Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída... | Gabriela Vargas | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/8/2007
Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
Gabriela Vargas

+ de 17000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

São muitos os livros que marcam época, mas poucos prevalecem com o enredo atual em um tempo em que tudo é descartável, do celular aos amores. E isso se torna mais surpreendente ainda quando se trata de um livro que, mesmo tendo sido lançado na década de 80, continua a ser polêmico em pleno século XXI, como Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída... (Bertrand Brasil, 2003, 320 págs.), o que acaba por provar que o modo de vestir pode mudar, as tendências podem ser outras, a música e o jeito de falar também, porém sempre existirão dilemas universais, independentemente da época em que vivamos.

Esse livro nasceu a partir de uma declaração dada pela então jovem Christine F. de 15 anos, em 1978, num tribunal em Berlim, quando respondia a uma acusação por uso de drogas. Kai Hermann e Horst Rieck, que assistiram ao depoimento, escreveram o livro a partir do depoimento de Christiane e de pessoas que se ocuparam dela durante o período em que se passa a história, nos permitindo ter diversas perspectivas sobre os fatos ocorridos.

O livro é uma narração sobre a vida de Christiane da infância até os quinze anos, sua mudança de um vilarejo de poucos habitantes para a grande Berlim, o começo do envolvimento com as drogas leves até a dependência física por drogas pesadas, principalmente a heroína, e sua total decadência.

Desta forma, o livro acabou se tornando muito mais do que um relato verídico sobre o mundo das drogas, pois mostra como isso vem a acontecer, os problemas da própria sociedade que levam um jovem a trilhar por esse e outros caminhos, como a prostituição, a delinqüência, a mentira, o suicídio. No prefácio, Horst-Eberhard Richter nos introduz muito bem a isso, dizendo:

"Na realidade, Christiane e centenas de milhares de crianças e adolescentes só se afastaram do nosso mundo por decepção, porque os adultos não lhes souberam dar a imagem de uma comunidade humana em que eles tivessem seu lugar, à qual eles gostariam de se integrar e na qual encontrassem compreensão, segurança e calor."

No caso de Christiane isso ocorreu, principalmente, por causa da liberdade exarcebada que sua mãe lhe deu, tornando-se permissiva nos momentos em que mais precisava ser firme, como se essa atitude fosse o pagamento de uma dívida por não ter tido tal liberdade na adolescência. Além, é claro, da violência com que o pai tratava a família durante a infância de Christiane, que além de física, era moral, negando que tinha esposa e filhas na frente dos amigos.

Em certos momentos, surgia em mim um sentimento de pena daquela mãe que sempre quis proporcionar o melhor para a sua filha, mas que, por não dar a atenção que a filha precisava num momento tão importante de transição, acabou por perdê-la para o mundo das drogas e se tornou impotente perante essa situação.

Porém, engana-se quem pensa que o livro trata apenas sobre as drogas, e talvez seja por isso que ele tenha feito tanto sucesso, pois, além desse problema, existia uma adolescente como outra qualquer, que tinha sonhos, medos, namorados, primeira vez...

"Minha conversa preferida era imaginar o que faríamos, Detlef e eu, se tivéssemos bastante dinheiro. Compraríamos uma casa grande, um carrão, móveis, tudo de muita classe. Sonhávamos com um monte de coisas, menos com a heroína."

Observamos, ao longo da narrativa, esses e outros dilemas de uma menina que estava a descobrir o mundo, a crueldade das pessoas, a competição, uma menina que resolveu criar o seu próprio mundo para não viver nesse, uma menina sensível demais, crítica demais e que acabou por se perder no mundo das drogas. No começo, esse mundo parecia mais interessante por proporcionar viagens que lhe faziam esquecer da realidade, mas aos poucos só lhe trouxe mais problemas, tristeza e insegurança, logo a deixando desamparada e sozinha nas suas próprias frustrações.

"O que quer dizer essa de 'proteção do meio ambiente'? Para começar, é ensinar as pessoas a viverem juntas. É isso que deveríamos aprender nessa escola, a se interessar uns pelos outros, em vez de cada um querer ser mais do que o outro, ser mais forte do que o cara ao lado e passar o tempo todo fazendo malandragens para ter uma nota melhor."

Talvez por ter somente dezesseis anos, eu possa dizer que esses sentimentos são comuns em nós, jovens, de uma hora para outra arrancados de nossas bolhas de cristal onde tudo é perfeitamente lindo e verdadeiro e jogados num mundo em que o individualismo impera soberano e onde não importam os métodos para se conseguir o desejado, desde que se consiga.

Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída... obviamente entrará na minha lista de favoritos, pois consegue ser um livro que fala sobre adolescentes sem ser restrito aos adolescentes. É um livro para todos, para os que já foram adolescentes, para os que têm medos, angústias, inseguranças, para aqueles que são dependentes químicos, alcoólatras, que têm algum tipo de problema ou simplesmente para qualquer pessoa que queira sentir. Um livro demasiadamente humano.

Para ir além






Gabriela Vargas
Porto Alegre, 30/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
03. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
05. Nós o Povo de Marilia Mota Silva


Mais Gabriela Vargas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/9/2007
16h43min
[Leia outros Comentários de Marcelo Spalding]
18/9/2007
2. Tabu
12h21min
Resenha objetiva, clara e reveladora sobre um assunto polêmico, quase um tabu na nossa sociedade que tem que aprender a lidar de forma mais aberta e educativa com esta mazela.
[Leia outros Comentários de Paulo Almeida]
19/9/2007
11h40min
Parabéns, Gabi. Texto lindo e intenso. Realmente está nascendo uma grande escritora.
[Leia outros Comentários de Jeanne]
1/10/2007
08h12min
Sua bela e envolvente resenha me fez recordar de forma comovente a leitura desse maravilhoso e enfático trabalho. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Regina Ribeiro]
18/8/2008
17h21min
Texto muito intessante e conciso. Meus parabéns pela iniciativa. Este livro deveria ser lido nas escolas por aqueles que nesse período de transição precisam tanto de um norte e de um lugar seguro para se sentirem amados e importantes!
[Leia outros Comentários de Laiza Oliveira]
25/10/2008
01h54min
Não tive oportunidade de ver o filme, mas creio que o livro seja melhor, até porque pode ter mais detalhes interessantes. O livro me "aprisionou" quando comecei a ler... É daquele tipo que, quando se começa, não se quer parar - aliás, justamente o que aconteceu com Christiane, Babsi, Detlef e tantos outros, mas com as drogas... Na minha concepção o livro é MUUUITOOO bom, eu recomendo!!! (P.S.: acho que acabei me viciando pelo livro... hehehehe)
[Leia outros Comentários de Deisi Flesch]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês