Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
Mais Recentes
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
>>> Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> Asterix Entre os Bretões- Número 4
>>> Apresentação de Jorge de Lima
>>> Rei Negro
>>> A Literatura no Brasil volume 5 Modernismo
>>> Miragem
>>> O Rajá do Pendjab - vol. 1
>>> A Aldeia Ancestral
>>> Inocência Heróica
>>> A Colheita
>>> -Inéditos - Revista volume 2
>>> A Literatura no Brasil Volume 3
>>> A Revolução das Moedas Digitais- Bitcoins e Altcoins
>>> O Menino de Capivari - Volumes I, II e III
>>> Por uma Geografia Nova
>>> Oriundi - os Italianos em Capivari
>>> Filosofia da Realidade e da Projeção
>>> Astrojildo Pereira - in Memoriam
>>> J. Prata - Belas Páginas
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Ensinar a Pensar -Teoria e Aplicação
>>> Na Escola que Fazemos - Uma reflexão interdisciplinar em edução popula
>>> Educação e Mudança
>>> Acompanhantes Terapêuticos e Pacientes Psicóticos
>>> A Beleza da Arte
>>> A Ronda das Ruas
>>> O Combate a Corrupçao Nas Prefeituras do Brasil
>>> Ciencias e Tecnologias Col. Pesquisas e Praticas Em Educacao
>>> Prática Pedagógica Competente: Ampliando os Saberes do Professor
>>> Os Segredos do Gerente 8020
>>> Excelência no Secretariado: A Importância da Profissão nos...
>>> Segurança E Medicina Do Trabalho
>>> Gestão de Investimentos - Pocket
>>> Plano de Negócios
>>> Marinheiros e professores: crônicas simples ade, construtivismo
COLUNAS

Terça-feira, 17/1/2017
Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2400 Acessos



No final de “Meshugá: um romance sobre a loucura”, de Jacques Fux, editado em 2016 pela editora José Olympio, encontramos as seguintes colocações: “Ele enlouqueceu junto com seus personagens. (...) Busca alguma forma de redenção e de suplício através da escrita. (...) Ele não foi salvo pelas suas palavras.”

O romance (não esperem um romance tradicional) tem relação direta com as três frases citadas acima. Primeiro porque trata da loucura dos personagens e uma possível identificação do narrador com os mesmos dramas; segundo, porque, ao mesmo tempo que busca uma redenção na escrita, o narrador parece se chicotear ao escolher tema tão desnorteado como a loucura; terceiro, porque sua fé na escrita banha-se, no fim das contas, numa melancólica não redenção, a última possível, a da escrita, depois da descrença absoluta nos valores espirituais do povo judaico.

O romance, então, estrutura-se a partir da narrativa da loucura que acometeu alguns judeus ilustres e termina com um narrador autoconsciente que avalia a sua relação com essa tradição de loucos judeus. Inclusive, fica tão contaminado com a narrativa da loucura, essa que o habita também, que “durante a escrita acha que vai morrer”.

Não são poucos os loucos escolhidos e as façanhas de sua loucura avaliadas pelo escritor. Embora queira, inicialmente, se divertir com “os mitos, as crenças e as falácias atribuídas ao louco judeu – meshugá”, segundo o narrador, “se enganou redondamente”. Buscou o distanciamento, usando as armas racionais da pesquisa: “Biografou, pesquisou e esmiuçou a vida, os medos e os escritos de cada um dos personagens que inventariou”. Não escapou de encontrar a loucura dentro de si, como se ao olhar os personagens que escolheu se olhasse num espelho. “Ele se tornou seus fantasiosos personagens. E enlouqueceu junto com eles”. Eis a saga que lemos no livro de Fux, a loucura como ferida aberta na existência dos biografados que foi se consubstanciando com o narrador.

A ironia autodepreciativa (principal elemento do humor judaico) é a ponte que liga o narrador aos loucos que revisita de forma bastante livre, recriando e/ou reinventando suas biografias, remexendo em seus dramas mais obscuros, quase como se os colocasse num divã psicanalítico. E ao fazer isso, como já dissemos, faz seu próprio inconsciente emergir. A escritura do romance une esses dois elementos para a configuração da narrativa.

Dentro do próprio romance aparecem dados que são procedimentos parecidos ao adotado pelo escritor de Meshugá. O primeiro caso extremo narrado é o de Sarah Kofman. Seu caso torna-se idêntico ao do narrador, que ao escrever sobre outros escondia de si mesmo sua própria loucura. Mas eis que um dia desaba a barreira psicológica que a protegia de si mesma: “Sempre escreveu sobre o discurso dos outros, buscando recalcar ao máximo suas dolorosas palavras. Mas elas finalmente eclodiram, transbordando sentimentos tão adormecidos e escondidos, que ela não mais conseguiu suportar, tampouco sustentar e resistir ao pavor de suas reminiscências”.

O suicídio de Sarah depois do encontro consigo mesma, com aquela verdade que negava para manter-se viva, é relatado em sua circunstância objetiva e filosófica: “Ela toma um banho. Coloca sua camisola. Pega mais uma vez a sua autobiografia. (...) Está prestes a exorcizar tudo. Ela então toma todos os remédios que consegue. (...) Engole com prazer e angústia. Com desprezo e afobação. Nesses 20 minutos antes de apagar definitivamente, lembra-se mais uma vez de suas duas mães. Do pai. De Auschwitz.” E agora o resultado filosófico final, para o exame da humanidade: “Não, não há salvação para Auschwitz. Não, não há nada além da maldade humana. Não, não existe espécie alguma de arte ou de vida entre nós. ´Todos somos demasiadamente humanos e cruéis. Por isso eu escolho meu fim`, ela teria esbravejado diante do espelho, já sob efeito dos remédios.”

Uma das epígrafes do livro de Jacques Fux é o seguinte ditado iídiche: “S´iz shver tsu zayn a yid” (É duro ser judeu). As narrativas seguintes do livro não deixam por menos. Antes de elencar casos específicos, o narrador expõe casos dos absurdos relativos à crença de que os judeus são uma espécie de povo amaldiçoado. Leprosos, envenenavam as águas causando doenças e loucuras; de feiticeiros a bruxos, passaram em tempos modernos a sofrer com explicações científicas que insistiam na insanidade judaica. Povo sujo e tarado, como masturbadores viciados envelhecem cedo, pois não guardam o sêmen “para uma vida próspera”. Da antropologia recebem o veredito de que são mais loucos que as outras populações. Histeria e neurastenia torna-se coisa de judeu. Sua loucura deriva da consanguinidade e o incesto. Sexualizados e depravados, especialistas em cunnilingus, são tachados de pervertidos. O comportamento inato dessa “raça” gera as doenças e que o povo se afaste desse mal.

Seguindo os exemplos narrados por Fux, parece que a piada funciona.

1- Woody Allen e seu escandaloso caso “incestuoso” e pedófilo com a ninfeta coreana Soon-Yi, filha adotiva de sua esposa Mia Farrow;

2- Ron Jeremy, famoso ator pornô, com seu falo flamejante e encantador, um dos maiores pênis do cinema pornô, que transou com infinitas mulheres mas nunca encontrou o amor;

3- O matemático, Grisha Perelman, com sua obstinação em não receber os prêmios e cadeiras acadêmicas pelas suas fulgurantes resoluções de problemas matemáticos, inclusive resolvendo a conjectura de Poincaré, recusando o prêmio Clay no valor de um milhão de dólares e Bobby Fischer, ex-campeão mundial de xadrez, símbolo do patriotismo americano, que bateu palmas para a derrubada das torres gêmeas no 21 de setembro e deu uma entrevista a uma rádio dizendo que “já é hora de os malditos americanos terem suas cabeças chutadas. É hora de acabar com os EUA de uma vez por todas!”;

4- Otto Weiringer, suicida judeu e homossexual, que se matou aos 23 anos. Misto de gênio e louco, com ideias muito avançadas para a modernidade vienense, abusado pelo pai diante da mãe que não reagia, transferiu para sua teoria os desvios que escondia de si mesmo. Havia sido chupado pelo seu pai e obrigado a chupá-lo: “o judeu seria o grande especialista nas práticas do sexo oral: annilingus, fellatio e cunnilingus.” Autor de “Sexo e Caráter”, livro que Freud achava inconcluso e raso, Weiringer decidiu se suicidar na casa de Beethoven, onde alugou um quarto, ouvindo Richard Wagner. O suicídio como obra de arte. Desolado, anotou antes sua visão pessimista do homem: “O homem está sozinho no mundo, vivendo em um terrível e eterno isolamento. Não há objeto algum além dele; ele vive para nada; (...) ele está sozinho.” ;

3- A vida tresloucada de Daniel Burros, judeu fanático, suicida e antissemita transformado no maior intelectual da Ku Klux Klan;

4- Chegando, finalmente, em Sabbatai Zevi, judeu fanático que acreditava ser a encarnação do messias, vivendo no século XVII, deturpou o Torá, as palavras sagradas, para adaptá-las ao seu credo insano, chegando a dizer que flutuava e isso só não era visto pelas pessoas porque elas eram judeus impuros. Encontrou-se com outro fanático, Neemias, também crente em ser o messias, mas discordou de sua teoria da existência de dois messias. Acusado por Neemias de ser um judeu lascivo foi preso e pressionado a fazer algum milagre. Se fracassasse seria punido, só sendo salvo se se convertesse ao islamismo. Converteu-se à fé islâmica e viveu-a com a mesma paixão.

Esses casos, e outros, relatados em profundidade e com erudição por Jacques Fux, são atravessados por reflexões sobre a possibilidade da provável loucura dos judeus, ou de sua propensão a tal.

Entre os debates que intercalam os casos citados, há, por exemplo, a questão do humor e da neurose do povo escolhido. O humor serve para ofender e subjugar sem punição, com ele se debocham os colonizados dos colonizadores, os empregados dos patrões, os esquerdistas dos direitistas e por aí vai. No caso dos judeus, povo perseguido, “o humor é usado para se autodepreciar, tornando a própria situação inferiorizada ainda mais ridícula e miserável. O tal do ´humor do sorriso entre lágrimas`, como mencionou Freud.”

Segundo ainda Freud, haveria algo de proibido sendo dito no humor judaico, revelando a tensão entre judeus e sua revolta contra a eterna “questão do abandono, das constantes perseguições e extermínios, da loucura e da neurose”. É algo assim que produz um humor como o seguinte: “Prezadíssimo Deus, por 5 mil anos, nós orgulhosamente temos sido Seu povo escolhido. Agradecemos de coração esse presente. Mas, Você não acha que já chega? Escolha outro povo, por favor!”

Outra questão relacionada à loucura do judeu é sua obsessão por dinheiro, sua ganância. Talvez essa ideia tenha feito Freud relacionar o caráter anal ao acúmulo de capital. Mas ainda o cientista Krafft-Ebing tentou demonstrar cientificamente que por usar o cérebro incansavelmente para obter grandes lucros os judeus tornaram-se neurastênicos. O “tempo é dinheiro” alterou o paradigma e fez da “vida algo que não tenha mais tempo para ser vivida”.

Esses mitos e outros, tornados quase verdades absolutas, permeiam o livro de Fux, relacionando o comportamento alterado para o extremo com essas “pestilências”. Ao fim, o narrador se despede. “Ele aceita a dor e compreende humildemente todos os supostos loucos, suicidas e judeus”. Experimenta ao criar o romance as mesmas vertigens que assolaram outros criadores, está pronto para “pertencer” e sair por aí, inventando insanidades que só a literatura possibilita, sem se deixar morrer por elas. Nasce o escritor.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/1/2017


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
04. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017
05. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CASO DA LATA VAZIA - COLEÇÃO VAMPIRO
ERLE STANLEY GARDNER
LIVROS DO BRASIL LISBOA
(1941)
R$ 19,87



VIVER DE FÉ - SEM A FÉ É IMPOSSÍVEL AGRADAR A DEUS
PE JUCEMAR MARIA DA CRUZ
PALAVRA E PRECE
(2016)
R$ 10,00



VIDA LITERÁRIA
MÁRIO DE ANDRADE
HUCITEC
(1993)
R$ 50,00



VINHOS - UMA FESTA DOS SENTIDOS
ROGERIO DARDEAU
MAUAD
(2002)
R$ 8,01



WINTERFLIGHT - A NOVEL
JOSEPH BAYLY
MULTNOMAH BOOKS
(1994)
R$ 30,00
+ frete grátis



INDOOR CYCLING
WILLIAM M. DE CARVALHO
LEITURA
(2005)
R$ 32,00



THE ROAD WINDS ON
FRANCENA H. ARNOLD
MOODY PUBLISHERS
(1970)
R$ 40,00
+ frete grátis



101 DICAS ESSENCIAIS - MICROONDAS
SARAH BROWN + CONSULTORIA E ORGANIZAÇÃO
EDIOURO
(1997)
R$ 10,00



ASSASSINATO NO BECO
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(2003)
R$ 8,00



DIREITO TRIBUTÁRIO BRASILEIRO
ALIOMAR BALEEIRO
FORENSE
(2008)
R$ 90,00
+ frete grátis





busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês