Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/1/2017
Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2900 Acessos



No final de “Meshugá: um romance sobre a loucura”, de Jacques Fux, editado em 2016 pela editora José Olympio, encontramos as seguintes colocações: “Ele enlouqueceu junto com seus personagens. (...) Busca alguma forma de redenção e de suplício através da escrita. (...) Ele não foi salvo pelas suas palavras.”

O romance (não esperem um romance tradicional) tem relação direta com as três frases citadas acima. Primeiro porque trata da loucura dos personagens e uma possível identificação do narrador com os mesmos dramas; segundo, porque, ao mesmo tempo que busca uma redenção na escrita, o narrador parece se chicotear ao escolher tema tão desnorteado como a loucura; terceiro, porque sua fé na escrita banha-se, no fim das contas, numa melancólica não redenção, a última possível, a da escrita, depois da descrença absoluta nos valores espirituais do povo judaico.

O romance, então, estrutura-se a partir da narrativa da loucura que acometeu alguns judeus ilustres e termina com um narrador autoconsciente que avalia a sua relação com essa tradição de loucos judeus. Inclusive, fica tão contaminado com a narrativa da loucura, essa que o habita também, que “durante a escrita acha que vai morrer”.

Não são poucos os loucos escolhidos e as façanhas de sua loucura avaliadas pelo escritor. Embora queira, inicialmente, se divertir com “os mitos, as crenças e as falácias atribuídas ao louco judeu – meshugá”, segundo o narrador, “se enganou redondamente”. Buscou o distanciamento, usando as armas racionais da pesquisa: “Biografou, pesquisou e esmiuçou a vida, os medos e os escritos de cada um dos personagens que inventariou”. Não escapou de encontrar a loucura dentro de si, como se ao olhar os personagens que escolheu se olhasse num espelho. “Ele se tornou seus fantasiosos personagens. E enlouqueceu junto com eles”. Eis a saga que lemos no livro de Fux, a loucura como ferida aberta na existência dos biografados que foi se consubstanciando com o narrador.

A ironia autodepreciativa (principal elemento do humor judaico) é a ponte que liga o narrador aos loucos que revisita de forma bastante livre, recriando e/ou reinventando suas biografias, remexendo em seus dramas mais obscuros, quase como se os colocasse num divã psicanalítico. E ao fazer isso, como já dissemos, faz seu próprio inconsciente emergir. A escritura do romance une esses dois elementos para a configuração da narrativa.

Dentro do próprio romance aparecem dados que são procedimentos parecidos ao adotado pelo escritor de Meshugá. O primeiro caso extremo narrado é o de Sarah Kofman. Seu caso torna-se idêntico ao do narrador, que ao escrever sobre outros escondia de si mesmo sua própria loucura. Mas eis que um dia desaba a barreira psicológica que a protegia de si mesma: “Sempre escreveu sobre o discurso dos outros, buscando recalcar ao máximo suas dolorosas palavras. Mas elas finalmente eclodiram, transbordando sentimentos tão adormecidos e escondidos, que ela não mais conseguiu suportar, tampouco sustentar e resistir ao pavor de suas reminiscências”.

O suicídio de Sarah depois do encontro consigo mesma, com aquela verdade que negava para manter-se viva, é relatado em sua circunstância objetiva e filosófica: “Ela toma um banho. Coloca sua camisola. Pega mais uma vez a sua autobiografia. (...) Está prestes a exorcizar tudo. Ela então toma todos os remédios que consegue. (...) Engole com prazer e angústia. Com desprezo e afobação. Nesses 20 minutos antes de apagar definitivamente, lembra-se mais uma vez de suas duas mães. Do pai. De Auschwitz.” E agora o resultado filosófico final, para o exame da humanidade: “Não, não há salvação para Auschwitz. Não, não há nada além da maldade humana. Não, não existe espécie alguma de arte ou de vida entre nós. ´Todos somos demasiadamente humanos e cruéis. Por isso eu escolho meu fim`, ela teria esbravejado diante do espelho, já sob efeito dos remédios.”

Uma das epígrafes do livro de Jacques Fux é o seguinte ditado iídiche: “S´iz shver tsu zayn a yid” (É duro ser judeu). As narrativas seguintes do livro não deixam por menos. Antes de elencar casos específicos, o narrador expõe casos dos absurdos relativos à crença de que os judeus são uma espécie de povo amaldiçoado. Leprosos, envenenavam as águas causando doenças e loucuras; de feiticeiros a bruxos, passaram em tempos modernos a sofrer com explicações científicas que insistiam na insanidade judaica. Povo sujo e tarado, como masturbadores viciados envelhecem cedo, pois não guardam o sêmen “para uma vida próspera”. Da antropologia recebem o veredito de que são mais loucos que as outras populações. Histeria e neurastenia torna-se coisa de judeu. Sua loucura deriva da consanguinidade e o incesto. Sexualizados e depravados, especialistas em cunnilingus, são tachados de pervertidos. O comportamento inato dessa “raça” gera as doenças e que o povo se afaste desse mal.

Seguindo os exemplos narrados por Fux, parece que a piada funciona.

1- Woody Allen e seu escandaloso caso “incestuoso” e pedófilo com a ninfeta coreana Soon-Yi, filha adotiva de sua esposa Mia Farrow;

2- Ron Jeremy, famoso ator pornô, com seu falo flamejante e encantador, um dos maiores pênis do cinema pornô, que transou com infinitas mulheres mas nunca encontrou o amor;

3- O matemático, Grisha Perelman, com sua obstinação em não receber os prêmios e cadeiras acadêmicas pelas suas fulgurantes resoluções de problemas matemáticos, inclusive resolvendo a conjectura de Poincaré, recusando o prêmio Clay no valor de um milhão de dólares e Bobby Fischer, ex-campeão mundial de xadrez, símbolo do patriotismo americano, que bateu palmas para a derrubada das torres gêmeas no 21 de setembro e deu uma entrevista a uma rádio dizendo que “já é hora de os malditos americanos terem suas cabeças chutadas. É hora de acabar com os EUA de uma vez por todas!”;

4- Otto Weiringer, suicida judeu e homossexual, que se matou aos 23 anos. Misto de gênio e louco, com ideias muito avançadas para a modernidade vienense, abusado pelo pai diante da mãe que não reagia, transferiu para sua teoria os desvios que escondia de si mesmo. Havia sido chupado pelo seu pai e obrigado a chupá-lo: “o judeu seria o grande especialista nas práticas do sexo oral: annilingus, fellatio e cunnilingus.” Autor de “Sexo e Caráter”, livro que Freud achava inconcluso e raso, Weiringer decidiu se suicidar na casa de Beethoven, onde alugou um quarto, ouvindo Richard Wagner. O suicídio como obra de arte. Desolado, anotou antes sua visão pessimista do homem: “O homem está sozinho no mundo, vivendo em um terrível e eterno isolamento. Não há objeto algum além dele; ele vive para nada; (...) ele está sozinho.” ;

3- A vida tresloucada de Daniel Burros, judeu fanático, suicida e antissemita transformado no maior intelectual da Ku Klux Klan;

4- Chegando, finalmente, em Sabbatai Zevi, judeu fanático que acreditava ser a encarnação do messias, vivendo no século XVII, deturpou o Torá, as palavras sagradas, para adaptá-las ao seu credo insano, chegando a dizer que flutuava e isso só não era visto pelas pessoas porque elas eram judeus impuros. Encontrou-se com outro fanático, Neemias, também crente em ser o messias, mas discordou de sua teoria da existência de dois messias. Acusado por Neemias de ser um judeu lascivo foi preso e pressionado a fazer algum milagre. Se fracassasse seria punido, só sendo salvo se se convertesse ao islamismo. Converteu-se à fé islâmica e viveu-a com a mesma paixão.

Esses casos, e outros, relatados em profundidade e com erudição por Jacques Fux, são atravessados por reflexões sobre a possibilidade da provável loucura dos judeus, ou de sua propensão a tal.

Entre os debates que intercalam os casos citados, há, por exemplo, a questão do humor e da neurose do povo escolhido. O humor serve para ofender e subjugar sem punição, com ele se debocham os colonizados dos colonizadores, os empregados dos patrões, os esquerdistas dos direitistas e por aí vai. No caso dos judeus, povo perseguido, “o humor é usado para se autodepreciar, tornando a própria situação inferiorizada ainda mais ridícula e miserável. O tal do ´humor do sorriso entre lágrimas`, como mencionou Freud.”

Segundo ainda Freud, haveria algo de proibido sendo dito no humor judaico, revelando a tensão entre judeus e sua revolta contra a eterna “questão do abandono, das constantes perseguições e extermínios, da loucura e da neurose”. É algo assim que produz um humor como o seguinte: “Prezadíssimo Deus, por 5 mil anos, nós orgulhosamente temos sido Seu povo escolhido. Agradecemos de coração esse presente. Mas, Você não acha que já chega? Escolha outro povo, por favor!”

Outra questão relacionada à loucura do judeu é sua obsessão por dinheiro, sua ganância. Talvez essa ideia tenha feito Freud relacionar o caráter anal ao acúmulo de capital. Mas ainda o cientista Krafft-Ebing tentou demonstrar cientificamente que por usar o cérebro incansavelmente para obter grandes lucros os judeus tornaram-se neurastênicos. O “tempo é dinheiro” alterou o paradigma e fez da “vida algo que não tenha mais tempo para ser vivida”.

Esses mitos e outros, tornados quase verdades absolutas, permeiam o livro de Fux, relacionando o comportamento alterado para o extremo com essas “pestilências”. Ao fim, o narrador se despede. “Ele aceita a dor e compreende humildemente todos os supostos loucos, suicidas e judeus”. Experimenta ao criar o romance as mesmas vertigens que assolaram outros criadores, está pronto para “pertencer” e sair por aí, inventando insanidades que só a literatura possibilita, sem se deixar morrer por elas. Nasce o escritor.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/1/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As iluminações musicais de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. The Good Wife visita Private Practice de Adriana Baggio
03. De como tipificar os sonhos de Ana Elisa Ribeiro
04. Verão, de J.M. Coetzee de Daniel Lopes
05. 2008 e os meus CDs de Rafael Fernandes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
04. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
05. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt - 21/2/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANDANDO EM CÍRCULOS
RICARDO MENDES
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 10,00



EL LIBRO DE URANTIA
URANTIA FOUNDATION
URANTIA FOUNDATION
(1996)
R$ 170,00



APRENDIZAGEM TOTALIZANTE
ELCIE F. SALZANO MASINI
MEMMON
(1999)
R$ 10,00



A DIVINA COMÉDIA - PURGATÓRIO
DANTE ALIGHIERI
34
(2008)
R$ 25,00



PÚBLICOS DA CIÊNCIA EM PORTUGAL
ANTÓNIO FIRMINO DA COSTA E PATRÍCIA ÁVILA S
GRADIVA
(2002)
R$ 22,33



PONTO DE PSICOLOGIA GERAL
CÉLIA SILVA GUIMARÃES BARROS
ED. ÁTICA
(1993)
R$ 15,00



CRÉDITO NO VAREJO PARA PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS
SÉRGIO KAZUO TSURU E SÉRGIO ALEXANDRE CENTA
IBPEX
(2007)
R$ 5,00



MANUAL DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - HP - C - 7674
JOSE DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1995)
R$ 18,00



O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
DAVID K. BERLO
FUNDO DE CULTURA
(1972)
R$ 12,00



DIARIO DE UM BANANA: MARE DE AZAR - VOL. 8 
JEFF KINNEY
V&R
(2014)
R$ 18,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês