A mitologia original de Prometheus | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/8/2012
A mitologia original de Prometheus
Vicente Escudero

+ de 9700 Acessos



Charlie Parker definiu com precisão seu processo criativo quando disse que primeiro é necessário dominar a técnica do saxofone para depois esquecê-la e seguir o ritmo do jazz com a banda no palco. Este mesmo processo de desenvolvimento da criação musical serve também para representar a evolução de artistas de outras áreas, sem menores reparos. Enquanto na música e na literatura a relação entre a identidade do artista e o domínio da técnica determina o valor da obra, no cinema - talvez a manifestação artística mais coletiva, entre todas- o valor mais importante para estabelecer a qualidade do trabalho define-se pela capacidade do diretor de criar um universo próprio, através de uma unidade estética ou temática, onde as peças se encaixam de forma a representar uma identidade exclusiva, sua impressão digital. Ridley Scott é destes poucos diretores que ainda são capazes de manter um universo artístico coeso, gravitado por outras obras de estilos diversos. Seu último filme, Prometheus, é o resultado da colisão entre os dois principais objetos de análise de sua carreira, depois do aprimoramento de sua técnica durante décadas produzindo em alto nível: a resistência do indivíduo em face a instituições opressoras e a estética da barbárie.

Ridley Scott analisou estes dois temas, de forma mais eficiente, dentro do gênero da ficção cientifica, definido pelo próprio diretor a partir de Alien (1979), seguido por Blade Runner (1982).Os dois filmes retratam distopias em que o futuro da humanidade é apresentado de forma decadente, onde os avanços tecnológicos estão a serviço de corporações gigantescas, restando à parcela da sociedade excluída viver clandestinamente ou condicionada aos desmandos do novo poder que, aos poucos, assume as funções do Estado.

Prometheus, criado depois de um hiato de trinta anos do diretor na ficção científica, é uma continuação da exploração desse universo na mesma palheta sem brilho e dark dos filmes anteriores, desta vez com tons diferentes, mas não menos assustadores e opressores. Blade Runner nasceu baseado no romance quase homônimo de Philip K. Dick e assemelha-se apenas na reprodução da cidade de Los Angeles coberta por uma fina camada de pó e castigada pela chuva. A arte em Alien também foi construída quase toda na escuridão, exceto pelas luzes de emergência da espaçonave, que aumentam o suspense iluminando de forma intermitente os traços biomecânicos criados pelo suíço H.R Giger. A principal diferença da arte de Prometheus em relação a estes filmes é de escala. Enquanto Alien e Blade Runner se desenrolam em ambientes fechados e limitados pela falta de luz, em Prometheus a ação é apresentada na escala natural, com paisagens observadas de uma perspectiva diferente, vistas do céu e exibidas até a linha do horizonte. Os efeitos especiais também são bastante cuidadosos, bastante diferentes da artificialidade borrada de Transformers. O auge desta técnica é alcançado na reprodução dos sonhos de um dos personagens através do pontilhismo e no contato das máquinas com pessoas e a paisagem natural. Apesar da aparência de cenário artesanal, as cenas de embarque e desembarque lunar foram criadas através de CGI (imagem gerada por computador), a partir de gravações na Islândia, incorporadas ao material produzido em estúdio. A naturalidade da fotografia, a produção do contato dos astronautas com o terreno extraterrestre, garante que o espectador esqueça por alguns momentos a premissa quase mística da visita de alienígenas à Terra em tempos remotos.

A maior parte do prazer em assistir filmes de ficção científica vem da capacidade da produção conseguir convencer o espectador, durante todo o filme, de que o universo apresentado corresponde à realidade ou, tratando-se de um futuro remoto, que esteja ancorado em princípios e regras reconhecidos pelo universo da física, química e outras ciências naturais. Trata-se de uma linha tênue e invisível separando o gênero da fantasia. Entretanto, se a ideia da produção for analisar questões metafísicas, distantes da simples transformações do cotidiano, o espaço criativo da produção (principalmente do roteiro) torna-se maior, já que a física e a química ainda não são capazes -talvez nunca serão- de identificar as origens da vida ou do universo de forma cabal. A arte, neste ponto, trabalha com a mesma ferramenta destas ciências, desenvolvendo uma tese que possui a vantagem de ser provada certa ou errada de acordo com o gosto do espectador. Prometheus apresenta no centro de seu roteiro uma tese estapafúrdia, que um dia já foi defendida por grandes nomes da química e, hoje, é estudada sobre outro ponto de vista, bastante distante da possibilidade de seres extraterrestres terem iniciado voluntariamente a vida em nosso planeta, contida no roteiro do filme. Trata-se da hipótese da panspermia dirigida.

A hipótese da panspermia dirigida foi defendida inicialmente em 1973 por um dos descobridores da estrutura do DNA, o biofísico inglês, vencedor do prêmio Nobel, Francis Crick. De acordo com sua tese, considerando a dificuldade do processo de duplicação do material genético nos seres vivos, que envolve vários processos extremamente complexos de reprodução de proteínas, os quais sempre estiveram presentes desde as fases mais primitivas da Árvore da Vida, o início da vida na Terra teria ocorrido através do envio ao nosso planeta, por seres alienígenas, de material genético pronto para se autorreproduzir. Crick abandonou esta tese, mais tarde, argumentando que havia sido muito pessimista sobre a possibilidade real do surgimento espontâneo da vida (abiogênese). Atualmente, a tese da panspermia ainda é considerada cientificamente, mas sem a poesia da mitologia alienígena. Em relação ao nosso planeta, estuda-se a possibilidade de que asteroides ou mesmo material expelido de Marte, devido a uma colisão com algum outro objeto, tenha enviado até aqui os blocos formadores da vida, o conjunto de aminoácidos presentes em nosso DNA. Marte é considerado um grande candidato, pois passou por um período de resfriamento anterior ao de nosso planeta e já possuiu água líquida em sua superfície.

Outro ponto caro ao filme é a mistura de elementos mitológicos com ciência e religião. Não fosse a maneira como a história foi apresentada, a cada momento sob o ponto de vista de um personagem diferente, pouco faria sentido misturar tudo isso numa espécie de Thunderdome espacial, sem possibilidade de vencedores. Mas o roteiro, apesar de deixar muitas perguntas sem respostas, acaba sendo bem dirigido porque costura todas as ambiguidades dentro de um contexto que envolve outras fontes, apenas encontradas depois de um pouco de pesquisa e paciência, na medida do interesse do espectador. Não é satisfatório para a plateia que espera um desenvolvimento linear da história. Prometheus é um filme que recompensa se assistido mais de uma vez pela vasta quantidade de detalhes. A maioria deles escapa à vista dos espectadores que não estão integrados no universo da série Alien, até mesmo Blade Runner, além dos não leitores de ficção científica, desacostumados com a ausência de linearidade no desenvolvimento das tramas.

Prometheus é um título interessante e que ilude na primeira análise porque não se refere ao fato da raça dos Engenheiros ter criado o homem, mas à tentação do homem em roubar a tecnologia de seu criador. Nossa espécie é seu objeto de estudo. Para compreender a essência do roteiro, antes, é necessária a apresentação deste titã, criado pela mitologia grega.

Prometeu, em sua origem na mitologia grega (século VIII a.C.), é apresentado como filho dos titãs Jápeto e Clímene, e um dos membros da segunda geração de titãs. É reconhecido como protetor dos homens, pois teria roubado o fogo dos deuses para entregá-lo aos mortais. Na tradição do poeta Hesíodo, Prometeu teria enganado Zeus durante uma refeição para o acerto de contas, celebração da paz, entre imortais e os mortais. Antes da refeição, Prometeu preparou duas refeições: um estômago de boi recheado com muita carne e ossos de boi cobertos por uma grande quantidade de gordura. Zeus escolheu os ossos, em vez do estômago de boi com seu exterior repugnante. A partir deste dia, os humanos, em vez de oferecerem a carne para o sacrifício aos deuses, passaram a oferecer os ossos cobertos pela gordura, em chamas. Zeus, então, retirou o fogo dos homens, mas Prometeu o roubou dos imortais para devolvê-lo. Como punição, Prometeu foi acorrentado a uma rocha no Cáucaso, onde uma águia comia seu fígado dia após dia, depois do órgão se regenerar durante a noite.

Prometheus, uma teoria baseada nas fontes

Prometheus, o filme, questiona certos valores que prevalecem dentro do desenvolvimento da humanidade. É correto que uma descoberta tão importante como a vida em outros planetas seja realizada por uma empresa privada, para seu próprio benefício? Até que ponto o desenvolvimento da tecnologia, cada vez mais próxima da singularidade (a criação de uma inteligência artificial) pode ser benéfico? Religião, ciência e desenvolvimento podem conviver no mesmo espaço? Até mesmo o androide David, interpretado por Michael Fassbender no filme, sabe que uma tese permanece apenas como uma mera hipótese enquanto não for provada. A verdade contida no filme permanecerá com seus criadores, o diretor Ridley Scott e o roteirista Damon Lindelof, ou será revelada numa sequência. Sem lançamento da continuação, a maior parte de Prometheus pode ser compreendida dentro de seu próprio universo e através das fontes que forneceram elementos para sua criação.

Um ser de pele azul e forma humana surge no horizonte do que parece ser o nosso planeta e se sacrifica através da ingestão de um líquido que desmonta a estrutura de seu DNA, o suficiente para começar o processo de desenvolvimento da vida no planeta, demonstrada pelas células se multiplicando dentro da água onde seu corpo foi dissolvido. Ele parece praticar um ato de reconhecido valor espiritual dentro de sua raça, pois a cerimônia é acompanhada por uma nave, do céu, que apenas deixa o local depois da conclusão do processo.

A cena é cortada para um grupo de arqueólogos. A dupla Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e Charlie Holloway (Logan Marshall-Green) estão explorando ruínas das Highlands, na Escócia, e acabam de descobrir pinturas rupestres dentro de uma caverna, assemelhadas a outras já encontradas em diversos continentes. Todas as figuras representam a mesma formação de objetos celestes, que parece corresponder a um mapa contendo o local de origem de uma figura humana gigante, cultuada por diversos povos da antiguidade. São os gigantes azuis, os Engenheiros.

Quem são os Engenheiros? Por que eles estiveram na Terra em vários momentos diferentes de nossa história? O filme não apresenta muitos detalhes sobre estes seres. Entretanto, se o papel deles for analisado de acordo com as expectativas dos personagens, as semelhanças com as criaturas da novela de H.P. Lovecraft, Nas Montanhas da Loucura, fica evidente. Alguns personagens do livro, um diário de uma expedição à Antártida realizada por dois pesquisadores que se deparam com ruínas escondidas de uma civilização extinta há milhões de anos, assemelham-se muito aos exploradores do filme. O caráter descritivo da novela é exatamente o inverso da estrutura do filme. No livro, a raça extinta, também responsável pela criação dos seres humanos, é denominada de Grandes Antigos. As semelhanças com os Engenheiros são muitas: a raça é definida por um sexo único, com características semibiológicas que tornam desnecessária a ocorrência da fase de desenvolvimento dos mamíferos, além da existência de famílias; a maioria das instalações que habitam é estruturada pela centralização dos objetos no ambiente e suas paredes são utilizadas apenas para fins artísticos; suas camas e cadeiras têm forma cilíndrica. No filme, os Engenheiros também são de um único sexo, tem características semibiológicas (o traje de space jockey, vestido quando utilizam o aparelho navegador), possuem senso artístico (os afrescos no teto da tumba descoberta por David) e decoram seus espaços centralizando os objetos, com alguns móveis cilíndricos. Os Grandes Antigos, quando comparados aos Engenheiros, embora suas aparências físicas sejam bastante distintas (os Grandes Antigos são monstruosos, não se parecem com humanos), têm a mesma essência espiritual.

E ambos foram responsáveis pela criação da raça humana. No livro, os seres humanos são apenas mais uma espécie entre tantas outras criadas pelos Grandes Antigos. Em Prometheus, os seres humanos são resultado da criação dos Engenheiros à sua imagem e semelhança.

Uma nave cruza o espaço, ocupada por um solitário androide que gasta o tempo jogando basquete, treinando línguas extintas e bisbilhotando os sonhos dos outros passageiros enquanto estão em hibernação. David (Michael Fassbender) é a mistura de Hal 9001, do filme 2001: Uma Odisseia No Espaço, de Kubrick, com o protagonista do filme de David Lean , Lawrence da Arabia. David é programado apenas para interagir e obedecer os humanos, embora muitas vezes seu comportamento irônico e traiçoeiro, um bug programado pelos interesses de seu criador, seja mais assustador do que a carnificina do filme (méritos da ótima atuação de Fassbender). Na chegada à Lua denominada LV223, os demais tripulantes são acordados da hibernação. Mau sinal. LV é abreviação do terceiro livro do Antigo Testamento da Bíblia, o Levítico, que contém as regras religiosas e morais destinadas ao povo de Israel. Diz o capítulo 22, versículo 3, numa previsão catastrófica que está prestes a ocorrer na chegada da nave em LV223:

Dize-lhes: Todo homem dentre os vossos descendentes pelas vossas gerações que, tendo sobre si a sua imundície, se chegar às coisas sagradas que os filhos de Israel santificam ao Senhor, aquela alma será extirpada da minha presença. Eu sou o Senhor.

A simbologia do nome da nave, Prometheus, também é importante para estabelecer o caráter da expedição espacial. Quem está tentando roubar o fogo dos deuses? Os Engenheiros que criaram a vida na Terra ou os homens que partiram para uma jornada no espaço em busca de seus criadores? A última hipótese revela-se verdadeira durante a história.

Os outros personagens são apresentados. Meredith Vickers (Charlize Theron) é uma executiva inescrupulosa das Indústrias Weyland, responsável pelo cumprimento da agenda de interesses profissionais da missão. O capitão Janek (Idris Elba), comandante da nave Prometheus, toma conta da ação junto com outros personagens secundários, como o biólogo Milburn e o geólogo Fifield. Interessante que o caráter heterogêneo dos personagens e a importância dada ao ponto de vista particular que cada um possui de suas próprias funções dentro da equipe da expedição lembram bastante o desenvolvimento das tragédias de Shakespeare. Vickers é obcecada pelo poder dentro da empresa, Janek representa a reserva de caráter da equipe, Charlie Holloway e Milburn são os ingênuos, o primeiro ambicioso e romântico, o segundo quase um bobo da corte. Elizabeth Shaw é a heroína inocente, disposta a morrer lutando pelos seus ideais e em busca de suas respostas. David, o androide, pode ser considerado o traidor do grupo.

A partir do pouso da espaçonave, as portas do inferno se abrem e toda a expectativa da tripulação é destruída por uma mistura letal de desilusão e terror. LV223 não é a casa dos Engenheiros, mas apenas um depósito de material genético sem uma finalidade definida.

O que são os armazéns com as urnas de LV223? Os depósitos de material genético de LV 223 são uma espécie de laboratório dos Engenheiros, distante do planeta que habitam. Seguindo as informações da novela de H.P Lovecraft e os indícios da reprodução dessas ideias no filme, o material depositado nas urnas corresponde a uma espécie de vida superior derrotada pelos Engenheiros em épocas passadas e sintetizada durante seu período de existência numa arma biológica. Aparentemente, não se trata do mesmo líquido ingerido pelo Engenheiro que se sacrificou no início do filme.

Fifield e Milburn transformam-se em cobaias involuntárias. Milburn é morto por uma espécie de réptil criado a partir do contato de um verme do solo com o líquido de uma das urnas. Fifield é infectado pelo próprio líquido, assume a forma de um monstro que ataca os tripulantes da nave e acaba sendo morto. Charlie é infectado por David com uma gota do líquido de uma das urnas e acaba transmitindo a infecção durante o sexo para Elizabeth Shaw. Os efeitos da infecção em cada um são diversos: Charlie não tem seu caráter transformado pela infecção e aceita passivamente a imolação iniciada por Vickers, para salvar a tripulação, ao contrário de Fifield, que retornou à nave disposto a matar todos os tripulantes. De alguma forma, o líquido parece reagir de acordo com a essência moral do ser vivo infectado. Isso explica porque não produziu efeito quando entrou em contato com o organismo sintético de David.

A tripulação não encontra nenhum dos Engenheiros ainda vivo. Todos parecem ter morrido numa espécie de epidemia na base lunar, dois mil anos antes da chegada da nave terrestre. David descobre que na ocasião da epidemia os Engenheiros planejavam retornar à Terra carregando diversas urnas com o mesmo conteúdo que matou Fifield e Charlie.

Por que os Engenheiros planejavam retornar à Terra dois mil anos antes da chegada da expedição a sua base lunar? Os acontecimentos do filme ocorrem no ano de 2093. Dois milênios antes, a sociedade passava por uma transformação que mudaria tudo: o início da era cristã. Provavelmente, os Engenheiros pretendiam retornar à Terra para destruir a raça humana por sua traição em cultuar um novo Deus, o início de uma cultura monoteísta consistente e conflitante co seus interesses.

Por que eles não conseguiram retornar à Terra? Provavelmente, um Engenheiro rebelde, por piedade e para proteger os seres humanos, deflagrou uma epidemia no posto lunar na tentativa de impedir o ataque. Aliás, o próprio fato dos Engenheiros escolherem uma base militar como local para um encontro com os seres humanos demonstra o tamanho da confiança depositada nos seus irmãos terráqueos. Talvez esta escolha tenha sido realizada pelo mesmo Engenheiro que se rebelou para salvar os seres humanos. Neste instante da história, é possível fazer uma ligação entre Prometheus e o universo do primeiro filme Alien (a nave dos Engenheiros acidentada, encontrada pela Nostromo , comandada por Ripley). Depois de deflagrada a epidemia, um dos Engenheiros escapa, mas um dos xenomorfos criados em LV223 acaba se escondendo em sua nave e matando-o durante a viagem. Por isso o pouso forçado no planeta abandonado.

Em Prometheus, existem vários sinais indicativos de que a epidemia na base lunar foi causada através da infestação de xenomorfos. A parede da câmara onde Fifield e Milburn são mortos, antes de ser aberta, é inspecionada por David, que encontra o mesmo material pegajoso deixado pelos rastros do xenomorfo em Alien e as câmaras de hibernação da sala da nave em que se encontra o último Engenheiro vivo estão destruídas exatamente na altura do tórax dos ocupantes, mesma região de onde costumam sair os xenomorfos, depois da gestação.

Uma inesperada irmandade de sangue. Elizabeth Shaw acaba descobrindo que o material genético dos Engenheiros é equivalente e precede o dos seres humanos. Neste momento começa a grande crise entre religião e ciência, que acaba sendo definida, numa grande ironia, por conceitos morais e até mesmo éticos.

Peter Weyland revela-se como passageiro secreto da nave e prepara seu corpo centenário para suportar a caminhada pela superfície lunar, até o local onde David acabou encontrando um dos Engenheiros ainda vivo, hibernando. Entre as mortes de Charlie e Fifield, Shaw também teve seu purgatório ao passar por uma cirurgia de emergência para retirada do alienígena em gestação no seu útero. Num gesto de resistência sobre-humana, ela acompanha a pequena trupe de Weyland até o interior da nave dos Engenheiros, em busca de respostas, mesmo depois da cesárea improvisada. Ao ser acordado, o Engenheiro se depara com Shaw em desespero, questionando-o aos gritos sobre o motivo da tentativa de destruir a raça humana. Um dos capangas de Weyland a interrompe com um golpe no estômago, permitindo que David questione o Engenheiro sobrevivente sobre a possibilidade de tornar Peter Weyland imortal. O Engenheiro arranca a cabeça de David e mata Weyland com um golpe na cabeça.

Esta é mais uma semelhança com a raça dos Grandes Antigos da novela de H.P. Lovecraft, o desprezo pela inteligência artificial. No livro, os Grandes Antigos passaram por uma fase de seu desenvolvimento em que experimentaram a existência unicamente através da tecnologia, mas desistiram, pois a definiram como emocionalmente insatisfatória. Desta forma, retornaram ao seu estado biológico comum e evoluíram para desenvolvê-lo até o limite da prevalência do caráter biológico sobre o artificial. A reação do Engenheiro à presença de David, uma forma de inteligência artificial, e ao pedido de Weyland, para se tornar imortal, contrariam todo o conjunto de valores da raça dos Engenheiros. Daí sua reação violenta. Se os seres humanos foram criados a semelhança dele (poderoso, mas mortal) não faria sentido permitir à criatura sobrepujar sua raça, existir eternamente.

A partir deste momento, a história caminha para seu final com a mesma dimensão grandiosa do início. As questões que ficam em aberto são relativas ao conflito entre a inteligência artificial e a humana. Quem vai dar o próximo passo na cadeia evolutiva, a resistência imbatível de Elizabeth Shaw ou a capacidade de processamento de David? Os valores religiosos, cristãos, de Shaw, são trazidos à tona nos momentos de desespero. Existe algum uso para esta fé, incompatível com a nova realidade? É dentro dessa grande universo de questões relevantes que Ridley Scott e Damon Lindelof construíram Prometheus. Não existem respostas definitivas. Uma sequência, talvez, livre os espectadores da tarefa de procurá-las em um conjunto de referências que permeiam a história. Sem um novo filme, o consolo que nos resta, nas palavras do filósofo, é saber que ainda temos a arte para não morrermos da realidade. A investigação do grande conjunto de ideias sem respostas definitivas de Prometheus é sua maior recompensa.



Vicente Escudero
Campinas, 2/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
03. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
04. O Bigode de Carina Destempero
05. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2012
01. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
02. Ao Sul da Liberdade - 14/6/2012
03. Uma nova corrida espacial? - 17/5/2012
04. Deixa se manifestar - 20/12/2012
05. Tolos Vorazes - 19/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZAC POWER - MISSÃO TREINAMENTO RADICAL
H. I. LARRY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 9,90



A PROSA FRATURADA
DONALDO SCHULER
UNIVERSIDADE FEDERAL RS
(1983)
R$ 26,82



A REVOLUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS
ANDRÉ TELLES
M.BOOKS
(2010)
R$ 15,00



SALAMBÔ
G. FLAUBERT
EDIBOLSO
(1969)
R$ 10,00



QUEM É GETÚLIO VARGAS
PEDRO LUÍS
NOVA JURISPRUDÊNCIA
R$ 50,00



INFRAESTRUTURA: OPÇÃO DE INVESTIMENTO AOS FUNDOS DE PENSÃO NO BRASIL
GUILHERME NOGUEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



JEAN PIAGET O HOMEM E SUAS IDÉIAS
RICHARD I. EVANS
FORENSE
(1980)
R$ 19,83



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA VOL 1
SILVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



HISTÓRIA DE CANÇÕES CHICO BUARQUE
WAGNER HOMEM
LEYA
(2009)
R$ 20,00



30 ANNOS DE THEATRO - HUMORISMO
REGO BARROS
TYPOGRAPHIA COELHO
(1932)
R$ 45,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês