EUA: uma nação de idiotas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
>>> Homenagem ao Pianista Nelson Freire, Grátis, 5/12, no Morumbi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> O Espelho dos Nomes de Marcos Bagno pela Ática (2005)
>>> A Concretização da Constituição Ecológica (lacrado) de Lucas de Faria Rodrigues pela Lumen Juris (2015)
>>> As Viagens de Marco Polo de Esther Mesquita pela Brasiliense (1957)
>>> O Índio e a Conquista Portuguesa (lacrado) de Luiz Koshiba pela Atual (2019)
>>> O Direito do Trabalho Penitenciário (lacrado) de Laura Machado de Oliveira pela Lumen Juris (2017)
>>> Curso de Química 1 de Ronaldo Henriques da Silva Edson Braga da Silva pela Harbra
>>> Aventura de um Petroleiro Clássicos da Literatura Juvenil de Richard Armstrong; Edgar Magalhães pela Abril Cultural (1972)
>>> The Jacket de Andrew Clements pela Scholastic (2009)
>>> Moderna Plus Biologia 2 Biologia dos Organismos Parte II de Gilberto Rodrigues Martho pela Moderna (2015)
>>> História dos Quartos (lacrado) de Michelle Perrot pela Paz e Terra (2011)
>>> Viva as Coisas Essenciais da Vida de Anderson Cavalcante pela Gente (2004)
>>> Lucratividade pela Inovação de Rubens da Costa Santos, Nelson Barrizzelli pela Campus (2005)
>>> O Enigma de Qaf de Alberto Mussa pela Record (2013)
>>> O Amor Não Tem Bons Sentimentos de Raimundo Carrero pela Iluminuras (2007)
>>> Administração - 4ª Edição de Richard I. Daft pela Ltc (1999)
>>> Dois Mundos, um Só Destino (lacrado) de Yuri Chalon da Rosa Gonçalves pela Clube de Autores (2019)
>>> A Carícia do Vento de Janet Dailey pela Circulo do Livro
>>> A Reinvenção do Automóvel de Lawrence D. Burns, William J. Mitchell pela Alaúde (2010)
>>> Dimensões do Direito Público (novo) de Adhemar Ferreira Maciel pela Del Rey (2000)
>>> Os Sonhos do Lenhador de Malba Tahan pela Galerinha Record (2013)
>>> Ponto e Arte - Tudo Sobre Crochê de Globo pela Globo (1991)
>>> Diálogo e Conflito (lacrado) de Ana Maria do Vale pela Cortez (2002)
>>> Tutancâmon e Sua Tumba Cheia de Tesouros de Michael Cox pela Seguinte (2015)
>>> A Corporação Virtual - Lições das Empresas Mais Avançadas do Mundo... de William H. Davidow e Michael S. Malone pela Pioneira
>>> Centúria de Giorgio Manganelli pela Iluminuras (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/9/2003
EUA: uma nação de idiotas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

“Os Estados Unidos são o paraíso. O paraíso é o que é, eventualmente fúnebre, monótono e superficial. Mas é o paraíso”.
(Jean Baudrillard – América)

“Pode-se dizer tudo dos americanos, salvo que são medíocres ou pequeno-burgueses. Não possuem, é certo, a graça aristocrática, mas têm o desafogo do espaço, daqueles que sempre tiveram espaço, e isso substitui as maneiras e os brasões de nobreza”.
(Jean Baudrillard – América)

Em geral poucas pessoas se metem a fazer uma crítica política mais radical e ao mesmo tempo divertida. Há três tipos de críticos: o tipo acadêmico, que tem de limitar o tom de suas críticas em função dos cargos que ocupa ou deseja ocupar; os participantes de algum partido político que têm de se prestar às regras que os membros diretores estabelecem “democraticamente” para sua legenda; e, por último, a classe jornalística, que mesmo querendo exercer sua “independência”, acaba tendo sua liberdade controlada, pois sendo funcionária de uma empresa correm o risco de demissão do cargo e muitos são realmente demitidos quando contrariam a “linha” (melhor dizendo os “grilhões”) do jornal onde trabalham.

Michael Moore não se encaixa em nenhum desses tipos. É um crítico impiedoso, disposto a denegrir a imagem do país onde nasceu, condenando sua política imperialista, seu racismo, sua moral machista, sua modernidade predatória, seu presidente boçal.

Moore ficou conhecido entre nós pela premiação com o Oscar/2002, por seu documentário Tiros em Columbine, e pela corajosa frase que soltou no momento em que recebia a estatueta: “Faço ficção em um país que numa eleição fictícia elegeu um presidente fictício que nos mandou para uma guerra fictícia. Tenha vergonha Mr. Bush”. Em meio a artistas amedrontados pelo novo macartismo americano, durante a perversa invasão do Iraque, Moore ousou depreciar a imagem do presidente dos EUA, que foi devidamente qualificado pelo documentarista como “ladrão-chefe” do império americano.

Depois dessa ousada aparição, a editora W11/Francis decidiu traduzir e publicar no Brasil o satírico livro de Moore Stupid White Men: uma nação de idiotas. São 12 capítulos recheados de divertida crítica ao universo da política, da economia e dos costumes americanos. Mas é bom que o leitor já saiba que, em meio aos momentos de riso, nos deparamos com dados referentes ao país e suas tramóias políticas que nos aterrorizam, nos fazendo odiar a “nação de idiotas” e, mais ainda, seu “fictício presidente” e seus comparsas texanos.

No capítulo 2, por exemplo, denominado “Caro George: carta aberta ao presidente George Bush”, Moore elenca as “grandes realizações” de Bush:

- cortou US$ 39 milhões dos gastos federais com bibliotecas;
- cortou US$ 35 milhões em financiamentos para treinamento pediátrico avançado para médicos;
- adiou a legislação que reduziria os níveis “aceitáveis” de arsênico na água potável;
- abandonou o acordo do Protocolo de Kyoto, sobre aquecimento global, assinado por outros 178 países.

A lista dos maléficos feitos bushianos é enorme e os mesmos são tratados e denunciados por Moore com eficaz ironia. Seguindo esta linha de crítica, ao presidente da mais rica nação do mundo é perguntado: “George, você é capaz de ler e escrever como um adulto?” E a resposta é: “A mim e a outros parece que, infelizmente, você possa ser um analfabeto funcional. Não é preciso ter vergonha disso. Você tem bastante companhia. Milhões de americanos não sabem ler ou escrever além do nível da quarta série do ensino fundamental (...) Uma coisa é clara para todos, você não sabe falar a língua inglesa em sentenças que conseguimos entender”. Sendo assim, indaga Morre: “Como podemos confiar algo como nossos segredos nucleares a você?

Em outro capítulo é o racismo americano que é espremido na parede pelas frases bombásticas de Moore, que não deixa de aproveitar para atacar o universo dos “estúpidos homens brancos” que sempre o “aterrorizam”. Este capítulo tem o sugestivo título: “Matem os branquelas”. “Toda vez que vejo um cara branco vindo me minha direção, fico tenso”, ele diz. E nós perguntamos, afinal, qual a razão, pois não são os negros que em no nosso imaginário são uma ameaça? Para Moore, “todas as pessoas que me causaram algum mal eram brancas!”. O sarcasmo do escritor é tão grande em relação ao racismo americano que lançou no mesmo capítulo um guia com “Dicas de sobrevivência para pessoas negras”. Se, por exemplo, você é negro e quer fazer compras sem ser confundido com um ladrão, faça compras on-line. Quer dirigir sendo negro? Desista, vão pensar que você roubou o carro. Pegue um ônibus.

Além destes ataques, outros são desferidos ao comportamento “politicamente correto” dos americanos. Mas para que se assustar ou se desesperar, se, mesmo com todas as imperfeições, os EUA são das vinte nações industrializadas a número um! Em que? “Em milionários, em bilionários, em gastos militares, em mortes por armas de fogo, em uso per capita de energia, em emissões de dióxido de carbono, em produção de lixo doméstico, em produção de lixo tóxico, em consumo de petróleo, em consumo de gás natural, em feridos e mortos nas estradas, em não-assinaturas de tratados internacionais de direitos humanos, em molestadores de crianças, em suicídio com armas de fogo, etc.”

Outro capítulo do livro que chama a atenção é “O fim dos homens”, onde sua verve crítica se direciona à cultura machista dos americanos. Nos EUA, segundo Moore, a coisas anda no seguinte pé: nem uma única mulher fez parte da cédula de votação dos principais partidos para o cargo de presidente ou vice-presidente em vinte das vinte e uma eleições desde 1920; atualmente, em cinqüenta Estados, existem apenas cinco mulheres governadoras; as mulheres ocupam apenas 13% dos acentos no Congresso; 496 das quinhentas maiores empresas dos Estados Unidos são dirigidas por homens; apenas quatro das 21 principais universidades dos Estados Unidos são dirigidas por mulheres; 40% das mulheres divorciadas, entre 25 e 34 anos, acabam na miséria; para ganhar o mesmo salário anual que seu companheiro masculino, a mulher precisaria trabalhar o ano inteiro mais quatro meses adicionais.

Este diagnóstico, no entanto, pode se reverter já que a decadência masculina está em andamento: as mulheres vivem mais, nossos cérebros perdem o ritmo mais rápido do que os das mulheres quando envelhecemos, sofremos mais doenças cardíacas, ataques, doenças do fígado, úlceras, nossas funções circulatórias, respiratórias, digestivas e excretoras param de funcionar antes das delas, as meninas tiram notas mais altas que os meninos, os homens têm três vezes mais probabilidade de morrer em acidentes.

Dentro deste quadro aterrador, Moore propõe uma saída em “Como os homens podem evitar a extinção”: lembre-se de que seu carro não é uma arma de destruição, pegue leve na comida e na bebida, retire-se do mundo dos negócios (deixe o estresse para as fêmeas) você viverá mais, lave suas mãos, aprenda como funciona o assento da privada, tome banho diariamente, diminua o tom de voz, verifique sua audição, saiba que as mulheres sabem das coisas.

Se não cumprirmos estas sugestões, desapareceremos. Mas e as mulheres? Como sobreviverão sem os homens? Moore ensina a elas: faça uma visita a um banco de esperma ou agência de adoção e aprenda onde comprar uma escada portátil. Afinal, para que mais pode servir um homem?

O livro vale pela divertida forma com que Moore expõe a problemática da estupidez americana. Apesar do tom satírico (é sua virtude), não deixa, no entanto, de procurar fontes seguras de informações e de escolher informações que são geralmente boicotadas pela imprensa mundial. É um libelo de denúncia, instigante pelo tom que nos faz aprender que, além da crítica sisuda e politicamente correta, pode-se praticar uma crítica divertida. Aproveitem, não é sempre que se pode rir nervosamente da maior nação imperialista do mundo, construída pelos estúpidos, ricos, racistas e sorridentes homens brancos.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Polêmicas de Alexandre Soares Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/9/2003
11h34min
A imprensa brasileira não gosta de Michael Moore. Desancou o documentarista por ele ter muito do, como se diz, wishful thinking. Pior para nós, que temos de aguentar as versões ianques para tudo. Parabéns pela preciosa análise, caro Jardel.
[Leia outros Comentários de Fabio Cardoso]
1/9/2003
13h22min
Contra-mão, contra-pé, contra-tudo. Veja que aqui no Brasil estamos muito à frente dos Morte-americanos no quesito auto-crítica. Aqui os garotinhos aprendem a escrever fazendo xingamentos ao Brasil e aos brasileiros. E a maioria não faz sátira, dá porrada mesmo. Ai de quem elogiar o Brasil, é o suicídio literário. Charmoso aqui é dizer que nada e ninguém presta. Aqui precisamos urgentemente de um Michael Moore às avessas.
[Leia outros Comentários de Carlo Buzzatti]
1/9/2003
14h18min
Caro Carlos, assim é se lhe parece. eu recomendo a leitura urgente do livro “Reiventando o otimismo: Ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil”, do historiador Carlos Fico, editado pela Fundação Getúlio Vargas. afinal, como diziam os militares, esse é um pais que vai prá frente
[Leia outros Comentários de jardel]
9/9/2003
13h01min
Michael Moore ganhou um Oscar por um "documentário" que se descobriu mais tarde conter falsificações. Parece que o crítico dos branquelas idiotas é um branquela gordo e mentiroso. Idiota? Não creio. Prefiro reservar esse adjetivo aos seus admiradores.
[Leia outros Comentários de MetalBeast]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Magia do Caminho Real
Anna Sharp
Rosa dos Tempos
(1994)



A Educação do Coração
H. Pradel
Paulinas
(1967)



Plantas, Flores & Jardins Nº3
Escala
Do Autor



As Ilhas da Corrente
Ernest Hemingway
Nova Fronteira
(1970)



Freud - livro 1 Cinco lições de psicanálise - contribuições à psicologia do amor
James Strachey (comentários e notas)
Imago
(1973)



Emilia no País da Gramática
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1954)



Goosebumps 14 - Ovos Monstruosos Vindos de Marte (2007)
R. L Stine
Fundamento
(2007)



Relacionamentos Positivos
Lourdes Possatto
Lúmen
(2013)



Segredos de Família
Barbara Taylor Bradford
Record
(2005)



Lobo do Mar no Supermercado
Julieta de Godoy Ladeira
Scipione





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês