Esquerda x Direita | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Yoga, Imortalidade e Liberdade de Mircea Eliade pela Palas Athena (2009)
>>> The Bell - Her wise, witty and compulsive novel de Iris Murdock pela Penguin Books (1962)
>>> Os robôs e o império de Isaac Asimov pela Record (1985)
>>> Wallpaper Magazine May 2020 de Design Directory pela TI Media (2020)
>>> Contato de Carl Sagan pela Guanabara (1986)
>>> Os Três Reos e o Quarto Rei, Lendas Natalinas de Jakob Streit pela Edições Waldorf (1991)
>>> Neuromancer de William Gibson pela Aleph (1991)
>>> O Gênio do Crime de J.C. Marinho Silva pela Edijovem (1999)
>>> O incrível congresso de futurologia de Stanislaw Lem pela Nova Fronteira (1977)
>>> O cair da noite de Isaac Asimov pela Hemus (1981)
>>> Solaris de Stanislaw Lem pela Círculo do livro (1987)
>>> O Livro da Filosofia de Diversos pela Globo (2016)
>>> O homem bicentenário de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Os robôs do amanhecer de Isaac Asimov pela Record (1983)
>>> Cartas de Um Executivo a Seu Filho de G. Kingsley Ward pela Record (1985)
>>> Desenho de Perspectiva (Português) Capa dura , Livro Novo de David Sanmiguel pela Ambientes (2020)
>>> Os anéis de Saturno de Isaac Asimov pela Hemus
>>> Inimigo Rumor 17 de Carlito Azevedo e Outros Editores pela Naify (1993)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Hemus (1982)
>>> Pureza de Jonathan Franzen pela Companhia das Letras (2016)
>>> Os Anos 40 de Rachel Jardim pela José Olympio (1973)
>>> A maçã no escuro de Clarice Lispector pela Círculo do livro
>>> Prontuário de Yoga Antigo (SVÁSTHYA YOGA de Professor de Rose pela Ground (1986)
>>> De corpo inteiro de Clarice Lispector pela Artenova (1975)
>>> A cidade sitiada de Clarice Lispector pela José Olympio (1975)
>>> A paixão segundo GH de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Círculo do Livro (1982)
>>> Química e física de Daniel Cruz pela Ática (2002)
>>> Arnaldo Janssen de Alberto Kuyle pela Verbo divino
>>> Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres de Clarice Lispector pela Nova Fronteira (1982)
>>> Homo Deus de Yuval Noah Harari pela Companhia das Letras (2016)
>>> Eternidade por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> Para não esquecer de Clarice Lispector pela Ática (1978)
>>> Em busca do Príncipe Encantado de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> Um sopro de vida de Clarice Lispector pela Círculo do livro (1978)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> Os sapatos de Orfeu - Biografia de Carlos Drummond de Andrade de José Maria Cançado pela Scritta (1993)
>>> Sinfonia patética - A vida de Tchaikóvski de Klaus Mann pela Brasiliense (1989)
>>> Merendeiro (A) SGA-DF – Auxiliar de Educação. Especialidade: Copa/Cozinha de Pimentel. et al pela Vesticon (2005)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 3 - Manhã sombria de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 2 - O ano dezoito de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 1 - Duas irmãs de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> As mentiras que os homens contam de Luiz Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Dieta Low Carb de Eliana Rinaldi e Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Estatística fácil de Antônio Arnot Crespo pela Saraiva (1994)
>>> Simpatias de Antonio Carlos pela Pallas (1997)
>>> A idade da Razão de Sartre pela Cia das letras (2020)
>>> O pai minuto de Spencer Johnson pela Record (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/10/2014
Esquerda x Direita
Marta Barcellos

+ de 5300 Acessos

Em um vídeo que circula com frequência na internet, o filósofo Gilles Deleuze tenta explicar a diferença entre ser de esquerda e ser de direita, utilizando a ideia de um endereçamento postal.

A pessoa de direita parte sempre de si própria. Depois, percebe a rua em que está localizada. Depois, a cidade. Depois, o país, e por aí vai. Na medida em que é privilegiada, por estar em um país rico, por exemplo, ela costuma pensar em como fazer para que aquilo perdure, pois percebe que há muitos perigos ameaçando a sua situação.

Ser de esquerda é o inverso. Ver primeiro a ponta, o contorno, e perceber que a situação de injustiças, de pessoas morrerem de fome, não pode durar. Somente no fim de sua percepção está a rue de Bizerte (de onde Deleuze fala) e si próprio. "Ser de esquerda é saber que os problemas do terceiro mundo estão mais próximos de nós do que os do nosso bairro", diz ele, em seu apartamento em Paris.

O que considero mais interessante no pensamento de Deleuze, e que será aplicável ao que estamos vivendo hoje no Brasil nestas eleições, é a ressalva: não se é de esquerda em nome de uma moral. Não tem nada a ver com ser uma boa alma. Ser de esquerda, ou de direita, está relacionado apenas a uma questão de percepção. Simples assim.

Mas vivemos num país em que a moral (cristã) está sempre em jogo. Então as duas questões se confundem, e as pessoas que têm uma percepção de vida e de mundo tipicamente de direita ficam indignadas com a "acusação": acreditam que estão a lhes apontar uma espécie de torpeza moral, uma insensibilidade não cristã na qual não se reconhecem. É quando afirmam: não existe (mais) direita e esquerda.

No entanto, se a questão moral for afastada, não há problemas em se aceitar a velha e esclarecedora divisão entre esquerda e direita - absolutamente presente neste segundo turno tão polarizado das eleições.

Um amigo meu diz que vai votar no Aécio, e eu respondo: ótimo, seu voto com certeza é consciente e condiz com sua postura política. Sei que ele é de direita, e tento afastar dessa constatação qualquer tipo de julgamento moral. Ele pensa prioritariamente em seus direitos e liberdades individuais; valoriza e quer ver valorizado seu próprio esforço e mérito; é especialmente indignado com o tamanho dos impostos que paga; e sua percepção da questão da violência o leva a defender um policiamento melhor nas ruas e uma pena mais severa para os pivetes que enxerga de forma difusa, por conta do distanciamento que mantém deles a partir de seu "endereço postal".

É uma questão de percepção, simples assim.

Só que Deleuze dá um complicada, e aplica aqui também o seu conceito de devir. Ser de esquerda é devir minoria. Os devires minoritários são aqueles diferentes do padrão majoritário, que no Ocidente é o do homem macho, adulto e cidadão, ele explica. Há o devir-mulher, o devir-animal, o devir-criança, mas o macho adulto cidadão não tem devir. Ele pode devir-mulher, por exemplo, e aí vira minoria (um homem feminista, exemplifico eu).

As pessoas de direita em geral se reconhecem na "imagem sensata" deste padrão majoritário. Só que este padrão, alerta Deleuze, é um padrão vazio: "A esquerda é o conjunto de processos de devir minoria. Eu afirmo: a maioria é ninguém, a minoria é todo mundo. Ser de esquerda é isso: saber que a maioria é todo mundo".

Ao identificar-se inteiramente na imagem sensata do padrão majoritário representado pelo candidato Aécio Neves, muitas pessoas de direita não conseguem compreender o voto "de esquerda". Sem devir minoria e limitadas pela distância de seu endereço postal, ficam sinceramente espantadas, a adotam expressões como "esquerda caviar": como é possível comer caviar e não se identificar com o padrão exclusivo (majoritário e vazio) que ele representa? Pior: como é possível comer caviar e se identificar prioritariamente com minorias que jamais vão saber apreciar a iguaria?

Ora, a explicação só pode ser uma falsidade, um "fazer gênero", a ser combatido com a ironia de expressões como "esquerda caviar".

Se não for com ironia e incredulidade, a pessoa que busca um posicionamento de esquerda, embora não pertença a uma minoria, pode também ser tratada pela direita como alguém que foi enganado ou está equivocado:

"Ora, ela não tem a mesma lógica ou as mesmas informações que eu - pessoa centrada no endereço postal da mim mesmo - não só tenho como domino, graças à minha identificação com o padrão de homem macho, de boa formação, bem sucedido, cidadão de bem que paga seus impostos apesar de toda essa roubalheira."

Para evitar os julgamentos morais a respeito de seu individualismo exacerbado, ou de sua insensibilidade em relação aos mais pobres, a direita brasileira precisa se valer de teorias macroeconômicas e da indignação com escândalos de corrupção para dar ao seu discurso o necessário tom de preocupação social. Dependendo de quem está usando o artifício, porém, o discurso soa extremamente falso, porque rapidamente percebe-se, por trás de dados decorados, a real preocupação com a perda de privilégios - uma ameaça que no caso brasileiro vem se configurando muito mais por uma perda de status social, pela aproximação da minoria representada pelos pobres, do que propriamente por recuos financeiros.

Se ser de esquerda ou de direita é uma questão de percepção e de endereçamento postal, com diz Deleuze, não vai ter como disfarçar: a direita precisa sair do armário.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 24/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Michelle Campos e a poesia dentro do oco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EASY ENGLISH BOOK ELEVEN
NELSI M. DE JESUS
EDEN
R$ 5,00



MR SLANG E O BRASIL E PROBLEMA VITAL
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1956)
R$ 35,00



FALE ME DE AMOR
MICHEL QUOIST
PAULINAS
(1988)
R$ 6,90



A INDÚSTRIA DO ESPORTE NO BRASIL
ISTVAN KASZNAR E ARY S. GRAÇA FILHO
M BOOKS
(2012)
R$ 100,00



A VELHINHA DE TAUBATÉ
LUIS FERNANDO VERÍSSIMO
L&PM
(1983)
R$ 6,00



TRILHAS DE ORÉADES
JORGE OLIVEIRA
L. G. E
(2011)
R$ 12,47



AVENTURAS E PERIGOS DE UM COPO D'ÁGUA
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ATUAL
(2010)
R$ 10,00



CRESÇA
JIM STENGEL
ALTA BOOKS
(2012)
R$ 30,00



QUI-QUADRADO
J. E. NESBITT
HARBRA
(1995)
R$ 19,00



O EU SEM DEFESAS - O MÉTODO PATHWORK
SUSAN THESENGA
CULTRIX
(2005)
R$ 30,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês