Salão do Livro para crianças | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
Mais Recentes
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
>>> Teorias da Arte de Anne Cauquelin pela Martins Fontes (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/9/2005
Salão do Livro para crianças
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Belo Horizonte foi palco, de 11 a 21 de agosto, do 6º Salão do Livro e Encontro de Literatura. Desde a primeira edição, tenho não só acompanhado o evento, mas principalmente observado as proporções que os organizadores propõem entre a feira de livros (com supostos melhores descontos) e as atividades culturais, como mesas-redondas, entrevistas e palestras com escritores e oficineiros. E é essa proporção a que mais varia, quase sempre em detrimento dos encontros literários.

Desde a terceira edição que venho participando mais do que como visitante. Sempre, ainda bem, se lembram de mim para fazer algo muito prazeroso. Em 2002, entrei no estande da editora mineira Autêntica para lançar um livro organizado pela sensacional professora Carla Coscarelli, da Faculdade de Letras da UFMG. Carla estava sorridente, como quase todo organizador ou autor, e eu fazia parte do sumário com um capítulo derivado de minha dissertação de mestrado. Foi um encontro de pesquisadores e não tinha cara de festa literária.

Em 2004, o convite foi ainda mais gostoso. Uma tenda de circo, lotada de gente ansiosa, sediaria um supersarau. Seis poetas mineiros leriam ao público poemas de outros e próprios. Ricardo Aleixo apresentou sua poemática multimídia, soberbamente, sob os aplausos dos mais modernos. Carlos Ávila mostrou uma intervenção mais próxima do "banquinho e violão". As pessoas se concentraram menos, mas respeitaram o poeta bissexto. Chacal, do Rio, leu os poemas que todos esperavam. Era, afinal, o nome de fora. A turma do jornal Estilingue, da Faculdade de Letras, trouxe poesia e barulho para o circo. Leram e gritaram no palco. Minha apresentação, também no molde de Ávila, expôs poemas que considero infinitamente belos. Fiz questão de mostrar Adília Lopes aos que jamais ouviram falar nela (mesmo com uma bela coletânea lançada pela 7letras). E qual não foi minha surpresa quando saí dali com a nítida impressão de que as pessoas gostam, sim, de poesia e os espetáculos se "vendem" facilmente. O circo literário montado ali havia sido um sucesso de público e crítica. Os sorrisos não pareciam forçados e não havia grandes protocolos a seguir. O show era de graça e alguns nomes de prestígio haviam sido o melhor marketing para o evento.

Lembro de pessoas assoviando como num show de rock, e de alguns com livros nas mãos como quem pedia autógrafo. Também observei pessoas de todas as idades. Uns com jeito de habitués dos poucos festivais que acontecem na cidade; outros, com jeito de aprendizes. As crianças perscrutando as palavras. Gostando da forma do ritual. E não havia confusão. Era uma festa literária.

Flashes espocavam num ou noutro ponto da arquibancada cheia. Ao final, na descida do palco, estudantes de jornalismo vinham fazer matérias sobre os escritores. Matérias que saíram em jornais-laboratório e ganharam notas boas!

De tudo aquilo, ficou o sabor de festa e a conclusão de que nós podemos fazer eventos literários que dão quorum. Sim, podemos. Mas alguns de nós não querem.

O 6º Salão do Livro, neste ano, trouxe estandes de distribuidoras e livrarias aos borbotões. Quase nenhum desconto muito diferente do que se consegue normalmente. A ênfase foi nos livros infantis, que, dizem, vão formar novos leitores. Os pais, ávidos, atacam as bancas que vendem livrinhos a 1 real, mas sei lá eu se compram para si os livros feitos para adultos, que se espremem entre as bancas de best-sellers à procura de uma literatura mais urgente.

Achei uma banca só da Planeta. Estavam lá, a preço de banana, Santiago Nazarian e uns portugueses menos conhecidos. Ninguém comprava, mas as capas mereciam atenção.

Editoras quase não apareceram, até porque em BH não as há com tanta profusão. Revi alunos, ex-alunos, colegas, amigos. Perdi mesas-redondas interessantes, como uma sobre "Literatura e Erotismo", da qual fazia parte o amigo paulistano Luiz Roberto Guedes, autor do belíssimo Calendário Lunático (Ciência do Acidente).

Todos os dias, às 18h30, havia um encontro marcado com um escritor conhecido. Como o salão deste ano homenageava Fernando Sabino, o "Encontro Marcado" era proposital. Estiveram por aqui Luiz Ruffato, Rubem Alves, Affonso Romano de Sant'Anna, Silviano Santiago e outros. E a cada encontro, um outro escritor era convidado para entrevistar o pivô do evento. E lá estava eu, na quarta-feira, para entrevistar Adélia Prado.

Mesmo com toda a tarimba que tenho para falar em público e entrevistar pessoas, ainda senti um friozinho quando deparei com ela e seus respeitáveis cabelos brancos de poeta assumida. Fiz as perguntas que realmente me interessavam. A relação com a criação, com o livro, com o editor, com a literatura. Fabrício Marques, poeta e coordenador do evento, estava ali, calmo como sempre, me dando a segurança que ninguém mais poderia dar naquele momento. As luzes do palco, muito brancas, ofuscavam a platéia, mas era possível ouvir quando riam das histórias e das respostas que Adélia dava às questões mais corriqueiras. E da entrevista saí reconfigurada. Como aquela poeta é diferente desta! Como ela é mulher, como é mística, como é doce! E esta minha rudeza ensaiada que não sei se será, um dia, vantagem para a poesia.

Eu teria vergonha de dar a Adélia um livro meu. Teria a preocupação de não feri-la com meu horror às cenas de amor explícito. Ela me mostrava, ali, poeticamente, que não abre mão da mais pacata vida familiar, que estudou por prazer, mas orgasmo mesmo ela tem é cosendo as calças do marido e apertando botões nas camisas dos filhos. Na mais perfeita sinceridade, Adélia lia, para todos nós, um poema em que conta que gosta de acordar de madrugada, seja lá a hora que for, para limpar os peixes que o marido pescou. Não para servi-lo, mas para estar a sós com ele na cozinha, esbarrando os cotovelos, na mais enamorada cena de casal. E como aquilo era vigoroso nela! E como não o é em mim!

Quando a entrevista acabou, deixei o local às pressas para ir trabalhar. No caminho, pensei que talvez eu estivesse mesmo dando valor demais às coisas erradas. Mas como saber? Tenho 30, Adélia tem 70. Somos duas poetisas avessas. Tenho ainda 40 anos de reflexão.

No domingo, dia 21, houve mais mesas-redondas, uma das quais, a que não poderia faltar, coordenada pelo escritor Sérgio Fantini, punha em pauta a produção literária mineira nos últimos 25 anos. Luís Giffoni, Marcelo Dolabela e Alécio Cunha falaram do tema, com direito a lista de revistas importantes e nomes batidos e rebatidos por aqui.

O evento terminou às 22h, com o show da banda The Jingles. Mais do que uma banda que toca paródias engraçadas, cada música é um bloco em que os músicos se mostram tão atores quanto outra coisa. Afora os vozeirões do vocalista e da vocalista principais, a platéia tem acessos de riso especialmente na esquete em que a música "Construção", de Chico Buarque, vira o primeiro exame de um rapaz tímido com o proctologista. Ri muito. De sair com câimbras na barriga. E concluí que o Salão do Livro ainda merece mais espaço nesta cidade.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler, escrever e fazer contas, só que hoje de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




6ª Bienal de Design Gráfico
Varios
Sesc
(2002)



Bela Distração (vol. 1 Irmãos Maddox)
Jamie Mc Guire
Verus
(2016)



A Academia de Leonardo - Lições Sobre Ética
Fabio Benites . Bruno Perrone, Mizael Silva
Ciência Moderna
(2012)



A Ciência Médica de House
Andrew Holtz
Best Seller
(2007)



Snoopy 6 - Como Você é Azarado, Charlie Brown! - Livro de Bolso
Charles M. Schulz
L&pm Pocket
(2011)



Livro - As Três Irmãs Contos
Tchekhov
Abril Cultural
(1979)



Plano de Ataque - A História dos vôos de 11 de setembro
Ivan Sant`anna
Objetiva
(2006)



A Descoberta do Amor
Helena Maurício Craveiro Carvalho
petit
(1996)



Natal de Sabina (pelo Espírito de Francisca Clotilde)
Francisco Cândido Xavier
Gemm
(1973)



Terapia de Vidas Passadas
Célia Resende
Nova Era
(1999)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês