Um antigo romance de inverno | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/2/2021
Um antigo romance de inverno
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4100 Acessos

Afinal, passaram-se as três semanas do ano em que Lisboa para mim é mais bela: cinzenta, tranquila, etérea e cerrada sobre si mesma; e quando tive meu último romance com ela – sem aquela claridade característica intensa, que é sua marca registrada. Mas que dizer dessa cidade em sua luz fraca e tenra de inverno, diante da qual seus prédios rebrilham tímida e docemente suas cores pastéis, a não ser que é sua imagem que prefiro e me apaixono? São os últimos dias de janeiro, dos quais neste ano se tiveram notícia como: “O sexto janeiro mais quente no mundo foi ‘muito frio em Portugal’” e “Há 11 anos Portugal não consumia tanta electricidade num só dia”.

Passaram-se essas três semanas de janeiro, afinal, no casulo quente da casa, longe dos passeios gelados e vigorosos pela cidade, mas sob os holofotes das telas de computadores e das luminárias de leitura. Pelas janelas dos carros e das casas, uma bruma de chuva, um vento fino feito de água, uma revoada atípica de gaivotas estrepitosas, resquícios daquela abóbada cinzenta que me acompanhava. Já é fevereiro, e ainda é inverno, e me dei conta de que, no final das contas, neste ano não tive meu affair anual de inverno com Lisboa. Resta-me a lembrança imprecisa e remota de alguns deles, cuja distância, afinal, os coloca no devido lugar ao qual pertencem.

Paredes de pedras lisas e beges, que mal parecem gastas nos labirintos calmos e tremeluzentes em sombras e luzes da manhã. O tempo esgarça-se e fecha-se sobre si mesmo, e estamos apenas imersos dentro da praça do comércio. Passa-se por aquelas camadas temporais de navios, vendedores, marinheiros, reis, senhoras, personagens desfilando centrados e ausentes, e somos tomados por uma estrutura de sensações que difere do gás, do sólido, do líquido, que diverge do eterno verão por ser translúcida e deslocada. E eu só sei o que quer dizer: esquecer e ser esquecido; e, quem sabe um dia: lembrar e ser lembrado.

Por isso, apenas se passa por alguns momentos por aqueles corredores e por aquele pátio de poeira, não se fica lá por muito tempo. Antes, por lá nunca realmente se está, pois não mais pertencemos ao terreiro do paço. Ele é uma ideia instalada na mente da cidade, e nem que mil passos sejam por sobre ela dados ela passará novamente do ideal para o sensível. E como no pico do inverno lisboeta se anda por sobre essa ideia inconsciente, sem se ter conta da gravidade majestosa que é lá estar, olhos acesos e confortáveis.

Entrando mais adentro desse pensamento, em que acaba por se firmar num plano cinzento um arco-íris decadente e domesticado, que se avista mesmo que sem volume, uma aquarela tépida de rosas, amarelo, verde e azul claros pontuada na paleta da cidade invernal... É essa luz filtrada pela abóbada branca na praça dos restauradores, que me detém na esquina do éden e me dá uma claridade de claraboia. Mas, como em um sonho em que não se consegue forçar a ação, sou levada a subir a avenida, abaixo dos galhos pontiagudos dos plátanos nus, levada pela lisura das pedras, divisada pelos canteiros de flores antigas, e pelas esculturas de soldados e sábios, sugada pelas escadarias sombrias dos metrôs. E, se havia borboletas e projéteis num campo de lavanda ao céu aberto, o inverno pré-pandemia afinal termina no último vento lançado pelas carruagens esvaziadas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 11/2/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Democracia envelhecida de Vitor Nuzzi


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
02. Errando por Nomadland - 5/8/2021
03. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
04. Lisboa obscura - 22/4/2021
05. Das construções todas do sentir - 20/5/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês