Hitler e outros autores | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/1/2016
Hitler e outros autores
Marta Barcellos

+ de 2800 Acessos

A primeira polêmica de 2016 já tem dono — e que dono. Adolf Hitler, e seu livro Mein Kampft (Minha luta), oferece todos os pré-requisitos e apelos midiáticos para protagonizar as infindáveis discussões polarizadas tão comuns no nosso tempo: preconceito X politicamente correto; liberdade de expressão X discurso de ódio, extrema direita X extrema esquerda, regulação X livre mercado.

Os direitos sobre a obra antissemita e de propaganda nazista pertenciam ao governo da Baviera, que proibiu sua reedição até que o livro se tornasse de "domínio público", o que acontece este ano. Agora, a sorte está lançada: nem que seja em busca dos 15 minutos de fama, os polemistas de plantão vão pregar radicalismos de um lado e de outro. O senso comum, pelo que li até agora, é de que eventuais novas edições devem ser comentadas e contextualizadas, de forma a evitar que a obra seja usada ideologicamente.

Ao mesmo tempo em que a tecnologia da comunicação, hoje, nos permite conhecer radicais em todo canto do planeta — assim como ajuda estas pessoas a se organizarem —, os pesquisadores não param de encontrar vestígios de preconceito — sob a luz dos valores atuais — em nossos ídolos do passado.

Mahatma Gandhi, segundo o livro O great soul, do ex-editor executivo do New York Times Joseph Lelyveld, era racista e pedófilo. Na nossa literatura lusófona, descobrimos que, além de Monteiro Lobato, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa também eram francamente racistas. Na coluna do escritor José Eduardo Agualusa, no Globo, surpreendo-me com o seguinte texto de Pessoa:

"O caso do Brasil é típico. Confirma (...) que os territórios sujeitos a excessos climáticos, como o calor intenso e a umidade excessiva, não são aptos a criar raças autóctones susceptíveis de civilização. (...) A escravatura é lógica e legítima; um zulu ou um landim não representa coisa alguma de útil neste mundo. Civilizá-lo, quer religiosamente, quer de outra forma qualquer, é querer dar aquilo que ele não pode ter. O legítimo é obrigá-lo, visto que não é gente, a servir os fins da civilização."

Obviamente, não devemos mudar nossa percepção sobre uma obra artística em função do que hoje consideramos defeitos de caráter. Lobato continua sendo Lobato, Pessoa continua sendo Pessoa. Muitas leitoras, nestes tempos de conscientização feminista, passaram a perceber ranços machistas nas obras dos melhores escritores. Já li estudos, por exemplo, sobre o machismo em Jorge Amado: fazem todo sentido, e não me dei conta quando li todos os seus livros na adolescência.

Por isso a questão da "contextualização" é tão importante — seja na publicação marqueteira do livro de Hitler, seja na leitura das aventuras de Pedrinho. O racismo já foi eugenia que já foi ciência — e hoje ficamos, com razão, chocados com a mentalidade da época.

É nesta hora que me surge uma reflexão: com que tipo de preconceito atual — do que não damos conta da existência - as gerações futuras ficarão chocadas quando forem nos pesquisar?

Tenho um palpite a respeito dos avanços de uma minoria ainda cercada de tabus e vítima de abusos de poder. As crianças. Acredito que no futuro todos ficarão horrorizados quando souberem que os pais e "responsáveis" podiam torturar crianças, psicológica e fisicamente, como se fossem proprietários delas. Um dia, ainda vamos conseguir um jeito de proteger melhor essa minoria — e quem sabe melhorar ainda mais a humanidade. Feliz futuro novo - sem preconceitos - para todos!



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/1/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A medida do sucesso de Fabio Gomes
02. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos
03. O 'casamento' de Martin Scorsese e DiCaprio de Eduardo Maretti
04. O que em mim sente está lembrando de Ana Elisa Ribeiro
05. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Human Condition Critical
Luc de Schepper
Publishing
(1993)



Atlas des Peuples Deurope Occidentale
Jean Sellier, André Sellier, Anne Le Fur
La Découverte
(2000)



A Hight Interest Rate Trap: the Making of the Brazilian Crisis
Carlos Fernando Lagrota R. Lopes
Bndes
(2003)



Cadê as Roupas do Papai Noel?
Martin Chatterton
Fundamento
(2015)



Nada a Perder 3 - do Coreto ao Tempo de Salomão: a Fé Que Transforma
Bispo Macedo
Planeta
(2014)



The Best Womens Stage Monologues of 1991
Jocelyn A. Beard
A Smith and Kraus Book
(1992)



La Argentine - Deuxiéme Edition
Odina Sturzenegger Benoist
Karthala
(2006)



Um Novo Olhar Sobre Teixeira e Sousa
Rose Fernandes
Foco
(2018)



Processo Judicial Tributário
Paulo Cesar Conrado
Gen; Método
(2014)



Rita Você-é-um-doce
Telma Guimaraes M. de Castro Andrade
Atual
(1991)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês