EUA: uma nação de idiotas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mistério em Moscou
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
Mais Recentes
>>> Novo Código de Processo Civil: Modificações Substanciais de Misael Montenegro Filho pela Atlas (2015)
>>> Como Combater o Fracasso e Cultivar o Sucesso de Francisco Fernandes de Araújo pela Komedi
>>> Caderno de Sábado: Páginas Escolhidas de Maria do Carmo Alves de Campos pela Educs (2008)
>>> Aragog de Jody Revenson pela Incredibuilds (2016)
>>> O Brasil no mundo: abertura e responsabilidade - escritos de diplomacia presidencial (2016-2018) de Michel Temer pela Fundação Alexandre de Gusmão (2018)
>>> Estradas de Marcos Maia pela Do Autor (2014)
>>> Decor Years Book Vol 1 de G&a pela G&a
>>> O Sequestro do Metrô de John Godey pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Menino da Mala de Lene Kaaberbøl; Agnete Friis pela Arqueiro (2013)
>>> 40 Anos de Educação Sanitária e Ambiental no Saneamento de Wanderley da Silva / Outros pela Sabesp
>>> Aqui Quem Fala é Albert Einstein de R. J. Gadney pela Intrínseca (2021)
>>> Migrações internacionais no plano multilateral de Maria Rita Fontes Faria pela Fundação Alexandre de Gusmão (2015)
>>> Novo Testamento - Nova Tradução na Linguagem de Hoje de Centro Assistencial Cruz de Malta pela Cruz de Malta
>>> O Fator Humano de Graham Greene pela Record
>>> Ruling the Waves de Debora Spar pela Harcourt (2001)
>>> Política externa e participação social: trajetória e perspectivas de Vanessa Dolce de Faria pela Fundação Alexandre de Gusmão (2017)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Ciranda Cultural
>>> Paixões Perigosas de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil
>>> Ao Encontro de Deus de Richard Carlson e Outros pela Sextante (2002)
>>> 79 Park Avenue de Harold Robbins pela Abril Cultural (1984)
>>> A Menina Que Não Sabia Ler de John Harding pela Leya Casa da Palavra (2010)
>>> Moll Flanders - os Imortais da Literatura Universal 30 de Daniel Defoe pela Abril
>>> Primórdios da Literatura Brasileira de Pero Vaz de Caminha pela Escala Educacional (2012)
>>> Estranho Irresistível de Christina Lauren; Felipe C. F. Vieira pela Universo dos Livros (2013)
>>> A Dieta das Chocólatras de Carole Matthews pela Bertrand Brasil (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/9/2003
EUA: uma nação de idiotas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

“Os Estados Unidos são o paraíso. O paraíso é o que é, eventualmente fúnebre, monótono e superficial. Mas é o paraíso”.
(Jean Baudrillard – América)

“Pode-se dizer tudo dos americanos, salvo que são medíocres ou pequeno-burgueses. Não possuem, é certo, a graça aristocrática, mas têm o desafogo do espaço, daqueles que sempre tiveram espaço, e isso substitui as maneiras e os brasões de nobreza”.
(Jean Baudrillard – América)

Em geral poucas pessoas se metem a fazer uma crítica política mais radical e ao mesmo tempo divertida. Há três tipos de críticos: o tipo acadêmico, que tem de limitar o tom de suas críticas em função dos cargos que ocupa ou deseja ocupar; os participantes de algum partido político que têm de se prestar às regras que os membros diretores estabelecem “democraticamente” para sua legenda; e, por último, a classe jornalística, que mesmo querendo exercer sua “independência”, acaba tendo sua liberdade controlada, pois sendo funcionária de uma empresa correm o risco de demissão do cargo e muitos são realmente demitidos quando contrariam a “linha” (melhor dizendo os “grilhões”) do jornal onde trabalham.

Michael Moore não se encaixa em nenhum desses tipos. É um crítico impiedoso, disposto a denegrir a imagem do país onde nasceu, condenando sua política imperialista, seu racismo, sua moral machista, sua modernidade predatória, seu presidente boçal.

Moore ficou conhecido entre nós pela premiação com o Oscar/2002, por seu documentário Tiros em Columbine, e pela corajosa frase que soltou no momento em que recebia a estatueta: “Faço ficção em um país que numa eleição fictícia elegeu um presidente fictício que nos mandou para uma guerra fictícia. Tenha vergonha Mr. Bush”. Em meio a artistas amedrontados pelo novo macartismo americano, durante a perversa invasão do Iraque, Moore ousou depreciar a imagem do presidente dos EUA, que foi devidamente qualificado pelo documentarista como “ladrão-chefe” do império americano.

Depois dessa ousada aparição, a editora W11/Francis decidiu traduzir e publicar no Brasil o satírico livro de Moore Stupid White Men: uma nação de idiotas. São 12 capítulos recheados de divertida crítica ao universo da política, da economia e dos costumes americanos. Mas é bom que o leitor já saiba que, em meio aos momentos de riso, nos deparamos com dados referentes ao país e suas tramóias políticas que nos aterrorizam, nos fazendo odiar a “nação de idiotas” e, mais ainda, seu “fictício presidente” e seus comparsas texanos.

No capítulo 2, por exemplo, denominado “Caro George: carta aberta ao presidente George Bush”, Moore elenca as “grandes realizações” de Bush:

- cortou US$ 39 milhões dos gastos federais com bibliotecas;
- cortou US$ 35 milhões em financiamentos para treinamento pediátrico avançado para médicos;
- adiou a legislação que reduziria os níveis “aceitáveis” de arsênico na água potável;
- abandonou o acordo do Protocolo de Kyoto, sobre aquecimento global, assinado por outros 178 países.

A lista dos maléficos feitos bushianos é enorme e os mesmos são tratados e denunciados por Moore com eficaz ironia. Seguindo esta linha de crítica, ao presidente da mais rica nação do mundo é perguntado: “George, você é capaz de ler e escrever como um adulto?” E a resposta é: “A mim e a outros parece que, infelizmente, você possa ser um analfabeto funcional. Não é preciso ter vergonha disso. Você tem bastante companhia. Milhões de americanos não sabem ler ou escrever além do nível da quarta série do ensino fundamental (...) Uma coisa é clara para todos, você não sabe falar a língua inglesa em sentenças que conseguimos entender”. Sendo assim, indaga Morre: “Como podemos confiar algo como nossos segredos nucleares a você?

Em outro capítulo é o racismo americano que é espremido na parede pelas frases bombásticas de Moore, que não deixa de aproveitar para atacar o universo dos “estúpidos homens brancos” que sempre o “aterrorizam”. Este capítulo tem o sugestivo título: “Matem os branquelas”. “Toda vez que vejo um cara branco vindo me minha direção, fico tenso”, ele diz. E nós perguntamos, afinal, qual a razão, pois não são os negros que em no nosso imaginário são uma ameaça? Para Moore, “todas as pessoas que me causaram algum mal eram brancas!”. O sarcasmo do escritor é tão grande em relação ao racismo americano que lançou no mesmo capítulo um guia com “Dicas de sobrevivência para pessoas negras”. Se, por exemplo, você é negro e quer fazer compras sem ser confundido com um ladrão, faça compras on-line. Quer dirigir sendo negro? Desista, vão pensar que você roubou o carro. Pegue um ônibus.

Além destes ataques, outros são desferidos ao comportamento “politicamente correto” dos americanos. Mas para que se assustar ou se desesperar, se, mesmo com todas as imperfeições, os EUA são das vinte nações industrializadas a número um! Em que? “Em milionários, em bilionários, em gastos militares, em mortes por armas de fogo, em uso per capita de energia, em emissões de dióxido de carbono, em produção de lixo doméstico, em produção de lixo tóxico, em consumo de petróleo, em consumo de gás natural, em feridos e mortos nas estradas, em não-assinaturas de tratados internacionais de direitos humanos, em molestadores de crianças, em suicídio com armas de fogo, etc.”

Outro capítulo do livro que chama a atenção é “O fim dos homens”, onde sua verve crítica se direciona à cultura machista dos americanos. Nos EUA, segundo Moore, a coisas anda no seguinte pé: nem uma única mulher fez parte da cédula de votação dos principais partidos para o cargo de presidente ou vice-presidente em vinte das vinte e uma eleições desde 1920; atualmente, em cinqüenta Estados, existem apenas cinco mulheres governadoras; as mulheres ocupam apenas 13% dos acentos no Congresso; 496 das quinhentas maiores empresas dos Estados Unidos são dirigidas por homens; apenas quatro das 21 principais universidades dos Estados Unidos são dirigidas por mulheres; 40% das mulheres divorciadas, entre 25 e 34 anos, acabam na miséria; para ganhar o mesmo salário anual que seu companheiro masculino, a mulher precisaria trabalhar o ano inteiro mais quatro meses adicionais.

Este diagnóstico, no entanto, pode se reverter já que a decadência masculina está em andamento: as mulheres vivem mais, nossos cérebros perdem o ritmo mais rápido do que os das mulheres quando envelhecemos, sofremos mais doenças cardíacas, ataques, doenças do fígado, úlceras, nossas funções circulatórias, respiratórias, digestivas e excretoras param de funcionar antes das delas, as meninas tiram notas mais altas que os meninos, os homens têm três vezes mais probabilidade de morrer em acidentes.

Dentro deste quadro aterrador, Moore propõe uma saída em “Como os homens podem evitar a extinção”: lembre-se de que seu carro não é uma arma de destruição, pegue leve na comida e na bebida, retire-se do mundo dos negócios (deixe o estresse para as fêmeas) você viverá mais, lave suas mãos, aprenda como funciona o assento da privada, tome banho diariamente, diminua o tom de voz, verifique sua audição, saiba que as mulheres sabem das coisas.

Se não cumprirmos estas sugestões, desapareceremos. Mas e as mulheres? Como sobreviverão sem os homens? Moore ensina a elas: faça uma visita a um banco de esperma ou agência de adoção e aprenda onde comprar uma escada portátil. Afinal, para que mais pode servir um homem?

O livro vale pela divertida forma com que Moore expõe a problemática da estupidez americana. Apesar do tom satírico (é sua virtude), não deixa, no entanto, de procurar fontes seguras de informações e de escolher informações que são geralmente boicotadas pela imprensa mundial. É um libelo de denúncia, instigante pelo tom que nos faz aprender que, além da crítica sisuda e politicamente correta, pode-se praticar uma crítica divertida. Aproveitem, não é sempre que se pode rir nervosamente da maior nação imperialista do mundo, construída pelos estúpidos, ricos, racistas e sorridentes homens brancos.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um texto com esmalte vermelho de Adriana Baggio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/9/2003
11h34min
A imprensa brasileira não gosta de Michael Moore. Desancou o documentarista por ele ter muito do, como se diz, wishful thinking. Pior para nós, que temos de aguentar as versões ianques para tudo. Parabéns pela preciosa análise, caro Jardel.
[Leia outros Comentários de Fabio Cardoso]
1/9/2003
13h22min
Contra-mão, contra-pé, contra-tudo. Veja que aqui no Brasil estamos muito à frente dos Morte-americanos no quesito auto-crítica. Aqui os garotinhos aprendem a escrever fazendo xingamentos ao Brasil e aos brasileiros. E a maioria não faz sátira, dá porrada mesmo. Ai de quem elogiar o Brasil, é o suicídio literário. Charmoso aqui é dizer que nada e ninguém presta. Aqui precisamos urgentemente de um Michael Moore às avessas.
[Leia outros Comentários de Carlo Buzzatti]
1/9/2003
14h18min
Caro Carlos, assim é se lhe parece. eu recomendo a leitura urgente do livro “Reiventando o otimismo: Ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil”, do historiador Carlos Fico, editado pela Fundação Getúlio Vargas. afinal, como diziam os militares, esse é um pais que vai prá frente
[Leia outros Comentários de jardel]
9/9/2003
13h01min
Michael Moore ganhou um Oscar por um "documentário" que se descobriu mais tarde conter falsificações. Parece que o crítico dos branquelas idiotas é um branquela gordo e mentiroso. Idiota? Não creio. Prefiro reservar esse adjetivo aos seus admiradores.
[Leia outros Comentários de MetalBeast]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Literatura Português Ensino Médio 1ª Série
Antonio Medina Rodrigues Dácio Antônio de Castro
Anglo
(2002)



Cidade Solitária
Fernando Namora
Cdl
(1971)



Dossie 50: os Onze Jogadores Revelam os Segredos da Maior...
Geneton Moraes Neto
Objetiva
(2000)



Soberania e Integração Latino - Americana
Flavio Augusto Saraiva Straus
Forense
(2002)



Santa Teresa de Lisieux: Uma jovem doutora
Pedro Penna
Cassará
(2018)



A Jaçanã-col. o Contador de Historias e Outras Historias da Matematica
Egidio Trambaiolli Neto
Ftd
(1998)



Lagrimás do Sol
Gilvanize Balbino Pereira
Lachãtre
(2004)



Golem - um Jogo Incontrolável Vol 1
Lorris; Elvire; Marie
Arx
(2005)



Microeconomics
Michael Parkin
Addison W Longman
(1999)



Ser Protagonista Geografia Caderno de Revisão
Sm
Sm Didáticos
(2014)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês