O fim do (meu) automóvel | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/1/2013
O fim do (meu) automóvel
Marta Barcellos

+ de 2500 Acessos

Comecei a economizar para comprar um carro aos 17 anos. Como tinha passado no vestibular para o segundo semestre, arrumei emprego em uma butique no primeiro e iniciei minha poupança. Ainda consegui juntar mais algum trabalhando durante os meses de greve na universidade, mas mesmo assim o sonho do carrinho próprio estava distante: só foi concretizado uns oito anos depois, porque virei chefe precocemente e o salário afinal melhorou.

Era um Chevette Hatch, azul escuro. Uma joia. Fiquei com ele até poder trocar por um Escort verde claro, com um item que então se tornava necessário: ar condicionado. Não, o problema não era o calor, mas os assaltos nos sinais de trânsito. Contabilizei quatro...

Quem tem idade para situar essa história já sabe que esses primeiros carros eram usados. Sabe-se lá quem comprava automóvel zero naquela época, antes de aparecerem os tais modelos populares. Por isso, além do perigo dos pivetes no sinal, havia as inevitáveis visitas ao mecânico. Pode parecer uma vida difícil para uma mulher que dirigia pela cidade sozinha, ia e vinha do trabalho e dos barzinhos (não existia lei seca) todo dia, dava carona para os amigos. Mas eu adorava. O carro era um símbolo da minha independência, da libertação da vida anterior, esta sim, dura, de sacolejar por horas dentro de ônibus que podiam demorar a passar e nem parar no ponto. Não havia hipótese de eu voltar a ser uma desmotorizada.

O carro era como uma continuação do meu corpo, porque me possibilitava ir aonde eu quisesse, escolher a minha aventura, e também me sentir em casa antes de voltar para casa. Era tão apaixonada pelo meu primeiro carro, o mais simplesinho, que fiquei danada quando soube que o amigo para quem eu o vendera tinha amassado toda a sua frente. Sempre fui orgulhosa de dirigir bem.

Minha relação com automóveis nada tinha a ver com aquela que depois observei em outras pessoas, especialmente quando fui morar em São Paulo. Nunca soube identificar carro pela marca na rua, e ignorava que também pudesse ser um símbolo de status. Quando percebi este tipo de comportamento, não botei na conta do carro, mas na de seus donos - quem ostenta sempre tem um quê de brega.

Recordo tudo isso aqui porque, há um ano, venho tomando coragem para vender o meu carro. Ele é vermelho, depois de muitos prateados. "Estou pensando em vender o meu carro", eu digo, "vender para não comprar outro", explico, e, ao mesmo tempo, me testo, verifico o quanto ele ainda é necessário no meu dia a dia. Para quase todos os meus deslocamentos, tem sido mais prático usar o ônibus ou ir a pé. O trânsito se tornou um inferno, o prazer de dirigir foi para a cucuia e os estacionamentos estão pela hora da morte.

Naturalmente, às vezes fraquejo e arranjo uma desculpa para pegar o carro. Está chovendo. Naquele dia precisarei ir a vários lugares diferentes. Ou carregar coisas pesadas. Mesmo assim, acabei me adaptando a uma vida com mochila nas costas e calçados confortáveis: tenho o privilégio hoje de trabalhar e estudar relativamente perto de casa. Com as obras do metrô tomando conta do bairro onde moro, a decisão de aposentar o carro parece ainda mais acertada.

É moderno, é ecológico, mas... o que fazer com todo o meu passado de motorista feliz e orgulhosa? Afinal, foi assim que a indústria automobilística e toda uma leva de políticos que nunca investiram em transporte público me forjaram. Leio que os jovens hoje não dão o mesmo valor de antes para automóveis: a mobilidade é garantida por tablets e smartphones. Melhor assim. E tomara que os mais novos batalhem pela eficiência do metrô e do ônibus, e briguem com quem compra carrão que atravanca e polui as ruas. Quanto à bicicleta, novo símbolo do jovem urbano descolado e sustentável, não consigo ser otimista no curto prazo.

Por trás de um aparente consenso entre autoridades e ciclistas - todos são a favor da bicicleta como transporte - percebo a tensão aumentando na medida em que as regras não são definidas e o sonho da vida de bicicleta ganha as ruas de verdade.

Veja o caso do Leblon, bairro que acaba de ter várias vias interditadas por causa da construção da Linha 4 do metrô. Os moradores, que sempre se gabaram de fazer tudo a pé na região (isso era até piada), agora estão sendo convocados pelo prefeito a comprar bicicletas. A promoção de Natal da vez, em lojas e shoppings, é o sorteio de bicicletas elétricas, candidatas a novo sonho de consumo dos moradores da zona sul. Mas não há ciclovias suficientes nem campanhas educativas sobre onde e como bicicletas podem conviver com carros e ônibus nas mesmas pistas.

Esta semana, vi um pedestre irritado com uma bicicleta elétrica na calçada, agora mais estreita por causa dos canteiros do metrô. Já posso imaginar o jovem ciclista decepcionado com o engodo do sonho que comprou. Assim como eu apostei no carro, influenciada por uma poderosa rede de interesses, hoje o ciclista pode estar sendo usado por autoridades que não sabem lidar com o conflito já armado: continuamos sendo um país movido pela indústria automobilística, e apelos como "usem bicicleta" só fazem sentido dentro de um novo planejamento urbano que reveja este projeto inicial.

Por enquanto, o que temos são obras pontuais decididas às pressas por causa da Copa e da Olimpíada. Quem sabe os jovens, ciclistas e adeptos conscientes dos transportes públicos, consigam se mobilizar com seus tablets e smartphones para mudar essa realidade.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
04. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
05. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERTURBAÇÕES SONORAS NAS EDIFICAÇÕES URBANAS
WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 30,00



GUIA HISTÓRICO DO ESPIRITISMO: O CENTENÁRIO DE CHICO XAVIER
EDITORA SAMPA
SAMPA
R$ 20,00



WOLVERINE Nº 97 - MARÇO / 2000 - O RESGATE DO PROFESSOR XAVIER
MARVEL COMICS
ABRIL
(2000)
R$ 7,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 5 LISBO OLP
DIVERSOS AUTORES
EDIÇÕES ZAIROL
(1999)
R$ 45,00



APRENDA A INVESTIR COM SUCESSO EM AÇÕES
GIL ARI DESCHATRE E ARNALDO MAJER
CIÊNCIA MODERNA
(2006)
R$ 39,00



CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS
JOÃO PASSARELLI; EUNIR DE AMORIM BOMFIM
IOB
(2008)
R$ 25,00



PARANÓIA A SÍNDROME DO MEDO
STELLA CARR
FTD
(1993)
R$ 7,11



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ATICA
(1982)
R$ 10,00



ESTILO DE ÉPOCA NA LITERATURA
DOMÍCIO PROENÇA FILHO
LICEU
(1973)
R$ 10,00



ÁTILA, VOCÊ É BÁRBARO
JAGUAR
SESI
(2014)
R$ 12,99





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês