Isto não é um trote | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/7/2015
Isto não é um trote
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

"Eu te ligo daqui a pouco porque está entrando outra chamada. Alô?" "Oi, Marta, o meu nome é ...". Putz, acho que recusei o pedido de amizade dele ontem no Facebook. "Eu sou o ..." Ai, meu deus, que frescura essa de recusar quem não conheço, sem nem olhar onde trabalha! E, finalmente: "Você foi a vencedora do Prêmio Sesc de Literatura, na categoria contos, e isto não é um trote."

Não era um trote. A que ponto chegamos: boas notícias são tão raras que seu portador precisa fazer a ressalva, em nome da credibilidade. Claro que, a partir daí, tive dificuldades em escutar direito qualquer outro tipo de informação. "Foram... inscritos... recorde de... cerimônia no mês... Academia Brasileira de Letras."

Eu deveria guardar sigilo por alguns dias, até o anúncio oficial. Isto foi repetido e isto eu gravei. Olhei na tela do meu computador e ali estava, iniciada, a próxima coluna mensal do Digestivo. O tema: concursos literários. Juro, isto não é um trote. Digo, não é uma licença de cronista. A ideia era falar da tradição dos concursos sob pseudônimos para revelar talentos, e também de um novo prêmio para contistas que tinha me chamado a atenção, no qual as boas vendas dos contos, autopublicados na internet, valem pontos para sagrar-se finalista. Novos tempos.

Na tal coluna, eu pretendia fazer um texto mais jornalístico, sem me expor muito. Sem entrar no detalhe dos muitos concursos de contos que perdi e dos poucos (dois) em que ganhei alguma coisa (o segundo e o oitavo lugar). Até o telefonema que não foi trote, eu era apenas mais uma contista tentando emplacar, de tempos em tempos, um concurso literário.

E foram contistas assim, mas devidamente revoltados, que fui encontrar dois dias depois, na página do prêmio no Facebook, quando se iniciou a estratégia de divulgação. Nos comentários, pessoas desconfiadas da lisura da premiação, melindradas porque não houve menções honrosas na edição deste ano e, poucas, contemporizando e parabenizando as duas vencedoras ― eu e Sheyla Smanioto, que concorreu na categoria romance. Mil e novecentos e sessenta e quatro escritores se inscreveram e não ganharam o prêmio, e tinham toda razão de estarem chateados.

E agora? Como falar de concurso literário, depois de vencer um tão importante? Eu não deveria mais escrever a coluna. Poderia parecer cabotino (depois das redes sociais, alguém ainda se lembra desta palavra?). Ainda mais porque o texto já escrito (isto não é um trote) estava bastante elogioso em relação a concursos como o do Sesc:

"Concursos literários são uma tradição para revelar novos talentos. Se a crítica vem sendo questionada em seu papel, os concursos vêm se mantendo como espaço de relativa credibilidade para a avaliação de obras ― dependendo, claro, das práticas e do prestígio conquistado por cada um em anos anteriores.

Quem já participou destes concursos, como autor ou jurado, sabe da complexidade envolvida no processo de se tentar medir e selecionar talentos, muitas vezes entre milhares de obras inscritas sob pseudônimo. Para compor o júri, são contratados escritores, acadêmicos e profissionais da literatura que, sobrecarregados, assumem uma missão com aura romântica: a de identificar a obra notável no palheiro, o gênio na multidão.

Injustiças acontecem, claro, e obras notáveis devem passar despercebidas por causa do mau humor de um jurado ou de uma modinha contemporânea. De forma geral, porém, os vencedores destas provas "às cegas" costumam exibir uma qualidade literária incontestável, o que acaba por validar todo o processo ― embora os editores mais práticos sempre apontem para o abismo entre a literatura então revelada e o gosto médio do público leitor.

Por todas as observações acima, fiquei curiosa sobre um novo concurso de contos lançado este mês, que parte de outros pressupostos. Seria o concurso do futuro?"


Era aí que eu pretendia falar do "Brasil em Prosa", lançado em junho pela Amazon e pelo jornal O Globo ― o tal em que, para estar entre os 20 finalistas, e ser avaliado pela comissão de escritores e críticos, é preciso antes demonstrar algum fôlego comercial. Para quem acalenta o sonho de "ser descoberto", romanticamente, apenas por sua obra, um balde de água fria. Mas, talvez, seja este o empurrão que os milhares de escritores que não serão contemplados precisavam para encontrar seus leitores, na autopublicação em formato digital, sem precisar da "loteria" dos concursos. Será?

Agora que ganhei um concurso, um "à moda antiga", a responsabilidade de ficar dando pitacos aumenta. É como se os vencedores se tornassem especialistas em concursos, e a escritora Luisa Geisler (que ganhou o prêmio Sesc duas vezes, uma na categoria contos e outra em romance) já falou sobre isso, e até deu dicas importantes como "coloque seus melhores contos no começo do livro, para conquistar logo os jurados".

Confesso que eu, ainda digerindo o fato de não ser um trote, não tenho conselhos a dar. Minha expectativa agora está toda voltada para a edição do livro, chamado Antes que seque, com edição da Record e previsão de lançamento em novembro. Mas não dava para jogar no lixo a coluna sobre concursos literários, depois do tal telefonema, dava?

Nota do Editor
Confira a Marta na página do Prêmio Sesc de Literatura ;-)


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 3/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. O primeiro assédio, na literatura - 13/11/2015
03. Uma entrevista literária - 11/12/2015
04. O gueto dos ricos - 20/3/2015
05. Dando conta de Minas - 7/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês