Shows da década (parte 1) | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2000-2009

Terça-feira, 16/3/2010
Shows da década (parte 1)
Diogo Salles

+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ir a shows é quase uma obsessão para mim, sobretudo quando é um artista ou banda que ainda não tive a oportunidade de ver ao vivo. Os DVDs são ok, tenho vários. Aliás, mais justo seria dizer que tenho uma coleção respeitável. E não me canso de assisti-los. O detalhe da câmera que capta perfeitamente aquele solo de guitarra, a interação com o público, ali é o momento em que se pode mensurar a capacidade dos artistas como entertainers e a precisão dos músicos. Mas, no fim, é só um porta-retrato. Se você não puder juntá-lo à lembrança do dia em que você esteve lá no show, o testemunho não é completo. Parto sempre desse pressuposto, pois é no palco que o artista mostra quem ele realmente é ― sem edições, sem truques de estúdio, sem overdubs, sem Pro-tools.

Minha saga em shows até que começou tarde, precisamente no dia 16 de setembro de 1994. Aos 18 anos, meu queixo caiu ao ver o Yes, uma de minhas bandas favoritas (e com a melhor formação, a meu ver), no palco, promovendo o subestimado álbum Talk. Aquilo me despertou para algo definitivo. Difícil explicar, mas algo mudou naquele dia. E mudou para melhor, acredito. Com o orçamento sempre limitado, tive de parar de ir a jogos de futebol para poder ir aos shows. Foi um ótimo negócio, pois o futebol já vinha se tornando um item de segunda ordem há algum tempo para mim. O virtuosismo, a presença de palco, a musicalidade, os solos do Trevor Rabin, os vocais do Jon Anderson e o baixo do Chris Squire me desintoxicaram do tal "ópio do povo". Agora minhas prioridades eram outras. Minha patologia era muito mais saudável e segura, longe da pancadaria das arquibancadas. E, no fim, morar em São Paulo mostrou ter suas compensações: quase todos os grandes shows passam por aqui ― salvo raras exceções, o que me obriga a visitar o Rio de Janeiro, minha segunda casa.

Vasculhando minha gaveta, fui direto ao cemitério de ingressos. Não consegui guardar todos os canhotos, claro, mas os que lá estavam me mostraram uma boa quantidade (com qualidade e variedade) de shows nesses últimos dez anos. Não tenho registros dos anos de 2000 e 2003 ― nem dos canhotos, nem na memória ―, mas em todos os outros eu tenho histórias para contar.

2001 ― Logo em janeiro, fui ao Rio para ver o Sting no Rock in Rio 3. Foi seguramente o show mais bem organizado que já estive em todos os sentidos. Méritos para Roberto Medina, que soube montar a infraestrutura adequada, inclusive com muitos ônibus fretados para a Cidade do Rock, o que evitou os já tradicionais congestionamentos rumo a Jacarepaguá. O Rock in Rio, que acaba de completar 25 anos, é um exemplo de organização para os promotores de espetáculos no Brasil, que ainda insistem em tratar seu público como gado. Quanto ao show, tive de esperar um pouco, pois antes tinha James Taylor e Daniela Mercury. Aproveitei para circular pelas tendas ao redor do palco principal e conhecer alguns dos artistas menos concorridos naquela noite. Sting tocou sucessos da carreira solo e clássicos do Police, além das músicas de seu mais recente disco (na época), o excelente Brand new day. Meses depois, em outubro, fui ao Pacaembu para ver se Eric Clapton era mesmo Deus, como juravam os muros de Londres. E era, mas acho que já disse isso aqui um dia desses.

2002 ― O ano começou com Roger Waters, também no Pacaembu. Uma das poucas vezes que pude constatar uma acústica perfeita, mesmo estando num estádio. Depois eu fui descobrir que Waters trazia equipamento de som próprio na turnê, em vez de alugá-lo no local (como faz a maioria dos artistas). O repertório me agradou bastante, procurando trazer um pouco de cada época do Pink Floyd (que nunca veio ao Brasil), destaques para "Dogs" e "Welcome to the machine", além dos clássicos de Dark side of the moon e The wall. Em maio, tive a chance de ver dois grandes guitarristas de blues num mesmo show. O canadense Jeff Healey abriu a noite mostrando como delineou novos horizontes para a guitarra. Sendo ele cego, introduziu uma técnica de tocar a guitarra deitada no colo, como se fosse um piano (ou uma slide guitar), reinventando, mais uma vez, o instrumento. O timbre da guitarra tem a sua marca própria e os solos são um caso à parte. Healey morreu em 2008 sem o reconhecimento devido, mas pude ver com os meus próprios olhos o que ele, sem os dele, era capaz. Bestial, é a única palavra que cabe aqui. Para fechar a noite (que já estava ganha), Robert Cray, um dos grandes nomes do blues dos anos 80, misturou clássicos do disco Strong Persuader com músicas mais recentes e standards do blues. Uma noite para relembrar.

Em novembro, finalmente a minha banda favorita chegava ao Brasil pela primeira vez e isso merece um parágrafo à parte. Mesmo com o dólar altíssimo na época, comprei ingressos para o show do Rush para mim e para um amigo que pretendia ir... Sim, você leu certo: pretendia. O outro ingresso estava morrendo na minha mão e, na porta do estádio, não conseguia vendê-lo de jeito nenhum. Lá pelas tantas, abordei um sujeito com cara de gringo, que, estranhamente, vinha acompanhado de umas seis mulheres. "Sorry, I don't speak portuguese", disse Peter. Fiz uma nova tentativa, desta vez em inglês. "Ok, follow me", ele disse. Chegamos na frente do portão principal do Morumbi e, depois de alguma espera, Peter voltou com vários crachás backstage pass, como esse que você vê aí na foto. Meus dois ingressos morreram ali ― e eu pouco me importava com o prejuízo. Circulando pelo backstage, vi roadies e equipe técnica se esgoelando pelo rádio tentando fazer o equipamento funcionar. A garoa não estava ajudando em nada e os problemas técnicos puderam ser notados nas primeiras músicas do show, como "Tom Sawyer" e "Roll the bones". Ao lado do palco, vi os caras do Sepultura e conversei brevemente com Derrick Green. Perto do hall de entrada, vi Neil Peart saindo do vestiário, acompanhado por dois seguranças. Quando saí de meu estado de catatonia, era tarde: ele já tinha sumido pelas escadas. Seu solo de bateria é algo sobrenatural. A banda estava afiada, os problemas técnicos foram resolvidos a tempo e o set foi perfeito, contemplando todas as fases da banda. Tinha de ser naquele dia. E tinha de ser com o Rush. O que tinha tudo para dar errado, se tornou, por obra do acaso ― ou do destino, sei lá ― o maior show que já presenciei, com zoom máximo. Uma noite iluminada, que me vem à mente sempre que vejo o DVD Rush in Rio (depois fui saber que o Peter do crachá backstage pass era membro da equipe técnica. Ele aparece no documentário do DVD, segurando uma camiseta vermelha).

2004 ― Depois do hiato em 2003, iniciei a temporada de shows de 2004 em março, com ninguém menos que B.B. King, o rei. Em vias de completar 80 anos, milionário e com a saúde debilitada, por que o velho Riley B. King ainda continuava em turnê (e viajando de ônibus)?. Era só o que eu me perguntava (e continuo me perguntando, já que ele está de volta ao Brasil nesta semana). Não sei se há uma resposta para isso, mas, para mim, é o maior exemplo de amor ao blues e de uma vontade genuína (e infinita) de tocar para os fãs. Sentado durante todo o show, entre uma música e outra ele se desculpou por não poder mais ficar em pé, em decorrência da diabetes e de outros problemas de saúde, mas garantiu que a cabeça e as mãos ainda estavam boas. A voz... mais rouca, impossível. Com uma competentíssima big band (com metais e tudo) apoiando-o, o som era homogêneo e o volume era distribuído igualmente entre todos. Mas quando o homem entrava, a história era outra. O choro de sua Lucille era ocasional, mas certeiro. Era tão limpo que se sobrepunha ao som da banda, mas sem "apagar" nenhum instrumento. Resumindo tudo: respeito, paixão, legado. É uma lenda. É o rei. E essa é a única monarquia que conta com o meu apoio. No mês seguinte, foi a vez de ver o Living Colour. Para a minha geração, que ouvia rock na virada dos anos 80-90, foi uma grande influência. Contei os detalhes desse energético show no Tungcast Living Colour. Para fechar o ano, em dezembro fui ao G3, projeto de Joe Satriani, que sempre trazia dois guitarristas convidados. Dessa vez, eram Steve Vai (um habitué) e Robert Fripp (do King Crimson). Satriani e Vai eu já tinha visto, cada um em seu próprio show (ainda nos anos 90), as surpresas seriam Fripp e a jam session final, o que se revelou uma decepção. Robert "Freak" mais parecia um roadie, se escondendo no fundo do palco, com uma pilha de PA's, emulando timbres de teclado. Teria funcionado nos anos 60 para uma plateia embevecida pelo LSD, mas em 2004 foi estranho, para dizer o mínimo. Por outro lado, pode ter sido bom para fazer uma contraposição a toda a demolição de Satriani e Vai. Mesmo assim, não me tirou a sensação de ter visto o G2.

2005 ― Logo no início do ano (esse canhoto eu perdi), tivemos Lenny Kravitz no Pacaembu, na turnê do fraco álbum Baptism. O show foi morno em alguns momentos, irritante em outros ― especialmente quando ele tirava a camisa para mostrar o seu lado "Bon Jovi negro" para a mulherada. Mas, no geral, a banda era afiada, o som era coeso e Lenny é realmente um grande músico, mesmo com todo o mise-en-scène depondo contra ele. Em maio, fui assistir a um dos guitarristas que mais admiro: George Benson. Mesmo tentando equilibrar seu repertório pop/soul com o seu lado jazz, o lado crooner das baladas românticas saiu na frente, para a minha infelicidade ― que só amenizava quando ele pegava a guitarra para cantarolar os solos em uníssono. Só mais tarde é que despontou aquele grande George Benson dos discos Breezin' e Give me the night. Como manda a tradição, o final do show foi contagiante, ao som de "On Broadway".

Nota do Editor
Leia também " Shows da década (parte 2)".


Diogo Salles
São Paulo, 16/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Um Furto de Ricardo de Mattos
05. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2010
01. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
02. Arte e liberdade - 23/7/2010
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada - 19/1/2010
04. Shows da década (parte 1) - 16/3/2010
05. Shows da década (parte 2) - 20/4/2010


Mais Especial Melhores de 2000-2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2010
19h11min
Olá, Diogo, concordo com você plenamente! Embora tenha também uma coleção respeitável, nós assistimos aquilo que as câmeras captam... mas nosso olhar vai longe quando estamos ali ao vivo e a cores! Vemos e sentimos coisas que só nós mesmos podemos saber e nunca, talvez, conseguiremos transmitir tudo que captamos e absorvemos naquele momento de esquecimento total do mundo lá fora! Será que você me entendeu agora, ou não? Rsrsrs
[Leia outros Comentários de fernanda flores]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFRÃO DA FOME
J.M.G.CLÉZIO
COSACNAIFY
(2018)
R$ 40,00



ANTES QUE OS PÁSSAROS ACORDEM
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 15,90
+ frete grátis



ENQUANTO ESCORRE O TEMPO
PATRICIA GEBRIM
PENSAMENTO
(2010)
R$ 14,90



AS AVENTURAS DE TOM SAWYER
MARK TWAIN AVENTURAS TOM SAWYER
MARTIN CLARET
(2016)
R$ 7,90



OS ENSAIOS - LIVRO III
MICHEL EYQUEM DE MONTAIGNE
MARTINS FONTES
(2001)
R$ 55,00



104 ERROS QUE OS CASAIS NÃO PODEM COMETER
JOSUE GONÇALVES
MENSAGEM PARA TODOS
(2009)
R$ 10,00



SAÚDE: EXERCÍCIO DA VIDA
FRANCISCO BICUDO
SALESIANA
(2013)
R$ 3,00



JOGO DO DINHEIRO - 2ª EDIÇÃO
ADAM SMITH
EXPRESSÃO / CULTURA
(1969)
R$ 8,49



COMO SE ESCREVE? VERBOS VOL 1
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



A CELESTINA
FERNANDO DE ROJAS
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 20,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês