Genialidades múltiplas | Marcela Tullii | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS >>> Especial Gênio

Segunda-feira, 16/2/2009
Genialidades múltiplas
Marcela Tullii

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Passeando pelo site da BBC, me deparei com uma notícia informando que quadros de uma menina de dois anos seriam expostos em uma respeitável galeria na Austrália. Os pais da "artista mirim" acreditam que a garota é um prodígio. Será?!?

Um prodígio nada mais é do que um gênio que expressa suas habilidades já na infância. O que leva à outra questão: o que seria um gênio? Tradicionalmente, entende-se por gênio aquele que tem uma capacidade intelectual muito acima da média. Pessoalmente, acho categorizações extremamente complicadas. Explico-me. Aceita-se amplamente hoje a existência de diferentes tipos de inteligências, não somente aquela antiga noção de inteligência lógico-matemática mensurada pelo Quociente de Inteligência (Q.I). Existem pelo menos sete principais tipos ― inteligência artística, emocional ou intrapessoal, linguística, interpessoal, corpóreo-cinestésica, lógico-matemática e visual-espacial. Então, a meu ver, qualquer pessoal com uma habilidade exacerbada em qualquer um desses campos poderia ser chamado gênio.

Toda pessoa é especialmente boa em algum desses campos de capacidades. Então não poderia ser essa especial aptidão seu talento? Acho que é possível dizer que sim, que todos temos um talento, sendo esse o tipo de inteligência mais desenvolvida em cada um de nós. Gênio então seria, nessa visão, uma pessoa que tem seu talento, em comparação com outras pessoas com o mesmo tipo de inclinação, notadamente mais pronunciado. Nesse tipo de genialidade eu acredito. Existem, pois, tipos diferentes de gênios, já que existem inteligências múltiplas. Essas pessoas sempre existiram e estão por toda parte: em nosso círculo de amizades, em nosso trabalho, faculdade, em nossa família.

O que acontece é que os gênios lógico-matemáticos e artísticos são mais raros e mais reconhecidos como tais pela sociedade. Eu já conheci grandes talentos nessas áreas, mas não sei se já cheguei a conhecer esses tipos de gênios. Porém, creio já ter conhecido gênios linguísticos, intrapessoais e interpessoais. Pessoas com astronômico talento para línguas, para o autoconhecimento e controle e para lidar e motivar outras pessoas. Quem assistiu às CPIs das quais Marcos Valério participou, em especial a CPI do Mensalão, ou apreciou os discursos e risadas de Paulo Maluf nos últimos debates para a prefeitura de São Paulo pode concordar comigo que talvez eles sejam gênios intrapessoais. Quantos de nós conseguiríamos nos manter tão calmos, serenos, quase impenetráveis diante de tanta pressão, gritos, olhares mortais e acusações graves como eles? Aposto que pouquíssimos. Esse é um tipo de genialidade menos reconhecida e tradicional, porém acredito ser um tipo.

Como tudo, o conceito e entendimento de "gênio" mudou ao longo do tempo. Essas pessoas foram reconhecidas diferentemente em cada período histórico, de acordo com os valores e preceitos de cada sociedade. Muitos artistas foram reconhecidos apenas anos após sua morte, pois o que expressavam não correspondia às suas gerações, mas, sim, às futuras, pelas quais seriam ovacionados. O mesmo ocorreu com médicos, cientistas, literatos. Podem ser considerados "gênios incompreendidos", mas na verdade só estavam muito a frente de seu tempo; mais tarde seriam compreendidos.

O espaço para essas pessoas também passou por transformações. Na antiguidade, o "ócio criativo" era um valor para os privilegiados e a escravidão; dando aos mais ricos tempo livre para pensar, possibilitava aos escolados maior período de reflexão sobre o mundo. Hoje, o "ócio criativo" é quase entendido como preguiça. "Filosofar" sobre a vida, entendendo-se esse termo como concentrar-se na área acadêmica de pesquisa, é mal-visto pela sociedade. Os considerados bem-sucedidos de hoje são os executivos workaholics, que fazem dinheiro, não descobertas ou criação de novas correntes do pensamento. Ter um filho que estuda administração é mais glamoroso do que um filho aspirante a filósofo. Isso fez surgir uma situação característica do século XX que continua presente neste século XXI: o enfoque no "self-made man", aquele homem comum, que se esforça e agarra oportunidades e faz valer o seu talento, ao passo que o gênio, muitas vezes por ter grande facilidade, não se esforça tanto; ou, por voltar-se para uma área menos valorizada pela sociedade, é, via de regra, ignorado. Isso leva a pensar que os gênios de outrora eram "mais iluminados" dos que o de hoje. Afirmar isso é não entender as novas circunstâncias e morais que regem a contemporaneidade e não levar em conta os tipos de gênios que escapam a definição clássica.

Os gênios continuam sendo cultuados e de extrema utilidade. São essas pessoas no final da "curva do sino" que, com grande domínio de uma inteligência, estabelecem diretrizes de correntes de pensamento, novas tendências, movimentos artísticos e realizam as grandes descobertas na e para a sociedade. São elas que criaram as idéias de uma época e que serão lembradas como as grandes mentes notáveis, estabelecendo-se como os ícones de que tanto necessitamos nós humanos.


Marcela Tullii
São Paulo, 16/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Michelle Campos e a poesia dentro do oco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sobre o preço dos livros 1/2 de Rafael Rodrigues
03. As ligações perigosas de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcela Tullii
Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/2/2009
14h22min
Marcela, adorei o seu texto: objetivo e disciplinado, claro e conciso, sem o pedantismo das cátedras e sem o ego dos que se pretendem filósofos, sociólogos etc.
[Leia outros Comentários de Carlos E F Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês