Errando por Nomadland | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
>>> O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia de Vladimir Lênin pela Abril Cultural (1982)
>>> O Hitler na História de John Lukacs pela Zahar Editores (1998)
>>> A Riqueza das Nações Volumes 1 e 2 de Adam Smith pela Abril Cultural (1983)
>>> Notas para a História do Centro Dom Vital (presença de Alceu) de Alceu Amoroso Lima; Riolando Azzi pela Paulinas (2001)
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/8/2021
Errando por Nomadland
Elisa Andrade Buzzo

+ de 7700 Acessos

As paisagens mágicas de Nomadland (2020), da diretora Chloé Zhao e vencedor do Oscar de melhor filme deste ano, não me impressionaram mais do que, por um tipo de ingenuidade minha, depreendi das interpretações e do modo como o filme não foi feito, mas que parece ser, justamente a um desavisado. O expediente emotivo a ser retirado do público seja pela música, pelo cenário ou pelo direcionamento segue a cartilha antiga. Ainda, não parece haver uma evolução da personagem principal no filme (a não ser no enfrentamento corpo a corpo com seu passado, que, ao final, não é mesmo algo diário mental e fisicamente, sempre às voltas com o deserto?), antes uma circularidade que, ao mesmo tempo em que dá uma noção de liberdade à personagem Fern (Frances McDormand), consiste em uma forma de prisão mental e desértica pelas escolhas e oportunidades que não lhe parecem atraentes o suficiente, ou mesmo pela falta de perspectivas.

Mas gostaria de falar sobre uma ilusão distinta de mimese que me causou a interpretação do elenco. Não tendo ido à sala de cinema com referências acerca do filme, nem conhecendo seus atores, nem mesmo sabendo que o roteiro se baseara em um livro, e que tudo aquilo, apesar de alguns personagens serem “reais” seria uma recriação de uma dada realidade de autocaravanismo nos Estados Unidos, a percepção que tive foi a de que aquilo era uma recriação não só plausível, mas verídica, de uma realidade em si.

Explico: Fern parecia ser uma personagem verdadeira, os eventos e relacionamentos pelos quais passou pareciam ser reais, no entanto, consistindo o filme em um documentário remontado (como se todos não o fossem) da sua própria existência, com sua própria “atuação”. Creio que foi uma mistura de personagens secundárias reais, com sua crueza de interpretação da sua própria pele, com certos atores (mormente McDormand e David Strathairn) que tornou a imitação da natureza tão veraz que aquilo que passava na tela só poderia ser a própria natureza se manifestando sem intermediações. Como isso não seria possível, a encenação ali colocada parecia consistir em reconstruções de retrospecto.

Há dois filmes de Jerry Lewis, já de uma fase para um público mais adulto, a despeito do tom de comédia, Boeing Boeing (1965) e Way... Way Out (1966), com interpretações suas que de certa forma caminham em um sentido contrário e também semelhante ao naturalismo de Nomadland. Nesses filmes, e em especial no último, parece haver um cansaço da pessoa real no ator que se apresenta, um pouco esforço naquilo que fácil parece ser. O pouco que ele faz já é muito e o suficiente para esses filmes consistirem no que são; não é preciso muito para o resultado final ser já o que ele é. E isso fica visível, esse fingimento fingido, esse ar exaurido para que tudo aquilo acabe logo. Ou então a facilidade que se adivinha na tela encobre um grande trabalho por detrás disso, tão natural a ponto de nos enganar? Se Nomadland me enganou... A própria visibilidade sutil do processo (seja em acreditarmos miraculosamente nele, ou em desacreditarmos patentemente) resulta em uma quebra de contrato, mesmo o espectador sempre sabendo que tudo é mimese.

Por sua vez, as paródias, mimese depreciativa e engraçada da própria mimese, como Spaceballs (1987), têm o mecanismo de endossar as falhas, autodenegrir e degenerar as interpretações intencionalmente. Elas tornam claro que aquilo se trata mesmo de uma ilusão, uma brincadeira sacanamente forjada com a dificuldade adicional de necessitar criar um novo espaço de relações dentro da referencialidade anterior já estipulada. Os atores estão presentes com a tarefa difícil e complexa de mostrar em uma espécie de entrelinha de sua interpretação que sabem que o público sabe que aquilo se trata de um produto cinematográfico de categoria rebaixada, e que é exatamente isto que ele busca naquela sessão.

Ou mesmo nas regravações de clássicos, que por sua vez em certos casos também consistem em clássicos ainda fortificados, pode haver uma piscadela implícita nos olhares entre os atores principais, tornando aberto o fingimento de que compactuam, não só entre eles, mas junto a quem está do outro lado da tela. Em An Affair to Remember (1957), Deborah Kerr e Cary Grant parecem em sua interpretação antever que estão diante do público. Há uma leve e desconcertante comicidade expressada pelo casal no célebre melodrama, que por sua vez consiste na simulação de algo que já fora simulado, certamente de forma mais sisuda. Os atores não tentam nos dissuadir daquela ficção, enquanto outros filmes iludem sem nos avisar... Errei em Nomadland, mas foi por me deixar errar pelo filme que julguei encontrar especificidades em seu belo e inusitado jeito de fingir algumas dores.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 5/8/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sim, é possível ser feliz sozinho de Luis Eduardo Matta
02. Carta de um jovem contestador de Rafael Rodrigues
03. O underground e o Estado de Evandro Ferreira


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Errando por Nomadland - 5/8/2021
02. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
03. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
04. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
05. Lisboa obscura - 22/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Watercolor Flower Painters a to Z
Adelene Fletcher
North Light Books
(2001)



A Vida e Bela no Trabalho
Dominique Glocheux
Sextante
(2005)



El Cuento de La Isla Desconocida
José Saramago
Punto de Lectura
(2002)



Todos somos irmãos: Reflexões autobiográficas (como novo)
Mahatma Gandhi
L&pm
(2021)



Amor de a a Z
Rose Marie Muraro
Sextante
(2003)



Casamento por Conveniência
Jennifer Probst
Leya
(2014)



O Elo da Gestão de Carreira
Cláudio Queiroz; Christiane Leite
Dvs
(2011)



Poesias completas
Mário De Andrade
Círculo do Livro



Tratado de Enfermagem Médico-cirurgica Vol 3
Outros; Lillian Sholtis Brunner; Suzanne C.
Guanabara Koogan
(2002)



O Amor é a Melhor Estratégia
Tim Sanders
Sextante
(2003)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês