Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
>>> Acordo Internetês Ortográfico
Mais Recentes
>>> Nintendo world--25--2 anos--fomos ao japao e trouxemos todas as informaçoes sobre os dois novos consoles de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--12--shadow man de Conrad pela Conrad
>>> Xbox--87--xbox one de Europa pela Europa
>>> Xbox--113--call of duty de Europa pela Europa
>>> Xbox--103--the witcher rild hunt 3 de Europa pela Europa
>>> Xbox--109--74 jogos matadores de Europa pela Europa
>>> Xbox--104--tomb raider de Europa pela Europa
>>> Xbox--107--star wars--battlefront de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--80--assassins creed iv:black flag de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--76--devil may cry de Europa pela Europa
>>> Xbox--96--battlefield hardline de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--82--titanfall de Europa pela Europa
>>> Playstation--21--tudo sobre a loirinha sensual de Europa pela Europa
>>> Playstation--194--assassi creed:unity de Europa pela Europa (2014)
>>> Xbox--106--mortal kombat x de Europa pela Europa
>>> Xbox--111--quantum break de Europa pela Europa
>>> A quinta raça de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A sabedoria interior de Irving oyle/susan jean pela Cultrix/pensamento
>>> Os sonhos de Quevedo pela Escala
>>> Tempo de retiro e tempo de vigilia de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Erich von daniken em julgamento--polemica e discussao em todo o mundo--os deuses habtitaram a terra? de Melhoramentos pela Melhoramentos
>>> Projeçoes da consciencia de Waldo vieira pela Ak (1981)
>>> Ide e evangelizai os batizados de Jose h. prado flores pela Loyola
>>> Voce e aquilo que pensa de Jose sometti pela Cidade nova
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
>>> Em busca da vitoria de Darwin junior pela Ab
>>> O fogo criador de J. j. van der leeuw pela Pensamento
>>> Isaac Newton e sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia das Letras (2011)
>>> Hei de vencer de Arthur riedel pela Pensamento
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (2010)
>>> Sou uma adolescente de Nuria roca pela Arxjovem
>>> O Grande Desafio de Pedro Bandeira pela Ática (2008)
>>> Bernardo o higgins de Gabriel passeti pela Nao consta
>>> Cadernos do beiral de Euclides sandoval pela Camara clara
>>> Papai Não é Perfeito de Sonia Salerno Forjas pela FTD (2007)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediçoes de ouro
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática (2001)
>>> Bat Pat - O Vampiro Dançarino de Roberto Pavanello pela Fundamento (2010)
>>> O Mistério dos Diamantes de Martin Widmark pela Callis (2011)
>>> Liga da Justiça da América #13 (Universo DC Renascimento) de Steve Orlando pela Panini Comics (2019)
>>> Jovens Titãs #19 (Universo DC Renascimento) de Benjamin Percy pela Panini Comics (2019)
>>> Superman # 1 (Universo DC) de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2019)
>>> Superman # 21 (Universo DC Renascimento) de James Robinson pela Panini Comics (2018)
>>> A Turma dos Tigres - Cavalos Assombrados de Thomas C.Brezina pela Ática (2014)
>>> Titãs #3 (Universo DC Renascimento) de Dan Abnett pela Panini Comics (2018)
>>> Quem Tem Medo de Escuro ? de Sidney Sheldon pela Record (2004)
>>> Manhã, Tarde & Noite de Sidney Sheldon pela Record (2005)
>>> Um Capricho dos Deuses de Sidney Sheldon pela Record (2006)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Record (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/11/2006
Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa
Tais Laporta

+ de 13300 Acessos

O mundo particular de Grande Sertão: Veredas (1956), do mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967), está exposto em uma sala árida de 480 metros quadrados. De portas abertas em São Paulo desde março de 2006, o Museu da Língua Portuguesa dedica todo seu primeiro andar a esse enigma em forma de livro. E mostra aos visitantes que a saga do jagunço Riobaldo não é impenetrável, dentro de uma proposta que funde linguagem e arte. O espaço caminha tão bem, que foi considerado o primeiro museu do mundo dedicado exclusivamente a um idioma. Agora, homenageia o primeiro escritor a reinventar a língua de um país.

Organizada pela curadora Bia Lessa, a exposição coincide com os 50 anos do livro (leia as Colunas do Especial Guimarães Rosa). Logo na entrada, a atmosfera convida a sentir o clima do sertão: cores cruas e texturas ásperas no chão, nas paredes e nas janelas. Algo que lembra o som de um vasto campo ressoa nos fundos, quase imperceptível. Mas o que prevalece é o carnaval de letras espalhadas por todos os cantos. De perto, elas ganham sentido. "A linguagem e a vida são uma coisa só. Quem não fizer do idioma o espelho de sua personalidade, não vive". São os esboços do escritor, dispostos com todo cuidado das formas mais criativas.

A íntegra do manuscrito de Grande Sertão, com correções feitas a mão pelo autor, desce do teto em cartazes ampliados. Os tijolos, os vidros e a terra vermelha, todos merecem uma inscrição grafada pelas palavras de Guimarães. No fundo de latões enferrujados, a narrativa dança debaixo d'água. O lixo caótico também abriga trechos do livro. Até os banheiros completam a mostra, com comentários em vídeo de Paulo Mendes da Rocha, Antonio Candido e Décio Pignatari. As 14 últimas páginas do livro são narradas pelo timbre de Maria Bethânia. É assim que a exposição tenta chamar a atenção do visitante para o universo longínquo e desconhecido do sertão. Dentro dele, um mundo ainda mais profundo: o da linguagem como nunca se viu.

Nos rabiscos em caneta, nota-se a obstinação do autor por um vocabulário perfeito, que encaixasse a outros na medida exata, como em uma equação matemática. Apesar da profunda abstração da sua narrativa e da liberdade com que fundia palavras de diferentes classes gramaticais, não faltava lógica nessa ciência vocabular. Isso explica, talvez, porque os leitores de Guimarães parecem ter voltado de uma longa viagem. É como se desbravassem uma selva intocada, que só a obsessão máxima pela linguagem é capaz de permitir. Tanto que Grande Sertão é considerada uma obra mais do que prima.

Ou, então, um oceano de conhecimento. "Falo: português, alemão, francês, espanhol, italiano, esperanto, um pouco de russo; leio: sueco, holandês, latim e grego (mas com o dicionário agarrado); entendo alguns dialetos alemães; estudei a gramática: do húngaro, do árabe, da sânscrito, do lituano, do polonês, do tupi, do hebraico, do japonês, do checo, do finlandês, do dinamarquês; (...) E acho que estudar o espírito de outras línguas ajuda muito à compreensão do idioma nacional. Principalmente (...) estudando-se por divertimento, gosto e distração." Palavras do autor, em uma entrevista concedida a uma prima.

Embora muitos duvidem que alguém possa ter tanta capacidade no "HD", as anotações originais do escritor confirmam que é possível. Em uma delas, ele coloca em ordem alfabética todas palavras que lembra da língua japonesa. E a lista não é pequena. Guimarães brincava de inventar linguagens com vocábulos estrangeiros e era capaz de passar dias "construindo" o melhor título. A narrativa também era desenhada, geometricamente, em função do tempo, do espaço e dos personagens.

Dessa engenharia literária, nasceram, entre outros, os livros Saragana (1946) e Primeiras Estórias (1962). Este último é o mais indicado para iniciantes - consagrado como o terror do vestibular - com narrativas mais curtas (contos), mas não menos densas. As temáticas escolhidas para "A Terceira Margem do Rio", "A Benfazeja" e "O Cavalo que Bebia Cerveja" beiram o absurdo e, por isso, alcançam o patamar do realismo mágico, um gênero que conquistou a simpatia do público a partir dos anos 50.

Mesma época, aliás, em que os latinos despontavam com clássicos que marcariam as gerações futuras. A começar pelo argentino Jorge Luis Borges, com o psicodélico Ficções e pelo colombiano Gabriel Garcia Márquez, que levou o Nobel de literatura pelo monumental Cem anos de solidão, em 1982. Entre outros, Mario Vargas Llosa, Julio Cortázar e Carlos Fuentes também se destacaram. Assim como Guimarães, todos narraram a fronteira entre o fantástico e o real. Mas nosso brasileiro só não alcançou as massas e a popularidade internacional por razões muito particulares.

Primeiro, escrevia com um regionalismo tão peculiar ao sertão, que muitos o consideraram um estrangeiro em seu próprio país. Até hoje, fazer uma tradução de Guimarães para outras línguas é um desafio inacabado. Depois, não que sua escrita seja rebuscada, mas os poucos que encaram livremente o autor, em regra, possuem alguma erudição. Guimarães não é difícil. Simples e sofisticado seja talvez a melhor definição. Por incrível que soe, sua leitura exige mais desprendimento do que inteligência e mais interesse do que preparo. Especialistas diriam que decifrá-la é permitir que palavras novas invadam o inconsciente. Ou ainda, esquecer o certo e o errado.

Assim, num instante, o estranho fica familiar. "Foi de certa feita - o evento. Quem pode esperar coisa tão sem pés nem cabeça? Eu estava em casa, o arraial sendo de todo tranqüilo. Parou-me à porta o tropel", diz "Famigerado", um dos contos mais sarcásticos do autor. Para os já leitores e os que pretendem ser, a mostra temporária no Museu da Língua Portuguesa é um belo convite ao intelecto. Também pega de surpresa os que nem sonhavam em entrar nesse mundo. Isso porque mistura, num ato inovador, literatura com artes plásticas. Se não incentiva a ler o livro, pelo menos introduz o visitante a um universo desconhecido. E não menos fascinante.

Para ir além
Exposição temporária: Grande Sertão Veredas
Museu da Língua Portuguesa
Estação da Luz - Praça da Luz, s/nº
De terça a domingo, das 10h às 18h
R$ 4,00 e R$ 2,00 (meia-entrada)
Grátis aos sábados


Tais Laporta
São Paulo, 1/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
03. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
04. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
05. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2006
01. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
02. Pelas curvas brasileiras - 11/7/2006
03. Ninguém segura Lady Macbeth - 2/8/2006
04. Sem cortes, o pai do teatro realista - 17/5/2006
05. Confissões de uma ex-podcaster - 20/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO OBTER SUCESSO EM SALA DE AULA?
VÁRIOS AUTORES
RIDEEL
(2002)
R$ 8,90



PALHEIROS DO LITORAL CENTRAL PORTUGUÊS - 787
ERNESTO VEIGA DE OLIVEIRA E FERNANDO GALHANO
INSTITUTO DE ALTA CULTURA
(1964)
R$ 50,00



TEATRO ESCOLHIDO, VOL 2
RAMADA CURTO
IMPRENSA NACIONAL
(2004)
R$ 45,32



THE DOOM OF THE HAUNTED OPERA
JOHN BELLAIRS
DIAL BOOKS
(1995)
R$ 40,00



COLEÇÃO FOLHA GRANDES ARQUITETOS - 4 LIVROS - INCOMPLETA.
AUTORES VARIADOS
FOLHA DE S.PAULO
R$ 85,00



DIREITOS HUMANOS NO BRASIL 1992-1993 COMISSÃO JUSTIÇA E PAZ ARQUI
EDITE FAIAL E OUTROS (ORGS)
LOYOLA
(1994)
R$ 26,82



GOVERNANÇA INTELIGENTE PARA O SÉCULO XXI
NICOLAS BERGGRUEDEN NATHAN GARDELS
OBJETIVA
(2013)
R$ 8,90



COMO ME DEVO CURAR
CARLOS KOZEL
PENSAMENTO
R$ 9,90



EMÍLIO OU DA EDUCAÇÃO - 4ª EDIÇÃO
JEAN- JACQUES ROUSSEAU
MARTINS FONTES - SELO MARTINS
(2018)
R$ 81,95



OSSOS ANTIGOS
WILLIAM KENNEDY
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 6,90





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês