John Fante: literatura como heroína e jazz | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
Mais Recentes
>>> Ensino-aprendizagem Com Modelagem Matemática de Rodney Carlos Bassanezi pela Contexto (2018)
>>> Segurança Contra Incendios de Aderson Guimaraes Pereira pela Ltr (2009)
>>> 180 Graus de Volta ao Primeiro Amor de Marcos G Nascimento pela M&l Publishing House (2017)
>>> Dinâmicas de Recreação e Jogos de Silvino José Fritzen pela Vozes (1991)
>>> Montagem, Manutenção e Instalação de Computadores de Guia como Se Faz pela escala
>>> Músculos provas e funçoes de Florence Peterson Kendalli pela Manoele (1995)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Contos de Paulo e Wilmar Vol 1 de Wilmar Soares Siqueira e Paulo S. Siqueira pela Happy Books (2018)
>>> Por Que a Bíblia é a Palavra de Deus? de Bruno Bertocco pela Do Autor
>>> Terminologia Jurídica IberoAmericana de Pablo Jiménez pela Uniban
>>> O Rato de Wanchai uma Aventura de Ava Lee de Iam Hamilton pela Benvira (2012)
>>> Fit 4 Gold - um Diário Olímpico - Vivendo Em Cores do Preto e Branco de Luciana Diniz pela Dba (2017)
>>> Como Conviver Com a Hipertensão: Saiba Como Controlar a Pressão Alta de Sarah Brewer pela Publifolha (2009)
>>> Humor nos Tempos de Collor de Luis Fernando Verissimo - Jô Soares - Millôr Ferna pela L&pm (1989)
>>> Circo Mirandus de Cassie Beasley pela Agir Now (2016)
>>> Restaurant Man de Joe Bastianich pela Edicoes Tapioca (2014)
>>> La Citta Dela Gioia de Dominique Lapierre pela Arnoldo Mondadori
>>> A Revolução dos Ebooks de Ednei Procópio pela Senai Sp (2013)
>>> Administração Financeira de A. A. Groppelli; Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2012)
>>> Do Confronto ao Diálogo de Nilo Tavares Silva pela Fonte Editorial (2013)
>>> Ação Rescisória de Sério Rizzi pela Revista dos Tribunais (1979)
>>> O Que é Pesquisa Em Educação? de Potiguara Ácacio Pereira pela Paulus (2005)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswaldo de Andrade pela Globo (1990)
>>> Polo - Yearbook 2011 - 2012 de Helvetia Polo Country Club pela Helvetia Polo Country Club
>>> A Morte de Aquiles de Boris Akunin pela Objetiva (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/7/2003
John Fante: literatura como heroína e jazz
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 21200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

(Dedicado a Welbert Belfort.)

Quem quiser seguir o conselho de Baudelaire e, vez por outra, chafurdar o fochinho na lama, deve ler a obra de John Fante, ou apenas Pergunte ao Pó, lançado este ano no Brasil pela editora José Olympio, com tradução de Roberto Muggiati.

O escritor ítalo-americano John Fante nasceu no Colorado, em 1909. Sua carreira literária começou em 1929, mas só conseguiu publicar seu primeiro conto em 1932, na The American Mercury. Seu primeiro romance, Espere a primavera, Bandini, saiu em 1938. Logo após, no ano seguinte, publicou Pergunte ao pó. Em 1940 saiu uma coleção de contos, denominada Dago Red, que se encontra reunida agora no livro O vinho da juventude.

Fante também ocupou-se com roteiros de cinema para Hollywood — vale conferir o sugestivo "Walk on the wild side" (Pelos bairros do vício).

No ano de 1955 Fante começou a sofrer por causa da diabete, que o levaria à cegueira em 1978 — o que não o impediu de continuar a criar, ditando sua prosa para a sua companheira Joyce. Aos 74 anos, bastante convalescido, bateu as botas.

O prefácio da edição brasileira de Pergunte ao pó traz um texto escrito por Charles Bukowski. Ali ele narra seu interessante encontro com a obra de Fante. Naquela época, passando fome, trepando com qualquer buraco que encontrava, bebendo feito um desgraçado e tentando ser escritor, Bukowski procurava alguma coisa que prestasse para ler, numa biblioteca pública de Los Angeles. Cansado da mistura de sutileza, técnica e forma que encontrava nos romances, deu de cara com Pergunte ao pó. Deu uma espiada, viu que valia a pena investir tempo naquela leitura, decidindo-se por levá-lo para casa. Claro, leu numa sentada só e, depois, procurou tudo o que o escritor havia publicado. Encontrou na obra de Fante seu irmão literário. Sentiu-se, como descreve, como alguém que encontra ouro no meio de um lixão da cidade.

As características que encantaram Bukowski? Um fluxo cambaleante de escrita que parecia uma mistura de jazz, conhaque barato, heroína, linhas movidas a energia descontrolada, uma emoção criada apenas por aqueles que não a temem, um humor e dor entrelaçados numa soberba simplicidade.

O livro conta a história do alter-ego do autor, o escritor Arturo Bandini, filho de imigrantes, jovem dotado de interesse por ser escritor e marginalizado pela sociedade. O personagem sente através de sua vocação literária o desejo de traduzir na sua obra o calor da vida desregrada na qual ele mesmo vive mergulhado. O romance se passa nos anos trinta, nas ruas, bares e hotéis pobres e podres de Los Angeles.

Bandini é um herói literário que se consome no sexo e no álcool, um vagabundo melancólico, eufórico e sórdido, trazendo uma cota de escatologia, autenticidade e autodestruição bastante exemplar do niilismo que lembra o fim do século XIX. Sua obsessões são alcançar a fortuna,o êxito literário e conquistar as mais belas mulheres. Porém, não consegue mais que derrotas, trabalhos medíocres onde o pagam quase nada e o amor de uma mulher que tem a idade de sua mãe, com a qual viverá experiências grotescas.

Lida em perspectiva, a obra de Fante é um registro do rápido século XX que encontrou nos Estados Unidos uma mistura frágil de ambição e desilusão, concentradas na idéia da luta pelo progresso e pelas oportunidades individuais que se potencializam mutualmente: quanto maior o fracasso, maior o desejo de seguir à frente, a qualquer preço.

O livro é escrito em ritmo de alta velocidade, num calor próximo às apresentações jazzísticas da época. Assim também nós fazemos a sua leitura. Nesse sentido, ele anuncia o que viria a ser a prosa e a poesia da Geração Beat.

Não se deve procurar nesse romance uma "prosa de época", uma "reportagem" sobre a Los Angeles dos anos 30. Não há aqui nenhum tipo de jornalismo. Como disse Proudhon, "o jornal é o cemitério das idéias". Na literatura a coisa é diferente. E neste caso, em Pergunte ao pó, as coisas esquentam como o sangue injetado de cocaína e uísque. A vida flui em sua contradição mais desesperadora, misturando afetos, desejos, pobreza, desdém, desespero, solidão, descontrole alcoólico e libidinal.

Ao invés da América ascética, protestante, bem firmada em seu conservadorismo, em seu racismo e prepotência fascistóide, mergulhamos com o romance de Fante em situações e emoções tipicamente humanas, do mais baixo calão, porém, dotadas de uma vitalidade noturna traduzida, no fraseado melódico de sua literatura, em gritos e hurros provindos da natureza animal daqueles que habitam à margem das cidades. Sim, trata-se dos cidadãos da noite, que vivem em bares sujos, dormindo em hotéis decadentes, gozando de prazeres desregrados, consumindo heroína, blues, jazz (essa manifestação, segundo Norman Mailer, do lado negro e reprimido da América), e vivendo atolados em delírios alcoólicos.

"Venha para a América e conheça o quão selvagem pode ser o amor, a ambição e a dor do homem civilizado". Esta poderia ser a epígrafe do livro de Fante.

Este romance encontra sua tradução perfeita no belíssimo poema "Howl", de Allen Ginsberg, que traduz uma geração inteira, posterior a Fante, no entanto, devedora de seu espírito literário e existencial. Um poema de longos fraseados, como o sax de John Coltrane num bar esfumaçado (danem-se os não-fumantes — que se tranquem em casa e nos deixem em paz com nossos sentimentos e bares noturnos), fruto de uma mente que corre solta, desengonçada, inspirada e selvagem. Eis um trecho do poema:

"Histéricos, nus e famintos
tragados pelas ruas negras da madrugada a procura
de um pico raivoso,
Hipsters angelicais queimando-se pela primitiva ligação celestial
Nos dínamos chocantes das engrenagens da noite,
Miseráveis e esfarrapados com olhos sagrados nas alturas do fumo
Na escuridão do topo das cidades contemplando jazz..."

Mas não se pense que o caso de Fante se relaciona com a literatura de protesto. Aqui a vida se transfigura, não em discursos politicamente corretos, mas em visões delirantes, talvez mais próximas de um Blake do que de um Marx. Os personagens de Fante se torcem pelas ruas e pela vida numa verdadeira fúria adversa, numa ambientação muito próxima a das soturnas obras criadas por Goya. Seu realismo é sujo, vulgar, pronto para a indecência e o desespero. Assim o é porque seu escritor é um selvagem, um antiintelectual.

Apesar disso, os personagens de Fante estão orgulhosos de ter nascido na América, de ali viver, pois eles sabem que "vão comer hamburgueres, ano após ano, e viver em apartamentos e hotéis empoeirados, infestados de vermes, mas toda manhã vão ver o poderoso sol, o eterno azul do céu, e as ruas estarão cheias de belas mulheres que vocês nunca possuirão e as noites quentes e semitropicais recenderão a romances que vocês nunca vão viver, mas ainda assim estarão no paraíso, rapazes, na terra do sol".

A loucura do personagem Bandini, com seus delírios de grandeza e seu impiedoso orgulho, tem a virtude de expressar as pressões morais dos sujeitos "incorrigíveis". Sua fúria contra a religião, seu desprezo pelos débeis, seu ódio pela mediocridade burguesa e a seu próprio abatimento, são os elementos que dão a voltagem do personagem e seu encantamento.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 21/7/2003

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/7/2003
08h54min
Parabéns pelo artigo, caro Jardel. O início do texto é um primor de concisão acerca da obra de Fante. Ler pergunte ao pó é, de fato, chafurdar o focinho na lama.
[Leia outros Comentários de Fabio Cardoso]
21/7/2003
09h51min
Caro Fabio, obrigado pelo comentário e leitura. fante é eletricidade pura, no estilo. jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
6/8/2003
13h54min
"Hurros"? Bom texto, Jardel. Pena que alguns livros de Fante (como Sonhos em Bunker Hill) e Bukowski (Hollywood, A mulher mais linda da cidade, etc) só se têm em português e a preços razoáveis naquela coleção da L&PM pocket, cheia de erros.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
6/8/2003
14h30min
fabiana, obrigado pelo comentário. em termos editoriais estamos num buraco sem fundo. não há nada traduzido nesse país. e as editoras exigem traduções diretas do original, o que piora tudo. jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
4/9/2003
12h14min
Bom texto,traduz bem o espírito da obra de Fante. Comete apenas um equívoco: Pergunte ao Pó não foi lançado no Brasil este ano. E sim em 1983, pela Editora Braziliense, com boa tradução.
[Leia outros Comentários de Cleber Borges]
4/9/2003
22h31min
caro Cleber, obrigado pelo comentário. eu usei a edição nova da editora josé olympio. infelizmente, eu não conhecia esta outra. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
12/9/2003
11h06min
Essa edição de 83 tem tradução do Paulo Leminski e só se encontra em sebos e a preços não muito convidativos.
[Leia outros Comentários de Leonardo Alonso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Glória Incerta
Jean Dreze, Amartya Sen
Companhia das Letras2
(2014)



Impresionismo
Phoebe Pool
Destino Esp
(1991)



Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?
Allan e Barbara Pease
Sextante
(2000)



Os Papéis do Inglês
Ruy Duarte de Carvalho
Companhia Das Letras
(2007)



Livro Literatura Estrangeira A Revolução dos Bichos
George Orwell
Globo
(1984)



Estudos de História Carioca
Prefeitura do Distrito Federal
Leitura



Para Sempre Contigo
Evanice Maria Pereira
Petit
(2012)



Coisas que Todo Garoto Deve Saber + Diário dos Garotos Espertos
Antonio Carlos Vilela; Martin Oliver
Melhoramentos; Lua de Papel
(2012)



Linguagens e Culturas Infantis
Adriana Friedmann
Cortez
(2013)



O Menino do Bolso Furado
Maria Helena Bazzo
Passarinho
(2017)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês