A poesia afiada de Thais Guimarães | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> 20 Dias no Mundo dos Mortos ou 20 Dias no mundo da Outra Vida de Jorge Adoum pela Fund Cultural Avatar (1991)
>>> As brumas de Avalon 3 o gamo-rei de Marion Zimmer Bradley pela Circulo do livro (1992)
>>> Administração de Produção e de Operações - edição. compacta de Henrique L Corrêa; Carlos A Corrêa pela Atlas (2013)
>>> A Irmandade dos Sete Raios de Rodrigo Romo pela Madras
>>> Pai, Um Homem de Valor de Hernandes Dias Lopes pela Voxlitteris (2008)
>>> Volume 1: Terapia Artística - Introdução aos fundamentos da pintura terapêutica de Paul Von der Heide pela Antroposófica (1987)
>>> A Espiritualidade dos Animais de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Os Ensinamentos dos Essênios de Edmond Bordeaux Szekely pela Pensamento
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2007)
>>> Crescendo hush hush de Becca Fitzpatrick pela Intrinseca (2011)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2014)
>>> O Livro das Letras de Lawrence Kushner pela Madras (2002)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Marina de Carlos Ruiz Zafon pela Suma (2011)
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2004)
>>> Minha vida como traidora de Zarah Ghahramani pela Ediouro (2009)
>>> A menina que roubava livros de Markus Zusak pela Intrinseca (2011)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O leopardo de Jo Nesbo pela Record (2014)
>>> A livraria 24 horas do Mr. penumbra de Robin Sloan pela Novo Conceito (2013)
>>> Luxuria de Judith Krantz pela Record
>>> O Simbolismo do Corpo Humano de Annick de Souzenelle pela Pensamento
>>> O livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Best bolso (2009)
>>> O Hobbit de J R R Tolkien pela Martins Fontes (2012)
>>> A herdeira livro 4 serie a seleção de Kiera Cass pela Seguinte (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 3/10/2017
A poesia afiada de Thais Guimarães
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5200 Acessos



“Deixa... a escrita ser/ de palavras, lerda e rápida, cortante/ para atacar/ quieta para esperar,/ insone.” Esses versos de William Carlos Williams poderiam ser a epígrafe para o livro Jogo de Facas, de Thais Guimarães, publicado pela editora Quixote, de Belo Horizonte, em 2016.

Mas a epígrafe escolhida pela poeta para abrir seu livro, de autoria de João Cabral de Melo Neto, também não deixa de ter seu tom pesado no desejo de uma poesia “qual uma faca íntima/ ou faca de uso interno”. Podemos somar na densidade dos poemas do livro a luta da linguagem (a faca?) com os estratos da existência em sua dimensão cortante, insone e íntima.

João Cabral de Melo Neto escreveu um longo poema chamado “Uma faca só lâmina”, onde se percebe "a imagem de uma faca/ entregue inteiramente/ à fome pelas coisas/ que nas facas se sente". Aqui, no livro de Thais, o ordenamento de sentimentos, dramas, acontecimentos, não deixa de passar pelos cortes que a linguagem-faca tencionará a cada poema, matando essa fome que a lâmina-poesia tem de “alinhavar rasgos” da existência na linguagem. E a ideia de uma “faca só lâmina” de Cabral não deixa de ser a faca que ao cortar corta também seu portador. Por isso a escolha de Thais por uma poesia “faca íntima”, de “uso interno”. A linguagem vai alinhavar aquilo que ela própria cortou.

O livro é dividido em quatro partes: Planos de corte, Linhas de incisão, Prova de corte, Pontos de sutura. O que se desenha é o desenvolvimento do plano de corte ao ato da sutura como metáforas de uma linguagem que pretende esfaquear momentos da existência que são postos à prova a cada poema.

Uma aparição que chama a atenção no livro é a bela homenagem a poeta americana Sylvia Plath, com suas “palavra meteoro”, “palavra desterro” e a “sôfrega palavra - corte”, que indicam o caminho interno do próprio livro de Thais: esse jogo de facas perigoso como espécie de “último grito – abismo-”. A existência em crise é uma constante nas duas poetas, em Plath acaba na anulação da vida pelo suicídio, enquanto em Thais se resolve no poema “Sem título” como “uma ideia/ que perece/ sem ter sido”.

Afiados como uma lâmina, os versos de Thais tomam a vida como pretexto para a poesia. É na problemática da linguagem poética, “a mínima palavra/ o arremesso”, que a existência será redimensionada, mesmo sendo afiada “na frequência do silêncio”.

Uma bela metáfora para o sentido da poesia em si (e os sentidos da poesia de Thais) pode ser o poema “Leitura de mãos” que se propõe a “desafiar/ linhas rompidas// cavar/ plantar/ sementes desconhecidas// colher/ com luvas de aço/ as flores carnívoras do destino”.

Ferir o destino no preço que ele merece, colhendo-o como flor que é, com “luvas de aço”. Imagem forte para a poesia que apreende a vida devolvendo-lhe sua insensatez com a violência que a linguagem pode exercer.

Por isso, se em Maiakovski, como ele disse, “a anatomia ficou louca, sou todo coração”, em Thais não fica por menos o desvario anatômico no poema “às cegas” onde coloca o “caminho com o coração/ entre as pernas”. Cada coisa em seu não lugar, como desejam os bons poemas.

O desnorteamento da vida, que é o que a torna insone, como no poema “Desperta”, dá o tom existencial que sempre vai e vem na poesia de Thais: “nas dores miúdas da noite// vaso quebrado/ moído// espalho-me/ em cacos de vidro”. Desses cacos é que nasce a “outra meia verdade”, que é um reflexo de si mesma posado no espelho, como diz no poema “Nunca é tarde”.



A poesia também se faz catarse, dentro desse quadro de imagens cortadas e suturadas:



CATÁRTICA

descascar até o osso

sentir as falanges

em última instância

na jugular

apertar mais o pescoço

até sangrar

a língua

até que morra

à mingua

e se feche o ciclo

de tudo o que corrói



A luta da poeta com as palavras (e com a vida) perpassa todo o livro, fazendo com que o poema seja o lugar de uma batalha insana que se dá no momento da formação do verso por “palavras/ (as piores do tipo)/ ásperas” e a consequente leveza final no “último round” no seu apagamento:



ÚLTIMO ROUND

unidas pela raiva

as letras formam palavras

(as piores do tipo)

ásperas



dentro delas, um dragão

cospe fogo, longe



frases

piores ainda

unem

as piores palavras



queimam a língua

que as pronuncia

ferem o tímpano

que as capta



sob o manto rasgado

se esconde

um vocábulo

(violência)

delicadamente

apago



Esse apagar, que pode ser o desejo de evasão, retorna algumas vezes no livro de Thais, como no poema “Enquanto a espera é ponto”. Uma ave de porcelana quebrada “emudece na chuva/ lágrimas só lágrimas/ evaporam pela madrugada” e a libertação da dor, nas “mãos/ sem poesia/ nuas”.

A faca que corta seu portador é a poesia. A poesia que também descreve as mãos “nuas” que a escrevem como livres de sua dor. O fato da linguagem foi maior que a vida (que virou poesia) em si mesma.


Obs: A imagem usada neste texto é de autoria de Nuno Ramos (Lâmina) e a tradução do poema de W. C. Williams é de Andre Vallias.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/10/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
05. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
04. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
05. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto - 5/9/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Auditoria de Recuso Humanos
Angela Busse e Simone Manzoki
Ibpex
(2011)



Guias Praticos de Enfermagem - Geriatria
Isidoro Ruipérez / Paloma Llorente
Mc-graw-hill
(2000)



Guerra Civil 6ªreimpressão(2016)
Stuart Moore, Will Conrad, Michele Macculloch
Novo Século
(2014)



O último Encantamento
Mary Stewart
Best Seller



A equação de Deus
Corey S. Powell
ARX
(2005)



Lives of the Poets: Six Stories and a Novella
E. L. Doctorow
Avon Fiction
(1984)



Onze Minutos
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Augusto Rodrigues - 50 Anos de Arte: a Arte Como uma Anotação do Cotid
Jacob Klintowitz
Raizes
(1980)



Forez Velay
Lous Pize
B Arthaud
(1953)



Psiquiatria Em Face da Reencarnação
Dr. Inácio Ferreira
Feesp
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês