A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/4/2003
A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 13700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Pelo poder da música cumprimos nossa marcha,
Alegres, através da escura Noite da Morte!"
(A Flauta Mágica, de Mozart)

Jorge Coli formou-se em História da Arte pela Universidade de Provença (França). Doutorou-se em estética pela USP. Sua livre-docência é sobre "A Batalha de Guararapes", de Victor Meirelles. É professor do programa de pós-graduação em História da Arte e da Cultura, da UNICAMP. Dirige, com Pedro Paulo Funari, a Revista de Arte e Arquelogia. É responsável pela coluna "Ponto de Fuga", do caderno Mais!, da Folha de São Paulo.

É autor de O que é arte (ed. Brasiliense), Van Gogh: a noite estrelada (ed. Brasiliense), O mundo musical de Mário de Andrade (Ed. da Unicamp) e A paixão segundo a ópera (ed. Perspectiva/Fapesp). Recebeu este ano o prêmio "Gonzaga Duque" de Crítica de Arte da Associação Brasileira dos Críticos de Arte.

***

A seguir apresentamos a entrevista que Jorge Coli gentilmente concedeu ao Digestivo Cultural por e-mail.

1 - Em uma sociedade como a nossa, que vive sob um violento impacto visual, tecnológico, provindo da mídia e da publicidade, como deve ser o olhar sobre as obras de arte?

JORGE COLI: O olhar sobre a obra de arte necessita da lentidão e do constante retorno. Há uma exigência da preparação do espírito, da volta freqüente ao objeto, do prazer do encontro e do reencontro, do rastreio entre diversas afinidades que podem ser encontradas no interior da cultura e que vêm fecundar o objeto. Toda obra de arte pressupõe, de algum modo, uma gravidade por parte do espectador.

2 - O que determinou o interesse do Sr. pela Arte?

JORGE COLI: Creio ter sido uma grande atração pela história da cultura. Nunca pensei a História da Arte de maneira isolada e acredito que as divisões estanques em domínios precisos são prejudiciais. Explico-me. Dividir os campos da cultura e das artes em história da literatura, da música, das religiões etc. é evidentemente necessário. O especialista deve dominar um núcleo forte de conhecimentos para poder discorrer com propriedade sobre seus temas. Este núcleo, entretanto, torna-se longitudinal em relação ao tempo. O que significa um historiador da escultura, da literatura? Alguém que domina milênios de produção artística? É claro que esta situação - freqüente, no entanto - significa um contra-senso. As esculturas cicládicas e as de Michelangelo, para serem compreendidas dependem de universos culturais que as ultrapassam - no sentido da grande cultura, mas também no sentido da antropologia - e que o historiador não tem o direito de desdenhar. Desse modo, se é necessário fixarmo-nos em núcleos específicos de preocupação - trabalharmos, por exemplo, mais sobre a pintura ou romance - isso exige uma circulação nada superficial sobre as outras artes, sobre formas diversas de pensamento, sentimento e comportamento que lhes são contemporâneas. Um estudioso de literatura barroca que não tem idéia do que seja a arquitetura do período pelo qual se interessa, poderá, em seus trabalhos, trazer elementos interessantes de informação pontual, mas eles serão sempre limitados. Para ficarmos no mesmo exemplo - é absurdo que um historiador da literatura barroca desconheça o fenômeno da ópera; e um musicólogo do mesmo período, se não mergulhar em textos literários, reduzirá em muito o alcance de seu trabalho. Parece-me que mais fecundo e rigoroso é especializarmo-nos num período e dentro dele localizarmos um objeto mais específico.

3 - Para um estudioso da história da arte, como é o caso do Sr., o que significa, afinal, a arte?

JORGE COLI: A arte dispõe relações que se tecem de maneira intuitiva, provocando ao mesmo tempo prazer e percepção de fenômenos humanos. Ela é, portanto, lugar de prazer e de intuições secretas, cada uma alimentado a outra.

4 - Existe algum grande artista nas artes plásticas e na música que o toca mais profundamente, que o prende com mais força? Se sim, porque?

JORGE COLI: Quanto mais alguém mergulha num gênero ou num artista, mais amplia sua compreensão e seu prazer. Isso determina um fenômeno complexo: mesmo obras "menores" passam a ter interesse acrescido, porque se constituem como parte insubstituível de um organismo complexo.Na verdade, não se pode viver apenas de grandes autores ou de obras-primas; as obras menores enriquecem a inteligência e o gozo das maiores, e vice versa. Como cada obra é singular, esse prazer é irredutível e insubstituível. Escolher um autor seria injusto com todos os outros. Mas, por minha trajetória pessoal, tenho trabalhado mais alguns autores, como Verdi e Delacroix.

5 - O Sr. acaba de lançar um livro A Paixão Segundo a Ópera. A ópera, que parece um objeto de culto estranho, e que foi praticamente sepultada pelos compositores modernistas (com raríssimas exceções, como Schönberg na sua obra "Moisés e Aarão", de 1932), tem ainda algo a nos transmitir?

JORGE COLI: Tanto tem, que ela ressurge hoje com muita força. Os compositores contemporâneos, com algumas exceções, não descobriram ainda o caminho de uma ópera para os nossos dias, capaz de comover o público de hoje. Talvez os preconceitos modernos tenham sido mais fortes na música do que em outros campos das artes.

6 - No canto XII da Odisséia, de Homero, Ulisses se deixa prender ao mastro do navio para que, ao mesmo tempo, desfrute da beleza do canto das sereias e não se perca, sucumbindo ao maravilhoso canto que o levaria à morte. Poderíamos ver em Ulisses um exemplo de atitude que o historiador da arte deveria tomar frente às paixões que a obra de arte desperta?

JORGE COLI: Creio que não. A metáfora de Ulisses pôde já ser percebida como uma oposição entre a consciência analítica, "crítica", e os prazeres da arte. Esta oposição teve uma grande audiência em nosso século. Brecht empregou-a como dado fundamental num projeto teórico para o teatro. A idéia da consciência que não se deixa enganar pelos deleites da arte é do nosso tempo, do nosso século. Entre nós, nos anos 60, o professor Roberto Schwarz publicou um livro de ensaios que teve sucesso no meio universitário. Seu título era, justamente, A sereia e o desconfiado. Isto talvez esteja também veiculado ao prestígio que certa noção de "teoria" possui entre nós. Mais nobre e elevada que os trabalhos complexos, ela parece conferir um brasão ingenuamente "intelectual" ao papel dos historiadores. Tenho para mim, no entanto, a convicção de que esta postura, em verdade, rouba aquilo que é essencial: o prazer de fruir os objetos da cultura. Esta fruição é o mais fecundo. O amor pelo seu objeto deve ser a primeira postura do espírito. Creio que devemos confiar no objeto, na sereia. Ela nos faz ouvir cantos jamais emitidos: ela nos ensina, portanto. Não é nossa consciência lógica, fria, "crítica", que vai fazer com que saiamos de nós. Essa pretensa consciência nos amarra, como Ulisses ao mastro. Porém, a Sereia é a mestra. Ela nos ensina configurações do conhecer que nem poderíamos imaginar. Não há bom trabalho sobre arte sem paixão, sem amor, sem entrega à sereia. Se o navio arrebentar e naufragar, tanto melhor: ele o merecia. O pesquisador deve descobrir melhores navegações.

7 - Para o estudioso das artes plásticas, com a licença de Alberto Caeiro, "pensar é estar doente dos olhos"? Devemos calar um pouco nossos conceitos e aprender a pensar com os olhos?

JORGE COLI: Existe uma diferença entre os homens cultos, ou de cultura, e os intelectuais. Os intelectuais são embriagados pelas construções do pensamento, por suas articulações, por estruturas que se armam de modo fascinante. Uma boa metáfora seria a dos grandes ginastas. Isso, porém, com freqüência, desvia o olhar - ou antes, os sentidos - das percepções intuitivas e complexas, que só se entregam com uma longa e paciente frequentação dos objetos da cultura. É um pouco Poirot contra Maigret. O ideal, é uma junção entre as duas coisas, mas é raro que isto ocorra.

8 - Não existe no sistema educacional brasileiro um incentivo à cultura da música erudita. No caso da nossa conhecida MPB, já temos as letras dos idolatrados Caetano-Gil-Chico sendo colocadas em livros didáticos ao lado de importantes textos literários, tornando-se, inclusive, matéria para vestibulares. Como o Sr. vê este problema, que muitas vezes se baseia num opção pelo popular (do "povo") em contraposição ao erudito (tido como "elitista")?

JORGE COLI: Este é um grande vício que ocorre em certas opiniões correntes de meios intelectuais. É uma nivelação propriamente inculta. Todos os objetos da cultura são dignos de interesse. Mas é preciso que eles se insiram num caldo cultural coerente, que permita comparações adequadas e interações que se justifiquem. Essas atitudes, às quais você se refere, desconhecem o lugar mais fecundo para a disposição de cada obra. É assustador que uma coisa tome lugar e se imponha à outra. Quem nunca ouviu, de fato, com empenho, Beethoven ou Debussy, por exemplo, pode ter as suas necessidades musicais satisfeitas pela música popular. Mas ele está apenas arranhando a superfície de um universo muito mais complexo que imagina; e não tem, na verdade, noção do que a música possa alcançar. Se esse alguém possui alguma autoridade, pode impor os seus limites de compreensão a um grupo mais amplo. Isto significa duas coisas: pobreza e empobrecimento mental.

9 - Um amigo me disse certa vez que a única diferença entre São Paulo e Paris é que em um fim de semana em Paris acontecem perto de 500 eventos culturais, enquanto que em São Paulo no máximo temos 50 eventos. A partir da frequentação que o Sr. tem tido ao universo cultural americano e europeu, como avalia a cultura praticada no Brasil? Em que pé estamos, quando sabemos que produzimos ainda pouca cultura e que pouco (ou quase nada) do que produzimos torna-se referência internacional? Podemos falar em um padrão internacional para a cultura que o Brasil produz? Existe realmente uma diferença notável?

JORGE COLI: 1) é uma cultura pobre - note, não uma cultura "dos pobres" -, uma cultura de muitos limites e muito tênue. Os nomes mais importantes formam a exceção que confirma a regra. 2) Em que pé estamos? num pé só, e sempre a beira de uma crise. 3) A questão é menos de um "padrão internacional" - o que significa isto: presença, sucesso no exterior? - que de uma presença forte e sincera das manifestações culturais que ocorrem neste país. 4) Existe sem dúvida, em relação a países mais ricos e cujas práticas culturais são mais constantes, uma grande diferença, para mais frágil e ralo naquilo que ocorre no Brasil.

10 - Como tem sido sua experiência na coluna "Ponto de Fuga" do caderno MAIS! da Folha de São Paulo? Existe alguma preocupação central para a produção destes textos? Qual a recepção dos leitores?

JORGE COLI: É uma ótima experiência de disciplina da escrita. É preciso produzir um texto todas as semanas, que possui um formato e um tamanho muito precisos. Por jogo, eu limito os toques a 3900, e dou, para mim mesmo, uma folga de 10 toques a mais ou a menos. Tudo deve ser econômico e suficiente; dá um certo trabalho, muito mais do que escrever um texto longo; levo mais tempo na coluna do que num ensaio de 10 páginas. Decidi também, desde o início, jamais usar a primeira pessoa do singular, para evitar, nesses textos que voltam toda semana, o risco de um narcisismo insistente. Decidi ainda não tratar, nunca, de assuntos que já tenham grande lugar nas outras páginas do jornal, como a televisão e a música popular. Há uma preocupação de início: qual vai ser o título? sem ele, não consigo escrever. Depois, preocupo-me com a clareza: não há embuste maior do que escrever complicado e difícil, seja num jornal, seja numa tese. A recepção dos leitores é muito animadora. Recebo vários e-mails por semana; estabeleço, às vezes, troca de mensagens mais longas com certos leitores, que são muito interessantes. Nunca deixo, de qualquer forma, de responder aos e-mails que recebo.

Para ir além







Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 21/4/2003

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/4/2003
14h56min
ao digestivo, ao colunista e ao entrevistado, meus parabéns pela entrevista. é um prazer poder desfrutar da riqueza que uma entrevista tão inteligente e sensível como esta proporciona. carlo
[Leia outros Comentários de carlo]
21/4/2003
15h03min
Muito instigantes as questões postas por Jorge Colli, meu colega no Departamento de História da Unicamp. Suas observações sobre a relação entre estética e história cultural remetem-me ao meu ensaio "As máscaras do medo - Lepraids" (Ed.Unicamp,2000), no qual procuro explorar justamente as relações (trágicas, no caso)entre literatura de ficção e narrativas científicas sobre a doença.
[Leia outros Comentários de Italo A. Tronca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lord Jim
Joseph Conrad
Abril
(1980)



Bellini e a esfinge
Tony Bellotto
Companhia das Letras
(1995)



Chuva Pesada
Janwillem Van de Wetering
Jorge Zahar Editor
(1987)



Determinação do Montante do Tributo - Quantificação, Fixação e Avaliaç
Valdir de Oliveira Rocha
Dialética
(1995)



Lições de Direito Econômico
Leonardo Vizeu Figueiredo
Forense
(2012)



A História Não Contada Dos EUA
Peter Kuznick
Faro Editorial
(2015)



As leis secretas do poder
Alla Svirinskaya
Prumo
(2008)



Raul da Ferrugem Azul
Ana Maria Machado
Salamandra
(2003)



Por Que os Homens Se Casam Com as Manipuladoras
Sherry Argov
Best Seller
(2009)



O Despertar da Nova Era - Antologia Poética
Ida Katzap
Do Autor
(1998)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês