Shows da década (parte 1) | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
>>> A Quebrada É Boa: Monarckas realiza evento que fomenta arte e lazer a partir da cultura hip-hop
>>> III Mostra de Artes do Ensino Médio Técnico do Senac Nações Unidas - “VEREDAS DE NÓS: Crendices, Val
>>> Filmado nos Lençóis Maranhenses, 'Betânia' terá sua primeira sessão no Brasil no Guarnicê
>>> Inscrições abertas para o Noronha2B
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A moral da dúvida em Mirandola e Nietzsche
>>> De Cuba, com carinho
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> Minhas 10 melhores digestões
>>> Sobre o hábito de cutucar o nariz
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
>>> A contradição de João Gilberto
>>> Entrando pelo cânone
Mais Recentes
>>> Análise matemática - Introdução de Duílio Nogueira; Pedro Paulo Marques pela Fae (1984)
>>> Vetores e Matrizes de Nathan Moreira dos Santos pela Impa (1975)
>>> Algebra Linear e Geometria Analitica de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1980)
>>> Mecânica dos Fluídos e Hidráulica - Col. Schaum de Ranald V. Giles pela McGraw Hill
>>> Geometria Analítica de David C, Murdoch pela Livros técnicos e científicos (1975)
>>> Álgebra I - Sequencias progressões logaritmos de Cid A. Guelli pela Moderna
>>> Equações Diferenciais de Sérgio A. Abunahman pela Livros técnicos e científicos (1982)
>>> Como Melhorar a Sua Memória de Michael Fidlow pela Record (1961)
>>> O Homem Demolido de Alfred Bester pela Nova Fronteira (1978)
>>> Vive-se uma só vez? A reencarnação documentada... de Jeffrey Iverson pela Expressão e Cultura (1979)
>>> Um Herói do Holocausto (A lista de Schindler) de Thomas Keneally pela Record
>>> Casos Clínicos Em Medicina De Emergência de Eugene C Toy pela Mcgraw-hill Brasil (2014)
>>> ABC do ECG de Carlos Alberto Pastore pela Medcel (2013)
>>> Primeiros Passos Com A Bíblia de Paulo Bazaglia pela Paulus (2001)
>>> Dicionário Da Biblia De Almeida de Bible Society Of Brazil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2016)
>>> Emergências clínicas: abordagem prática de Herlon Saraiva Martins pela Manole (2009)
>>> Acuarela de Michael Clarke pela Blume (1994)
>>> The New Self-Sufficient Gardener de John Seymour pela Dk (2008)
>>> Antoni Gaudí - Une Vie en Architecture de Rainer Zerbst pela Taschen (1993)
>>> Dicionário de Artes Decorativas e Decoração de Interiores de Stella Rodrigo Octavio Moutinho, Rubia Braz Bueno do Prado, Ruth Rodrigo Octavio Londres pela Nova Fronteira (1999)
>>> Brasil Globalizado - O Brasil Em Um Mundo Surpreendente de Octavio de Barros; Fabio Giambiagi (org) pela Campus (2008)
>>> H. Dantas, 90 Anos - Uma História na Navegação Brasileira de Luiz Antonio Aguiar, Lucia Brandão pela Andrea Jakobsson (2006)
>>> 101 Plantas Para Sombra de Coord. Valerio Romahn pela Europa (2008)
>>> The History of the American Bureau of Shipping 150th Anniversary de Diversos Autores pela Abs (2013)
>>> Cancioneiro de Francesco Petrarca pela Ateliê Editorial (2014)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2000-2009

Terça-feira, 16/3/2010
Shows da década (parte 1)
Diogo Salles
+ de 7700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ir a shows é quase uma obsessão para mim, sobretudo quando é um artista ou banda que ainda não tive a oportunidade de ver ao vivo. Os DVDs são ok, tenho vários. Aliás, mais justo seria dizer que tenho uma coleção respeitável. E não me canso de assisti-los. O detalhe da câmera que capta perfeitamente aquele solo de guitarra, a interação com o público, ali é o momento em que se pode mensurar a capacidade dos artistas como entertainers e a precisão dos músicos. Mas, no fim, é só um porta-retrato. Se você não puder juntá-lo à lembrança do dia em que você esteve lá no show, o testemunho não é completo. Parto sempre desse pressuposto, pois é no palco que o artista mostra quem ele realmente é ― sem edições, sem truques de estúdio, sem overdubs, sem Pro-tools.

Minha saga em shows até que começou tarde, precisamente no dia 16 de setembro de 1994. Aos 18 anos, meu queixo caiu ao ver o Yes, uma de minhas bandas favoritas (e com a melhor formação, a meu ver), no palco, promovendo o subestimado álbum Talk. Aquilo me despertou para algo definitivo. Difícil explicar, mas algo mudou naquele dia. E mudou para melhor, acredito. Com o orçamento sempre limitado, tive de parar de ir a jogos de futebol para poder ir aos shows. Foi um ótimo negócio, pois o futebol já vinha se tornando um item de segunda ordem há algum tempo para mim. O virtuosismo, a presença de palco, a musicalidade, os solos do Trevor Rabin, os vocais do Jon Anderson e o baixo do Chris Squire me desintoxicaram do tal "ópio do povo". Agora minhas prioridades eram outras. Minha patologia era muito mais saudável e segura, longe da pancadaria das arquibancadas. E, no fim, morar em São Paulo mostrou ter suas compensações: quase todos os grandes shows passam por aqui ― salvo raras exceções, o que me obriga a visitar o Rio de Janeiro, minha segunda casa.

Vasculhando minha gaveta, fui direto ao cemitério de ingressos. Não consegui guardar todos os canhotos, claro, mas os que lá estavam me mostraram uma boa quantidade (com qualidade e variedade) de shows nesses últimos dez anos. Não tenho registros dos anos de 2000 e 2003 ― nem dos canhotos, nem na memória ―, mas em todos os outros eu tenho histórias para contar.

2001 ― Logo em janeiro, fui ao Rio para ver o Sting no Rock in Rio 3. Foi seguramente o show mais bem organizado que já estive em todos os sentidos. Méritos para Roberto Medina, que soube montar a infraestrutura adequada, inclusive com muitos ônibus fretados para a Cidade do Rock, o que evitou os já tradicionais congestionamentos rumo a Jacarepaguá. O Rock in Rio, que acaba de completar 25 anos, é um exemplo de organização para os promotores de espetáculos no Brasil, que ainda insistem em tratar seu público como gado. Quanto ao show, tive de esperar um pouco, pois antes tinha James Taylor e Daniela Mercury. Aproveitei para circular pelas tendas ao redor do palco principal e conhecer alguns dos artistas menos concorridos naquela noite. Sting tocou sucessos da carreira solo e clássicos do Police, além das músicas de seu mais recente disco (na época), o excelente Brand new day. Meses depois, em outubro, fui ao Pacaembu para ver se Eric Clapton era mesmo Deus, como juravam os muros de Londres. E era, mas acho que já disse isso aqui um dia desses.

2002 ― O ano começou com Roger Waters, também no Pacaembu. Uma das poucas vezes que pude constatar uma acústica perfeita, mesmo estando num estádio. Depois eu fui descobrir que Waters trazia equipamento de som próprio na turnê, em vez de alugá-lo no local (como faz a maioria dos artistas). O repertório me agradou bastante, procurando trazer um pouco de cada época do Pink Floyd (que nunca veio ao Brasil), destaques para "Dogs" e "Welcome to the machine", além dos clássicos de Dark side of the moon e The wall. Em maio, tive a chance de ver dois grandes guitarristas de blues num mesmo show. O canadense Jeff Healey abriu a noite mostrando como delineou novos horizontes para a guitarra. Sendo ele cego, introduziu uma técnica de tocar a guitarra deitada no colo, como se fosse um piano (ou uma slide guitar), reinventando, mais uma vez, o instrumento. O timbre da guitarra tem a sua marca própria e os solos são um caso à parte. Healey morreu em 2008 sem o reconhecimento devido, mas pude ver com os meus próprios olhos o que ele, sem os dele, era capaz. Bestial, é a única palavra que cabe aqui. Para fechar a noite (que já estava ganha), Robert Cray, um dos grandes nomes do blues dos anos 80, misturou clássicos do disco Strong Persuader com músicas mais recentes e standards do blues. Uma noite para relembrar.

Em novembro, finalmente a minha banda favorita chegava ao Brasil pela primeira vez e isso merece um parágrafo à parte. Mesmo com o dólar altíssimo na época, comprei ingressos para o show do Rush para mim e para um amigo que pretendia ir... Sim, você leu certo: pretendia. O outro ingresso estava morrendo na minha mão e, na porta do estádio, não conseguia vendê-lo de jeito nenhum. Lá pelas tantas, abordei um sujeito com cara de gringo, que, estranhamente, vinha acompanhado de umas seis mulheres. "Sorry, I don't speak portuguese", disse Peter. Fiz uma nova tentativa, desta vez em inglês. "Ok, follow me", ele disse. Chegamos na frente do portão principal do Morumbi e, depois de alguma espera, Peter voltou com vários crachás backstage pass, como esse que você vê aí na foto. Meus dois ingressos morreram ali ― e eu pouco me importava com o prejuízo. Circulando pelo backstage, vi roadies e equipe técnica se esgoelando pelo rádio tentando fazer o equipamento funcionar. A garoa não estava ajudando em nada e os problemas técnicos puderam ser notados nas primeiras músicas do show, como "Tom Sawyer" e "Roll the bones". Ao lado do palco, vi os caras do Sepultura e conversei brevemente com Derrick Green. Perto do hall de entrada, vi Neil Peart saindo do vestiário, acompanhado por dois seguranças. Quando saí de meu estado de catatonia, era tarde: ele já tinha sumido pelas escadas. Seu solo de bateria é algo sobrenatural. A banda estava afiada, os problemas técnicos foram resolvidos a tempo e o set foi perfeito, contemplando todas as fases da banda. Tinha de ser naquele dia. E tinha de ser com o Rush. O que tinha tudo para dar errado, se tornou, por obra do acaso ― ou do destino, sei lá ― o maior show que já presenciei, com zoom máximo. Uma noite iluminada, que me vem à mente sempre que vejo o DVD Rush in Rio (depois fui saber que o Peter do crachá backstage pass era membro da equipe técnica. Ele aparece no documentário do DVD, segurando uma camiseta vermelha).

2004 ― Depois do hiato em 2003, iniciei a temporada de shows de 2004 em março, com ninguém menos que B.B. King, o rei. Em vias de completar 80 anos, milionário e com a saúde debilitada, por que o velho Riley B. King ainda continuava em turnê (e viajando de ônibus)?. Era só o que eu me perguntava (e continuo me perguntando, já que ele está de volta ao Brasil nesta semana). Não sei se há uma resposta para isso, mas, para mim, é o maior exemplo de amor ao blues e de uma vontade genuína (e infinita) de tocar para os fãs. Sentado durante todo o show, entre uma música e outra ele se desculpou por não poder mais ficar em pé, em decorrência da diabetes e de outros problemas de saúde, mas garantiu que a cabeça e as mãos ainda estavam boas. A voz... mais rouca, impossível. Com uma competentíssima big band (com metais e tudo) apoiando-o, o som era homogêneo e o volume era distribuído igualmente entre todos. Mas quando o homem entrava, a história era outra. O choro de sua Lucille era ocasional, mas certeiro. Era tão limpo que se sobrepunha ao som da banda, mas sem "apagar" nenhum instrumento. Resumindo tudo: respeito, paixão, legado. É uma lenda. É o rei. E essa é a única monarquia que conta com o meu apoio. No mês seguinte, foi a vez de ver o Living Colour. Para a minha geração, que ouvia rock na virada dos anos 80-90, foi uma grande influência. Contei os detalhes desse energético show no Tungcast Living Colour. Para fechar o ano, em dezembro fui ao G3, projeto de Joe Satriani, que sempre trazia dois guitarristas convidados. Dessa vez, eram Steve Vai (um habitué) e Robert Fripp (do King Crimson). Satriani e Vai eu já tinha visto, cada um em seu próprio show (ainda nos anos 90), as surpresas seriam Fripp e a jam session final, o que se revelou uma decepção. Robert "Freak" mais parecia um roadie, se escondendo no fundo do palco, com uma pilha de PA's, emulando timbres de teclado. Teria funcionado nos anos 60 para uma plateia embevecida pelo LSD, mas em 2004 foi estranho, para dizer o mínimo. Por outro lado, pode ter sido bom para fazer uma contraposição a toda a demolição de Satriani e Vai. Mesmo assim, não me tirou a sensação de ter visto o G2.

2005 ― Logo no início do ano (esse canhoto eu perdi), tivemos Lenny Kravitz no Pacaembu, na turnê do fraco álbum Baptism. O show foi morno em alguns momentos, irritante em outros ― especialmente quando ele tirava a camisa para mostrar o seu lado "Bon Jovi negro" para a mulherada. Mas, no geral, a banda era afiada, o som era coeso e Lenny é realmente um grande músico, mesmo com todo o mise-en-scène depondo contra ele. Em maio, fui assistir a um dos guitarristas que mais admiro: George Benson. Mesmo tentando equilibrar seu repertório pop/soul com o seu lado jazz, o lado crooner das baladas românticas saiu na frente, para a minha infelicidade ― que só amenizava quando ele pegava a guitarra para cantarolar os solos em uníssono. Só mais tarde é que despontou aquele grande George Benson dos discos Breezin' e Give me the night. Como manda a tradição, o final do show foi contagiante, ao som de "On Broadway".

Nota do Editor
Leia também " Shows da década (parte 2)".


Diogo Salles
São Paulo, 16/3/2010

Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2010
01. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
02. Arte e liberdade - 23/7/2010
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada - 19/1/2010
04. Shows da década (parte 1) - 16/3/2010
05. Shows da década (parte 2) - 20/4/2010


Mais Especial Melhores de 2000-2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2010
19h11min
Olá, Diogo, concordo com você plenamente! Embora tenha também uma coleção respeitável, nós assistimos aquilo que as câmeras captam... mas nosso olhar vai longe quando estamos ali ao vivo e a cores! Vemos e sentimos coisas que só nós mesmos podemos saber e nunca, talvez, conseguiremos transmitir tudo que captamos e absorvemos naquele momento de esquecimento total do mundo lá fora! Será que você me entendeu agora, ou não? Rsrsrs
[Leia outros Comentários de fernanda flores]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direito Previdenciário - Série Concursos Públicos
Wagner Balera
Método
(2014)



Livro Literatura Estrangeira Morreste-me
José Luís Peixoto
Dublinense
(2015)



O Afegão
Frederick Forsyth
Record
(2007)



Coleção Sigmund Freud 20 Livros Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas Além do Príncipio do Prazer + O Mal-Estar na Civilização e Outros Trabalhos + Moisés e o Monoteísmo + O Caso Schreber
Sigmund Freud; Anna Freud; James Strachey
Imago
(1969)



Pensamentos de Sabedoria
Wayne W. Dyer
Nova Era
(2002)



O Egito dos Faraós e Sacerdotes
Raquel dos Santos Funari
Atual
(2001)



Ravensbruck - A História do Campo de Concentração Nazista para Mulheres
Sara Helm
Record
(2017)



O corpo em off: A doença e as práticas psi na pediatria hospitalar
Cristina Surani Mora Capobianco
Estação Liberdade
(2003)



Revista Photo Magazine Fotografia é arte flying houses - n 50
Sem Autor
Photos
(2013)



Nada De Presente
Patrick McDonnell
Girafinha
(2009)





busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês