Um rancho e um violão | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
>>> ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES ONLINE DO ESPETÁCULO O DESMONTE
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A PROPÓSITO DE UM POEMA
>>> Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro
>>> Jornalista, um bicho de 7 cabeças e 10 chifres
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O amigo do escritor
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> SemiÓtica
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Mais Recentes
>>> O Uraguai de Basílio Gama pela Leitura XXI (2009)
>>> Dexter Design de Um Assassino de Jeff Lindsay pela Planeta (2011)
>>> Dexter no Escuro de Jeff Lindsay pela Planeta (2010)
>>> Querido e Devotado Dexter de Jeff Lindsay pela Planeta (2009)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Sextante (2007)
>>> Querida Filha de Elizabeth Little pela Rocco (2017)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Viver é coisa Perigosa - Orientações para soluções de conflitos de Guilherme Schelb pela Do autor (2008)
>>> Contos (Literatura Francesa) de Voltaire pela Nova Cultural (2003)
>>> Mulherzinhas (Literatura Norteamericana) de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> O morro dos ventos uivantes (Literatura Inglesa/Britânica) de Emily Brontë pela Nova Cultural (2003)
>>> Naná (Literatura Francesa) de Emile Zola pela Nova Cultural (2003)
>>> Babbitt (Literatura norteamericana) de Siclair Lewis pela Nova Cultural (2003)
>>> Ivanhoé (Literatura Escocesa/Britânica) de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> A mulher de Trinta Anos (Literatura Francesa) de Honorè de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Razão e Sensibilidade (Literatura Inglesa) de Jane Austen pela Nova Cultural (2003)
>>> Tom Jones (Literatura Inglesa) de Henry Fielding pela Nova Cultural (2003)
>>> Ninguém escreve ao coronel de Gabriel Garcia Marques pela Record (2014)
>>> Tragédias - Romeu e Julieta/Macbeth/Otelo, o mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Mazzaropi - Uma antologia do riso (Humorismo/Cinema brasileiro) de Paulo Duarte pela Imprensa oficial (2009)
>>> Cordel - Poeta Severino José (Literatura de Cordel) de Luiz de Assis Monteiro (Introdução e antologia) pela Hedra (2001)
>>> STP- Socialismo Teoria Y Prática 2 Febrero -1987 de Ekaterina Shalaieva pela Agência Prensa Nóvosti (1987)
>>> Moll Flanders de Daniel Defoe pela Nova Cultural (2003)
>>> Preceitos Áureos do Esoterismo de G. de Purucker pela Lorenz (1991)
>>> A Metamorfose de Franz Kafka pela Nova Cultural (2002)
>>> Macroeconomia de Olivier Blanchard pela Campus (1999)
>>> Energias Além das Formas de Marly Del Corona pela Casa Editorial Schimidt (1994)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Nova Cultural (2002)
>>> Noites do Sertão de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1976)
>>> A Arte da Ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> Farmacologia Clínica para Dentistas 2ªed. de Lenita Wannmacher - Maria Beatriz Cardoso Ferreira pela Guanabara Koogan (1999)
>>> Signos em Rotação de Octavio Paz pela Perspectiva (1990)
>>> Mulheres Empilhadas de Patrícia Melo pela Leya (2019)
>>> Extraordinário de R,J Palacio pela Intríseca (2014)
>>> O Homem Revoltado de Albert Camus pela Record (1996)
>>> Antologia Meus Contos Preferidos de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (2004)
>>> Educar Professores? de Beatriz Alexandrina de Moura Fétizon pela Universidade de São Paulo (1984)
>>> A Geração das Palavras: Skinner e Chomsky Vol 25 de Maria da Penha Villalobos pela Universidade de São Paulo (1986)
>>> A Televisão e os Adolescentes A Sedução dos Inocentes Vol 22 de Heloisa Dupas Penteado pela Universidade de São Paulo (1983)
>>> Revista do Instituto de Estudos Brasileiros n. 41 de Prof. Dra. Marta Rossetti Batista (Diretora) pela Universidade de São Paulo (1996)
>>> Os Ministérios na Igreja dos Pobres de Alberto Parra S. J. pela Vozes (1991)
>>> Direitos Humanos Direitos dos Pobres de Leonardo Boff e Outros pela Vozes (1991)
>>> A Cristandade Colonial Mito e Ideologia de Riolando Azzi pela Vozes (1987)
>>> A Militarização da Questão Agrária no Brasil de José de Souza Martins pela Vozes (1984)
>>> Holocausto Desafio à Teologia Cristã de S. Shapiro e Outros pela Vozes (1984)
>>> Odontopediatria 7ªed. de Ralph E. Mcdonald- David R. Avery pela Guanabara Koogan (2001)
>>> O Poder dos Donos de Marcel Bursztyn pela Vozes (1984)
>>> Homenagem a Ugo Foscolo Omaggio de Elvira Rina M. Ricci Professora Responsável pela Universidade de São Paulo (1979)
>>> No País das Fadas e Outras Histórias Fantásticas de H. G. Wells pela Paulicéia (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/9/2005
Um rancho e um violão
Eduardo Carvalho

+ de 5800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Assisti a três filmes recentemente que me marcaram muito: Barry Lyndon, Leopardo e Dois Filhos de Francisco. Não acho que estão todos na mesma categoria. O primeiro foi uma lição estética; o segundo, um discurso moral; já Dois Filhos de Francisco foi principalmente uma educação sentimental. A história de Zezé di Camargo & Luciano é um exemplo de como a esperança e a persistência individuais podem superar os limites de um ambiente pequeno. O que menos importa no filme é se a música deles é boa ou bonita. As principais dificuldades da dupla são muito parecidas com a de muitos grandes artistas, ou, se quiser, pessoas de sucesso - falta de apoio inicial, mesmo dos amigos e do público; pouco ou nenhum dinheiro para bancar o risco do começo; acidentes traumáticos que quase enterram sonhos. A experiência de Zezé di Camargo & Luciano não é restrita ao universo musical nem sertanejo. O drama da dupla é universal.

Dois Filhos de Francisco tem todas as características para ser maltratado pela crítica mais decente. A história é convencional e sentimental. Uma família da roça, pobre e enorme; um pai que quer que os filhos se destaquem na música para sair da mediocridade, e se dedica incansavelmente a isso; um dos meninos que formava a primeira dupla da família morre; o outro segue uma carreira de pequeno sucesso, solitária; até que um terceiro irmão propõe uma parceria, eles formam outra dupla e - sempre com a força do pai - se transformam em Zezé di Camargo & Luciano. O enredo é banal. Mas o que importa é que ele é verdadeiro, real. E por isso é impressionante. É um clichê, por exemplo, a cena dos dois meninos cantando na rodoviária, tristes, e aos poucos emocionando as pessoas em volta. Só que aconteceu assim. E se a arte proíbe cenas batidas e é, na essência, inimiga dos clichês, a vida está cheia deles. Ou milhões de pessoas não teriam se encantado com uma música chamada "É o amor...".

Eu gostaria muito, aliás, que esse estilo sertanejo, brega como é, fosse mais bem recebido por quem comanda o bom gosto musical no Brasil. Fiquei contente, portanto, que Caetano Veloso tenha assinado a trilha sonora do filme. Mas essas duplas merecem mais. Tem muito samba fraco, por exemplo, que é respeitado - especialmente por quem se considera elegante - só porque vem do povo. E a música sertaneja moderna, contemporânea, é desprezada com insistência, porque se romantizou e se misturou com country para vender mais. Quer dizer: para se adaptar ao "gosto do povo". Não vejo problema nenhum nisso. Quem se diz com gosto variado, elástico, que gosta tanto do erudito quanto do popular, precisa entender que não há nada mais popular do que esse romantismo caipira.

Zezé di Camargo & Luciano são muito mais autênticos do que a maioria dos cantores de suposta qualidade que apareceram ultimamente. O sorriso e o choro dos seus fãs - nos shows e, agora, nos cinemas - é impossível de ser simulado. São sempre expressões honestas, de gente que trabalhou e sofreu, e que se identifica com a historia da dupla. Não me interessa se o cinto do Luciano é cafona ou se ele deveria abotoar a camisa dois furos acima. Não importa que as notas e os versos de suas musicas sejam simples. A emoção despertada é verdadeira. Estamos todos liberados para chorar no final.

Não existe outra igual no sertão

Há três anos eu não ia para a Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. O auge da Festa foi de 97 a 99, quando ainda, quem se lembra?, existia os Amigos: Leandro & Leonardo, Chitãozinho & Xororó e Zezé di Camargo & Luciano - todos juntos no palco. É engraçado como ainda hoje, em São Paulo, esbarro com gente que estava naquele show relâmpago do Garth Brooks, em 98. Você encontrava lá aquele pessoal com quem estudou na escola, os amigos do cursinho, do clube; os amigos dos amigos e aquelas pessoas que você vê em todos os lugares, mas não sabe o nome. Os ranchos estavam cheios de atores, cantores, jornalistas, empresários famosos. A gente saía de São Paulo na sexta-feira à tarde, com motorista, para aproveitar a noite de sexta e o fim-de-semana em Barretos. Nos postos de gasolina, na estrada, você já ia falando com todo mundo.

Depois parece que a moda country desapareceu; ficou brega. Barretos lotou ainda mais e a Festa cresceu mais rápido do que a sua estrutura suportava. Pegou fama de ser uma bagunça e de só ter homem. Conseqüentemente - em 2000, mais ou menos -, a freqüência diminuiu. Eu mesmo, como disse, não estive lá nos últimos anos. Mas sabia que o modelo da Festa foi melhorando. Como se fosse para, agora, na comemoração de 50 anos, a Festa de Barretos se recuperar integralmente. Fiquei contente em ver o Rodeio lotado; em rever amigos que há anos não passavam por lá; em reparar que o Parque do Peão está mais limpo, organizado. Muita gente em São Paulo querendo voltar a (ou conhecer) Barretos.

Talvez a novela tenha ajudado. Só que a Festa não atravessou 50 anos se apoiando em moda apenas. A principal atração, desde que tudo começou, é o rodeio. Que é uma espécie de mistura de carnaval com tourada. Muita música, muito barulho, muita propaganda, muita gente, num ambiente que, para uma única pessoa, é de altíssimo risco. O clima do evento é interessante, curioso. Não tem nada igual em nenhuma cidade grande nem em outro país. Aquele Brasil profundo, simples e honesto, aliás, que muita gente procura nos cinemas de São Paulo, está praticamente inteiro em Barretos. Basta ir lá e ver.

Enquanto isso, na capital

A abertura do Feira de Arte e Antiguidade do A Hebraica, dia 16 de agosto, estava completa. Nenhum estereótipo paulistano faltou. O banqueiro em silêncio, a decoradora escandalosa, o curador amigo-de-todo-mundo, o professor colunista da Veja, as senhoras plastificadas, o artista que mora em Paris, o técnico do Palmeiras - estavam todos lá. Faltou aquela galeria de Nova York, que no ano passado trouxe Picasso e Chagall para vender em São Paulo. Neste ano, um rabisco de Renoir, um óleo sobre madeira do Guignard, vários Di Cavalcanti, Volpi, Carybé, Portinari, Pancetti. Alguns móveis e esculturas art déco bacanas. Tudo convencional demais. Inclusive o Museu Afro Brasil, que expunha em sala especial. E muito pequena a homenagem a Berlim, pela abertura que o tema - a cidade - permite. Podia ser diferente?


Eduardo Carvalho
São Paulo, 2/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
03. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
04. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
05. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2005
13h04min
A musica sertaneja nao precisa ser sancionada por criticos para ser aceita no Brasil. Senao, porque nao sancionar o Axe', e todas as novidades baianas? Musica e' musica. Mas a musica sertaneja, com rarissimas excecoes, e' repetitiva, e pouco criativa melodicamente. Por isso, vai sempre ser esquecida. Quando o sertanejo encontrar um jeito de fluir criativamente, sem ser a mera copia das musicas country ou um xitaozinho, ai' vamos ter algo de maior valor... Quanto ao filme, acho que e' um pouco maniqueista. Uma historia, por ser real, nao valida um filme. Nao traduz a qualidade de um filme ou mesmo o tipo de reflexao que um filme pode levar. Neste filme, basicamente voce sai da sala de cinema sentindo simpatia pela dupla. Mas nao era necessario sentar duas horas na sala para ser manipulado emocionalmente para isso... Uma historia dificil de sucesso e' candidato complicado para um bom filme, pois periga se tornar melodrama barato. Parabens 'a dupla pelo sucesso, e persistencia para chegar la'. Mas isso nao vinga nem a musica deles, nem o filme deles... Senao, poderia ficar aqui defendendo o Milken, o urubu do mercado financeiro internacional, que comecou do nada, e era bilhardario explorando o sistema internacional, e logo quebrou tudo devido 'a falta de qualidade de seu trabalho... Sucesso nao valida comportamento. Tomara que um dia aprendamos isso no Brasil, especialmente na critica cultural.
[Leia outros Comentários de Ram]
8/9/2005
04h49min
Sem dúvida, Eduardo Carvalho tem toda razão: o que existe de sambinha e roquinho péssimos sendo saudados como música de qualidade apenas por serem samba e rock não está escrito. Zezé di Camargo é um grande compositor popular, um grande talento musical bruto que lapidou a si mesmo, como Luiz Gonzaga e Roberto Carlos são e, mesmo assim, enfrentaram enorme preconceito até serem aceitos pela elite intelectual. Os bossa-novistas tinham horror ao baião de Gonzaga. Até o dia em que os tropicalistas e um Quinteto Violado redescobriram o Velho Lua e contribuíram para levar sua música simples, mas muitas vezes sublime, para as melhores salas de concerto, inclusive as de música erudita. Certa vez, num concerto em Goiânia, com a Orquestra Sinfônica local, regida pelo maestro Joaquim Jayme, o grande Sivuca contou ter executado "Asa Branca", numa versão sua para concerto e sanfona, com uma orquestra de câmara da Suécia e, durante a execução, a spalla da orquestra chorava, emocionada. Vejam que cena: uma violinista sueca chorando ao executar a música de um sanfoneiro pé-serra, quase analfabeto, do sertão do Brasil. No filme se pode perceber que algumas músicas de Zezé di Camargo têm essa mesma força de "Asa Branca", com a diferença de que "Asa Branca" traduz a emoção coletiva de um povo, enquanto "É o Amor", por exemplo, expressa autenticamente sentimentos individuais, mão menos legítimos do que os coletivos. Por outro lado, ao contrário do que acredita a grande maioria dos intelectuais contemporâneos, a beleza não é inimiga das lágrimas, pelo contrário - freqüentemente são irmãs siamesas. Eu me emocionei com "2 Filhos de Francisco". Ele dignifica o Brasil profundo dos Sertões de Rosa, que vai do norte do Paraná até Goiás e tem seu cerne no interior de São Paulo. E, além do mérito do diretor, há também muito mérito na decisão de Zezé di Camargo de convidar Caetano Veloso para fazer a trilha sonora do filme. Caetano, como sempre, demonstrou que é mesmo um mestre e soube dialogar com a cultura do interior do Brasil. (José Maria e Silva, Goiânia, Goiás, Brasil)
[Leia outros Comentários de José Maria e Silva]
12/9/2005
12h19min
Admiro muito quem goste dessa trama sertaneja desenvolvida no filme "2 filhos de Francisco", mas não vejo como o melhor filme basileiro do momento. É claro que com a importância da música sertaneja para nossa cultura não pode ser negada, entretanto, vale a pena refletir se toda essa história não foi adaptada para uma realidade lúdica, onde as estrelas da música sertaneja possam posar de biográficos heróis do regionalismo popular.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
13/9/2005
08h45min
Assisti ao filme, retrata muito bem a realidade brasileira. O sofrimento daquela família sem dúvida foi maior do que o mostrado. A força de vontade que venceu o desespero, adorei.
[Leia outros Comentários de Vera Lúcia Alves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PRÍNCIPE
NICOLAU MAQUIAVEL
PRINCIPIS
(2019)
R$ 14,00



SEDES DA COPA
STEPHAN CAMPINEIRO E DANIEL GONÇALVES
ARTE ENSAIO
(2012)
R$ 14,00



GUIA DO EMPREENDEDOR ESTRANGEIRO NA CHINA
JUAN ANTONIO FERNANDEZ- SHENGJUN
LEAP
(2010)
R$ 29,00



BELEZA SUSTENTÁVEL: COMO PENSAR, AGIR E PERMANECER JOVEM
CARLA GÓES SOUZA PÉREZ
INTEGRARE
(2010)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DE DECISÕES TRABALHISTAS - 19ª EDIÇÃO
B. CALHEIROS BOMFIM E OUTROS
TRABALHISTAS
(1997)
R$ 5,00



OBESIDADE, NUTRIÇÃO E DIETA
DR. EMÍLIO PERES
CAMINHO
(1982)
R$ 12,00



LIÇÕES DE VIDA
ANNE TYLER
ED. IMAGO
(1989)
R$ 5,00



A BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 5,00



DIREITO DO TRABALHO
PEDRO PAULO TEIXEIRA MANUS
ATLAS
(1999)
R$ 5,90



OS DEZ MANDAMENTOS
LORON WADE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 15,00





busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês