Despindo o Sargento Pimenta | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/7/2008
Despindo o Sargento Pimenta
Luiz Rebinski Junior

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Investir em informações que durante muitas décadas soaram apenas como mera especulação é a característica mais cativante de Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band ― um ano na vida dos Beatles e seus amigos (Conrad, 2007, 256 págs.), livro escrito pelo jornalista Clinton Heylin que investiga em detalhes a feitura do álbum mítico dos Beatles, lançado em 1967.

Entre as investidas de Heylin, talvez a que mais chame a atenção é a afirmação de que Pepper é uma criação quase que exclusiva de Paul McCartney, relegando, dessa forma, a John Lennon, por vezes exaltado como o gênio do grupo, um papel secundário. Apesar de não ser propriamente nova a informação (que sempre soou como especulação), Heylin apara as arestas e mostra os fatos de forma convincente por meio de uma investigação minuciosa. Em um trabalho de garimpo, vai buscar em arquivos declarações que validem suas insinuações. Utiliza, por exemplo, uma entrevista de Lennon, em 1980, para provar que foi Paul quem construiu aquele que seria apontado por muitos como o disco mais revolucionário da música pop de todos os tempos.

"Fiquei um pouco ressentido depois por causa desse álbum. Eu tinha uma vida mais suburbana na época, com mulher e filho, enquanto [Paul] ainda agitava na cidade, solteiro e saindo bastante. Ele preparava algo para uma música ou um álbum e me ligava dizendo: 'É hora de ir para o estúdio. Escreva algumas canções'. Ele já tinha tudo preparado, com idéias e arranjos prontos, enquanto eu começava do zero. Em Sgt. Pepper, que também foi idéia dele, consegui fazer [...] 'A day in the life', sob pressão e em apenas dez dias. Mesmo assim, eu participava mais no começo. Depois, eu meio que sucumbi ao casamento e à comida".

As palavras de Lennon revelam não só a distância dos membros do grupo no processo de elaboração do disco, mas também deixam transparecer que Pepper foi o começo do fim da banda, outra suspeita que sempre suscitou muitas dúvidas entre os fãs do grupo.

Muito além de mero comentário faixa-a-faixa, Heylin recria o contexto cultural e musical que forjou o ambiente ideal ao aparecimento de Pepper. Tal efervescência ficaria conhecida como psicodelia. Para contar a história de Pepper, Heylin narra a saga de bandas como Pink Floyd e Beach Boys, grupos que à época estavam tão inclinados ao som viajandão que começava a pipocar no underground inglês quanto os Beatles. O Floyd, liderado ainda por Syd Barrett, gravava seu primeiro disco, The piper at the gates of a dawn, no mesmo estúdio que os Beatles, o que facilitava a troca de informações entre os integrantes das bandas. Heylin disseca também o embate velado que Brian Wilson, o líder e cabeça dos Beach Boys, travava com os Beatles, tentando a todo custo produzir uma obra que rivalizasse com o ainda inédito, mas já muito comentado, álbum "psicodélico" dos Beatles. Wilson, infelizmente, sucumbiria à missão de fazer um disco à altura de Pepper, pois não conseguiu terminar Smile, o disco que ficou conhecido como um dos grandes fiascos do rock.

Elemento central na psicodelia inglesa dos anos 1960, o LSD surgiu como a grande fonte de inspiração para os jovens da época que se arriscavam a fazer música. E claro que os Beatles também sentiram a influência da nova droga que surgiu e rapidamente foi glamorizada por gente importante como o escritor Aldous Huxley. O mais irônico da história é que Pepper, à época (e ainda hoje) eleito como símbolo máximo da psicodelia nascente, foi concebido pelo mais careta dos Beatles. Paul McCartney era o certinho da banda, enquanto Lennon "estava muito fora na época [...] porque tomava uma quantidade enorme de ácido". Isso coloca em xeque muitos significados que as letras do disco adquiriram por conta do ambiente altamente tóxico em que foi concebido. "Lucy in the sky with diamonds", composta por Lennon, não tem nada a ver com LSD (o título da canção seria uma referência à sigla pelo qual o ácido é conhecido) e seus efeitos. É mais uma das histórias mal contadas que ganhou ao longo dos anos contornos verossímeis. O que para muitos é uma ode à viagem lisérgica, na verdade é fruto de um ingênuo exercício escolar. A música foi feita a partir de um desenho de Julian, filho de John, em que a criança imaginava Lucy, uma coleguinha de escola, em um "céu com diamantes".

Com a mesma incisão, Heylin desconstrói outra verdade absoluta que se conta sobre Pepper e que freqüentemente é citada como um dos grandes méritos do álbum: sua unidade conceitual. É incontestável que a idéia de subtrair os intervalos entre as faixas foi o "pulo do gato" do disco. Mas a idéia de um álbum fechado em um conceito artístico, tal como uma ópera-rock, só existiu na cabeça dos mais exaltados. Isso fica claro nas palavras de George Martin, o quinto elemento, que também tem sua participação contestada por Heylin, ao falar sobre a disposição das faixas. "Percebi que tínhamos um conjunto muito curioso de canções, na verdade pouco relacionadas umas às outras, músicas díspares. Observando o todo, eu comecei de fato a me preocupar se não estávamos sendo um pouco pretensiosos, um tanto metidos a espertos".

O que não significa que Heylin conteste o valor artístico do álbum ― apesar de ser bastante crítico com relação aos pequenos (mas duradouros) desencontros difundidos ao longo das décadas acerca da realização de Pepper. Além disso, Heylin enumera ao longo de sua grande reportagem, as barreiras conceituais e mercadológicas que o disco derrubou antes mesmo de ser iniciado, como a decisão dos Beatles de não sair mais em turnês, nem lançar compactos (discos com apenas duas canções que tinham como único objetivo disputar posições nas paradas de sucesso), rompendo com um dos pilares da indústria fonográfica da época. Heylin enumera os prós e contras do disco de forma bastante lúcida, o que, felizmente, não faz de seu livro um panfleto de louvação a uma obra em que o elogio vem sempre acompanhado de um ar de déjà vu.

A tão propagada influência que Bob Dylan exerceu sobre o grupo, sendo crucial no momento em que os Beatles rompem com o tipo de música que vinham fazendo antes de Revolver, é esmiuçada a ponto de deixar os fãs do FabFour ruborizados. O respeito messiânico que os Beatles tinham por Dylan fica claro quando McCartney mostra ao ídolo em primeira mão o acetato de "Tomorow never knows" (música de Revolver) e tem como resposta um irônico "ah, já sei, vocês não querem mais ser bonitinhos". Apesar de todo o sarcasmo, Dylan mais uma vez estava certo. A partir de Revolver, os Beatles elevariam o nível de suas canções e partiriam para uma empreitada audaciosa. E com certeza, Dylan seria peça fundamental nessa ruptura. A forma com que o artista rompeu com o público folk em Newport, alguns meses antes, ao eletrificar seu som, certamente teve grande influência nas decisões que os Beatles tomaram antes de gravar Pepper. Harrison, um dos mais afetados pela poesia de Dylan e que décadas depois tocaria com o ídolo no Traveling Wilburys, chegou a declarar em 1966 que "tudo o que fizemos até agora foi lixo, do modo como vejo hoje. Outras pessoas podem gostar do que fizemos, mas nós não nos enganamos".

E foi esse pensamento de mudança estética que permeou as gravações de Pepper, que contou também com inovações técnicas até então inéditas na música pop. E muito da magia do disco se deve às soluções de estúdio, que hoje soam corriqueiras, encontradas pelos Beatles para idéias inicialmente abstratas. Foi realmente surpreendente como a banda concebeu sons que naquela época eram impossíveis de se ouvir em uma canção pop gravada no limitado sistema de quatro canais. Mas ainda assim, apartado das experimentações técnicas, o disco se sustenta por si só. Ainda hoje, músicas como "A day in the life" e "With a little help from my friends" guardam um frescor impressionante, enquanto outras, como "Getting Better" e "Lovely Rita", entrariam em qualquer parada de sucesso pop dos últimos 40 anos.

Deixando de lado o alegre misticismo que cerca Pepper, o jornalista Heylin fez um livro crítico e de apuração exemplar, que revela ao leitor o exato valor de uma obra que sintetizou uma época. Tudo isso sem um pingo de tietagem.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 16/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá de Elisa Andrade Buzzo
02. Ossos, mulheres e lobos de Eugenia Zerbini
03. Lear e Potter de Ricardo de Mattos
04. Plágio de Daniel Bushatsky
05. A aura da música de Luiz Rebinski Junior


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/7/2008
15h41min
Parabéns, Luiz. A matéria está cativante. Mas uma das coisas q mais provam nossa sujeição cultural é q temos o primeiro, o segundo e, quiçá, o terceiro maior compositor individual da música pop de todos os tempos e, se um jornalista nativo contar a história deles, dificilmente chegaremos a editar o livro em mais q 3 idiomas. Quanto mais se contarmos peculiaridades da vida deles, como as dos ídolos da língua inglesa. Sabemos a cor das ceroulas dos roqueiros internacionais quando promoveram "revolutions" na música e, se morrem, então, sabemos até se a empadinha encontrada na dissecação era de palmito ou de camarão. As gentes do primeiro mundo só têm conhecimento de nossos gênios se um dos ídolos internacionais assume que foi influenciado pelo ídolo tupiniquim. Temos pelos menos 5 dos 10 mais geniais compositores em atividade e o mundo não conhece nossa música. A ñ ser quando um Pedro Ribamar se transforma em Peter Ribasea ou um Roberto Alves vira Bob Elvis. Ah, se este comentário fosse em Braile!
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês