Errando por Nomadland | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> The Secret Passage Stage 4 - A2 de Paloma Bellini pela Hub (2011)
>>> Pluralidade como corolário da liberdade sindical de Cláudio Cesar Grizi Oliva pela Ltr (2011)
>>> Pela Moldura da Janela de Lourdinha Leite Barbosa pela Topbooks (2011)
>>> Administração Financeira de A. a Groppelli e Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2010)
>>> Client/server Architecture de Alex Berson pela Mc Graw Hill (1992)
>>> Caso Em Família de Rex Stout pela Francisco Alves (1977)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Sessenta Anos Passados: Estórias de um Médico Não Especialista de Affonso Renato Meira pela Scortecci (2016)
>>> The New Direct Marketing: How to Implement a Profit-driven... de David Shepard Association pela Irwin Professional Pub (1998)
>>> A Graça da Coisa- 25ªedição de Martha Medeiros pela L&pm Editores (2013)
>>> Metapesquisa Em Comunicação - o Interacional e Seu Capital Teórico.. de Maria Ângela Mattos pela Sulina (2018)
>>> Linguagem e Persuasão - 8ªrevista e Atualizada de Adilson Citelli pela Atica (2004)
>>> O Melhor da Super de Alexandre Versignassi pela Abril (2013)
>>> Psicologia Educacional de Nelson Piletti pela Ática (2008)
>>> O que é Pesquisa em Educação? de Potiguara Ácacio pereira pela Paulus (2005)
>>> Quando a graça de Deus nos toca de PR. Marcio Valadão pela Igreja batista da alagoinha (2009)
>>> Os Grandes Mitos da Feminilidade de Iwonka Blasi pela Record Rosa dos Tempos (1996)
>>> Andanças de Oroncio Vaz de Arruda Filho pela Nobel (1987)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> Novo Codigo de Processo Civil ao Alcance de Todos de Marcelo Fonseca Guerreiro; Larissa Moreira Zottis pela Ltr (2016)
>>> Comentário ao Regime Processual Experimental de Luis Filipe Brites Lameiras pela Almedina (2007)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho. de Acordo Com o Novo Pcp de Mauro Schiavi pela Ltr (2016)
>>> Bate-papos Educacionais na Internet de Erisana Célia pela Appris (2019)
>>> Motivación 360 de David Fischman / Lennia Matos pela Gestion 2000 (2014)
>>> O Saber e Seus Embates de Cesar Augusto Battisti; Joao Antonio pela Sulina (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/8/2021
Errando por Nomadland
Elisa Andrade Buzzo
+ de 8600 Acessos

As paisagens mágicas de Nomadland (2020), da diretora Chloé Zhao e vencedor do Oscar de melhor filme deste ano, não me impressionaram mais do que, por um tipo de ingenuidade minha, depreendi das interpretações e do modo como o filme não foi feito, mas que parece ser, justamente a um desavisado. O expediente emotivo a ser retirado do público seja pela música, pelo cenário ou pelo direcionamento segue a cartilha antiga. Ainda, não parece haver uma evolução da personagem principal no filme (a não ser no enfrentamento corpo a corpo com seu passado, que, ao final, não é mesmo algo diário mental e fisicamente, sempre às voltas com o deserto?), antes uma circularidade que, ao mesmo tempo em que dá uma noção de liberdade à personagem Fern (Frances McDormand), consiste em uma forma de prisão mental e desértica pelas escolhas e oportunidades que não lhe parecem atraentes o suficiente, ou mesmo pela falta de perspectivas.

Mas gostaria de falar sobre uma ilusão distinta de mimese que me causou a interpretação do elenco. Não tendo ido à sala de cinema com referências acerca do filme, nem conhecendo seus atores, nem mesmo sabendo que o roteiro se baseara em um livro, e que tudo aquilo, apesar de alguns personagens serem “reais” seria uma recriação de uma dada realidade de autocaravanismo nos Estados Unidos, a percepção que tive foi a de que aquilo era uma recriação não só plausível, mas verídica, de uma realidade em si.

Explico: Fern parecia ser uma personagem verdadeira, os eventos e relacionamentos pelos quais passou pareciam ser reais, no entanto, consistindo o filme em um documentário remontado (como se todos não o fossem) da sua própria existência, com sua própria “atuação”. Creio que foi uma mistura de personagens secundárias reais, com sua crueza de interpretação da sua própria pele, com certos atores (mormente McDormand e David Strathairn) que tornou a imitação da natureza tão veraz que aquilo que passava na tela só poderia ser a própria natureza se manifestando sem intermediações. Como isso não seria possível, a encenação ali colocada parecia consistir em reconstruções de retrospecto.

Há dois filmes de Jerry Lewis, já de uma fase para um público mais adulto, a despeito do tom de comédia, Boeing Boeing (1965) e Way... Way Out (1966), com interpretações suas que de certa forma caminham em um sentido contrário e também semelhante ao naturalismo de Nomadland. Nesses filmes, e em especial no último, parece haver um cansaço da pessoa real no ator que se apresenta, um pouco esforço naquilo que fácil parece ser. O pouco que ele faz já é muito e o suficiente para esses filmes consistirem no que são; não é preciso muito para o resultado final ser já o que ele é. E isso fica visível, esse fingimento fingido, esse ar exaurido para que tudo aquilo acabe logo. Ou então a facilidade que se adivinha na tela encobre um grande trabalho por detrás disso, tão natural a ponto de nos enganar? Se Nomadland me enganou... A própria visibilidade sutil do processo (seja em acreditarmos miraculosamente nele, ou em desacreditarmos patentemente) resulta em uma quebra de contrato, mesmo o espectador sempre sabendo que tudo é mimese.

Por sua vez, as paródias, mimese depreciativa e engraçada da própria mimese, como Spaceballs (1987), têm o mecanismo de endossar as falhas, autodenegrir e degenerar as interpretações intencionalmente. Elas tornam claro que aquilo se trata mesmo de uma ilusão, uma brincadeira sacanamente forjada com a dificuldade adicional de necessitar criar um novo espaço de relações dentro da referencialidade anterior já estipulada. Os atores estão presentes com a tarefa difícil e complexa de mostrar em uma espécie de entrelinha de sua interpretação que sabem que o público sabe que aquilo se trata de um produto cinematográfico de categoria rebaixada, e que é exatamente isto que ele busca naquela sessão.

Ou mesmo nas regravações de clássicos, que por sua vez em certos casos também consistem em clássicos ainda fortificados, pode haver uma piscadela implícita nos olhares entre os atores principais, tornando aberto o fingimento de que compactuam, não só entre eles, mas junto a quem está do outro lado da tela. Em An Affair to Remember (1957), Deborah Kerr e Cary Grant parecem em sua interpretação antever que estão diante do público. Há uma leve e desconcertante comicidade expressada pelo casal no célebre melodrama, que por sua vez consiste na simulação de algo que já fora simulado, certamente de forma mais sisuda. Os atores não tentam nos dissuadir daquela ficção, enquanto outros filmes iludem sem nos avisar... Errei em Nomadland, mas foi por me deixar errar pelo filme que julguei encontrar especificidades em seu belo e inusitado jeito de fingir algumas dores.


Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 5/8/2021

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta para Sonia Rodrigues de Adriana Baggio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Errando por Nomadland - 5/8/2021
02. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
03. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
04. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
05. Lisboa obscura - 22/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria da Norma Jurídica
Norberto Bobbio
Edipro
(2005)



Meu Romeu
Leisa Rayven
Globo Livros
(2015)



Inplantnewsperio International Journal - V-1 Nº 3 Abril-maio 2016
Vm Cultural
Vm Cultural



A Comissão de Valores Mobiliários e os Principais Instrumentos
Julio Ramalho Dubeux
Sergio Antonio Fabris
(2006)



Vivo
Anita Ganeri
Melbooks
(2007)



Dreamweaver 8
Silvana Tauhata Ynemine
Visual Books
(2006)



Dao de Jing O Livro do Tao
Laozi
Mantra
(2017)



Dc Comics Coleção de Graphic Novels - um Milhão: Parte 1
Varios Autores
Dc Comics



Total Hydronic Balancing
Robert Petitjean
Tour & Andersson AB
(2004)



Hobbes - Leviathan uma Visão Teológica
E. B. F. Midgley
Nermann
(1988)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês