A ostra, o Algarve e o vento | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
>>> Lançamento da Ubook, 'Desditas Cariocas' traz contos inspirados nas temáticas rodriguianas
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> A terra das oportunidades
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Equipe econômica
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Superdicas para Empreender Seu Próprio Negócio de Ruy Leal pela Saraiva (2008)
>>> Paulo o 13º Apóstolo de Ernest Renan pela Martin Claret (2008)
>>> Cadenos Puc 11- Psicologia - Reflexões sobre a Psicologia de Pontificia Universidade Católica pela Cortez (2000)
>>> Era dos Extremos - O breve século XX 1914-1991 de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (1996)
>>> O Livro dos Médius de Allan Kardec pela Lake (2007)
>>> O Homem no Cotidiano - Alicerce do Paraíso de Meishu-sama pela Fundação Mokiti Okada (2010)
>>> O Racismo na História do Brasil - Mito e Realidade - Coleção História em Movimento de Maria Luiza Tucci Caneiro pela Ática (2003)
>>> Sobrevivente - Edição Slim de Chuck Palahniuk pela Leya (2020)
>>> O Reencontro de uma Família de Adriana Gumz pela Educarte (1998)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> Memórias do Trabalho: depoimentos sobre profissões em extinção de Luiz A. Egypto de Cerqueira pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos (1999)
>>> Quem esta escondido? - Estegossauro de Susie Brooks pela Ciranda Cultural (2017)
>>> A Mesa do Mestre-Cervejeiro - Descobrindo os prazeres das cervejas e das comidas verdadeiras de Garrett Oliver pela Senac (2012)
>>> Mistérios de Lygia Fagundes Telles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2009)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Como Calar o Acusador de David Alsobrook pela Atos (2010)
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Pro Net (1996)
>>> Eu escolho ser Feliz de Susana Naspolini pela Agir (2019)
>>> Eneida (Capa dura) de Virgílio pela Nova Cultural (2003)
>>> Windows on the World de Frédéric Beigbeder pela Record (2005)
>>> A Linguagem das Cores de René-Lucien Rousseau pela Pensamento (1991)
>>> As Sete Chaves da Cura pela Cor de Roland Hunt pela Pensamento (1993)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espirito Santo Neto pela Boa Nova (1997)
>>> Anjos e Demônios de Dan BrownS pela Sextante (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/9/2021
A ostra, o Algarve e o vento
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5900 Acessos

O quanto observei e andei por essa cidade, isto de nada adiantará para conhecê-la de fato, nem servirá de caminho de entrada para finalmente percorrer por dentro de sua circulação sanguínea. Admirar, sempre na distância, como uma paisagem a fugir e a se metamorfosear exata e fractal em veios moventes de ondas, em reflexos duros nas falésias. Vi janelas fechadas, janelas entreabertas, janelas acortinadas, mas nada me deixam ver das pessoas e do interior das casas. Não posso me aconchegar em peito algum, pois só bordejo pela saliência mais exterior das criaturas. Por outro lado, todos me veem e medem meus passos, desde as chaminés algarvias até os gatos de rosto maltratado pelo tempo árido e pelo mar, passando pelas gaivotas em transe orgíaco nas ilhotas do Martinhal pela manhã, ou então pousadas nas encostas da praia da Baleeira nos finais de tarde.

Quando saio do carro e sinto o vento, novamente, pela primeira vez, depois de um ano, ele que me gela a boca e me anestesia a língua, ele que se infiltra no corpo e encosta nos ossos, ele que lança areia velha nos meus olhos, que embaraça meus cabelos tal qual um ninho tecido e entrançado por animais, não seria ele homem que se desenha invisível em rajadas ininteligíveis, como o Saulo do romance A ostra e o vento, de Moacir Lopes? Na verdade, foi pouco o quanto já andei, e de nada sei, a não ser que há faróis piscando noturnamente no cabo de São Vicente e na ponta da Piedade, uma rosa dos ventos calcada na terra da fortaleza, capelas, ermidas, mitos de navegadores e infantes. Há pequenezas cotidianas e grandezas históricas misturadas, um gato preto e branco na beira do porto, que chamo de amore mio, raras figurações do Infante na A22 ou em alguns umbrais de residências. Aqui não vivi, e isso me deixa em desvantagem - nada, nada compreendo ao certo dessas coisas e dessas pessoas, apenas suponho, e erro, e bato a cabeça por pedras, e observo gaviões, e me afogo no mar.

Nessas praias, as conchas azul-marinho chegam quebradas. Pequenos caranguejos quedam mortos na linha de areia, deslizados pelas ondas que os comerão. O que é vivo se forma, se integra e desintegra, cedendo lugar a outras formas que abrem os olhos, veem a luz desses tempos, e expandem os alvéolos. E um enxame de algas, castanhas, grossas e fartas, que saem de todo o panorama, de todo o globo azul e verde, vêm a mim como uma enchente que me engole e me cospe, voltando para a labuta e a selvageria natural de onde vieram. Se pela manhã o sol desprende-se lívido, calmo e crescente, nas noites a lua é cheia, vermelha e alta, dominando o panorama negro e frio. O mar é luzidio ou tenebroso, os caminhos agrestes rentes ou interiores às falésias fervem, depois abrandam, formando um ciclo físico e palpável a se repetir nas mentes e nas sensações.

Acho que o que há de mais real e duro nesse pedaço longínquo de costa, que só mesmo dele e de mais nada é próximo, são mesmo essas altas e recortadas rochas, as formações das falésias, os precipícios dos pescadores e dos românticos, as bases e as paredes das construções de defesa e oração, já que tudo isto, ou seja, as palavras, ditas ou escritas, gritadas à quente dos canhões ou sussurradas na gelidez nas naves, é vento atirado ao vento, e as ações verdadeiras me são ocultadas em cinismos e consensualidades. Não, não haverá momento de sentarmos todos juntos dentro desses casebres, que por fora parecem luminosos, mas dentro se fecham obscuros, e esclarecemos os intentos, as angústias, e os desejos. E de que adiantaria algo semelhante? Se lá fora a superfície azulada de mar que encontra o céu é tão vasta, e os oceanos a navegar são repletos de riquezas e mistérios submarinos que apenas os mergulhadores deles se aproximam. As palavras que seriam ditas seriam palavras soltas e vazias, não verbos essenciais como as curvas dos ciclos naturais; tudo aqui é lançado ao vento, e as ações verdadeiras estão mais aninhadas no movimento maior e contínuo do que em uma pequena vida finita em órbita.

Sagres, 27 de julho de 2021.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 2/9/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. É um brinquedo inofensivo... de Cassionei Niches Petry
02. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
03. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
04. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
05. O assassinato de Herzog na arte de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
02. Errando por Nomadland - 5/8/2021
03. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
04. Lisboa obscura - 22/4/2021
05. Das construções todas do sentir - 20/5/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amores Possíveis
Paulo Halm
Objetiva
(2001)



O Menino Que Acordou o Rio
Claudia Lins
Cortez
(2012)



Folhetins: A semana Lírica - Martins Pena
Martins Pena
Mec/Inl
(1965)



Illustrated Young Readers English Dictionary
John Grisewood
Nova Fronteira
(1988)



Crescer Em Comunhão - Pela Força do Espírito Santo Volume V
Pe. José Geeurickx e Outros
Vozes
(1982)



Ven Espiritu Santo Renueva Toda La Creacion
Emilio Castro
La Aurora
(1990)



Pequena Abelha
Chris Cleave
Intrinseca
(2010)



Ser Mãe
Miraglia Orlandino Micheletti
Círculo do Livro
(1975)



O avesso do retrato
Angela Dutra de Menezes
Record
(1999)



Escola da Fama - Alcancando as Estrelas
Cindy Jefferies
Ciranda Cultural
(2009)





busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês