Quem é o abutre | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/2/2015
Quem é o abutre
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

Durante muito tempo, em conversas onde eu não era conhecida como jornalista, lancei mão de uma espécie de piada particular: quando o assunto descambava para reclamar da "imprensa sensacionalista", eu rapidamente engrossava o coro: "Jornalista? Ô, raça. Mataram a Lady Diana." Alguém sempre achava que aí eu estava exagerando.

Não que eu defenda a tal imprensa carniceira. Longe disso. Na verdade, sempre acreditei que o papel do jornalista profissional deve ser exercido com responsabilidade, e pensando na sociedade, não na audiência fácil. No entanto, me irritava com a hipocrisia de não se reconhecer o interesse que existe pelo sensacionalismo (muitas vezes, naquela própria roda), como se ele fosse apenas fabricado por jornalistas inescrupulosos.

Dezoito anos depois da morte da Lady Di, o assunto continua em pauta, e voltou a ser explorado em dois filmes que disputam prêmios do Oscar de 2015, cerimônia que será transmitida no próximo 22 de fevereiro. Tanto em O abutre, de Dan Gilroy, como em Garota exemplar, de David Fincher, as tramas violentas só se desenvolvem graças à existência de câmeras e jornalistas ávidos por transformar notícias em entretenimento popular.

Os filmes não ignoram que já se foi o tempo em que se podia culpar apenas a imprensa formal pela baixa qualidade do noticiário ou da audiência - o tempo antes da internet e dos gadgets, quando não seria possível a qualquer um, como hoje, viralizar qualquer baixaria captada por um celular. Em Garota exemplar, por exemplo, não falta a perua sem noção que quer tirar selfie sorridente tendo como pano de fundo a tragédia. Em O abutre, qualquer um consegue vender sua filmagem chocante para a emissora de TV decadente. Ou seja, a massa de mídias, ao invés da mídia de massas, não aumentou o senso de responsabilidade nesta intermediação - muito pelo contrário.

Mesmo assim, nos dois filmes, a tradicional imagem de jornalistas "abutres" e sem escrúpulos, invasivos e munidos de câmeras implacáveis, é explorada à exaustão. Porém, o desenrolar das histórias acaba revelando uma complexidade maior por trás do fenômeno, no qual ninguém parece ser inocente.

A primeira dica de que sequer se trata de fenômeno novo está em um improvável casal de vilões escondido por trás da intrincada trama de suspense de Garota exemplar. São os pais de Emy - de semblante imperturbável e marketing afiado - quem há décadas exploram a imagem da filha (Rosamund Pike, candidata a melhor atriz). Desde antes da TV ou da internet sensacionalista, eles já escreviam livros infantis sobre a personagem "Emy exemplar", garotinha loira, talentosa e perfeita que substituía com ganhos a filha real - que logo aprendeu a ser feliz apenas parecendo feliz. Isso tudo antes dos selfies, dos reality shows ou do Facebook. Nada mais natural, portanto, que ela tentasse aplicar a fórmula ao seu casamento: "Fomos felizes fingindo ser outras pessoas: o casal mais feliz que conhecíamos", diz Amy, sobre a relação com o marido vivido por Ben Affleck.

Do outro lado, como fãs atentos ao desempenho da Emy perfeita, sempre estiveram os ávidos leitores, que compravam livros e enriqueciam sua família, gratos por lhes proporcionar tal "entretenimento do real". Com o desenrolar da trama, porém, este mesmo público inocente mostrará seu viés carniceiro, e dará audiência às especulações sensacionalistas em torno do desaparecimento da personagem - personagem que é percebida como "do público" e por isso acaba radicalmente retribuindo a essa expectativa.

A reflexão sobre quem de fato é o abutre - o jornalista, o público ou o mesmo o personagem que vibra com sua imagem transformada em carniça frente às câmeras - continua no filme estrelado por Jake Gyllenhaal, injustamente não indicado na categoria de melhor ator.

Assim como Emy encarna de forma radical a "personagem-espetáculo", o Louis Bloom de O abutre assume o papel extremo de "mestre-do-espetáculo", com a desconcertante cumplicidade de toda a sociedade a sua volta. E com o endosso de um discurso econômico, tecnológico e corporativo, que tudo justifica.

Como um impessoal empreendedor, Bloom sequer aparenta ser o abutre do título, tamanha sua frieza diante da dor alheia. Afinal, a carniça não é para consumo próprio: será servida aos outros.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Invasão literária nos cinemas de Lucas Rodrigues Pires


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. Dando conta de Minas - 7/8/2015
04. Quem é o abutre - 6/2/2015
05. O gueto dos ricos - 20/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MARNIE
WINSTON GRAHAM
ABRIL
R$ 7,00



A ORIGEM DAS ESPÉCIES
CHARLES DARWIN
TECNOPRINT S.A
(1987)
R$ 28,00



OS OCEANOS
NÃO CONSTA
GT
(1980)
R$ 5,00



LEI DE MURPHY DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS
EDUARDO GORGES
BRASPORT
(2007)
R$ 10,00



O DISCÍPULO VERDADEIRO
WILLIAM MAC DONALD
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 12,00



MIRO MARAVILHA
PEDRO BLOCH
EDIOURO
R$ 8,00



DESVENDANDO A MENTE DO INVESTIDOR: O DOMÍNIO DA MENTE SOBRE O DINHEIRO
RICHARD PETERSON
CAMPUS
(2008)
R$ 170,00



A ARCA DE NOÉ
LUCY COUSINS(RECONTADO E ILUSTRADO POR)
BRINQUE-BOOK
(1996)
R$ 43,00



O CIMO DO MONTE, COLECÇÕES DOIS MUNDOS
IRWIN SHAW
LIVROS DO BRASIL
(1979)
R$ 16,75



NOUVELLES TECHNOLOGIES: NOUVEAU MONDE?
LA PENSÉE (REVISTA) NÚMERO 326 DE 2001
PUF
(2001)
R$ 23,28





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês