris West pela Record (1973)
>>> The Company of Ghosts de Berlie Doherty pela Andersen Press
>>> Tarot Hipocampo (sem Baralho) de Beatriz Vilela pela Hipocampo
>>> A Terra do Deus Dará de João Batista de Andrade pela Atual (1991)
>>> Indomada - Série House of Night - Livro 4 de P. C. Cast e Kristin Cast pela Novo Século (2010)
>>> As Regiões Selvagens do Mundo - Coleção Completa 18 Vol. de N/d pela Cidade Cultural (1984)
>>> A Profetisa de Barbara Wood pela Record
>>> Neuroanatomia Funcional de Angelo Machado pela Atheneu (1993)
>>> Legislação Previdenciária Centro de Estudos da Seguridade Social de Anfip / Centro de Estudos da Seguridade Social pela Anfip (1998)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> The Red Balloon de Eduardo Amos e outros pela Richmond (2005)
>>> Revista Playboy n133 Renée de Vielmond de Civita pela Abril (1986)
>>> Dulcina e o teatro de seu tempo de Sérgio Viotti pela Lacerda (2000)
>>> Meditações para reavivar a esperança 1 e 2 de Dom Irineu Roque Scherer pela Fazenda da Esperança
>>> A Morte de Ivan Ilitch de Leon Tolstói pela L&Pm Pocket (2013)
>>> Um deus na contamão de Costanzo pela Cidade Nova (2013)
>>> Terapia de Vidas Passadas - Uma viagem no tempo para desatar os nós do inconsciente de Célia Resende pela Nova Era (1999)
>>> Construindo um Mundo Onde Todos Ganhem de Hezeel Henderson pela Cultrix (2003)
>>> E o Sol Voltou a Brilhar de Petrucio pela Livree (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/9/2005
Um Amor Anarquista
Marcelo Spalding

+ de 9400 Acessos

Como a filha de Adele, Um Amor Anarquista (Record, 2005, 250 págs.) não conhece seu pai. Há nele sinais evidentes de A Desobediência Civil, de Thoreau, Un Episodio d' Amore nella Colonia Cecília, de Giovanni Rossi, Anarquistas Graças a Deus, de Zélia Gattai, O Anarquismo Experimental, de Cândido de Mello Neto, e até pitadas de Karl Marx e Marquês de Sade, entre tantos outros. Mas a esta criança carinhosa basta a mãe, no caso um homem, Miguel Sanches Neto, capaz de dar forma a um mosaico eclético e delicado.

Sanches Neto, considerado o melhor escritor da sua geração pela revista Veja após o lançamento de Um Amor Anarquista, nasceu pobre, perdeu o pai muito cedo, ficou em último lugar num concurso de redação no colégio, formou-se em Letras, mas não quis buscar o diploma, foi reprovado na seleção para o mestrado da UFRGS e hoje é doutor em literatura pela Unicamp, crítico literário, professor e escritor capaz de produzir respeitáveis haicais, contos, críticas, poesias e romances. Todo este biografismo para ressaltar a importância da pesquisa na obra, cuja relação entre realidade e ficção é tamanha que o leitor menos atento tomará cada linha por verdade histórica.

Do ponto de vista literário, Um Amor Anarquista é um filho simples e ordeiro, nem afetado nem genial. O discurso apresenta léxico comum, narrador onisciente na maior parte do tempo, índices entre capítulos sob forma de cartas, feedback inicial introduzindo uma ordem linear, herói hierarquicamente bem definido, elipse de anos no final, muitas lágrimas, muitas declarações de amor, muita fome e muitos sonhos. Pode-se dizer que é esta uma síntese do imigrante italiano: lágrimas, declarações, fome e sonhos. Mas faltam ousadias formais, como a aplicação de conceitos anárquicos mesclados aos românticos, quebra da hierarquia entre as personagens, rompimento da linearidade narrativa, liberdade lingüística.

Se por um lado estas ausências tornam algumas cenas previsíveis, por outro preservam o entendimento da história. E eis o grande mérito de Sanches Neto: contar uma boa história, densa, polêmica, clara, onde o narrador não é o centro das atenções, muito menos o autor.

A história se passa num tempo em que anarquismo ainda não era sinônimo de desordem. Giovanni Rossi, intelectual italiano, idealiza uma comunidade experimental na América do Sul, onde aplicaria os princípios socialistas não só à produção, mas também às relações pessoais e amorosas. Seria a primeira experiência do amor livre. O problema é que as poucas mulheres da colônia não estão dispostas a tal prática, e os solteiros têm urgência de amor. As casadas mantêm-se voluntariamente presas ao marido como se este fosse um patrão, os pais não aceitam que as filhas se percam numa vida insegura e errante, enquanto algumas meninas solteiras trocam favores sexuais por presentes, prática abominada por Rossi. A pobreza do lugar e o mau comportamento de alguns imigrantes são reflexos e conseqüência dessa falta de amor (na verdade, de sexo), enquanto o comportamento de pais e maridos em relação a suas mulheres se mostra uma incômoda evidência de que os princípios anarquistas ainda eram utopias distantes. E neste ambiente Rossi conhece Adele, uma italiana socialista, casada e disposta a quebrar preconceitos e adotar o amor livre, beneficiando justamente Rossi, por quem se apaixona.

A Colônia Cecília, pano de fundo para esta história de amor, existiu de fato entre os anos de 1890 e 1894 em Palmeira, cidade do Paraná, tornando-se célebre pela obra Anarquistas, Graças a Deus, de Zélia Gattai (filha de um dos fundadores da colônia). No entanto, diferentemente de Zélia, e também de Afonso Schmidt e Cândido de Mello Neto, o autor paranaense não volta à Colônia Cecília para resgatar valores anarquistas (como pode parecer pelo título e pela concepção da obra), mas sim para questionar a família sob a égide do amor livre. No passado, Escolina trocava marido e filho por noites de amor com Colli, sem deixar de amar Lorenzo e com consentimento deste. Hoje, enquanto num canto da cidade meninas bem arrumadas trocam de namorado a cada noite - ou casais lotam as casas de swing - noutro canto jovens bem sucedidos e com as lições capitalistas na ponta da língua fazem hora extra para enriquecer mais e pagar pelo conserto de seus carros importados com bancos de couro. Pelos pôneis da filha. Tudo em nome da família.

A pergunta "seria constrangedor não conhecer a paternidade de um filho que você viesse a ter?", feita por Rossi a Adele, é, por isso, o ponto alto do livro, ou pelo menos a síntese de suas indagações. E ainda hoje não se tem uma resposta rápida e tranqüila. Mesmo cem anos depois do episódio na Colônia Cecília, depois da ascensão e queda do Comunismo na Rússia, de duas guerras mundiais, da renovação da Igreja, do Maio de 68 e de Woodstock, o debate sobre o papel da família chega renovado ao século XXI. O que não ocorre, infelizmente, com o debate sobre o socialismo, enterrado pelas cabeças pensantes - ou pelos bolsos mandantes - do novo tempo.

Aliás, do ponto de vista ideológico, o narrador não deixa muita margem para ilusões. Chega a afirmar: "era isso a vida, não deixava espaços para sonhos". Para ele, a Colônia Cecília é uma alegoria semelhante à Nova Birobidjan, de Scliar, ou à Granja do Solar, de Orwell, onde os paradoxos e defeitos não só diminuem como eliminam as virtudes do ideal socialista.

Assim, mais longe do Manifesto Comunista do que de Dom Casmurro, Sanches Neto faz não a melhor das literaturas - como se tem escrito por aí - mas credencia sua história a figurar ao mesmo tempo nas prateleiras dos canônicos e na vitrine das livrarias.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 30/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
02. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
03. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2005
01. 10 sugestões de leitura para as férias - 20/12/2005
02. Um Amor Anarquista - 30/9/2005
03. Bang bang: tiroteio de clichês - 18/10/2005
04. Sopro de haicai em Flauta de Vento - 25/11/2005
05. Dois mil e cinco: o primeiro ano pós-esperança - 9/12/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Falando Pelos Cotovelos
Lucia Pimentel Goes, Negreiros
Moderna
(2002)



O Baú do Medo Coletânea de Cordéis de Suspense e Terror
Zeca Pereira Org
Nordestina
(2019)



Literatura do Minarete
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1959)



Tem Carta pra Mim?
Fanny Abramovich
Scipione
(1994)



Cultura - Ano I - N. 3
Ministério da Educação e Saúde
Não Informado
(1949)



Literatura Comentada - Mario de Andrade
João Luiz Lafetá
Nova Cultura
(1990)



Brasil Aspectos da Cultura Brasileira
1993
Empresa das Artes



Recetario Industrial: Fórmulas, Secretos, Recetas, Trabajos Lucrativos
G D Hiscox; a a Hopkins
Gustavo Gili
(1961)



O Evangelho Que nos Cura - Diálogos Sobre a Não-violência
Bernhard Haring e Valentino Sa
Paulinas
(1992)



Emoções Em Familia
Silvia Bruno Securato
Oficina do Livro
(2008)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês