Ao Sul da Liberdade | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
>>> Acabou o governo
Mais Recentes
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
>>> As Origens das Civilizações Arqueologia e História de Ruth Whitehouse John Wilkins pela Folio (2007)
>>> The Mobile Wave de Michael Saylor pela Vanguard Press (2012)
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blaine pela Fundamento (2012)
>>> O Livro dos Evangelhos de Emídio Silva Falcão Brasileiro pela Boa Nova (2006)
>>> Pablo Neruda Antologia General Edición Conmemorativa de Pablo Neruda pela Alfaguara (2010)
>>> A Luz da Vida de Dong Yu Lan pela Árvore da Vida (1999)
>>> VI Seminário de Estudos Mineiros A Revolução de 1930 de Bonifácio de Andrada e Outros pela Ufmg Proed (1987)
>>> O Texto na Sala de Aula de João Wanderley Geraldi e Outros pela Ática (2004)
>>> O Quilombismo de Abdias do Nascimento pela Vozes (1980)
>>> História da Burguesia Brasileira de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1983)
>>> O Método Estruturalista de Claude Lévis Strauss e Outros pela Zahar (1967)
>>> Prestes: Lutas e Autocríticas de Dênis de Moraes Francisco Viana pela Vozes (1982)
>>> Os Ratos de Dyonelio Machado pela Ática (1992)
>>> Os Sindicatos e o PTB Estudo de Um Caso em Minas Gerais de Maria Andréa Loyola pela Vozes (1980)
>>> Raças e Classes Sociais no Brasil de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Desenvolvimento das Áreas Marginais Latino Americanas de Dalton Daemon pela Vozes (1974)
>>> O Projeto Jari e os Capitais Estrangeiros na Amazônia de Irene Garrido Filha pela Vozes (1980)
>>> Compreensão e Finitude de Ernildo Stein pela Unijuí (2001)
>>> O Prazer da Produção Científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> Bumba Meu Boi no Maranhão de Américo Azevedo Neto pela Alumar (1997)
>>> Estudos Italianos no Brasil I de Instituto Italiano di Cultura pela Instituto Italiano di Cultura (1966)
>>> Guia de Viagem Portugal de Fiona Dunlop pela National Geographic (2008)
>>> O Evangelho Secreto da Virgem Maria de Santiago Martín pela Paulus
>>> Yoga da Sabedoria de Jnana Yoga pela Pensamento
>>> A Tomada da Ford O Nascimento de um Sindicato Livre de José Carlos Aguiar Brito pela Vozes (1983)
>>> Sociologia do Turismo de Jost Krippendorf pela Civilização Brasileira (1989)
>>> No Mundo da Lua Perguntas e Respostas de Paulo Mattos pela Lemos (2003)
>>> Rimas Baldias de Antonio Mazzetto pela Livro Azul (1908)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/6/2012
Ao Sul da Liberdade
Vicente Escudero

+ de 7200 Acessos



Os passageiros examinavam com desinteresse o cubículo, esperando que a viagem com aquele sujeito desconhecido acabasse antes de descerem em seus andares. Nosso homem saiu da cabine empurrando o carrinho dos pintores e caminhou pelo corredor, deixando para trás o elevador que se fechou e sacudiu, partindo para o próximo andar. Entrou no escritório. Os passageiros ainda viajavam, tentando controlar a imaginação com as preocupações do dia. A solidão era dividida em partes iguais entre todos os trabalhadores do maior prédio cravado no centro de Pyongyang; uma pessoa poderia passar um dia inteiro em qualquer das salas sem perceber a chegada da noite. Os passageiros, aos poucos, desembarcaram em diferentes andares. Logo notariam que a incômoda presença não retornaria. Nosso homem caminhava entre os móveis do escritório abrindo gavetas e caixas, desarrumando papéis, procurando o arquivo com documentos contendo sua verdadeira identidade e de sua família, o conjunto de dados do governo que lhe atribuíam o status de criminoso pela prática de espionagem e traição na venda de informações confidenciais para o governo da Coreia do Sul, sobre o posicionamento militar do exército vermelho na Linha de Demarcação Militar. Suas pernas e mãos movimentavam-se em todos os sentidos, tocando suavemente cada móvel, cada objeto, na tentativa de revelar compartimentos escondidos da sala. A porta da entrada abriu-se. Escondido embaixo de uma das mesas da recepção, nosso homem acompanhou as pernas de uma mulher se movimentando com cuidado pelos dois ambientes do escritório, evitando pisar nos papéis, desviando da mobília revirada e analisando cada centímetro da desorganização. A atenção da invasora parecia inesgotável e preocuparia nosso homem se ele não estivesse ocupado com a descoberta de um compartimento secreto atrás de uma gaveta da mesa, onde encontrou o arquivo e um disco rígido marcado com uma etiqueta contendo "Vigilância (janeiro - abril)". As pernas femininas se flexionaram de repente, seus joelhos tocaram o chão e o rosto de uma das recepcionistas do edifício revelou-se, aterrorizado. Nosso homem foi descoberto vasculhando a sala. A funcionária, desesperada, arrastou-se até conseguir se levantar e fugiu em disparada pelo corredor, alcançando a escada de emergência depois de apenas acionar o interruptor do elevador. Nosso homem se desencaixou da mesa, tirou o pesado macacão de pintor que incomodou os passageiros do elevador nos meses enquanto durou seu disfarce, algemou-se à pasta com os documentos e correu para a escada, em sentido oposto á recepcionista, tentando alcançar a cobertura do edifício. O barulho de um helicóptero causava a trepidação das janelas. Nosso homem saltava os degraus carregando a garantia de um futuro anônimo. Mais quatro andares e voaria para a fuga. Um policial tentou interceptá-lo ao encontrá-lo no último andar, assustado com a figura do pintor vestido com um colete à prova de balas e preso a uma pasta, correndo pela escada de incêndio da sede do Serviço Secreto da Coreia do Norte. Nosso homem não tomou conhecimento do obstáculo, neutralizado com um chute mortífero no peito. O barulho das hélices na cobertura do edifício era insuportável. A céu aberto, correu contra o vento artificial do helicóptero e antes de embarcar avistou o horizonte. Recordou-se da imagem dos campos de trabalho forçado, seu irmão envelhecendo anos em segundos na sequência de cada golpe da enxada na terra seca. A poeira que se levantava na lembrança misturou-se ao vento da cobertura, separando como uma cortina a liberdade da fuga da prisão imutável do passado.

Nosso homem encontrou-se com o presente quando acordou e seus olhos registraram o dia vinte e cinco de junho de 2012. Passageiro de um ônibus em movimento, sentava-se ao lado de uma das janelas.

O homem que havia desembarcado em Pyongyang chamava-se Kwang Ho e era funcionário aposentado da usina nuclear Kori Número Um, localizada no litoral da cidade de Busan, da Coreia do Sul. Fora empregado ao lado de seu irmão, Dae-Hyun, e outras crianças, na indústria siderúrgica que alimentou a Guerra da Coreia na década de 1950. Fugindo das privações e temores do período, seus pais tentaram escapar com a família para a China, atravessando o território da Coreia do Norte, mas acabaram presos com passaportes falsos, durante a estadia na casa de um primo. A memória de Kwang Ho, surda aos gritos do remorso, apagou as imagens da violência obrigatória praticada pelos soldados contra seus pais, mortos para dar lugar aos filhos no ônibus destinado ao campo de concentração. E foi neste último dia da Guerra que o pior aconteceu.

A ficção é impiedosa com as fraquezas do caráter. Transportados lado a lado num ônibus com pouca vigilância, Kwang Ho aproveitou-se de uma longa parada e fugiu correndo em direção a uma floresta. Antes de desaparecer pelo labirinto desconhecido, as lágrimas de seu irmão acorrentado no interior do ônibus revelaram- se no negativo de sua consciência. Dias depois acabou resgatado por um comboio do exército americano em retirada à Coreia do Sul. Dae-Hyun desapareceu.

Kwang Ho dormiu durante trinta anos até descobrir a resiliência de seu irmão através de uma carta clandestina, recebida na embaixada da China localizada em Seul. Infâncias humildes constroem o caráter. A juventude vivida a partir dos quinze anos na cultura da liberdade fez de Kwan Ho um homem confiante em atos heroicos. Uma linha traçada no chão seria capaz de impedi-lo de salvar o irmão?

O ônibus havia partido de Pyongyang e retornava a Seul. Kwang Ho tinha acabado de acordar quando sentiu duas coisas. Não seria capaz de mudar o futuro de Dae-Hyun sem justificar a própria morte, se tentasse libertá-lo, diante do poder dos soldados norte-coreanos que monitoraram seu reencontro com ele em Pyongyang, organizado pelo governo das Coreias. A segunda, que o sacrifício seria a reprodução dos erros do passado, o abandono definitivo da companhia do irmão. Olhando para as mãos frágeis e enrugadas, Kwang Ho sentiu o esgotamento da disposição transformar-se em sono.

Adormeceu outras vezes durante a viagem de volta, esvaziando o ímpeto da virtude em lembranças de filmes de ação. Kwang Ho sentia uma felicidade serena e respirava a liberdade do presente quando decidiu, ainda no ônibus, que aproveitaria os poucos anos que restavam da vida como o início de uma pequena aventura. Traçou planos menos ambiciosos. Imaginou o novo reencontro com Dae-Hyun, no ano seguinte.


Vicente Escudero
Campinas, 14/6/2012


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2012
01. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
02. Ao Sul da Liberdade - 14/6/2012
03. Uma nova corrida espacial? - 17/5/2012
04. Deixa se manifestar - 20/12/2012
05. Tolos Vorazes - 19/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL TERRADO
MAXX FIGUEIREDO
BC GRÁFICA
(2009)
R$ 4,90



STATIK GESCHLOSSENER KREISRINGBAUTEILE
RAINER STURMATH
VDI-VERLAG
(1988)
R$ 180,00



PARTICIPAÇÃO NA UNIVERSIDADE - RETRATO EM PRETO E BRANCO
SÍLVIA ÂNGELA TEIXEIRA PENTEADO
PIONEIRA
(1991)
R$ 12,00



TEATRO FLUTUANTE 2
EDNA FERBER
SARAIVA
R$ 6,00



INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS
FRANCISCO DA SILVA BORBA
NACIONAL
(1984)
R$ 10,00



MINIATURES DES PREMIERS SIÈCLES DU MOYEN-AGE
JEAN PORCHER
PARIS
(1951)
R$ 90,00



PROJETO GEOMÉTRICO DE RODOVIAS
CARLOS R. T. PIMENTA - MÁRCIO P. OLIVEIRA
RIMA
(2001)
R$ 80,00



A ILUSTRE CASA DE RAMIRES
EÇA DE QUEIRÓS
ESTADÃO/ KILCK
(1999)
R$ 5,99



SUDOKU
COQUETEL
COQUETEL
(2013)
R$ 10,50



JOY
JOY LAUREY
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês