A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/4/2003
A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Pelo poder da música cumprimos nossa marcha,
Alegres, através da escura Noite da Morte!"
(A Flauta Mágica, de Mozart)

Jorge Coli formou-se em História da Arte pela Universidade de Provença (França). Doutorou-se em estética pela USP. Sua livre-docência é sobre "A Batalha de Guararapes", de Victor Meirelles. É professor do programa de pós-graduação em História da Arte e da Cultura, da UNICAMP. Dirige, com Pedro Paulo Funari, a Revista de Arte e Arquelogia. É responsável pela coluna "Ponto de Fuga", do caderno Mais!, da Folha de São Paulo.

É autor de O que é arte (ed. Brasiliense), Van Gogh: a noite estrelada (ed. Brasiliense), O mundo musical de Mário de Andrade (Ed. da Unicamp) e A paixão segundo a ópera (ed. Perspectiva/Fapesp). Recebeu este ano o prêmio "Gonzaga Duque" de Crítica de Arte da Associação Brasileira dos Críticos de Arte.

***

A seguir apresentamos a entrevista que Jorge Coli gentilmente concedeu ao Digestivo Cultural por e-mail.

1 - Em uma sociedade como a nossa, que vive sob um violento impacto visual, tecnológico, provindo da mídia e da publicidade, como deve ser o olhar sobre as obras de arte?

JORGE COLI: O olhar sobre a obra de arte necessita da lentidão e do constante retorno. Há uma exigência da preparação do espírito, da volta freqüente ao objeto, do prazer do encontro e do reencontro, do rastreio entre diversas afinidades que podem ser encontradas no interior da cultura e que vêm fecundar o objeto. Toda obra de arte pressupõe, de algum modo, uma gravidade por parte do espectador.

2 - O que determinou o interesse do Sr. pela Arte?

JORGE COLI: Creio ter sido uma grande atração pela história da cultura. Nunca pensei a História da Arte de maneira isolada e acredito que as divisões estanques em domínios precisos são prejudiciais. Explico-me. Dividir os campos da cultura e das artes em história da literatura, da música, das religiões etc. é evidentemente necessário. O especialista deve dominar um núcleo forte de conhecimentos para poder discorrer com propriedade sobre seus temas. Este núcleo, entretanto, torna-se longitudinal em relação ao tempo. O que significa um historiador da escultura, da literatura? Alguém que domina milênios de produção artística? É claro que esta situação - freqüente, no entanto - significa um contra-senso. As esculturas cicládicas e as de Michelangelo, para serem compreendidas dependem de universos culturais que as ultrapassam - no sentido da grande cultura, mas também no sentido da antropologia - e que o historiador não tem o direito de desdenhar. Desse modo, se é necessário fixarmo-nos em núcleos específicos de preocupação - trabalharmos, por exemplo, mais sobre a pintura ou romance - isso exige uma circulação nada superficial sobre as outras artes, sobre formas diversas de pensamento, sentimento e comportamento que lhes são contemporâneas. Um estudioso de literatura barroca que não tem idéia do que seja a arquitetura do período pelo qual se interessa, poderá, em seus trabalhos, trazer elementos interessantes de informação pontual, mas eles serão sempre limitados. Para ficarmos no mesmo exemplo - é absurdo que um historiador da literatura barroca desconheça o fenômeno da ópera; e um musicólogo do mesmo período, se não mergulhar em textos literários, reduzirá em muito o alcance de seu trabalho. Parece-me que mais fecundo e rigoroso é especializarmo-nos num período e dentro dele localizarmos um objeto mais específico.

3 - Para um estudioso da história da arte, como é o caso do Sr., o que significa, afinal, a arte?

JORGE COLI: A arte dispõe relações que se tecem de maneira intuitiva, provocando ao mesmo tempo prazer e percepção de fenômenos humanos. Ela é, portanto, lugar de prazer e de intuições secretas, cada uma alimentado a outra.

4 - Existe algum grande artista nas artes plásticas e na música que o toca mais profundamente, que o prende com mais força? Se sim, porque?

JORGE COLI: Quanto mais alguém mergulha num gênero ou num artista, mais amplia sua compreensão e seu prazer. Isso determina um fenômeno complexo: mesmo obras "menores" passam a ter interesse acrescido, porque se constituem como parte insubstituível de um organismo complexo.Na verdade, não se pode viver apenas de grandes autores ou de obras-primas; as obras menores enriquecem a inteligência e o gozo das maiores, e vice versa. Como cada obra é singular, esse prazer é irredutível e insubstituível. Escolher um autor seria injusto com todos os outros. Mas, por minha trajetória pessoal, tenho trabalhado mais alguns autores, como Verdi e Delacroix.

5 - O Sr. acaba de lançar um livro A Paixão Segundo a Ópera. A ópera, que parece um objeto de culto estranho, e que foi praticamente sepultada pelos compositores modernistas (com raríssimas exceções, como Schönberg na sua obra "Moisés e Aarão", de 1932), tem ainda algo a nos transmitir?

JORGE COLI: Tanto tem, que ela ressurge hoje com muita força. Os compositores contemporâneos, com algumas exceções, não descobriram ainda o caminho de uma ópera para os nossos dias, capaz de comover o público de hoje. Talvez os preconceitos modernos tenham sido mais fortes na música do que em outros campos das artes.

6 - No canto XII da Odisséia, de Homero, Ulisses se deixa prender ao mastro do navio para que, ao mesmo tempo, desfrute da beleza do canto das sereias e não se perca, sucumbindo ao maravilhoso canto que o levaria à morte. Poderíamos ver em Ulisses um exemplo de atitude que o historiador da arte deveria tomar frente às paixões que a obra de arte desperta?

JORGE COLI: Creio que não. A metáfora de Ulisses pôde já ser percebida como uma oposição entre a consciência analítica, "crítica", e os prazeres da arte. Esta oposição teve uma grande audiência em nosso século. Brecht empregou-a como dado fundamental num projeto teórico para o teatro. A idéia da consciência que não se deixa enganar pelos deleites da arte é do nosso tempo, do nosso século. Entre nós, nos anos 60, o professor Roberto Schwarz publicou um livro de ensaios que teve sucesso no meio universitário. Seu título era, justamente, A sereia e o desconfiado. Isto talvez esteja também veiculado ao prestígio que certa noção de "teoria" possui entre nós. Mais nobre e elevada que os trabalhos complexos, ela parece conferir um brasão ingenuamente "intelectual" ao papel dos historiadores. Tenho para mim, no entanto, a convicção de que esta postura, em verdade, rouba aquilo que é essencial: o prazer de fruir os objetos da cultura. Esta fruição é o mais fecundo. O amor pelo seu objeto deve ser a primeira postura do espírito. Creio que devemos confiar no objeto, na sereia. Ela nos faz ouvir cantos jamais emitidos: ela nos ensina, portanto. Não é nossa consciência lógica, fria, "crítica", que vai fazer com que saiamos de nós. Essa pretensa consciência nos amarra, como Ulisses ao mastro. Porém, a Sereia é a mestra. Ela nos ensina configurações do conhecer que nem poderíamos imaginar. Não há bom trabalho sobre arte sem paixão, sem amor, sem entrega à sereia. Se o navio arrebentar e naufragar, tanto melhor: ele o merecia. O pesquisador deve descobrir melhores navegações.

7 - Para o estudioso das artes plásticas, com a licença de Alberto Caeiro, "pensar é estar doente dos olhos"? Devemos calar um pouco nossos conceitos e aprender a pensar com os olhos?

JORGE COLI: Existe uma diferença entre os homens cultos, ou de cultura, e os intelectuais. Os intelectuais são embriagados pelas construções do pensamento, por suas articulações, por estruturas que se armam de modo fascinante. Uma boa metáfora seria a dos grandes ginastas. Isso, porém, com freqüência, desvia o olhar - ou antes, os sentidos - das percepções intuitivas e complexas, que só se entregam com uma longa e paciente frequentação dos objetos da cultura. É um pouco Poirot contra Maigret. O ideal, é uma junção entre as duas coisas, mas é raro que isto ocorra.

8 - Não existe no sistema educacional brasileiro um incentivo à cultura da música erudita. No caso da nossa conhecida MPB, já temos as letras dos idolatrados Caetano-Gil-Chico sendo colocadas em livros didáticos ao lado de importantes textos literários, tornando-se, inclusive, matéria para vestibulares. Como o Sr. vê este problema, que muitas vezes se baseia num opção pelo popular (do "povo") em contraposição ao erudito (tido como "elitista")?

JORGE COLI: Este é um grande vício que ocorre em certas opiniões correntes de meios intelectuais. É uma nivelação propriamente inculta. Todos os objetos da cultura são dignos de interesse. Mas é preciso que eles se insiram num caldo cultural coerente, que permita comparações adequadas e interações que se justifiquem. Essas atitudes, às quais você se refere, desconhecem o lugar mais fecundo para a disposição de cada obra. É assustador que uma coisa tome lugar e se imponha à outra. Quem nunca ouviu, de fato, com empenho, Beethoven ou Debussy, por exemplo, pode ter as suas necessidades musicais satisfeitas pela música popular. Mas ele está apenas arranhando a superfície de um universo muito mais complexo que imagina; e não tem, na verdade, noção do que a música possa alcançar. Se esse alguém possui alguma autoridade, pode impor os seus limites de compreensão a um grupo mais amplo. Isto significa duas coisas: pobreza e empobrecimento mental.

9 - Um amigo me disse certa vez que a única diferença entre São Paulo e Paris é que em um fim de semana em Paris acontecem perto de 500 eventos culturais, enquanto que em São Paulo no máximo temos 50 eventos. A partir da frequentação que o Sr. tem tido ao universo cultural americano e europeu, como avalia a cultura praticada no Brasil? Em que pé estamos, quando sabemos que produzimos ainda pouca cultura e que pouco (ou quase nada) do que produzimos torna-se referência internacional? Podemos falar em um padrão internacional para a cultura que o Brasil produz? Existe realmente uma diferença notável?

JORGE COLI: 1) é uma cultura pobre - note, não uma cultura "dos pobres" -, uma cultura de muitos limites e muito tênue. Os nomes mais importantes formam a exceção que confirma a regra. 2) Em que pé estamos? num pé só, e sempre a beira de uma crise. 3) A questão é menos de um "padrão internacional" - o que significa isto: presença, sucesso no exterior? - que de uma presença forte e sincera das manifestações culturais que ocorrem neste país. 4) Existe sem dúvida, em relação a países mais ricos e cujas práticas culturais são mais constantes, uma grande diferença, para mais frágil e ralo naquilo que ocorre no Brasil.

10 - Como tem sido sua experiência na coluna "Ponto de Fuga" do caderno MAIS! da Folha de São Paulo? Existe alguma preocupação central para a produção destes textos? Qual a recepção dos leitores?

JORGE COLI: É uma ótima experiência de disciplina da escrita. É preciso produzir um texto todas as semanas, que possui um formato e um tamanho muito precisos. Por jogo, eu limito os toques a 3900, e dou, para mim mesmo, uma folga de 10 toques a mais ou a menos. Tudo deve ser econômico e suficiente; dá um certo trabalho, muito mais do que escrever um texto longo; levo mais tempo na coluna do que num ensaio de 10 páginas. Decidi também, desde o início, jamais usar a primeira pessoa do singular, para evitar, nesses textos que voltam toda semana, o risco de um narcisismo insistente. Decidi ainda não tratar, nunca, de assuntos que já tenham grande lugar nas outras páginas do jornal, como a televisão e a música popular. Há uma preocupação de início: qual vai ser o título? sem ele, não consigo escrever. Depois, preocupo-me com a clareza: não há embuste maior do que escrever complicado e difícil, seja num jornal, seja numa tese. A recepção dos leitores é muito animadora. Recebo vários e-mails por semana; estabeleço, às vezes, troca de mensagens mais longas com certos leitores, que são muito interessantes. Nunca deixo, de qualquer forma, de responder aos e-mails que recebo.

Para ir além







Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 21/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
04. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/4/2003
14h56min
ao digestivo, ao colunista e ao entrevistado, meus parabéns pela entrevista. é um prazer poder desfrutar da riqueza que uma entrevista tão inteligente e sensível como esta proporciona. carlo
[Leia outros Comentários de carlo]
21/4/2003
15h03min
Muito instigantes as questões postas por Jorge Colli, meu colega no Departamento de História da Unicamp. Suas observações sobre a relação entre estética e história cultural remetem-me ao meu ensaio "As máscaras do medo - Lepraids" (Ed.Unicamp,2000), no qual procuro explorar justamente as relações (trágicas, no caso)entre literatura de ficção e narrativas científicas sobre a doença.
[Leia outros Comentários de Italo A. Tronca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUIDADOS DE ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRAMSMISSÍVEIS
DOROTHEE VOLCKERS ARANTES COORDENAÇÃO
HOSPITAL EMILIO RIBAS
(1983)
R$ 13,00



A PROFECIA CELESTINA
JAMES REDFIELD
OBJETIVA
(1993)
R$ 15,00



DESMASCARANDO O OCULTISMO
CINDY JACOBS
DANPREWAN
R$ 19,90



A ÚLTIMA LIÇÃO - O SENTIDO DA VIDA
MITCH ALBOM
SEXTANTE
(1998)
R$ 8,90



REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO Nº 447
IHGB (EDIÇÃO 2010, Nº 447 - A 171)
IHGB
(2010)
R$ 15,82



TOME 1 POUR ABORDER LA LINGUISTIQUE INITIATION
ROLNAD ELUERD
LES EDITIONS ESF
(1979)
R$ 75,00



A BOA TERRA
PEARL S. BUCK
ABRIL
(1981)
R$ 29,00



A VIRGEM E O CIGANO
D. H. LAWRENCE
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIÇÕES SOBRE AMAR E VIVER
MORRIE SCHWARTZ
SEXTANTE
(2005)
R$ 28,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2011)
R$ 4,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês